logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 31 jul 2012 às 21:02
França vence Argentina e embola grupo A

Por Henrique Lima A vitória francesa agora há pouco sobre a Argentina (71 x 64) escancarou que o torneio olímpico de basquetebol é muito mais imprevisível e forte do que pensávamos. Se a vitória apertada dos brasileiros contra os donos da casa (67 x 62) foi um sofrimento sem fim, o jogo entre duas forças […]

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Ricardo Stabolito Jr.

Por Henrique Lima

A vitória francesa agora há pouco sobre a Argentina (71 x 64) escancarou que o torneio olímpico de basquetebol é muito mais imprevisível e forte do que pensávamos.

Se a vitória apertada dos brasileiros contra os donos da casa (67 x 62) foi um sofrimento sem fim, o jogo entre duas forças do grupo A foi equilibrado, mesmo que os argentinos estivessem longe da apresentação fora de série que tiveram contra a Lituânia (pode ter sido uma atuação exceção, pelo nível do que foi apresentado) e os franceses mais atentos – contando com a boa participação de atletas coadjuvantes, como Mikael Gelabale ou Kevin Seraphin.

Pelo lado hermano, ficou claro que o tripé Scola-Ginobili-Delfino tem que funcionar em sua totalidade. Carlos Delfino não fez uma grande partida, cansou de se precipitar nos arremessos e a infelicidade nas decisões influenciou na qualidade de sua partida. Por mais que Pablo Prigioni e Andres Nocioni se esforçassem, faltou também alguém do banco de reservas entrar e mudar o panorama. Scola e Manu simplesmente não podem sentar. Fica claro que, somente com os cinco grandes nomes, o time hermano terá sofrimento para fazer os jogos mais pesados e físicos.

O time francês dá um bom recado para quem achou que a pesada derrota para os Estados Unidos, na estreia, seria a toada do seu basquetebol. Tony Parker se encontrou melhor e Nicolas Batum esteve vivo. Boris Diaw também criou problemas com seu jogo alternando ação dentro e fora do garrafão ofensivo, embora tenha cometido faltas idiotas na defesa e ataque.

O equilíbrio no basquetebol masculino está evidente e será bem interessante assistir aos jogos que definirão os cruzamentos das quartas-de-final. Pelo lado da Argentina, ainda haverá duelos contra Tunísia, Nigéria e Estados Unidos. A França encara Lituânia, Nigéria e Tunísia.

Pelo Grupo B, teremos nossa seleção contra russos, chineses e espanhóis. Garantia de basquetebol de alto nível e, esperamos, menos sofrimento do que a apertada vitória de hoje.

Lembrando que a Nigéria venceu a Grécia e República Dominicana no Pré Olímpico Mundial. Não é um time da elite mundial, mas não seria nada estranho passar por sufoco para superá-los ou até uma derrota, caso se menospreze o jogo nigeriano. A lição grega, de semanas atrás, está aí na mente de muitos.

E acredito que a maior preocupação argentina no momento é saber o que fazer sem Manu Ginobili e Luis Scola na quadra. O que demonstra que todos os times têm pontos fracos para que os adversários se aproveitem. O mesmo vale para os franceses sem Tony Parker ou os russos sem Andrei Kirilenko.

É bom ficarmos de olho no grupo A, pois além de ser o confronto brasileiro nas quartas-de-final, o nível do espetáculo vale cada minuto da ação. Hoje, tivemos um belo jogo de basquetebol.

  • Sérgio Soares

    Pela sequencia de jogos, se o Brasil se classificar em terceiro e a França confirmar o favoritismo contra seus próximos adversários, classificando-se em segundo, os dois se enfrentariam nas quartas. Seria muito melhor pegar a França do que a Argentina não acha Ricardo?

    • Ricardo Stabolito Jr.

      Vou deixar a pergunta para o Henrique, Sérgio. Ele é o autor do texto. Eu só postei aqui por ele.

  • RafaelRox

    Pro estilo de jogo do Brasil é mais fácil pegar a frança mesmo.. mas num dia que Tony Parker e Batum estiverem mal rsrsrsrr..!
    Porque o Tony Parker inspirado sozinho ganha de uma seleção brasileira rsrsrsr.
    A argentina tem Manu Ginobili outro do Spurs que pode dar muita dor de cabeça.

  • Hugo Nathan

    Prefiro pegar a França. Nosso garrafão deita no deles. Se o perímetro fizer o jogo da vida, brigamos bem pelo bronze.

  • Dedé

    qualquer um é pedreira, mas acho q tony parker joga demais, prefiro evitar este armador espetacular!!!!!!!!!!!

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados