logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 17 ago 2016 às 14:19
Patty Mills lidera, Austrália elimina Lituânia e vai às semifinais no Rio

Armador do San Antonio Spurs anotou 24 pontos

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Gustavo Freitas

 

Australia e Lituânia

Austrália 90 x 64 Lituânia

Sem a menor dificuldade, a Austrália atropelou a Lituânia na abertura da fase eliminatória dos Jogos Olímpicos Rio 2016 nesta quarta-feira e vai disputar as semifinais pela primeira vez em 16 anos diante do vencedor entre Croácia e Sérvia. Patrick Mills, armador do San Antonio Spurs, liderou o time da Oceania com 24 pontos.

Os australianos controlaram a partida desde o princípio, com seis pontos seguidos do armador Matthew Dellavedova, do Milwaukee Bucks. Mills acertou de três e deixou o placar em 13 a 6. Paulius Jankunas respondeu na mesma moeda, mas Mills fez outra e converteu dois lances livres e a Austrália liderava por 18 a 9. Mantas Kalnietis cortou para seis, porém Dellavedova acertou o seu terceiro arremesso de longa distância para elevar a vantagem para nove. A situação dos lituanos piorou no começo do segundo período, quando Dellavedova e Mills fizeram de três, colocando 34 a 19 no marcador. A diferença chegou a 20 pontos antes do intervalo, mas Adas Juskevicius fez bandeja para a Lituânia e os times foram para os vestiários com o placar em 48 a 30.

Na volta para o segundo tempo, a Lituânia diminuiu para 14, mas Aron Baynes fez cinco pontos para a Austrália e passou a dominar o garrafão. Mills fez outra de três e então, Ryan Broekhoff deixou em 64 a 43. O time europeu não pontuou nos últimos três minutos e a diferença pulou para 27. Baynes fez bandeja e o placar estava em 73 a 45. Sem respostas e poder de reação, os lituanos apenas assistiram ao adversário confirmar o resultado e a vaga entre os quatro melhores times da competição.

Destaques

Austrália

Patty Mills: 24 pontos
Aron Baynes: 16 pontos, cinco rebotes
Matthew Dellavedova: 15 pontos
Joe Ingles: dez pontos, cinco assistências
Andrew Bogut: seis pontos, sete rebotes, seis assistências

Lituânia

Mantas Kalnietis: 12 pontos, cinco assistências
Antanas Kavaliauskas: 12 pontos

  • Thiago Santana

    MilsVP, sem mais!

  • Rafael Casañas Rigoli

    Lituania se fudeu legal, entregou contra espanha e croácia pra pegar evitar os Estados Unidos até a final, e pra não pegar um europeu nessa rodada, tomou da austrália.

    • Diego Alexsander

      Sério isso? Interessante sua análise.

    • Gabriel Ximenes

      Que entregou pra Espanha eu sabia, agora pra Croácia não tinha me atentado. Mesmo assim eu ri bastante dessa eliminação hahaha trouxas.

  • Diego Alexsander

    Esperava mais da Lituânia. Que belo basket tem apresentado a Austrália.

  • Evandro

    Lituânia me ferrou. Fui a 4 jogos na olimpíada e 2 foram da Lituânia (Espanha e Austrália). Felizmente, a Nigéria me salvou.

  • Austrália não tem um time melhor que o Brasil, mas com organização e disciplina vem fazendo uma bela olímpiada, eliminou hoje a lituânia que em tese era mais time e acredito numa final…

    • Cássio

      Pra mim o time é melhor sim. Mills > huertas. dellavedova > Leandrinho. Joe Inlges parelho com marquinhos. Andersen > Rafael Hetsscheimer (sei lá como escreve) Bogut < Nenê.

      Porem o Baynes é melhor que o Felício, vejo a Austrália muito superior ao Brasil. Pra mim 3 dos 5 do quinteto inicial da Austrália são melhores e o banco pode ser até parelho, mas a organização tática e muuuuuuito superior ao Brasil.

      • Mills>Huertas
        Della<Leandrinho (nem preciso dizer quem joga mais)
        Ingles = Marquinhos
        Andersen<Augusto Lima
        Bogut=Nenê

        No banco da Austrália temos o Baynes para contribuir e no Brasil temos o Raul, o Benite, Felício que pelo menos poderiam fazer algo…

        então são times bem parelhos, até acho o Brasil mais time, mas a Austrália tem MUITA ORGANIZAÇÃO, que foi exatamente o que falei…

        • matheus

          Concordo contigo Vinicius! São times bem parelhos e talvez o Brasil possa ser até um pouco superior, mas como tu falou a Austrália tem MUITO MAIS ORGANIZAÇÃO que o Brasil mesmo, e acho que o Mills vem jogando muito nessas Olimpíadas e é o cara que vem chamando a responsabilidade pelo lado da Austrália e isso faltou pro Brasil, um cara que bota a bola em baixo do braço e decide sem medo de errar e ser criticado depois.

          • Pois é Matheus…
            a realidade é que o técnico da Austrália não inventa, conhece seus jogadores a rotação deles não tem 12 jogadores, ele passou para seus atletas ORGANIZAÇÃO TÁTICA, e no Brasil vimos pouco disso…

            Vendo os jogos de ontem, pude ver que nosso time TINHA GRANDES CHANCES DE MEDALHA sim, e tão cedo não teremos outra chance como essa…

        • Matheus Oliveira

          Bogut é melhor que o Nene

        • TRUETHIAGO

          Um time é uma somatória de fatores, combinações de características entre os jogadores, não esse “1×1” por posição. Perfeitamente possível ser melhor que outro, na prática, tendo apenas 1 ou 2 superiores numa comparação dessas (5×5).

          Resumindo:

          – O Brasil não tinha um Scorer/Pontuador confiável; a Austrália tem (Mills);

          – O Brasil não tinha bons arremessadores (29% 3-PT);

          – O Brasil não tinha um protetor de aro do nível do Bogut.

          Fora que mesmo se for levar em conta desse jeito, para mim está errado alguns confrontos. A comparações com o Huertas deveria ser o Dellavedova, não o Mills. E o Baynes no lugar do Andersen.

          • – Mills se tornou um pontuador confiável no esquema que a Austrália montou pra ele… Na NBA ele mal joga de tão craque que ele é (cansei da babação encima desse jogador, como se ele fosse fora de série)
            – Arremessos para caírem tem que ter jogadas trabalhadas para o jogador ter uma certa liberdade para arremessar…
            – Nenê SEMPRE foi um bom protetor de aro… joga muito e teve uma carreira GRANDIOSA na seleção…

            desculpe, mas entre Mills e Leandrinho sou muito mais o brasileiro (até pela carreira que ambos tiveram/tem na NBA)

            Huertas (armador respeitadissimo na europa) também tem mais qualidade que o Della.

            Baynes tbm mal joga na NBA (de tão bom que ele é)

            na realidade o time brasileiro É MELHOR que o australiano, mas sabe qual a diferença (o que sempre falo aqui) o time australiano tem um treinador QUE SABE TIRAR o melhor de seus jogadores, suas rotações não são compostas de 12 jogadores, e os jogadores estão jogando com vontade de fazer história, só isso. Agora dizer que o time da Austrália é isso, é aquilo…

          • TRUETHIAGO

            Mills foi o cestinha das Olimpíadas de Londres, você sabia, né?! Sim, ele não é nenhum craque e joga 15/20min na NBA… Igualzinho o Leandrinho, nos últimos 4/5 anos. Não tem babação nenhuma da minha parte, apenas uma constatação simples de desempenho entre eles: um está fazendo 21ppg, 49%fg e 39% de 3pt, enquanto o outro fez 11ppg, com 39%fg e 14% (!!!) de 3. Até parece que isso é somente fruto porque um joga na seleção A e outro na seleção B. Seguindo seu raciocínio, se o Leandrinho jogasse na Austrália teria essas médias que tem o Mills… Really???

            Bogut na última temporada da NBA limitou os adversários a 45% FG quando estava protegendo o aro; com Nenê, esse número sobe para 51,9%. Não é ruim, o Nenê possui boas ferramentas defensivas, mas nunca foi um especialista nessa parte (rim protector). Sempre se mostrou mais eficiente na marcação individual, do que nas coberturas ou dando tocos. Tanto que basta observar os números dele, foram poucas seasons que ele conseguiu fazer acima de 1,0 BLOCK per game, inclusive no geral sua média de STEALS é maior (1,2 stls x 0,8 blks). Nessas Olimpíadas, Nenê deu DOIS tocos (total); o Bogut tem MÉDIA de 1,4. O australiano, como protetor de aro, é superior ao brasileiro. Tão elementar quanto 2 + 2 = 4.

            Huertas foi sim um dos bons armadores da Europa durante um tempo, porém já veio para NBA em declínio. No próprio Barcelona não era mais titular absoluto no seu último ano, perdendo a posição para o Satoransky.

            Ou seja, estamos em 2016, não 2006 ou 2010/2011. A carreira conta, mas na hora de fazer uma comparação justa é necessário levar em conta o desempenho recente. A nossa Seleção era uma das maiores médias de idade desse torneio Olímpico, cheia de jogadores que pouco atuam na NBA, e nenhum que era sequer destaque pelo menos no basquete Europeu (tipo Splitter, MVP na Liga Espanhola em 2010) e todo mundo sabia da limitação ofensiva. Apenas organização e defesa, talvez, não seriam suficientes para passar de fase. Infelizmente, de fato, não foram.

            E ninguém disse que a Seleção Australiana é um “Dream Team”, podem perder da Sérvia e sair daqui sem medalha, igual o Brasil. Mas, possuem um conjunto mais homogêneo, variado, e os principais jogadores deles são consideravelmente mais jovens do que os nossos: Mills (entrou com 27, fez 28 anos dia 11), Delly (25/26), Ingles (28), Baynes (29), Bogut (31); Huertas (33), Leandrinho (33), Marquinhos (32), Augusto (25) e Nenê (33/34)

            Se prefere acreditar que o time do Brasil é muito melhor, e que a única diferença entre uma seleção e a outra é o técnico, fique a vontade. Ou que tínhamos grandes chances de medalha, idem, estamos num país livre. Pena que a REALIDADE não é essa, como vimos dentro de quadra e através dos resultados.

            Abraços

          • Mills joga 15, 20 min por jogo nos Spurs?? viajou nessa também amigão…

            o Leandrinho tem um jogo um pouco diferente do Mills, ele gosta de partir pra dentro, e outra ele teve médias de 16 ppg em Londres, ele é um jogador que já foi sexto homem na NBA, jogou MUITO bem na FINAL da NBA, então você ainda quer comparar?? o treinador que SABE tirar o melhor de cada atleta, faz cada um render mais e consequentemente a equipe também…

            Viajou denovo amigo…

            Sei que o Huertas realmente era banco do Satoransky (que vai pros Wizards), um OTIMO armador também…

            Os jogadores brasileiros sofreram com lesões nesse ano por isso não jogaram e o Huertas teve um belo final de temporada nos Lakers…

            Bogut como protetor de aro é melhor que o Nenê, sim, mas o Nenê tem mais eficiência ofensiva e no 1×1 eh melhor também, por isso pra mim os dois se equivalem…

            não disse que o Brasil ERA MUITO MELHOR que os cangurus, disse que na minha opinião os dois times se equivalem, talvez o Brasil sendo um pouco melhor…

            e outra uma pena que Splitter e Varejão não vinheram, se vinhessem o Brasil passaria da primeira fase e teria mais chances de medalha…

          • TRUETHIAGO

            É óbvio que o Mills joga 15/20 mpg nos Spurs, não entendi onde está a “viagem”… Sinceramente, ou não estamos falando do mesmo jogador ou você está usando desonestidade intelectual no debate.

            2011/12 > 16.3min (10,3ppg)
            2012/13 > 11.3 (5,1)
            *2013/14 > 18.9 (10,2)
            2014/15 > 15.7 (6,9)
            2015/16 > 20.5 (8.5)

            Sim, Leandrinho já foi Sixth Man, possui uma boa carreira na NBA, etc. Em nenhum momento contesto essa parte, o que eu disse é que estamos em 2016, não lá em 2006/07. Querer pegar esse fator numa comparação atual não existe, como eu falei, não há abismos entre Mills e Leandrinho, hoje. Ambos nos últimos anos de NBA possuem médias parecidas (seja de minutos ou stats); Sendo que desde Londres o Mills vem jogando desse nível na Seleção Australiana. Claro, são estilos diferentes, mas na prática ambos são responsáveis pela mesma função em suas seleções, de pontuar. Por isso que falei que não fazia sentido comparar Mills com Huertas e Leandrinho com Mills.

            Em tempo: o treinador da Austrália em Londres era o Brett Brown, não o atual (Lemanis). E ali o Mills já havia feito uma Olimpíada superior que a do Leandrinho, que também foi boa, principalmente se formos comparar com essa do Rio.

          • O treinador da Austrália sabe que o Mills arremessa muito de três, o que ele fazia? faz jogadas que favorecem seu jogador. O leandrinho tem um time organizado para que ele possa render o seu melhor?
            sobre o treinador, acho que seria bom até termos também um treinador da Nba, para usar essa garotada…

          • TRUETHIAGO

            Ah, e falar que a rotação do Brasil era composta de “12 jogadores” é outra forçada de barra daquelas. Aliás, a Austrália utiliza uma variedade maior que a nossa, em quantidade de jogadores.

            > 7 brasileiros atuaram +15mpg: Nenê (29.1 min), Leandrinho (26.1), Marquinhos (23.9), Huertas (23.7), Alex (21.5), Augusto Lima (20.7) e Raulzinho (17.9)

            > 8 australianos: Mills (28.2), Ingles (25.8), Baynes (22.9), Dellavedova (22.5), Bogut (22.2), Andersen (18.9), Broekhoff (17.8) e Lisch (15.2)

            Os do Brasil que menos jogaram (“garbage time”) > Rafael Luz (1.2) e Felício (10.8); Australia > Motum (7.1) e Goulding (9.6 minutos)

          • Vi ai que pelas suas contas você “esqueceu” o Hettshmaier e o Benite né? eles também tiveram minutos consideráveis nas rotações… aí você já errou né amigão??
            vou fingir que acredito nesses seus numeros aí…

            O que eu falo é que nas rotações deveríamos ter usado sete, oito atletas, e outra, quem acompanhou os jogos sabe que o Magnano errou MUITO em substituições e instruções táticas, geral viu isso…

          • TRUETHIAGO

            Não esqueci de nada, citei os jogadores com médias acima de 15mpg. Benite (13.0) e Hettsheimeir (13.4), assim como não coloquei, por exemplo, o Bairstow (13.4) ou Martin (11.7).

            Os números não são meus, está ao alcance de todos para quem quiser conferir: http://www.fiba.com/olympics/2016/Brazil
            http://www.fiba.com/olympics/2016/Australia

            Eu também critiquei o Magnano, especialmente no jogo contra a Argentina. Agora, resumir a nossa campanha ruim simplesmente jogando a culpa nele, ou falando que ele usou uma rotação de “12 jogadores” é piada. A Australia usou tanto ou mais jogadores que a gente, como mostrei. Se você quiser utilizar um paralelo verdadeira, pega como exemplo a Seleção da Croácia então, essa sim tinha uma rotação de 8/9 jogadores, com Bogdanovic e Saric atuando quase 40min em alguns jogos.

          • Em nenhum momento coloquei a culpa “somente” nele, mas que ele foi um dos principais culpados, isso sim foi. Se você vê que um jogador não tem condição de jogar, o que você faz? o tira da rotação, simples, ou diminui o máximo (garbage time) o jogo do cidadão. Todos viram que Hettshmaier tava muito mal, porque ainda começava os jogos? o time não tinha organização em alguns momentos da partida, e isso é culpa de quem? a rotação tinha 11 jogadores (um absurdo!) deveria ter 7,8,9 jogadores no máximo…

    • Gabriel Ximenes

      É verdade. Vejo gente falando que o Brasil precisa de um pontuador (acho que esse pessoal ainda é órfão do Oscar) pra decidir os jogos e tal. Porém, esse é um pensamento equivocado. O que precisamos é de um time! Organizado taticamente, com boa defesa, jogadores que se entregam em quadra, etc. Precisamos ter um time bom, não só um jogador bom.

    • Sei lá vei, o time é melhor que o brasil sim, principalmente o quinteto titular, os 5 jogam na NBA…

  • Doug

    E o Bogut…como é um jogador que contribui para o time…faz de tudo um pouco…6 assists no jogo…

    • King Cuban

      O RC vai gostar dele

      • Doug

        Sim…vai ajudar a resolver grande parte do problema do garrafão texano…

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados