logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 1 dez 2015 às 12:56
O azar e a sorte

Guilherme Gonçalves escreve sobre a aposentadoria do astro Kobe Bryant

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Guilherme Gonçalves

Domingo, 29 de novembro de 2015. Cheguei em casa por volta das 23h50, e sendo o dia seguinte um feriado aqui no Distrito Federal, enfim teria tempo para estudar e escrever sobre um tema que, há no mínimo três dias, já me ocupava a cabeça: Kobe Bryant está se aposentando aos poucos, e pouca gente está percebendo isso direito. Como de costume, em poder do meu telefone vasculho o Facebook e o Twitter atrás de notícias, fotos, fofocas da vida alheia para depois me encaminhar pra cama. Eis que surge o azar pra mim: havia poucas horas e o ala-armador do Los Angeles Lakers em forma de poema havia comunicado ao mundo a decisão de deixar o basquete ao final da temporada 2015-2016 da NBA. Vamos deixar claro que o pior pra mim não foi a aposentadoria em si, mas ter perdido a chance de escrever sobre aquilo o qual o mundo do basquete terá como foco nesta semana. Que azar…

Pensando bem, sorte será ter ainda até o mês de abril para podermos ver a camisa 24 do time roxo e dourado de Los Angeles tremulando pelas quadras, seja o Staples Center, seja em jogos fora de casa onde, a partir de já, Bryant começa a se despedir aos poucos, jogo a jogo, noite a noite.

Eu sou Lakers. Eu sou Lakers por causa de Kobe Bryant. O meu primeiro contato com a NBA foi em 1998-1999, nas Finais de um Madison Square Garden completamente lotado. Ainda sonho em ir a Nova York, pisar naquele ginásio, relembrar a minha infância e onde tudo começou pra mim. A TV Bandeirantes transmitiu aquela decisão entre o New York Knicks e o San Antonio Spurs sempre por volta das 22h ou 23h de Brasília. O Knicks era bem legal para um moleque de nove anos como eu: tinha um tal de Spreewell, camisa 8, com umas trancinhas no cabelo, que chamava o jogo toda hora. Eu me amarrava. Mas o Spurs tinha um tal Robinson que os narradores não cansavam de elogiar, um tal Duncan que eles falavam ser o futuro melhor pivô da NBA, eram superiores os de uniforme preto.

Deu Spurs naquela decisão, não tinha como não dar. Eu não sei o que houve exatamente e o meu contato com o basquete americano ficou extremamente reduzido até 2004: veja bem, mal existiam as operadoras de televisão por assinatura, a Internet era algo extremamente difícil em termos financeiros, e eu morava em uma cidade-satélite há 50 km de Brasília. Na banquinha de revistas e jornais (que hoje em dia vende tudo, menos revistas e jornais) eu só comprava gibi da Turma da Mônica, brilhava os olhos na Placar que eu não tinha como pagar e o dono nunca deixava a gente ver a capa da Playboy. Não tinha essa de figurinha cromada de Ênebíêi: não que o meu dinheiro desse pra isso! A Bandeirantes de novo me trouxe para caminho do bem, da glória, da salvação: em Atenas-2004, o torneio olímpico de basquete masculino via a história ser escrita com a inacreditável final entre Argentina e Itália. Os Estados Unidos tinham caído para o baloncesto hermano liderado por um milagre de Manu Ginobili na semifinal, a Lituânia não fez frente aos Azzurri e eu voltei a acompanhar aquele tal Duncan, ao lado agora de um tal Iverson, outro tal Marbury, além de uns moleques bem novos e de nomes esquisitos, tipo LeBron, Carmelo e Dwyane. Não tinha qualquer John ou Trevor ou Chris. Me joguei de cabeça na NBA. Me afundei de uma forma que assistia, dia após dia, noite após noite, seja pelo VHS que um amigo gravava na ESPN da sua TV por assinatura, seja pela Internet da casa de um primo em vídeos curtos do League Pass, fosse como fosse. Conheci o Lakers. Conheci Kobe Bryant.

Que sorte que eu tive!

Claramente, eu só fui saber das histórias dos três campeonatos seguidos do “primo rico” de Los Angeles depois. As vitórias sobre o Philadelphia 76ers em 2000, Indiana Pacers em 2001 e New Jersey Nets em 2002 até ganharam outros tons quando se imerge e se descobre as batalhas épicas contra Sacramento Kings, Portland Trail Blazers e o já citado Spurs, talvez mais difíceis em níveis domésticos do que as Finais da Liga contra os times da Conferência Leste, para se ganhar a Conferência Oeste. Peguei o rescaldo da dura derrota das Finais em 2003-2004 para o excelente Detroit Pistons e da briga, só muitos anos depois resolvida, entre Bryant e Shaquille O’Neal, os dois pilares do time tricampeão que chegou a quatro finais em cinco anos. A partir dali, acompanhei tudo: a troca que trouxe Lamar Odom; a companhia dos terríveis Smush Parker e Kwame Brown no quinteto inicial das partidas; a extraordinária temporada de mais de 35 pontos de média por cotejo; o jogo dos 81 pontos contra o Toronto Raptors; a construção de um bem melhor time com a chegada de Pau Gasol e as voltas de Derek Fisher e, principalmente, o técnico Phil Jackson; as duas finais contra o Boston Celtics que remontaram à NBA dos anos 1980; o bicampeonato em 2009 e 2010, contra o Orlando Magic e a revanche contra o Celtics; o começo da queda daquele time estelar, mas que já não tinha tanta força para acompanhar outros postulantes, como o Dallas Mavericks e o Oklahoma City Thunder; as saídas de Odom, Gasol, Fisher e Jackson; a tentativa mais que frustrada de união com Dwight Howard e Steve Nash; e as contusões de Bryant. As contusões de Bryant. Que azar…

Kobe sempre foi um jogador extremamente intenso. Para o bem e para o mal. Seu comportamento é questionado, amado e odiado em fatias iguais. Há os que o defendam a ferro e fogo, aqueles que dizem que o verdadeiro basquetebol necessita de empenho diuturno, autoconfiança exacerbada e jogo psicológico afiado. Há que os linchem o ala-armador, o releguem à alcunha de “fominha”, arrogante e falador de bobagens. A tênue linha entre que o poderia diferenciar essas facetes, de repente, nunca existiu: Bryant foi, ao mesmo tempo, autoconfiante demais para ganhar jogos sozinho, pouco solidário para afundar seu time em outras oportunidades, um mestre do blefe para desestruturar adversários somente com palavras e olhares, um catalisador de problemas dentro do próprio vestiário.

Uma coisa que não se pode negar é que o tenha feito para vencer. E venceu. Com a camisa 8 foram os já citados três campeonatos formando uma das melhores duplas da história ao lado de O’Neal. Com a camisa 24, sua liderança foi primordial para um bicampeonato no final da década passada. Com a camisa 10 da seleção norte-americana, Bryant desfilou duas medalhas de ouro olímpicas consecutivas no peito: em Pequim-2008 e em Londres-2012. Uma de suas recentes declarações dava conta de sua vontade em estar no Rio de Janeiro, em 2016, para a tentativa de um monstruoso tricampeonato olímpico de basquete. Não dá pra duvidar que ele vá tentar. A sensação que fica é de que Kobe tentou. Tentou mais uma vez. Tentou até perceber que… Dessa vez, perdeu para si mesmo. Não perdeu por conta dos companheiros, em razão das defesas adversárias, em razão de uma noite ruim: perdeu para seu próprio corpo. Acontece pra todo mundo. Que azar…

As últimas duas temporadas foram terríveis para o astro. Bryant atuou em apenas 41 jogos, um quarto das pelejas possíveis caso se levasse em consideração apenas os 82 encontros obrigatórios da temporada regular. Com ele saudável, a chance de o Lakers alcançar os playoffs é e sempre foi real. Sem ele, praticamente inexiste. Seu tendão de Aquiles rompido, seu joelho torcido e demais contusões na carreira – foram 22 ao todo até março de 2014, quando o USA Today fez postagem de levantamento realizado por um jornalista setorista da equipe a respeito e – o forçaram a duas campanhas canceladas em razão da saúde, recuperações mais que dolorosas, e bastante tempo fora das quadras.

Talvez um tempo que ele nunca tenha desfrutado enquanto de sua vida adulta. A vida em família com esposa e filhas, a inútil luta contra a idade que já bate em 37 anos, a diminuição da importância do esporte na vida de um atleta e homem completamente realizado. Kobe Bryant estava se aposentando aos poucos e todo mundo já sabia disso: só não se queria acreditar. Se o estilo feroz e voraz dos primeiros anos o alçou a astro e favorito dos fãs ainda muito jovem – foram, ao todo, 17 seleções para o Jogo das Estrelas -, a consistência do auge o fez cunhar seu próprio apelido – Black Mamba, uma rara espécie de serpente extremamente veloz e mortal – e a experiência e o autoconhecimento guiaram seu jogo nos últimos anos – quando o próprio atleta se intitulava como Vino, um incentivo a tentar ser cada vez melhor enquanto mais velho -, as decepcionantes atuações individuais e coletivas limitaram o entusiasmo de Kobe. O Lakers faz campanha decepcionante para a grandeza da franquia – até o momento, apenas duas vitórias em quinze partidas – e Bryant tem médias consideradas apenas regulares para jogadores que pudessem estar em ascensão: entretanto, tem as piores percentagens de aproveitamento de arremessos em sua carreira de 20 anos com a segunda maior equipe em número de títulos na história da NBA. Que azar presenciar a queda depois de tantos anos de um jogador que não podia ser alcançado pelos outros. Que não podia ser alcançado por ninguém em seu auge.

Kobe deixa marcas e recordes. Um caminhão deles. Que sorte de quem pôde presenciá-los. É o atleta que mais jogou temporadas com apenas uma equipe (20), por 15 vezes foi eleito para o time da temporada da NBA, em 12 oportunidades esteve no time defensivo da época, é o jogador mais jovem a chegar a marca de 30 mil pontos, é atualmente o terceiro maior pontuador da história da Liga, o segundo atleta a mais marcar pontos em uma única partida e defende as marcas de pontos, jogos, minutos jogados, arremessos convertidos (seja de dois pontos, de três pontos ou de arremessos livres), roubos de bola e outros na história do Los Angeles Lakers, franquia que já contou com outras lendas como Jerry West, Kareem Abdul-Jabbar e Magic Johnson. Outras lendas. Kobe é mais uma delas.

São cinco títulos em sete finais disputadas, um prêmio de melhor jogador da temporada (2008) e dois prêmios de melhor jogador das Finais (2009 e 2010). Diversas publicações especializadas alertam para que ele tenha sido o melhor jogador da década passada no basquete profissional americano: alguns vão além e o colocam como o maior da história da franquia roxa e dourada oriunda em Minneapolis, hoje em Los Angeles.

Bryant deu a sorte e o azar de florescer para o basquete americano quando o reinado de Michael Jordan se encerrava ao final dos anos 1990. Coube a ele ocupar o lugar deixado pelo camisa 23 do Chicago Bulls como estrela maior da Liga e ser comparado a Michael para a glória momentânea ou para a execração duradoura. Para os que vieram depois dos anos 90, Kobe foi Jordan. Foi o Jordan que conseguimos ver. Foi o nosso Jordan. Foi o exemplo maior de idolatria por um jogador e sua técnica, sua mágica, sua mística. A marca de seu nome na história do esporte pode ser elucidada simplesmente porque não se precisa do nome e do sobrenome para saber dos lendários: há Pelé, há Michael, há Ali, há Diego, há Owens, há Phelps, há Bolt. E há Wilt, há Kareem, há Bird, há Magic, há Kobe. E daqui a muitos anos haverá LeBron, haverá Messi, e outros, e outros. O imprescindível ao esporte é que haja sempre amor, haja sempre paixão, haja sempre aquele que encante o menino de nove anos na frente da TV, faça o moleque de 16 ir dormir todo dia bem tarde pra te ver jogar, faça o cara de 25 anos escrever um artigo simplesmente pra dizer que teve sorte: sim, tive sorte de ver Kobe Bryant jogar e tive o azar de ainda não vê-lo em nenhuma partida nessa temporada. Não posso mais me atrasar. O tempo passa rápido demais para levar nossos ídolos e heróis da ação das quadras para o pedestal dos mitos e lendas. Azar dos simplesmente mortais que não jogarão mais contra ou ao lado de Kobe Bryant. A todos eles e a vocês, aproveitem Kobe. Ao menino de seis anos com a bola de meia nas mãos e o relógio contando: aproveite, Kobe.

  • Marcio

    Pra mim que respiro NBA dez da temporada 1998-1999 devido a esse cara! Creio que vai ser difícil, ver os jogos dos Lakers e não ver o camisa 24 dentro das quadras, pra mim ele ainda poderia joga mais 2 temporadas!

    • Guilherme Gonçalves

      Marcio,

      Obrigado pela leitura e pelos elogios, cara. Um abraço!

  • Vai ser estranho ver a NBA sem Kobe. Eu nunca vi e só agora percebo que nunca me preparei para deixar de ver.

    Não há hoje jogador que o substitua. Não tanto tecnicamente (temos LBJ, temos Durant, temos – por que não – Curry), mas na união entre talento e personalidade. Ele era uma espécie de Romário, outro ídolo. Kobe é o cara que muda o jogo para sempre.

    Da mesma forma que a NBA até hoje fala de Jordan, Magic e Bird, aguardo ansioso o dia que verei meus filhos debatendo sobre o quão grandioso fora Kobe e em que lugar na lista de melhores ele estará.

    Eu vi Kobe. Não posso reclamar.

    • Guilherme Gonçalves

      Diogo Santos,

      Obrigado pela sua leitura, cara. Acredito que o ser humano somente tenha noção da importância ou alcance de uma equipe ou jogador após a dissipação ou aposentadoria deste ou daquele. O que fica de legal é a discussão e a memória de quem pôde presenciar. Mas acho que isso é algo cíclico também. Hoje há outros jogadores que, de outra forma, impactam o basquete e abrem outras discussões, como LeBron James tem feito há várias temporadas e Stephen Curry desde o ano passado. Vamos aproveitar, então. Certo? Um abraço!

  • MarcoLakers

    Texto espetacular, meus parabéns.

    Kobe é o motivo de eu gostar de basquete, o motivo de eu ser um laker e, mesmo o basquete não sendo meu esporte favorito, é o meu maior ídolo e atleta favorito dentre todos os esportes.

    Confesso que será difícil ver o manto roxo e dourado em quadra e não ver aquela camisa 8 ou 24 em quadra, não ver as jogadas brilhantes do mamba, esperar a cada posse de bola por uma magia diferente, algo que nenhum jogador que eu vi jogar podia fazer, nenhum era como Kobe Bryant.

    Se vai o maior jogador que eu vi jogar, infelizmente por pouco não peguei Jordan. A cima da lenda, se vai o grande exemplo de mentalidade esportiva que conheci, ninguém nunca trabalhou mais que Kobe, ninguém nunca quis ganhar mais que Kobe e, como bem disse Magic, ninguém nunca chegou tão perto de MJ quanto Kobe.

    O que eu tenho a falar é obrigado Kobe. Obrigado por me fazer um laker, obrigado por me fazer gostar deste esporte, obrigado por me fazer ficar acordado até as 03h da manhã para ver cada show seu em quadra……… Vc sentirá falta do basquete, mas o basquete e todos os seus fãs sentirão ainda mais falta. Obrigado!

    • Guilherme Gonçalves

      MarcoLakers,

      Muito obrigado pela sua leitura e pelos seus elogios, cara. Ver seu comentário é bem bacana para termos noção do alcance do esporte e de um jogador na vida de nós fãs, pessoas comuns que relegam seu tempo livre ou mesmo seu estilo de vida em razão dessas boas sensações que temos com o basquete. Um grande abraço pra você!

  • Uncle Drew

    Kobe é mais uma grande peça, de uma excelente geração de jogadores. Kobe, Nowitzki, Duncan, Ginóbili, Pierce, Allen Iverson, Ray Allen, Nash, Garnett, Vince Carter e T-Mac. Todos vão deixar ou deixaram saudade. É muito jogador foda q já está se aposentando. Daqui a alguns anos será a vez de LeBron, Melo, Wade, Chris Paul, Tony Parker e etc.
    https://www.youtube.com/watch?v=GQ7rtfeHelc

    • Rafael Victor

      Rapaz… que GERAÇÃO!

    • TheGameIsOver

      Legal o video ein? Essa geração que me fez curtir basquete. A de hoje é um lixo, essa turma aí do LeBron chorão pensa em dinheiro alem do normal. The game is over! NBA teve um playoffs senasional temporada passada, admito, mas acredito que não irá se repetir nessa.

      • cleberson23

        Verdade, kobe nunca pensou em dinheiro tanto que foi generoso ao abrir parte dos seus 23 milhas em prol do Lakers. SQN

        • TheGameIsOver

          Pelé?

      • Thalles Ferreira

        Imagino que a geração do Jordan/Rodman/Pippen tenha dito o mesmo ao ver Kobe e Duncan.

    • Knickão

      Que video show cara. Esses senhores fizeram parte da construção do meu amor por esse jogo, além de outros .

  • Thiago Legori

    Excelente texto. Parabéns…

    • Guilherme Gonçalves

      Thiago Legori,

      Obrigado pela leitura e pelos elogios, cara. Um abraço!

  • Rafael Victor

    “O imprescindível ao esporte é que haja sempre amor, haja sempre paixão, haja sempre aquele que encante o menino de nove anos na frente da TV, faça o moleque de 16 ir dormir todo dia bem tarde pra te ver jogar, faça o cara de 25 anos escrever um artigo simplesmente pra dizer que teve sorte: sim, tive sorte de ver Kobe Bryant jogar […]”.

    DEMAIS, cara!

    Belo Texto!

    • Guilherme Gonçalves

      Rafael Victor,

      Muito obrigado pela leitura e pelos elogios, cara. Um abraço!

  • Juka

    Sensacional!! Parabéns pelo texto!

    • Guilherme Gonçalves

      Obrigado pela leitura e pelos elogios, cara. Um abraço!

  • paulo

    sensacional o texto, parabens

    • Guilherme Gonçalves

      paulo,

      Obrigado pela leitura e pelos elogios, cara. Um abraço!

  • Killjoy_br

    Belas palavras! Gracas à Band eu pude ver Jordan e Cia. em acao, vc traduziu muito bem o sentimento e a realidade da época. O atleta se aposenta, mas fica o eterno brilho das conquistas e de sua incrivel habilidade. Por isso o slogan “I Love This Game” é perfeito para esse esporte.

    • Guilherme Gonçalves

      Killjoy_br,

      Obrigado pela leitura e pelos elogios, cara. Realmente a Band formou caráter de muitos de nós. Aqueles campeonatos de verão que eles montavam era bem bacanas e quem realmente massificou alguns esportes e ligas americanos, como NBA e NFL, hoje populares no Brasil foram eles. Um abraço!

  • Claudio R.

    Como falei em outro post, parabens ao black mamba… Ele foi o melhor jogador de um tempo que tinhamos grandes jogadores, só não sei se teve a melhor carreira, entre ele, Duncan, Shaq. Mas, enfim, como disse, foi o melhor Ala-armador que desta geração e deste seculo vimos, que eu vi!. #24. Agora qual camisa vão aposentar?

  • JEFERSON NOWITZKI

    KOBE JÁ ESTA APOSENTADO DESDE 2011,QUANDO NOWITZKI E O DALLAS MAVERICKS DERAM AQUELA SURRA NOS LAKERS,FOI UM GRANDE JOGADOR MAIS FAZ QUATRO ANOS QUE SÓ “ROUBA” OS LAKERS!!!!

    • Guilherme Gonçalves

      JEFERSON NOWITZKI,

      Lembro bem dessa série e até a cito no texto. O Mavericks era um muito bom time e tinha, talvez, naquela oportunidade, a última chance de montar um time campeão enquanto Nowitzki estava em grande forma e Jason Kidd conseguia jogar em alto nível. A queda do atual campeão Lakers ao estágio que vemos hoje, pra mim, realmente começou ali naquela série em que saiu derrotado. Obrigado pela leitura, cara. Um abraço!

  • TiagoMadruga

    Parabéns, cara! Que texto espetacular! Parabéns de verdade!

    • Guilherme Gonçalves

      TiagoMadruga,

      Obrigado pela leitura e por seus elogios, cara. Um grande abraço!

  • robertolakers

    Quando eu soube da aposentadoria e a ficha caiu chorei muito, meu jogador preferido que me fez apaixonar pelo basquete ta se aposentando, parabéns por esse texto que no final me arrancou mais lágrimas do que já tinha saído, sentirei muto a falta desse cara, e espero ele na final das olimpíadas.

    • Guilherme Gonçalves

      robertolakers,

      Obrigado pela leitura e pelo elogio, cara. Não foi a intenção fazer ninguém se emocionar assim, mas é bacana também pelo reconhecimento. Um abraço!

    • A ficha que caí é que não é apenas a aposentadoria do Kobe é o fim de uma era. Com a aposentadoria do Kobe, e ele sendo o mais midiático e popular de sua geração eu percebi que não é apenas o fim da carreira dele, é o fim de toda uma geração, que marcou a década passada. Eu lembrei que Iverson fez seu último jogo pela NBA em 2010, Shaq em 2011, Jason Kidd e Tracy McGrady saíram de cena em 2013, Steve Nash em 2014, e agora Kobe em 2015, sendo que esse deve causar um efeito dominó, e é apenas uma questão de tempo para Vince Carter, Kevin Garnett, Tim Duncan, Paul Pierce e Ray Allen irem embora também (esse último já foi só falta oficializar) todos os caras que eu via quando criança e me fizeram gostar desse esporte, ou já foram ou estão indo.

  • Felipe ASM

    Parabéns Guilherme Gonçalves, excelente texto. Sinto que demoraremos a ver um astro desse calibre em LA. Acho que a ficha só vai cair mesmo quando uma nova temporada começar e o nome dele não estiver no roster do time.

    • Guilherme Gonçalves

      Felipe ASM,

      Obrigado pela leitura e pelo elogio, cara. É quase que natural perder um astro assim e a equipe entrar em reconstrução. Pro Lakers será difícil ao meu ver, pois logo após a aposentadoria de Magic Johnson depois de sua volta em 1996 chegaram Shaquille O’Neal e Kobe Bryant. O Lakers não passa tanto tempo longe dos playoffs e em fase ruim assim há muito tempo. Vamos esperar pra ver como será. Um abraço!

  • gabrielnba

    Muito bom texto.
    Kobe poderia, para finalizar a carreira brilhante, jogar as olimpiadas do ano que vem.

    • Guilherme Gonçalves

      gabrielnba,

      Obrigado pela leitura e pelo elogio, cara. Pra quem for assistir os Jogos no Rio em 2016 a ideia é muito boa, hein? Um abraço!

  • Knickão

    Que belo texto, parabéns .Engraçado que no momento em que lia, principalmente no final, caíram varios ciscos no meu olho,essa casa acho que esta com muita poeira…
    🙁

    • Guilherme Gonçalves

      Knickão,

      Obrigado pela leitura e pelos elogios, cara. Não esquenta não que aqui em Brasília também tem muita poeira. Compre um bom colírio que essa irritação passa. Hahaha! Um abraço!

  • Kobe Bryant construiu sua carreira através do amor pelo basquete, pela determinação e confiança em si, e pelo trabalho duro, ele conquistou tudo com essa fórmula, e acredito que ele achou que venceria a idade e as lesões desse mesmo jeito.

    Mas não importa o quanto Kobe ame o basquete, o quanto ele acredite em si, e o quão duro ele treine, o tempo ele não consegue vencer, o que restou de sua agilidade e reflexos as últimas 3 graves lesões (rompimento de tendão 2013, fratura no joelho 2013, ombro 2014) trataram de levar embora, tudo o que restou foi um corpo que demonstra desgaste dos 20 anos de NBA e já não responde mais como antes.

    É triste ver o final chegar, é mais triste ainda a forma que ele chegou, por lesões, e com um time sofrível, mas é o que temos para ver, e mesmo com Sacre ao seu lado e amassando o aro, os últimos jogos de Kobe Bryant serão especiais, um entretenimento nostálgico para os fãs.

    • Guilherme Gonçalves

      Nicolas,

      Obrigado pela sua leitura, cara. Concordo com sua análise e achei fantástica sua definição de “entretenimento nostálgico para os fãs”. Vai ser divertido ver, noite após noite, as reações das torcidas onde o Lakers for jogar.

  • Renan Domok

    Excelente texto Guilherme!

    Realmente os tempos mudam e parece que os ídolos “como antigamente” vão se acabando, mas é passageiro. Logo aparecem (além de LeBron, Duncan, Wade, etc.) Durant, Curry, George… e por aí vai. Por isso essa liga é tão espetacular!

    • Guilherme Gonçalves

      Renan,

      Obrigado pela sua leitura, cara. Talvez daqui quinze, vinte anos as novas gerações se lamentarão como nós sobre as perdas de “reais” ídolos. É sempre cíclico, concordo com você.

  • Thalles Ferreira

    Então, como é um texto homenagem, de fato não valia a pena detonar o
    cara, mas assim, se ele tivesse aposentado em 2013, talvez tivesse
    valido mais a pena, talvez ficasse a dúvida “e se Kobe tivesse
    voltado?”. Mas infelizmente, provavelmente nem o próprio Kobe iria
    aguentar essa dúvida, de tão competitivo que era.

    • Guilherme Gonçalves

      Thalles,

      O “se” realmente ficaria, mas a impressão que fica é que Bryant tentou até onde viu um time sem mais perspectivas e um claro declínio físico. De repente seu jogo até tenha melhoras agora que sua decisão está tomada. Obrigado pela leitura!

  • Fábio Henrique Amorim

    Belo texto cara, parabéns! Kobe vai fazer falta pro basquete, inquestionável o melhor da década passada!

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados