logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 22 out 2014 às 16:45
Previsão da temporada – Portland Trail Blazers

Uma das surpresas da última temporada aposta na manutenção da base para seguir no topo do Oeste

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Ricardo Stabolito Jr.

Portland Trail Blazers

2013-14: 54-28, 4º lugar na conferência Leste
Playoffs: eliminado nas semifinais de conferência pelo San Antonio Spurs em cinco partidas
Técnico: Terry Stotts (terceira temporada)
GM: Neil Olshey (terceira temporada)
Destaques: LaMarcus Aldridge e Damian Lillard

Time-base: Damian Lillard – Wesley Matthews – Nicolas Batum – LaMarcus Aldridge – Robin Lopez

Elenco

0 – Damian Lillard, armador
25 – Steve Blake, armador
3 – C.J. McCollum, armador
4 – Darius Morris, armador
10 – Diante Garrett, armador
2 – Wesley Matthews, ala-armador
5 – Will Barton, ala-armador
23 – Allen Crabbe, ala-armador
88 – Nicolas Batum, ala
1 – Dorell Wright, ala
18 – Victor Claver, ala
12 – LaMarcus Aldridge, ala-pivô
41 – Thomas Robinson, ala-pivô
31 – James Southerland, ala-pivô
42 – Robin Lopez, pivô
35 – Chris Kaman, pivô
19 – Joel Freeland, pivô
11 – Meyers Leonard, pivô

Quem chegou: Steve Blake, Chris Kaman, Darius Morris
Quem saiu: Mo Williams, Earl Watson

O Blazers surpreendeu a NBA na última temporada graças a um quinteto inicial extremamente resistente e entrosado. Os titulares de Portland foram a segunda formação que mais minutos jogou na campanha passada (1.373), impulsionada pela presença de quatro dos seus cinco integrantes nas 82 partidas disputadas. A durabilidade dos jogadores principais fez o time depender menos do banco de reservas – ponto fraco do elenco –, o que pode se relacionar com o sucesso repentino. O ano terminou com 54 vitórias e a primeira classificação às semifinais de conferência em mais de uma década para a equipe.

Neste cenário, a temporada 2014-15 já começa bem para o Blazers pela simples manutenção do quinteto titular: Lillard, Matthews, Batum, Aldridge e Lopez. Os quatro primeiros vão iniciar a terceira campanha consecutiva atuando juntos, enquanto o pivô foi a única adição ao núcleo no ano passado. Na verdade, o único atleta que deixou o time em relação ao primeiro semestre é o armador Mo Williams, principal reserva e único integrante do banco a ter média superior a seis pontos por partida. Os veteranos Steve Blake e Chris Kaman chegam com a missão não apenas de substituir o sexto jogador, mas dar algum poder de fogo extra ao grupo de suplentes.

O Blazers foi a surpresa dos playoffs da conferência Oeste no ano passado. Agora, com altas expectativas e maior pressão, o desafio da afirmação se apresenta para os comandados de Terry Stotts.

 

O perímetro

Lillard, Matthews e Batum formam um dos perímetros mais consistentes e equilibrados da NBA pela versatilidade que oferecem nos dois lados da quadra. Na defesa, o fato de ter dois ótimos marcadores nas alas permite que Stotts “esconda” o armador no pior atleta ofensivo oponente sem criar desequilíbrios. Ofensivamente, todos são bons arremessadores com características complementares. Lillard executa o pick and roll com precisão e pode criar o próprio arremesso. Matthews movimenta-se muito, usa bloqueios fora da bola e é um dos melhores jogadores de perímetro da liga operando no post up. Batum é um point forward capaz de quebrar defesas e tirar pressão do armador. Juntos, eles funcionam muito bem.

Dito isso, Mo Williams é uma grande ausência para o Blazers: ele era o único atleta da rotação que criava arremessos para si e outros no banco de reservas. Steve Blake é um reserva sólido e correto, mas não substitui essa habilidade específica. A provável esperança da equipe é que Will Barton e (em especial) C.J. McCollum possam suprir a função de “criadores”, mas ambos atuaram muito pouco na última temporada e podem não estar preparados para um papel maior tão subitamente.

Para fechar, Dorell Wright segue como o provável atleta mais confiável do banco de Portland. O ala, em papel limitado, foi o melhor defensor do banco e pode arremessar mais do que os 35% para três pontos da última temporada. A pontaria de longa distância de Allen Crabbe e a condição atlética de Victor Claver parecem ser ainda opções pontuais para o time contra matchups específicos, mas nada muito além.

 

O garrafão

LaMarcus Aldridge encontrou seu companheiro de garrafão ideal em Robin Lopez. O pivô é um bom protetor de aro e defensor físico que faz o “trabalho sujo” para que o craque do time tenha condições de brilhar. O astro teve, por exemplo, sua melhor média de rebotes da carreira (11.1) na temporada passada em muito pelos bloqueios de Lopez em oponentes mais pesados – algo que J.J. Hickson não fazia – e pôde ter liberdade para atuar mais afastado do garrafão no lado ofensivo da quadra. A dupla faz sentido no papel e funciona em quadra. É um ponto positivo. A reposição para ambos, como pode se imaginar, é a interrogação que o Blazers tentou resolver na offseason.

Robinson é um jovem ala-pivô baixo que tira Aldridge de sua zona de conforto enquanto está em quadra, o que limita a rotação de garrafão do time e sua utilização como principal opção vinda do banco. Stotts tornava-se quase um refém de formações mais baixas muitas vezes – com Batum ou Claver atuando abertos – para evitar usar pivôs como Joel Freeland e Meyers Leonard, que ainda tentam provar serem opções sólidas para a posição. Neste cenário, ainda que em profunda baixa, Kaman é um bom reforço por oferecer um parceiro provado reserva para atuar ao lado do astro no garrafão – e ainda consiste em uma alternativa ofensiva de costas para a cesta, o que o Blazers nunca teve entre seus suplentes.

Mesmo sem saber o que Kaman pode oferecer a essa altura da carreira, ele faz o garrafão do Blazers melhor e deverá ser muito utilizado por consideráveis minutos para “acertar” as rotações de Stotts.

 

Análise Geral

O Blazers começa a temporada tentando provar que a grande campanha do primeiro semestre não foi resultado de um cenário em que absolutamente tudo deu certo – início avassalador, titulares saudáveis, pouca dependência do banco de reservas. Para repetir o sucesso, a julgar pelas poucas mudanças entre os suplentes, o time comandado por Terry Stotts vai continuar a depender extensamente de seu quinteto titular permanecer saudável e entrosado. Além disso, é impossível não se questionar qual é o potencial de uma equipe que já utiliza seus melhores jogadores pelo máximo tempo possível. Será que 54 triunfos é o teto de Portland?

A chave para o Blazers dar mais um passo a frente seja a defesa. Embora tenha sido uma das cinco ofensivas mais eficientes da temporada passadas (108.3 pontos marcados a cada 100 posses de bola), a equipe foi apenas a 16ª em eficiência na marcação (104.9 pontos sofridos). Como já apontado, o elenco possui peças para elevar a produção defensiva e destacou-se na proteção da linha de três pontos. No entanto, especialmente nos pick and rolls e cortes sem a bola, o time pode melhorar. Este precisa ser o foco do trabalho de Terry Stotts. O Blazers tem tudo para estar na pós-temporada novamente, mas a conferência Oeste é muito competitiva e times estão de olho em sua vaga.

Previsão: 7º colocado na conferência Oeste.

  • Esse time do Blazers no NBA 2k15 é muito bom, esse time sempre esta entre os 3 primeiros na conferência oeste.. é também e muito chato jogar contra eles, Lamarcão é foda rs

    • Ramon

      Não é ? Faz um PF e tenta marca esse infilis.
      Ele te leva pro Low Post e te castiga.

  • Corrigindo : 7° na posição Oeste .

    Eu penso mais ou menos assim também , só não vejo o Rockets na frente do Blazers e do Memphis . Houston vai sofrer esse ano . É bem capaz que o Blazers tenha uma campanha parecida com a do GSW nos últimos 2 anos . Semi Finais no 1° , eliminado na primeira rodada no 2° . Algo que não seria tão ruim , pela conferência em que joga . Ir pros Offs é importante para a evolução do time .

    P.S : Meu lado torcedor diz que o BLAZERS VAI PEGAR MANDO DE QUADRA E LILLARD VAI BRIGAR POR MVP !!!

    Sem mais .

  • Rodrigo Santos

    Pra mim os blazers brigam por mando de quadra

  • Ramon

    Vou torcer pelo Blazão da massa esse ano , já que meu celtão tá mal das pernas e nem Offs vai pegar.

    E o menino Clutch Lillard vai deitar e rolar essa temporada.

  • Gustavo

    Respeito muito a opinião do colunista, mas acho que os Blazers mas duvido muito que os Blazers fiquem atrás dos Rockets. Vão brigar com os Wariors pela 5a. posição, e se o Thunder sofrer muito com a ausência do Durant pode até beliscar um mando de quadra.

  • Sérgio Menezes

    Tbm acho que os blazers não vão ficar atrás dos rockets.

  • DUMZ

    Com a ausência do Durant, creio que o OKC cairá na tabela …

    Ótima oportunidade para Portland, Clippers, GSW e Dallas !!!

    Arrisco que os Blazers vão brigar por mando de quadra !!!

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados