logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 27 abr 2016 às 14:30
Prospecto do Draft 2016 – Skal Labissiere

Ex-pivô de Kentucky deverá ser uma das 20 primeiras escolhas do recrutamento

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Ricardo Stabolito Jr.

Skal Labissiere

Skal Labissiere

Idade: 20 anos
País: Haiti
Universidade: Kentucky
Experiência: freshman
Posição: ala-pivô / pivô
Altura: 7’0’’ (2.13m)

Médias na temporada 2015-16: 6.6 pontos, 3.1 rebotes, 0.3 assistências, 0.3 roubos de bola, 1.6 tocos, 0.9 erros de ataque, 51.6% de aproveitamento nos arremessos de quadra e 66.1% de acerto nos lances livres em 15.8 minutos em quadra.

Pontos fortes: Labissiere é um legítimo seven footer com ótima condição atlética para atuar na NBA – algo não muito fácil de se achar. Movimenta-se com fluidez e agilidade pelos dois lados da quadra. Excelente finalizador em torno do aro, quase impossível de ser parado em projeção e que possui um sólido gancho operando de costas para a cesta. Bom arremessador de curta e média distância, com mecânica “limpa” e exibindo sinais de que – eventualmente – pode estender seu alcance até a linha de três pontos. Capaz de atacar a cesta com eficiência, por sua combinação de controle de bola e explosão. Excelente timing para bloquear arremessos, como produto da sensacional capacidade atlética. Sua mobilidade e agilidade fazem com que possa sair do garrafão e marcar atletas no perímetro com naturalidade. Dono de enorme potencial a ser trabalhado. Sobrevivente dos terremotos sofridos pelo Haiti, em 2010.

Pontos fracos: possui um dos corpos mais franzinos e menos desenvolvidos entre os prospectos de garrafão do recrutamento. Não é dono de braços particularmente longos (2.15m de envergadura). Apresenta dificuldades para estabelecer espaço no garrafão, sendo dominado fisicamente por jogadores mais fortes até em nível universitário. Ainda não é um reboteiro eficiente, o que reflete as dificuldades físicas enfrentadas na NCAA e falta de fundamentos. Visão de quadra e qualidade de passe quase nulos – procura o arremesso antes de qualquer coisa ao receber a bola e registrou taxa de assistências ínfima em Kentucky. Atenção e disciplina defensiva precisam ainda ser bastante trabalhadas. Foi uma decepção em seu único ano na NCAA e uma máquina de cometer faltas. Acima de tudo, Labissiere não possui compreensão da dinâmica do jogo e falta-lhe de experiência competitiva: é bem mais um atleta de basquete do que um jogador de basquete no momento.

Comparação: Hassan Whiteside (Miami Heat) e Ryan Hollins (ex-Los Angeles Clippers)

Projeção: TOP 20

Confira alguns lances de Skal Labissiere

Legenda
– Freshman (primeiro ano universitário)

  • O X9

    Começou o ano comparado ao A. Davis e terminou comparado ao Ryan Hollins, que fase, mas da pra ver que ali tem um talento bruto, perdeu até a vaga no quinteto inicial, faz muita falta imbecil, com senso de posicionamento defensivo muito ruim, mas ofensivamente tem tslento, pode ser um bom prospecto a ser laborado.

  • Felipe Monteiro

    Caramba!!! A tirar pelo texto de StaboMito, Labissiere deve ser um lixo! Coitada da franquia que recrutá-lo!

    • Ricardo Stabolito Junior

      Não foi essa a intenção, cara. Mas ele é muito, muito pouco desenvolvido mesmo. Joga por puro talento – e tem muitíssimo. Precisa aprender como funciona o jogo.

      • Felipe Monteiro

        Eu sei, Ricardo. Te acompanho há anos e sei que você não tem esse perfil de denegrir ninguém nas suas análises. Apesar de ter visto ele jogar muito pouco e, considerando os números, eu concordo com a sua avaliação. Valeu!

      • Rogério Rodrigues

        O que acha dele em Boston? Acho Brad poderia fazer um bom trabalho a longo prazo com ele…

        • Ricardo Stabolito Junior

          Ele precisa aprender e poucos técnicos da NBA ensinam como Brad Stevens. Acho que pode ser uma boa. Até porque ele é, potencialmente, uma das peças que o Celtics precisa – o defensor de garrafão.

  • Seria uma ótima pick para o 76ers.

  • Kleber

    Deve ser uma das maiores quedas que já vi em um prospecto. Ano passado o cara era especulado nas 3 primeiras escolhas.

  • Galvão – EL HEAT🔥 #305

    Outro caso de um cara de 2,13 que não sabe pegar rebotes! Só pela altura já tinha que ter no mínimo uns 8 de média. Não gostei da temporada dele no universitário e o Calipa já despachou ele pro Draft pra não ficar com a bomba em UK rs

  • Sanliv

    Tem potencial, porém é cru demais. Acho que o Suns vai escolher ele com a segunda escolha de primeira rodada que eles tem..

  • Mensageiro do caos

    Lembro que antes de começar a temporada ele era apontado como TOP 5 fácil hoje está listado no Top 20 foi umas das decepções da NCAA na minha opinião,e nesses casos reflito que este garoto não está pronto pra NBA acho que seria mais vantajoso ele ficar pelo menos mais um ano no universitário porém a grana fala mais alto,acho que a unica chance de ele jogar seria em um time em reconstrução ou em evolução como (LAKERS,WOLVES,BUCKS,76ers,SUNS) é esperar pra ver.

    • Thiago Pinto

      Acho que nem foi a grana, despacharam ele de Kentucky pq provavelmente nao teria tempo de quadra ano que vem.

      • Ricardo Stabolito Junior

        Ele precisa muito da grana. Está se inscrevendo mais por isso – apesar de Calipari sempre incentivar os moleques a irem embora mesmo. Ele vem do Haiti e a família perdeu tudo por lá. Até dois anos atrás, eles estavam dormindo em uma escola enquanto ele jogava nos EUA.

  • Uncle Drew

    É muito cru mesmo. Se ele tivesse ido para uma outra Universidade (Louisville, Duke, North Carolina, Michigan State e etc) certamente ele voltaria para a NCAA no próximo ano.
    Desde o inicio era um jogador mt apático, nos “clássicos” do inicio de temporada ele já era meio tímido (não aparecia mt pro jogo) e só foi piorando. E escolhendo Kentucky, se vc é cotado como excelente prospecto (escolha Top 5 de Draft)… é quase OBRIGADO a causar impacto logo de imediato pq, se ficar mais uma temporada vai perder mais tempo de quadra ainda (ano após ano vem classes surreais, cheias de talento para a Universidade de Kentucky, e os novatos (Freshmans) quase sempre tem prioridade.)
    É a tal da cultura q existe em Kentucky, dos jogadores “One and Done” (Um ano e tchau). Garoto se sentiu em mãos atadas mas parece q fez o certo, Calipari não sabe desenvolver jogadores nessa situação (acho até q os jogadores é q fazem a maior parte do trabalho, ele implanta uma boa defesa, uma movimentação de bola mais ou menos e só, acho o trabalho dele meio Overrated. O Bill Self (de Kansas) eu tenho quase a mesma opinião, q tenho do Calipari), é melhor ir para uma equipe de NBA enquanto tem chances de ser escolhido na 1ª rodada. Se ficasse mais um ano, talvez nem fosse escolhido no Draft.

    • Carlos Eduardo

      Você é novo e/ou tem algum tempo livre? Se sim, por que não monta um blog, simples que seja? Percebe-se que você gosta do à assunto e se esforça para escrever bem. Você se divertiria bastante com isso.

      • Uncle Drew

        Huheuehueuh. Novo até q eu sou mesmo (tenho 19 anos). Tempo até q dá, dá dando pra conciliar os jogos de NBA e outras coisas com a Faculdade. Mas fazer blog… não curto mt. Num sei, nunca tentei mas tenho sensação de q não ia gostar de fazer.
        Eu acesso o Bleacher Report (excelente site, q filtra as notícias mais importantes de outros sites conhecidos (ESPN, CBS, Sports Illustrated, sites locais das equipes q vc prefere, e etc) e tbem tem conteúdo próprio) e acesso o Jumper todos os dias. Acho q isso ajuda a entender mais, rsrssrs.

        • Nilton Junior

          Não se preocupe que o tempo logo logo acaba!! hahahahahaha
          Saudade dos meus 19!! hahahah

    • Eu concordo, só não sei dizer se o Calipari é que é ruim em desenvolver atletas ou se simplesmente não é esse o objetivo do programa de Kentucky, pois como você disse é tudo a curto prazo, é one and done, o objetivo é vencer a curto prazo, é ganhar campeonatos (ou ir o mais longe possível) e continuar atraindo investidores para o programa, eles não pensam em um projeto para ganhar o título em 2019, pensam em ganhar já em 2017, por isso acho que desenvolver o atleta está fora de questão mesmo. Jogar em Kentucky dá muito status e atenção, mas se o prospecto for talentoso mas muito cru ele tende a se ferrar justamente por isso.

    • Kentucky não pensa em formação de elenco a longo prazo porque é uma vitrine. Calipari deu essa dimensão ao projeto depois que a NCAA se subordinou as regras da NBA com veto ao High School e não é algo isolado, Duke é assim (eles tem Krzyzewski), em Arizona é assim, Kansas é assim, Ohio State é assim…

      Calipari tem seu método ortodoxo de jogo baseado em defesa e transição, não é de longe o mais talentoso e criativo, mas se o parâmetro é a safra de Noel (muito, muito, muito ruim, pense o Sixers não o colocou como FP por algum motivo!!!) tem que colocar como ponto alto do trabalho dele o título da NCAA com Marquis Teague & Doron Lamb carregando o piano para o Anthony Davis em 2012.

      E isso: “escolhendo Kentucky, se vc é cotado como excelente prospecto (escolha Top 5 de Draft)… é quase OBRIGADO a causar impacto logo de imediato pq, se ficar mais uma temporada vai perder mais tempo de quadra ainda”. Não aconteceu na prática entre 2013-2015. Se uniram duas classes carregadas de all-americans e todo mundo jogou no mesmo tempo de quadra reduzindo (excluindo as fases eliminatórias). Towns produzia muito com tempo de quadra baixo e Ulis jogava muito vindo do banco, pra mim é uma questão de habilidade e adaptação. Skal tava exposto a jogar numa posição onde os concorrentes era fortes na sua deficiência (rebotes) e o time já tinha uma orientação de jogar no perímetro (Ulis — Murray — Briscoe). O máximo que ele poderia era dar o melhor nos seus minutos em quadra e ele o fez apenas em jogos pontuais como por exemplo: KU vs. LSU. E pontualidade não é algo muito quisto dentro do College, você precisa ser regular.

      https://www.youtube.com/watch?v=dl8vvkc535A

  • Lucas Ottoni

    Esse vai levar alguns anos até poder produzir bem na NBA. Mas é uma excelente opção para times que tiverem paciência suficiente. Ele no Spurs viraria uma máquina nas mãos do Pop. Seria um monstro dentro de uns 3 anos.

  • Junior Andrade

    D-League nele.

  • Rubem Figueira.

    Labissiere … Cheick Diallo e o Malik Newman que nem nesse draft se escreveu foi minha decepcoes nessa temporada…Acho que o erro com o Labissiere foi colocalo como C em algumas vezes sendo que pra mim ele é PF …mais assim como Ingram os 2 tem que tomar as paradinhas do Howard pra crescer.

    • Claudio R.

      mas olha o que aconteceu com o Howard, perdeu agilidade e velocidade pra ganhar força muscular!!! não acho que compensou muito, melhor ser estilo Tim Duncan, do que estilo Dwight howard!!!!

      • Rubem Figueira.

        Foi zueira amigo …no sentido que eles tem q ganhar mais massa..mas necesserariamente tem q ficar igual o Howard

      • Mas Howard nunca teve uma técnica refinada com a do Duncan, no caso dele ganhar força não foi um erro, inclusive os melhores anos da carreira dele ele já era fortão, o problema foram as lesões.

  • Nilton Junior

    Melhor Coach pra ele é o Brad Stevens!! Pop tbm seria bacana mas demoraria muito pra entrar em quadra!!

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados