logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 9 jun 2017 às 13:36
Prospecto do Draft 2017 – Tony Bradley

Ex-pivô de North Carolina deverá ser escolhido na primeira rodada do recrutamento deste ano

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Ricardo Stabolito Jr.

Tony Bradley

Idade: 19 anos
País natal:
Estados Unidos
Universidade:
North Carolina
Experiência:
freshman
Posição:
pivô
Altura:
6’10.75’’ (2.10m)

Médias na última temporada: 7.1 pontos, 5.1 rebotes, 0.6 assistências, 0.3 roubos de bola, 0.6 tocos, 0.7 erros de ataque, 57.3% de aproveitamento nos arremessos de quadra e 61.9% de conversão nos lances livres em 14.6 minutos de ação

Pontos fortes:

– Bradley é dono de atributos físicos ideais para atuar como pivô profissional: são quase 113 kg. distribuídos em 2.10m de altura e 2.26m de envergadura.

– Mais móvel do que aparenta, ele corre a quadra com relativa fluidez e agilidade.

– Tem um sólido arsenal ofensivo no post, potencializado por bom trabalho de pés, capacidade de estabelecer espaço no garrafão e finalizar com as duas mãos.

– Foi um dos reboteiros ofensivos mais estatisticamente produtivos do basquete universitário na última temporada.

– Seus instintos, posicionamento e noção de ângulos nos dois lados da quadra soam bastante avançados para alguém de sua idade.

– Não é passador dos mais prolíficos, mas apresenta alta atenção ofensiva e oferece flashes ocasionais de ótima visão de quadra.

– Suas dimensões físicas de elite sugerem grande potencial como protetor de aro e contestando arremessos próximo da cesta – algo que ainda não faz tão bem.

– Teve altíssima produção em espaço limitado na rotação de UNC: cometeu poucos erros de ataque e pareceu consciente de suas limitações em quadra.

Pontos fracos:

– Espaço limitado na única temporada que disputou na NCAA torna-o um prospecto bem pouco provado. Inconstante ao longo da campanha.

– Teve alguns dos piores resultados dos testes atléticos do Draft Combine.

– Mostrou dificuldades para operar contra adversários mais fortes e atléticos, como deverá encontrar todas as noites na NBA.

– Seu corpo desenvolvido e controle de espaço faz com que cave alta taxa de lances livres, mas pouco capitaliza com seus 61% de aproveitamento na linha.

– Há questões sobre seu motor, como dizem os norte-americanos: sempre passa a impressão de que pode ser mais físico, ativo e dedicado em quadra.

– Bradley tem um jogo de perímetro que não empolga. Seu arremesso e habilidade de atacar defensores em movimento não são muito desenvolvidas.

– Lento lateralmente, ele não parece oferecer versatilidade para marcar em espaço e pode ser uma fragilidade no pick and roll.

– Seu perfil técnico não atende o que a NBA atual procura: seu estilo de jogo é old school e, tipicamente, com uma transição incerta para o próximo nível.

Comparação: Diamond Stone (Los Angeles Clippers)

Projeção: segunda metade da primeira rodada

Confira alguns lances de Tony Bradley:

Legenda:
– Freshman (primeiro ano universitário)

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados