logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 11 fev 2014 às 15:45
O novo caminho de P.J. Hairston

Zeca Oliveira comenta a situação do ala-armador de 21 anos, que brilha na D-League após deixar o basquete universitário

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Ricardo Stabolito Jr.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=mBYGqSnmFnw]

Por Zeca Oliveira (@gotoguy_)

No ano passado, Glen Rice Jr. fez um trajeto tortuoso para chegar à NBA. Dispensado pela equipe da Universidade Georgia Tech por conta de uma série de problemas de conduta, o ala-armador resolveu deixar a faculdade no terceiro ano de estudos para jogar profissionalmente na D-League. Na época, o jovem não parecia ter perspectivas otimistas na carreira e não poderia estar menos cogitado para ser escolhido no draft. No entanto, após um início lento, ele tornou-se um dos principais jogadores do Rio Grande Valley Vipers e foi campeão da liga sendo MVP das finais. Assim, saiu da quase obscuridade entre os universitários para ser quase uma escolha de primeira rodada no recrutamento de 2013. Realizou seu sonho.

Situação muito semelhante está sendo protagonizada agora, um ano depois de Rice, pelo ala-armador P.J. Hairston. Ex-aluno da Universidade da Carolina do Norte, ele foi impedido de atuar pela NCAA por causa de problemas com a lei e de disciplina. Na última offseason, o prospecto de 21 anos foi flagrado pela polícia dirigindo um carro que estava ligado a um criminoso e teria recebido benefícios proibidos para um jogador amador (leia-se, dinheiro e outros bens materiais). Estas são dois dos exemplos das besteiras que ele vinha fazendo em sua carreira universitária.

Para não deixar o sonho de jogar na NBA ficar mais distante, Hairston decidiu partir para a D-League (assinou com o Texas Legends, do treinador Eduardo Najera e do pivô Fab Melo) com o objetivo de continuar diante dos olheiros de franquias e ser selecionado no próximo draft. O resultado? Ele vem atuando de forma espetacular e mantém ótimas chances de chegar à melhor liga do mundo. Em dez partidas, o ala-armador acumula médias de 26.3 pontos, 4.5 rebotes, 2.3 roubos de bola e 38.8% de aproveitamento nos arremessos de longa distância. Isso sem contar que já teve duas partidas de 40 pontos em tão pouco tempo como profissional – na vitória sobre o Valley Vipers (40) e na derrota contra o Reno Bighorns (45).

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=YbR4EbQIn1Q]

Tenho certeza que muitos aqui, assim como eu, também acham que a NCAA exagera nas punições e interfere demais na vida pessoal dos estudantes-atletas às vezes (e, para quem não faz ideia do que estou falando, recomendo assistir ao filme “Um Sonho Possível”). Enfim, eu discordo de muitas das atitudes da NCAA e fico preocupado quando outra liga abre as portas para os jogadores que foram suspensos do basquete universitário. Jogar na D-League ainda não é algo benéfico aos prospectos, sobretudo pensando na projeção lá em junho – os universitários têm ampla vantagem aos olhos dos recrutadores –, mas o simples fato de ser uma solução para os alunos indisciplinados que desejam escapar das regras da NCAA e chegar à NBA já é algo que muda um pouco o panorama geral.

Eu não tenho nada contra Hairston. Na verdade, se querem saber mesmo, ele é um dos meus maiores ídolos no basquete hoje: está se comportando bem ultimamente e fazendo curso à distância para se formar antes mesmo do recrutamento. Eu não gostaria, porém, de vê-lo sendo selecionado em uma escolha muito alta para – indiretamente – evitar que o artifício de usar a D-League como “ponte” para a NBA torne-se uma prática corriqueira.

Nota do editor: Atualmente, Hairston é considerado uma provável escolha de primeira rodada. Rice Jr. também era antes do draft do ano passado, mas acabou caindo até a 35ª posição e está no elenco do Washington Wizards.

Para mais de Zeca Oliveira sobre basquete universitário e NBA visite o blog Go-to Guy Brasil

[polldaddy poll=7790301]

  • Luiz

    Grande trabalho do Zeca Oliveira. Havia feito uma pergunta sobre P.J. Hairston na semana passada, que foi muito bem respondida pelo Ricardo Stabolito. Sem dúvidas, o jumper é o melhor site brasileiro de basquete.
    A respeito do jogador, concordo totalmente com o Zeca, é um ala-armador que aprecio muito, com muita habilidade para arremessar do perímetro, no entanto, começar a escolher jogadores da D-League em escolhas altas, fará com que outros atletas quebrem as regras da NCAA, recebendo incentivos financeiros de empresários e migrem para a D-League. Em compensação, a liga de desenvolvimento ficaria muito mais forte e iria passar por uma grande expansão.
    Contudo, acredito que as franquias não vão seleciona-lo na primeira rodada, mas sim, no começo da segunda rodada. Vir diretamente da D-League, acaba perdendo prestígio perante os scouts, mas ainda assim, P.J. Hairston é um grande jogador e pode vir a ser um steal no draft de 2014.

    • Ricardo Stabolito Jr.

      Luiz, obrigado pelos elogios. Vou repassar também ao Zeca. Obrigado mesmo. Abraço!

  • Do mesmo jeito que você fica passível a uma linha de conduta questionável (problemas com indisciplina e outros) você dá a chance de que apareçam um novo Michael Beasley

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados