logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 15 nov 2015 às 12:37
Franceses que atuam na NBA repercutem atentados em Paris

Atletas prestam solidariedade às vítimas da barbárie ocorrida na capital da França

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Gustavo Lima

Os ataques terroristas ocorridos na última sexta-feira (13), em Paris, repercutiram no mundo inteiro. Oficialmente, 129 pessoas morreram e outras 352 ficaram feridas (99 delas estão internadas em estado grave) nos atentados com tiros e explosões em oito pontos da cidade. Como não poderia deixar de ser, os jogadores franceses que atuam na NBA lamentaram o fato e prestaram solidariedade às vítimas da barbárie.

O ala Nicolas Batum, do Charlotte Hornets, que, no dia dos ataques, entrou em quadra no duelo contra o Chicago Bulls, revelou que ficou grudado ao telefone antes e depois da partida para saber notícias de seus parentes que vivem na capital francesa. A irmã do jogador mora a alguns quarteirões do Stade de France, um dos alvos dos terroristas. 

“Choramos pelas pessoas que perdemos, mas nós temos que permanecer fortes, manter nossas cabeças erguidas, seguir em frente e mostrar que somos melhores do que eles. Pensei sobre o assunto durante toda a partida. Queria fazer um bom jogo para mostrar-lhes, à minha maneira, que somos fortes”, afirmou o ala, que teve o seu melhor desempenho com a camisa do Hornets, ao marcar 28 pontos e pegar oito rebotes contra o time de Chicago.

O pivô Joakim Noah, adversário de Batum na sexta-feira, também comentou a tragédia em Paris. O jogador do Bulls, que é filho do ex-tenista francês Yannick Noah, tem nacionalidade francesa e sueca (país natal de sua mãe), além da americana, já que nasceu em Nova Iorque.

“É muito, muito triste o que aconteceu em Paris. Muita gente morreu sem razão. As pessoas estavam assistindo a um jogo de futebol ou a um concerto ou estavam jantando em um restaurante. Morreram por nada. Conversei com a minha irmã e alguns amigos. Todo mundo está bem, mas nós estamos chocados. Foi um dia triste para todos, mas nós somos fortes”, disse Noah.

A dupla francesa do San Antonio Spurs, Tony Parker e Boris Diaw, ainda não acredita no que aconteceu em Paris. Antes da partida disputada nesse sábado contra o Philadelphia 76ers, o hino francês foi executado no AT&T Center, casa do Spurs, e as pessoas presentes ainda fizeram um minuto de silêncio em homenagem às vítimas.

“É inacreditável. É difícil entender o que aconteceu. Eu ainda estou em choque. Todas as minhas orações vão para as famílias das vítimas. É duro, não apenas para a França, mas para o mundo inteiro”, afirmou Parker.

Diaw comentou que o momento de silêncio respeitado antes da partida o comoveu bastante. “É bom ver essa solidariedade. Todo mundo se sente tocado em uma situação dessas. Felizmente, meus amigos e minha família estão muito bem, mas todos nós sabemos de pessoas que perderam alguns amigos. Todos os meus pensamentos estão com as vítimas e suas famílias”, disse o camisa 33 do Spurs.

Já o pivô Kevin Seraphin, do New York Knicks, cujos pais moram em Paris, revelou que tem medo de que os atentados possam se tornar frequentes na capital francesa. Vale lembrar que, no dia 7 de janeiro deste ano, homens armados invadiram o jornal Charlie Hebdo, em Paris, e assassinaram 12 pessoas a sangue frio.

“Esse é o tipo de coisa que acontece nos filmes. Depois de um tempo, você começa a perceber que tudo aquilo é real. Essa situação é realmente triste porque não há nada que você possa fazer. Temo que esses ataques comecem a ser frequentes”, finalizou Seraphin.

Nesta temporada, além dos cinco citados acima, outros seis jogadores franceses estão atuando na melhor liga de basquete do mundo: Joffrey Lauvergne (Denver Nuggets), Ian Mahinmi (Indiana Pacers), Damien Inglis (Milwaukee Bucks), Alexis Ajinça (New Orleans Pelicans), Evan Fournier (Orlando Magic) e Rudy Gobert (Utah Jazz).

  • Diego

    Kevin Seraphin foi fundamental para vitoria hoje entrou muito bem , força aos atletas franceses

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados