logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 26 set 2016 às 13:50
Cinco pivôs para ficar de olho em 2016-17

Gustavo Freitas analisa jogadores que terão novas funções em 2016-17

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Gustavo Freitas

Clint Capela

Clint Capela

Após praticamente não jogar em sua primeira temporada, o suíço Clint Capela ganhou tempo de quadra com as seguidas lesões de Dwight Howard em 2015-16. Com a saída de Howard para o Atlanta Hawks, Capela deverá ser o novo titular do Houston Rockets na próxima campanha. Ele ainda tem muito a evoluir e terá ao seu lado o brasileiro Nenê para facilitar essa transição. Acredita-se que Nenê será o seu imediato no banco de reservas até que esteja preparado para assumir de vez a função.

Como DeAndre Jordan, Andre Drummond e até mesmo Howard, Capela é um pivô forte, com grande capacidade para capturar rebotes, mas com o mesmo aproveitamento nos lances livres. Aliás, ele é péssimo nisso. Apenas 37.9% de acertos no quesito. Ou seja, o Rockets vai continuar sofrendo com os hacks na próxima temporada.

Em 77 jogos (35 como titular), Capela obteve médias de 7.0 pontos, 6.4 rebotes, 1.2 bloqueio e 58.2% nos arremessos de quadra em cerca de 19 minutos.

Roy Hibbert

Roy Hibbert

Que temporada horrível Roy Hibbert teve, não? Dois anos depois de participar do Jogo das Estrelas, Hibbert foi para o Los Angeles Lakers, onde simplesmente não conseguiu produzir. E dos dois lados da quadra. O atleta agora está de casa nova e espera voltar a contribuir. No Charlotte Hornets, porém, existe uma grande competição por minutos com Cody Zeller, Frank Kaminsky e Spencer Hawes.

Ainda não foi divulgada a escalação do Hornets, mas o técnico Steve Clifford acredita que ele seja subestimado ofensivamente. Vai precisar fazer mais do que os 5.9 pontos obtidos pelo Lakers em 2015-16. Ele ainda pegou 4.9 rebotes e obteve 1.4 bloqueio.

Dwight Howard

dwight-howard-text-1416403517

Finalmente, Dwight Howard vai jogar pelo Atlanta Hawks. Isso estava escrito há anos. Agora, com a chance de atuar onde nasceu, Howard poderá voltar a ser um dos melhores atletas da posição. O jogador caiu muito de produção nos últimos anos, especialmente depois da saída do Orlando Magic. Desde então, fracassou no Los Angeles Lakers e “perdeu” a queda de braço com James Harden no Houston Rockets.

Howard, de 30 anos, deverá exercer a mesma função realizada em suas antigas equipes, mas o estilo de jogo do Hawks não combina exatamente com o dele. O time de Atlanta prima pelos passes rápidos e arremessos de média e longa distância. O atleta não se encaixa naquilo que Al Horford fazia.

Em 71 partidas, Howard obteve médias de 13.7 pontos, 11.8 rebotes, 1.6 bloqueio e aproveitamento de 62% nos arremessos.

Joakim Noah

Joakim Noah

A ida de Joakim Noah para o New York Knicks não chega a ser exatamente uma surpresa. O pivô estava “queimado” com a comissão técnica do Chicago Bulls por reclamar de tempo de quadra e sua função na equipe após a chegada de Fred Hoiberg. O técnico não queria utilizá-lo ao lado de Pau Gasol e Noah tornou-se reserva. Entretanto, a temporada 2015-16 durou apenas 29 partidas, por conta de uma grave lesão no ombro.

Assim como Dwight Howard, Noah vai jogar pela primeira vez onde nasceu. Em Nova York, o atleta terá a companhia de Derrick Rose, colega de Bulls, e isso deverá facilitar um pouco a transição.

Na última temporada, ele obteve médias de 4.3 pontos, 8.8 rebotes, 3.8 assistências e 1.0 bloqueio, em cerca de 22 minutos de ação.

Al Horford

Al Horford

Al Horford foi outro que mudou de time. Após nove anos no Atlanta Hawks, o atleta acertou com o Boston Celtics para ser um dos principais jogadores da equipe. Pivô ou ala-pivô, Horford é completo dos dois lados da quadra. Arremessa bem, tem um bom passe e é ótimo defensor. Na última temporada, adicionou em seu repertório o chute de três (88 cestas em 256 tentativas ou 34.4% de aproveitamento).

No Celtics, terá mais liberdade para atacar e ajudar Isaiah Thomas. Isso porque o time precisava de alguém confiável no garrafão desde a saída de Kevin Garnett. Com Horford, a equipe finalmente terá um jogador capaz de defender, já que nos últimos anos contou com Tyler Zeller, Kelly Olynyk e Jared Sullinger. Apenas Amir Johnson sabia fazer isso na área pintada.

Em 2015-16, ele obteve médias de 15.2 pontos, 7.3 rebotes, 3.2 assistências, 1.5 bloqueio e um aproveitamento de 50.5% nos arremessos em cerca de 32 minutos.

Leia também:

Cinco armadores para ficar de olho em 2016-17
Cinco alas-armadores para ficar de olho em 2016-17
Cinco alas para ficar de olho em 2016-17
Cinco alas-pivôs para ficar de olho em 2016-17

  • Victor Chittolina

    Se tem um pivô que eu vou estar de olho, é no Embiid.

    • Michel Moral

      Espero do fundo do coração estar enganado. Mas a tendência é que Embiid ainda não ganhe tantos minutos dentro de quadra.

      O Sixers, teoricamente, não vai revolucionar o mundo do basquete na próxima temporada. Colocar em risco a carreira de sua grande promessa não vale à pena.

      Talvez até por isso não tenham negociado Okafor ou Noel, pois sabem das limitações iniciais de Embiid.

      O camaronês tem uma lesão muito grave, que depois de muito esforço pode ser que esteja curado. Porém, não há garantia nenhuma.

      Por isso, acho que não dá para colocar o pivô do Sixers como uma realidade já na próxima temporada. “Ficar de olho” pode até ser, mas sabendo dessas questões.

      • Victor Chittolina

        Eu acho que na opção “ficar de olho” ele se encaixa muito bem, por toda a expectativa que se tem em relação a ele, aos dois anos de espera pra finalmente vê-lo jogar.
        Com Simmons, Noel e Okafor no garrafão e levando em conta esse histórico de lesões, acho provável que ele tenha menos minutos do que gostaríamos, mas ele pode demonstrar o potencial com 15-20 minutos em quadra.
        Tomara que ele seja o Olajuwon e não o Oden.

  • Victor Chittolina

    Cadê o Mozgov, Mastô? O melhor contrato dessa off season.
    Torcida do Lakers tá esperando uma temporada de All Star.

  • Rodolfo Ribeiro #OKCLoyalty

    eu nao entendi direito essa serie dos “jogadores pra ficar de olho”
    Seria em que sentido?Jogadores que podem evoluir em relação a temporada passada?
    Se sim,nao seria interessante ter colocado Embiid,que apesar de nao ter jogado ainda,é um.jogador que se espera uma evolução? Ou outros jogadores como o próprio KAT,Steven Adams e Enes Kanter?
    Acho que Horford,Howard e Noah são jogadores com bastante tempo de carreira,poderia ter dado espaço pra falar de outros..

    • Michel Moral

      Entendo que são os jogadores que podem assumir papel de destaque acima do esperado, em uma condição favorável para evoluir.

      Por exemplo, Howard vem de anos em baixa. Logo, a expectativa sobre uma evolução é boa.

      Capela pela primeira vez vai ser o principal nome do time. É um fardo e tanto. Mesmo sem garantia de sucesso, é um cara que precisamos “ficar de olho”, pois pode surpreender.

      • Rodolfo Ribeiro #OKCLoyalty

        Sim,de fato são. Mas são jogadores que,com exceção do Capela,nós sempre estamos de olho pq já o conhecemos.Seria interessante ter colocado jogadores com a carreira mais curta.Towns vai assumir mais que nunca a liderança de um time.Steven Adams vem de uma crescente forte e é citado nas cotações de MIP.Kanter teve bastante voto pra ser o Six Man da ultima temporada e tbm o vi em cotações pra MIP.Falo dos jogadores do meu time,mas tem outros pela liga aí.

    • Gustavo Freitas

      Kanter cabia mais que Hibbert. Mas eu quis enfatizar um pivô que já foi para o ASG duas vezes, apareceu bem, ganhou salários astronômicos e depois caiu. A passagem pelo Lakers foi terrível e agora ele terá a chance de voltar a jogar bem, como novo esquema, técnico bom e que aposta nele, e com mentalidade de playoffs, algo que não teve em Los Angeles.

  • Michel Moral

    Dos jogadores citados, Al Horford é a opção mais certa de sucesso, pois chega em um time já com cara de time e que não tem que passar por grande reestruturação. Fica bem mais fácil quando um jogador chega para somar e não criar a partir de uma estaca zero.

    Estou curioso para ver como Millsap e Dwight Howard vão coabitar o garrafão de Atlanta. Paul é muito comprometido e sempre disputou playoffs.

  • Pedro Coimbra

    Steve Adams caberia facilmente no lugar Roy Hibbert, vejo ele muito mais promissor, além de um dos destaques do OKC nessa temporada.

  • Matheus Pitarello

    Quero ver o Howard de Orlando um dia de novo… Al Horford joga muito, pra mim top 5 da NBA nessa posição…

  • Sid Payne- Dança muito

    Senti a falta do Adams nessa lista!!

  • Junior Andrade

    Senti falta do Adams, que fez uma boa regular, mas que apareceu mesmo nos offs. Sinto que esse ano ele vem pra ser MIP

    • Sid Payne- Dança muito

      MIP MIP, acho que n pq tem o Kanter ao seu lado q é mt bom ofensivamente… mas acredito em uma temporada de 13-8 por ae

      • Gustavo Freitas

        É possível que esteja mais ou menos por aí.

  • Cabe observar durante 2016-2017 (com até 25 anos):

    Cody Zeller — Acredito num bom crescimento fora do radar, tem só 24 anos foi um top 5 no draft em 2013 e me parece o típico talento com despertar tardio (assim como citei Otto Porter nas alas).

    Bobby Portis — Esse cara vai surpreender muita gente na próxima temporada. É um ano de 8 ou 80 para ele, pelo que mostrou no verão vem para ser uma peça chave no sistema de jogo do Bulls.

    A.J. Hammons — Fez um barulho gigantesco durante fevereiro e março com atuações muito boas dos dois lados da quadra no college. Como Andrew Bogut tem prazo de validade (julgando pelos últimos três anos), vai quê?…

    Nikola Jokic — Por ser uma unanimidade dentro da franquia e a evolução natural é uma aposta segura de performance em 2016/2017.

  • – Tiago

    Acho que o Howard vai crescer bastante de produção no Hawks. Mesmo jogando desmotivado teve medias de 13.7 pontos, 11.8 rebotes, 1.6 bloqueio, são médias que pra ele são baixas, porém estão longe de ser médias ruins. Acredito que como ele vai ser a principal estrela do elenco ele vai jogar muito mais motivado e vai melhorar muito suas médias. Deve voltar para o All-Star Game nessa temporada

    • Doug

      Realmente…concordo contigo…veja que mesmo em baixa o cara tem um duplo-duplo de média…o nível de exigência sobre ele é que é muito grande, já que ele demonstrou que pode ir muito além disso…

      • Nilton Junior

        Ir muito além eu acho que não…
        Já mostrou tudo do que é capaz, a exigência em cima dele é justamente pelo que já mostrou nos tempos de Orlando.
        Vamos torcer pra se manter saudável e motivado. Fisicamente é imparável.

        • Doug

          Muito além desses números aí sim, meu velho…no Orlando ele beirou médias de, em toda a sua passagem, 20 ptos e 15 rebotes…e forma quase dez anos lá…ele é muito limitado tecnicamente, mas se jogarem o seu jogo e ele estiver focado, ainda pode fazer estragos…

          • Nilton Junior

            Sim, Disso eu não descordo. O que eu quis dizer é que não acredito em grande evolução dele justamente em relação ao que já vimos em Orlando. Como o Michel disse em cima: ele não vai acrescentar um arremesso de média e muito menos de longa distancia. Não acredito em evolução além do que já mostrou um dia na NBA.

          • Doug

            Sim, Nilton. Isso é indubitável. Não me refiro à evolução de jogo. O que estou a dizer é que mesmo jogando o jogo dele, que é o que conhecemos, ele pode render mais…é disso que estou falando…não de evolução técnica ou coisa do tipo (que em se tratando de Howard, acho que fica claro qual é o teto dele), mas sim render e contribuir mais para o time…números melhores ele tem condições de apresentar e pra isso não há necessidade de evolução técnica, o que todavia, seria louvável se ocorresse, mas extremamente improvável…

      • Michel Moral

        Depende.

        Como o Gustavo bem destacou, o Hawks não tem necessariamente um sistema de jogo no qual ele se enquadra. Há uma grande diferença entre jogar com Horford e Howard.

        D12 dificilmente vai transformar seus números em algo mais expressivo, pois não tem, a princípio, um armador 100% preparado para as assists. Também não tem arremessos de média e longa distância, que são as armas mais utilizadas pelo time de Atlanta.

        Ou seja, para ele “crescer” estatisticamente vai precisar se reinventar de algum jeito. E embora tenha um FG excelente, Howard nunca foi um jogador que forçou arremessos em jogadas individuais. Sempre partiu mais para jogadas de segurança.

        • Doug

          Não acho que ele irá se readaptar, Michel. Ele é limitado e já demonstrou isso…o jogo do Howard é aquele que conhecemos (debaixo do aro apenas)…pra mim, é mais fácil o Atlanta variar o jogo e utilizá-lo mais, inclusive com Pick and rolls com o Dennis, do que o Howard mudar em algo…além do mais, ao contratá-lo, os Hawks estavam cientes disso…e acho o Schroder muito talentoso e capaz de assisti-lo bem…

  • João Dones

    Esses números de Hibbert, hein… vou te contar…

  • Doug

    Os pivôs dos Sixers também merecem uma olhada…destes aí se espera bastante já nesta temporada, principalmente para vermos qual se estabelecerá, da fato, na equipe…

  • The Ancient Destiny

    Esperava ver o Adams, que mostrou evolução e é novo.

  • Rafael Oliveira

    Myles Turner?!

  • HUMota

    Parabéns Hibbert, com esse tamanho não conseguir nem 5 rebotes de média tem que se esforçar bastante.

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados