logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 22 fev 2017 às 09:12
A memória descartável

Guilherme Gonçalves destaca o último Fim de Semana das Estrelas

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Guilherme Gonçalves

Foi desapontador. O All Star Weekend da NBA é um evento e tanto dentro do mundo dos esportes. Marcado em data e cidade com muita antecedência, altera os planos da comunidade do basquete profissional dos Estados Unidos, aquece a economia local e tem os olhos do mundo voltados para si durante três dias, sempre em fevereiro de cada ano. A lista preliminar de indicados ao Hall da Fama do basquete é anunciada neste final de semana, que geralmente também antecede o prazo final para trocas de atletas na NBA, bem como reúne, em um mesmo ginásio, os melhores jogadores do planeta em diversas ocasiões: da partida entre jovens atletas na sexta à noite, até o All Star Game que encerra o domingo, passando por todos os conhecidos eventos de variadas habilidades no sábado. Tudo muito bom, tudo muito bem, mas… Foi desapontador. As notícias, os vídeos, as fotos e a percepção dos veículos de comunicação nem sempre vão bater com a reação do público, e foi exatamente o que aconteceu dessa vez, do começo ao término do final de semana, na cultural e inspiradora New Orleans, estado da Louisiana.

O público brasileiro ficou na bronca com a mínima participação de Oscar Schmidt, ex-ala e um dos maiores ídolos do basquete nacional, no Jogo das Celebridades da sexta-feira, 17. Oscar havia sido homenageado dias antes pelo Brooklyn Nets, apesar de nunca ter atuado pela franquia desde sua seleção no Draft de 1984, quando ainda New Jersey era a localidade representada por esse lado de Nova York. Numa ação de marketing realizada entre a NBA, a ESPN Brasil e uma marca americana de cervejas, o camisa 14 faria, então, sua “estreia” na liga – não atuou antes em decorrência de não poder defender a Seleção Brasileira caso fosse profissional nos EUA naquela época. Dois arremessos, duas conversões, poucos minutos, mínimas chances de tocar a bola e muita gritaria dos fãs brasileiros em todos os canais de comunicação da NBA no Brasil na internet. Oscar, que prometia entrar e jogar para ser escolhido como o melhor da partida, não teve nem mesmo a chance de disputar esse troféu, que ficou com Brandon Armstrong, ex-jogador do mesmo Nets, hoje famoso por paródias e imitações de atletas na internet.

A partida entre calouros e atletas em seu segundo ano na Liga repetiu o interessante formato com dois times mesclados: o americano e o de atletas do restante do mundo. Com uma NBA cada vez mais globalizada, foi possível ver, por exemplo, o letão Kristaps Porzingis junto ao sérvio Nikola Jokic, tendo como MVP da partida o canadense Jamal Murray, companheiro de Jokic no Denver Nuggets. Pelo selecionado ianque, estrelas em ascensão que deverão representar o Team USA em futuros Jogos Olímpicos, como o pivô Karl-Anthony Towns, o ala-armador Devin Booker e o armador D’Angelo Russell. Em termos esportivos, foi o melhor evento da data festiva, e um dos poucos que ainda preserva originalidade, novidades e, mais importante, um pouco de vontade por parte dos atletas.

O sábado chegou e o já citado Porzingis levou o desafio de habilidades, aperitivo para o concurso de cestas de três pontos e para o campeonato de enterradas. Do alto de seus 2,21m de altura, o camisa seis do New York Knicks bateu Gordon Hayward, ala do Utah Jazz, no evento que prometia como favorito o pequeno notável Isaiah Thomas, estrela do Boston Celtics. Pelo segundo ano consecutivo, atletas tidos como big men, ou seja, pivôs ou alas-pivôs, derrotaram os “menores” alas e armadores – o acima citado Towns levou a honraria no ano passado. Para os arremessos de três pontos, prática corriqueira e estilo de jogo predominante na NBA atualmente, a Liga ainda consegue convidar alguns dos especialistas para o desafio. Defendendo seu título em 2016, Klay Thompson, do Golden State Warriors, não chegou nem mesmo à rodada final dessa vez: Kemba Walker, do Charlotte Hornets, Kyrie Irving, do atual campeão Cleveland Cavaliers, e Eric Gordon, do Houston Rockets, foram os finalistas. Após empate em 20 pontos, Irving e Gordon disputaram o desempate com uma nova rodada de arremessos, onde o atleta do Rockets e, até agora, favorito ao prêmio de melhor reserva da temporada sagrou-se campeão com 21 tentos anotados. Nada fora do comum, até então, mas também nada de espetacular.

Seguindo o protocolo, o famoso campeonato de enterradas teve espaço e prezou pelo que vem fazendo ao longo dos anos: dar chance a atletas mais jovens para aparecer e, quem sabe, brilhar. Faltou brilhar, na verdade. Geralmente, um dos competidores é um pivô alto e forte; outro atleta é um remanescente do campeonato anterior; e os outros dois convidados são jovens muito atléticos. Neste ano e nessa ordem, DeAndre Jordan, do Los Angeles Clippers; o vice-campeão de 2016 Aaron Gordon, do Orlando Magic; e Glenn Robinson III, do Indiana Pacers, e o até então desconhecido Derrick Jones Jr., do Phoenix Suns, provindo da Liga de Desenvolvimento da NBA. Gordon era o franco, claro, máximo favorito: ao lado do bicampeão Zach LaVine, protagonizou o que pode ter sido o melhor Slam Dunk Contest da história, em fevereiro passado, quando poderia facilmente ter ganhado a coroa. Mais uma decepção: Jordan não ofereceu muito e Gordon errou demais em suas ousadas tentativas, uma delas até envolvendo um drone. Robinson e Jones Jr. replicaram versões estendidas de suas enterradas, com a bola passando entre as pernas ou saltando três ou quatro pessoas, entre companheiros de time, mascotes e cheerleaders. Nada de tão novo assim, alguns erros, um misto de decepção e frustração. Deu sono. A inovação e a inspiração não compareceram neste ano, e Robinson, mais metódico e constante, ficou com a primeira posição.

Guardando o melhor – do pior – para o último dia, o Jogo das Estrelas talvez tenha se tornado, para um fã mais experiente de basquete, o evento mais descartável do final de semana. A astronômica pontuação da vitória do time da Conferência Oeste sobre o time da Conferência Leste, por 192 a 182, soa como piada em razão da falta de empenho ou mesmo vontade em proporcionar uma partida mais disputada. Um embate sem marcação, sem organização, com cestas trocadas, e buscando apenas uma exibição de enterradas ou jogadas mais plásticas. Jogo?

Que jogo? Duas equipes, somadas, podem chegar aos 182 ou mesmo aos 192 pontos numa partida regular: duas equipes, com os melhores atletas do mundo, não deveriam chegar a um placar assim em excelência ao esporte e suas definições por ser uma prática ofensiva, mas também defensiva. Eu confesso a minha desistência em assistir ao jogo pouco depois da mais comentada jogada do embate: bola de Russell Westbrook para Kevin Durant, que devolve um passe no ar e que termina em ponte aérea para a enterrada do número zero do Oklahoma City Thunder. A novela que envolve os dois ex-companheiros desde a saída de Durant para o Golden State Warriors é outra que dá sono, apesar de muito alimentada pela mídia norte-americana a fim de criar uma nova rivalidade que… simplesmente não existe. Nem mesmo existe a rivalidade entre as conferências, notável em embates mais marcados, duros e levados a sério nos anos 1980 e início dos anos 1990, por exemplo.

Anthony Davis, ala-pivô do time da casa, o Pelicans, marcou 52 pontos – dez a mais que o antigo recorde do jogo, de Wilt Chamberlain – e foi o eleito o melhor em quadra. Mas este nem mesmo foi o assunto mais comentado do final de semana das estrelas. Minutos depois da partida finalizada foi confirmada a troca entre a equipe de New Orleans e o Sacramento Kings, que mandou o pivô DeMarcus Cousins para atuar ao lado de Davis em um possível melhor garrafão da NBA. A reação da mídia especializada, da comunidade da Liga e de torcedores foi como rastilho de pólvora: só se falava na compensação recebida pelo time da Califórnia, ou em como Cousins deve adaptar e agregar o seu jogo ao de Davis, ou em como Vlade Divac, gerente-geral em Sacramento, mentiu para o camisa 15 ao negar negociá-lo e o fazer por um pacote tido, até agora, como pouco aproveitável, etc. Falou-se em tudo: menos no All Star Game que acabara de acontecer. Imediatismo ou consideração a um acontecimento de maior porte para o impacto da temporada?

Claramente, o All Star Weekend é um evento diferenciado e feito para o entretenimento do público. Todavia, o entretenimento do amante da NBA pode – e vai – além de uma mera exibição plástica, sem compromisso com o espetáculo que já é o esporte em si. A tendência do Jogo das Estrelas, em caso de nenhuma mudança, é simplesmente apresentar placares altos, sem qualquer disputa, onde haverá apenas uma briga interna em cada time para sagrar-se MVP da partida para que se conste nos autos da história. Para quem esperou um ano inteiro por uma nova oportunidade de se impressionar, o evento deste final de semana decepcionou. Pela promoção em torno da estreia de Oscar, passando pelas exceções no jogo dos calouros e no torneio de três pontos, chegando ao fraco campeonato de enterradas e fechado com “chave de ouro” pelo All Star Game: vários outros finais de semana da temporada regular, com jogos equilibrados, disputas acirradas e limites superados têm mais energia, resultados e espetáculo traduzido pelo jogo em si, ainda que sem todas as luzes, fogos e pompas instalados como nesse final de semana em New Orleans. Foi desapontador, infelizmente. Melhor esperar por 2018 e torcer por outro final de semana que traga mais e melhores lembranças do que as deixadas nessa oportunidade.

  • Jeff Cavalcanti #TankBrothers

    All star weekend eu nem ligo a televisão, já faço isso faz tempo.

  • alan

    é um lixo do lixo essa parada puramente pra propaganda e festinha pra egos de jogadores ..cara se eu fosse um atleta desses que ganha milhões e vive competindo mesmo que fosse eleito pra esse jogo eu não iria e ainda ia falar que prefiro passar um fim de semana com a familia do que perder meu tempo com uma porcaria dessa ..ver um banco de retardado pulando e fazendo ponte aerea enquanto os outros olham e aplaudem e fazem aquelas caras ridiculas ..parecem uns palhaços !!! só gente retardada que não entende nada de basquete pra gostar dessa porcaria toda!!

    • Alfredo Carlos Soares Dutra

      Totalmente de acordo. E gostei da frase: “ver um banco de retardado pulando e fazendo ponte aerea enquanto os
      outros olham e aplaudem e fazem aquelas caras ridiculas ..parecem uns
      palhaços !!! só gente retardada que não entende nada de basquete pra
      gostar dessa porcaria toda!!”

    • alan

      pois é ..bagunçado o negocio parceiro !! kkkkkk

  • AlexS.F.

    o Dunk contest só tem graça com o LaVine mesmo.

  • Gustavo

    Texto perfeito.

  • 2Pac & Snoop

    Realmente o melhor evento foi o Rising Stars Challenge , a garotada que mostrar serviço e jogam com vontade !

  • Alguém que é fã de verdade de basquete ainda se importa com o All Star Weekend? É um evento falido, chato e sem nenhum apelo. É uma exibição do Globetrotters por atletas da NBA.

  • Anderson Tomás

    Infelizmente perdeu a graça. O Campeonato de enterradas que deu uma ressuscitada nos últimos anos, esse ano foi lamentável. Todo mundo sem interesse. Saudades de quando iam os melhores. Independente da rodagem . Shawn Kemp, Dominique, MJ queriam vencer e pronto. Ninguém vai mais pro All Star Weekend com sangue nos olhos. Nem o final do jogo das estrelas (dessa geração em especial) quando era mais pegado, tá servindo mais. O comissário vai precisar tomar uma atitude rápida.

  • Lucas Pires

    O All Star Weekend ta começando a ficar tão ruim quanto o Pro Bowl na NFL, e eu achava impossível alguém chegar nesse nível de ruindade…

  • Kleber

    Já não assisto há algum tempo. Muito menos o All-Star Game que se tornou um concurso de três pontos e com jogadores sem carisma algum. Se um dia o jogo se tornar competitivo de novo, talvez atraia o público novamente. Mas no momento, nem ligo a TV pra ver esse evento tedioso.

  • Matheus Oliveira

    E sabe o pior ? É dar importância para o MVP disso. PQP..
    Contar como se fosse algo importante no currículo !
    ASG é um circo, cara. O jogo que deveria ser o principal destaque agora é a pior parte..
    Até o concurso de 3 pontos, habilidades e enterradas são 5235352x melhores.
    Temporada ainda para uma semana !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!MEU DEUS DO CÉU…

  • Guilherme Prates

    Mas o All Star Weekend sempre foi meio “Olimpiíadas do Faustão da NBA”, só que descambou de vez para a mais pura “farofa americana”.
    Tirando o rising stars (com o formato World x USA), não tem nada MUUUUITO legal mesmo. Um jogo de veteranos do basquete (Oscar fazendo dupla com D’Antonni?) no lugar de “famosos” talvez ajudaria a dar um grau de interesse.

  • Rafael Machado

    O pecado fica por conta do evento principal.

    Talvez colocar uma grande soma em dinheiro para o time vencedor do jogo das estrelas. Talvez diversificar em colocar uma partida de queimada(Nos moldes do que fez a NFL), de futebol ou algum outro esporte, coisa de diversão mesmo, já que essa é a questão.

    O torneio de enterradas passa mais pela inspiração e pela sorte de acertar boas interradas. E talvez de melhores talentos…

  • Lucas

    texto dramático demais, não foi tão péssimo assim, só o torneio de enterradas foi horrível, o resto foi como nos outros anos msm.

  • Brad

    O jogo foi bem bobo mesmo mas eu gostei das enterradas do Antetokoumpo e do “fim” da falsa rivalidade entre West e Durant. Tirando isso só achei legal o Skills Challenge

  • Zé da Mina Abandonada

    A defesa desse ASG foi pior do que a defesa da França contra a Alemanha na 2º guerra mundial

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados