logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 19 set 2016 às 13:54
Cinco alas-pivôs para ficar de olho em 2016-17

Gustavo Freitas analisa jogadores que vão mostrar serviço na nova temporada

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Gustavo Freitas

Nikola Mirotic

A diretoria do Chicago Bulls fez mudanças drásticas no elenco, especialmente no provável quinteto titular para 2016-17 a pedido do técnico Fred Hoiberg. O treinador quer que o time jogue com mais velocidade e arremesse mais de longa distância. No entanto, com Rajon Rondo, Dwyane Wade e Jimmy Butler, essa missão será entregue ao ala-pivô Nikola Mirotic. Do que até agora é imaginado, Mirotic deverá começar os jogos, espaçando a quadra. E, mesmo que venha do banco, atrás de Taj Gibson, terá mais minutos do que nos anos anteriores.

Mirotic sabe arremessar de qualquer lugar e faz com que a defesa adversária seja obrigada a ter um atleta de suas características para sair do garrafão. Tudo bem. Mais da metade da liga já faz isso, porém o montenegrino está cada vez mais longe da área pintada no ataque e a prova disso é que ele buscou menos contato com o oponente e, em mais tempo de quadra em relação ao seu primeiro ano, teve menos lances livres cobrados. Na primeira temporada, ainda sob o comando de Tom Thibodeau, Mirotic era obrigado a ficar mais próximo da cesta. Assim, aumentou o número de arremessos de três pontos de 3.8 para 5.2 e viu seu aproveitamento de longa distância saltar de 31.6% para 39%. Em um time que vai precisar de arremessos, Mirotic será uma das peças fundamentais do esquema de Hoiberg.

Como a lista aqui NÃO É NECESSARIAMENTE SOBRE OS MELHORES DA POSIÇÃO (que será divulgada em outubro), mas sim sobre jogadores que poderão ter algum destaque dentro de um time, seja por mudança de equipe, de status dentro dela, ou de evolução.

Em 2015-16, ele obteve médias de 11.8 pontos, 5.5 rebotes e 80.7% da linha de lance livre em cerca de 24.9 minutos de ação.

 

Serge Ibaka

Preocupado cada vez mais com o arremesso de longa distância, o congolês Serge Ibaka deixou de ser aquele ala-pivô tradicional e saiu do garrafão no ataque do Oklahoma City Thunder. Porém, com a troca para o Orlando Magic, é esperado que ele aumente ainda mais a carga de chutes de três, já que lá dentro quem vai ficar é Nikola Vucevic.

Essa parceria com Vucevic pode render frutos. O pivô tem um bom passe para um jogador de sua posição e sempre que é marcado em dobras, ele consegue alimentar algum atleta atrás da linha de três quando estiver com cobertura dupla.

Por três anos consecutivos, Ibaka fez parte do time ideal de defesa da NBA. No entanto, nas últimas duas temporadas, foi obrigado a deixar o garrafão e ficou perdido no pick and roll, como na série final do Oeste, diante do Golden State Warriors. Nesse período, ele caiu de 8.8 rebotes para 7.8, para 6.8 em 2015-16. Nos bloqueios, desceu de 2.7 para 2.4 e 1.9 na última campanha. No Magic, entretanto, sabe-se que Vucevic não tem uma grande capacidade defensiva e assim, Ibaka será obrigado a fazer mais coberturas.

Em 2015-16, ele obteve médias de 12.6 pontos, 6.8 rebotes, 1.9 bloqueio, e um aproveitamento de 32.6% em três pontos.

 

Anthony Davis

Está mais do que na cara que o New Orleans Pelicans vem para uma temporada de tank. Basta olhar o provável quinteto titular da equipe na noite de estreia. Quem sobrou? Anthony Davis. Jrue Holiday está com problemas familiares, Eric Gordon foi para o Houston Rockets, assim como Ryan Anderson, e por fim, Tyreke Evans está longe de se recuperar de nova lesão. Ou seja, o time vai depender do atleta nos dois lados da quadra o tempo inteiro.

É possível até que Davis seja pivô nesta temporada, com Terrence Jones herdando sua posição como ala-pivô. Assim, Omer Asik vai para o banco. E mesmo que isso não aconteça no começo das partidas, será assim que o time vai jogar em boa parte do tempo.

Davis era um cara para estar aqui? Se estivesse em um time razoável, de forma alguma. Mas o Pelicans é péssimo. Dá azia em Sonrisal e vai brigar com o Brooklyn Nets pelas últimas posições da liga. Assim, Davis terá os melhores números da carreira. Isso, se não se machucar de novo.

Em 2015-16, ele garantiu médias de 24.3 pontos, 10.3 rebotes, 2.0 bloqueios, 1.3 roubada e um aproveitamento de 49.3% nos arremessos de quadra. Ah, agora ele chuta de três (32.4% na última temporada).

 

 

Ryan Anderson

Para fechar a lista, Ryan Anderson, que deixou o New Orleans Pelicans e vai para o Houston Rockets para ser titular. É claro que no time texano, James Harden vai ficar com a bola 94.7% do tempo, mas ele sabe encontrar companheiros livres, especialmente para três pontos. Nisso, Anderson vai navegar em águas calmas.

Especialista em arremesso de longa distância, Anderson também ajuda nos rebotes. Precisa ficar saudável, porém. Na carreira (oito anos), ele só jogou acima de 70 jogos em uma temporada apenas uma vez.

Não que ele tenha treinado bastante no decorrer da carreira para ser um arremessador de três. Ele já veio assim do basquete universitário. Sabe arremessar com facilidade, sem forçar. Tanto que contabiliza quase mil acertos de longa distância em cerca de 480 partidas.

Em 2015-16, ele obteve médias de 17.0 pontos, 6.0 rebotes e um aproveitamento de 36.6% de longa distância.

 

Jabari Parker

Será que agora vai? Jabari Parker vai continuar jogando fora de sua posição ideal no Milwaukee Bucks, mas 2016-17 será basicamente a sua segunda temporada na NBA, já que se machucou precocemente na estreia. Talento, ele tem. Resta lapidar.

Parker não tem um bom arremesso de longa distância (25.5% na carreira), nem é ainda um grande defensor (longe disso), mas tem campo para evoluir e ser um grande jogador. No mínimo, você nota seu esforço. Durante as férias, ele treinou exaustivamente essas duas características para crescer. A aposta é que vai.

Em 76 jogos na última temporada, Parker obteve médias de 14.1 pontos, 5.2 rebotes, além de um aproveitamento de 49.3% nos arremessos de quadra.

Leia também:

Cinco armadores para ficar de olho em 2016-17
Cinco alas-armadores para ficar de olho em 2016-17
Cinco alas para ficar de olho em 2016-17

  • Jabari Parker, eu esperava mais dele. Não gostei tanto dos jogos que vi dele na última temporada, não tem muitos recursos para jogar de ala-pivô. Não tem arremesso, não tem força física e o ball handling é médio. Acho que nunca será o jogador que todos esperavam – torço para estar errado.

  • Michel Moral

    – Para o Anthony Davis, estar numa lista dessa é vergonhoso. O pior é que ele até merece estar. Afirmo isso porque um jogador pop star candidato a melhor jogador na liga nos próximos anos, não pode fazer parte de uma lista “para ficar de olho”. Como se alguém tivesse que lembrar que ele pode jogar bem.

    Isso mostra a preocupação e a pressão que ele vai sofrer no futuro próximo, especialmente no tocante ao seu físico.

    – Não acredito em uma crescente significativa do Ibaka em termos de números. Primeiro: ele é um coadjuvante e não tem qualidade individual para criar suas oportunidades de arremesso. Por exemplo, o Bosh é um jogador com características parecidas com as do Ibaka, mas em termos de qualidade não tem comparação com o dino do Heat.

    Ele pode crescer em termos de representatividade e liderança, mas daí a conversa é outra. Qualquer expressão maior do que ele já tinha no Thunder, já vai me surpreender.

    – O Ryan Anderson vai definir a carreira dele agora. Ele sempre jogou bem, mas nunca foi além de um jogador nota sete. Acho que mais importante do que os números, ele precisa ser um líder e converter arremessos importantes. Espaço ele tem de sobra para isso no Rockets.

    – Mirotic sim pode ser uma grata surpresa. Já não é mais garoto e está com rodagem na liga. Antes ele não tinha a garantia de espaço na rotação e agora ele é uma peça fundamental para o time do Bulls.

    – Jabari Parker tem que subir suas médias para 20ppg e encostar ao máximo que puder no seu rival de draft, Wiggins. O Bucks não fez grandes movimentações, o que certamente o beneficiará na próxima temporada.

  • David Ribeiro

    Ainda prefiro Taj a Mirotic. Mas iria ficar complicado as bolas de 3pts no quinteto titular.

  • Claudio R.

    fiquei com a impressão de que o Jabari estava fora de forma… um pouco acima do peso e por isso não desempenhou um bom basquete… acredito que se ele vier a diminuir o peso pra sua posição e for mais agil será ainda melhor… Mas juro que não vejo a capacidade de pontuar que o fazem comparar com Carmelo Anthony(que já entrou na liga como grande scorer)… Enfim, to confiante no Ibaka no Magic, mas acho que não termina a temporada lá!

  • Rafael Victor

    Acho que o Mirotic (ou o Gibson) vai ser trocado pelo Bulls durante a temporada, o Portis já deu mostras que tá muito afim de assumir a titularidade do Bulls! Esse é um também que vale a pena ficar de olho!

    • – Tiago

      Acredito que o Taj seja trocado. Tbm vou ficar de olho no Portis, espero que ele tenha um bom tempo de quadra para conseguir se desenvolver. O mlk é talentoso

  • Junior Andrade

    Só de ver Ibaka já dá tristeza, era um verdadeiro Thunder

  • Vinícius Maia

    Cara as vezes eu tenho a séria impressão de que o Monocelha será um novo Garnett: um ala-pivô dominante quebrando recordes e mais recordes da franquia e quando já não for tão dominante, vai se juntar a outras estrelas sem assumir o protagonismo para conseguir o tão sonhado anel.

  • Pedro Ferreira

    O que vcs acham sobre o Parker,a lesão atrapalho demais ou o povo exagerava na Hype?

    • Gustavo Freitas

      Acho que atrapalhou o desenvolvimento. Mas sempre tem hype de universitário.

      • Pedro Ferreira

        Compararão ao Carmelo e o cara tem 25,5 de longa distancia,no minimo contraditório

        • TRUETHIAGO

          Mas em Duke ele tinha 35%, arremessando de fora quase 4 vezes por jogo, o que é um bom aproveitamento.

          De qualquer forma, esse paralelo dele com o Carmelo (ou Paul Pierce) eu também nunca concordei.

          • Pedro Ferreira

            Né mano,as vezes o povo exagera na animação!

        • Gustavo Freitas

          Deve ser também por causa da parte física. Isso conta nas comparações.

  • Ainda ponho fé no menino Jabari, tem muita personalidade, se as lesões não atrapalharem vai ser um jogador fundamental na base do Bucks.

  • Lucas Callado França

    Faltou o Felício nessa lista.

  • Sander Santos Baptista

    O problema para o Jabari nessa temporada é o treinador. Ele precisa de alguém mais experiente em desenvolver jovens.
    Mas tomara que o Kidd possa por ele para trabalhar a defesa e o arremesso.

  • Knickerbockers

    Faltou o Letão. A próxima temporada vai ser a temporada de afirmação do nosso futuro Franchise Player.

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados