logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 8 ago 2017 às 12:28
Por que eu fui para Auschwitz

Ex-jogador Ray Allen conta como foi a visita ao maior símbolo do Holocausto perpetrado pelo nazismo durante a Segunda Guerra Mundial

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Gustavo Lima

O Jumper Brasil inicia hoje uma parceria com o Block Party, blog capitaneado pelo Matheus Prá, um apaixonado por basquete como a gente.

A parceria vai consistir no compartilhamento de conteúdo produzido pelo Block Party. Em suma, o Jumper Brasil vai publicar as cartas escritas por personagens ligados à NBA (jogadores e ex-jogadores) ao site The Players Tribune e que forem traduzidas para o português pelo Matheus. Essas cartas mostram um lado dos atletas que o público, em geral, pouco conhece. Espero que curtam a iniciativa.

A primeira carta publicada no Jumper Brasil vai te arrepiar. O ex-ala-armador Ray Allen, campeão da NBA por Boston Celtics (2008) e Miami Heat (2013), revela como foi sua viagem ao sul da Polônia, mais precisamente a Auschwitz, uma rede de campos de concentração que foi o maior símbolo do Holocausto perpetrado pelo nazismo durante a Segunda Guerra Mundial.

 

Por Matheus Prá (@blockpartty)

 

Ray Allen, Shooting Guard / NBA - The Players' Tribune

“Havia um pequeno orifício no chão da cozinha que levava a um espaço secreto. Essa imagem está gravada na minha memória. O espaço tinha talvez cinco pés de comprimento (1,524m) por cinco pés de largura (1,524m).

O dono da casa disse: “Eles costumavam acomodar seis pessoas lá dentro. Quando os nazistas vinham.”

Seu nome era Tadeusz Skoczylas, e a casa em que nós estamos pertencia a sua família durante a Segunda Guerra Mundial. Era uma pequena casa de tijolos na cidade de Ciepielów, na Polônia. Tinha um telhado vermelho, que tinha visto dias melhores. A porta da frente estava a poucos passos da rua. No quintal havia alguns celeiros e outras pequenas cabanas.

Eu já estava na Polônia por alguns dias, e o horror da história que eu tinha experimentado era esmagadora. Mas isso era algo diferente. Isso foi tão pessoal.

Estou olhando para esse pequeno espaço. E eu estou imaginando seis pessoas lá embaixo, escondendo da morte. Seis pessoas reais. Atravessando aquele pequeno buraco bem na minha frente. Não foi há muito tempo. Não era um livro de história. Não era um museu. Foi logo ali.

Tadeusz explicou que um dia, em 1942, os soldados nazistas visitaram a casa através de uma pista. Alguém na aldeia havia dito a eles que a família vinha abrigando pessoas judaicas. Supostamente havia dez Skoczylas vivendo em casa. Nesse dia particular, o menino mais novo na família não estava em casa quando os soldados vieram. Os nazistas ficaram suspeitos e começaram a vasculhar a casa. Eles encontraram o buraco e o espaço do rastejamento, mas o povo judeu que a família estava escondendo não estava lá. Eles já haviam se mudado.

Sem dizer uma palavra, os nazistas foram ao lado de uma família vizinha e levaram seu filho. O castigo por esconder judeus era a morte de toda a família, e eles tinham uma dívida a ser paga.

Os soldados tiraram as dez pessoas de volta e executaram-nas bem na frente desses celeiros e barracos que ainda estão lá até hoje.

Quando o pequeno garoto Skoczylas voltou para casa, ele encontrou toda a família morta.

Esse garotinho era o avô de Tadeusz. A casa ficou na família Skoczylas, e seu avô morava nela. Agora, Tadeusz e sua mãe vivem lá.

Não podia acreditar. E enquanto caminhava pelo resto da casa, esse tipo de sentimento me assumiu. Havia toda essa história na minha frente. E era real. Eu poderia chegar e tocá-lo. Eu podia senti-lo entre meus dedos e o cheirava no ar. Era uma coisa tangível.

Eu fiz essa viagem apenas alguns meses atrás. Foi a minha primeira vez na Polônia. Fui lá para aprender mais sobre algo que me fascinou desde que eu era adolescente: o Holocausto. Eu já li tantos livros e artigos sobre isso, mas ler palavras em uma página não é o mesmo que ver as coisas próximas.

Então, visitei o museu do Holocausto em Washington, DC, pela primeira vez. Era 1998, e eu estava jogando pelo Milwaukee Bucks. Eu estava em D.C. conhecendo nosso proprietário, Herb Kohl, durante o verão. Tivemos algum tempo livre no meu último dia na cidade, e o Sr. Kohl sugeriu que fôssemos para o Museu do Holocausto, no National Mall. Nunca esquecerei como me senti depois dessas duas horas lá – eu poderia ter passado dois dias. Meu sentimento imediato era o de que todos precisavam ir para lá.

No entanto, havia um quarto em particular que penso em muitas vezes. Está cheio de fotos de judeus de uma cidade na Polônia. As imagens alinham as paredes e se estendem para o céu, onde a luz inunda uma janela. Quase 90% das pessoas nas imagens foram enviadas para a morte. Antes de serem levadas para campos de concentração ou executadas, deixariam seus bens preciosos com amigos ou familiares.

As pessoas dessas comunidades judaicas foram empurradas para o limite absoluto de seus instintos humanos. Eles apenas queriam sobreviver. E a partir disso, os contos de fraternidade e camaradagem são tão inspiradores. Foi uma lembrança do que o espírito humano é capaz – tanto para o bem como para o mal.

Honestamente… Isso me fez sentir irrelevante. O que era um pensamento estranho ter como um jovem jogador da NBA que deveria estar no topo do mundo. Eu estava percebendo que havia coisas fora da minha bolha que importavam muito mais. Eu também queria que meus colegas percebessem isso. Então, cada equipe em que joguei depois disso, sempre que estivemos em D.C., jogando contra o Wizards, eu pediria ao nosso treinador, se tivéssemos tempo, para passar pelo museu. Toda visita foi diferente, mas cada cara veio agradecendo por nos levar até lá. Eu podia ver em seus olhos que eles tinham uma perspectiva diferente sobre a vida após essa experiência.

Eu pensei que sabia o que era o Holocausto e o que isso significava. Fui para a Polônia com alguns amigos próximos para aprender mais, mas não estava preparado para o quão profunda a visita me afetaria. Eu tinha visto tantos documentários e filmes sobre Auschwitz, mas nada realmente o prepara para estar lá. A primeira coisa que senti quando passei por esses portões de ferro era… pesada. O ar a minha volta sentiu-se pesado. Fiquei de pé nas trilhas do trem onde os prisioneiros do acampamento chegaram, e eu senti como se eu pudesse ouvir os trens pararem. Eu tive que respirar para me centrar. Foi tão imediato, tão esmagador.

Atravessamos os quartéis e as câmaras de gás, e o que eu mais lembro é o que eu ouvi: nada. Nunca experimentei um silêncio assim. Além dos passos, a falta total de som. É estranho e sóbrio. Você está de pé nesses quartos onde tanta morte ocorreu e sua mente está tentando chegar a uma conclusão de tudo o que aconteceu nesse espaço.

Uma questão continua repetindo uma e outra vez em sua mente: como os seres humanos podem fazer isso um com o outro?

Como alguém processa isso? Você não pode.

Isso não é história. Isso é a humanidade. Isto é agora. Esta é uma lição viva para nós como um povo.

Depois que Tadeusz Skoczylas nos levou na casa de sua família, fiquei por um tempo sozinho, pensando em tudo o que tinha vivido.

Por que aprendemos sobre o Holocausto? É só para que possamos garantir que nada assim nunca aconteça de novo? É porque seis milhões de pessoas morreram? Sim, mas há um motivo maior, penso.

O Holocausto era sobre como os seres humanos – pessoas reais e normais como você e eu – se tratam.

Quando a família Skoczylas estava arriscando suas próprias vidas para esconder pessoas que mal conheciam, não estavam fazendo isso porque praticavam a mesma religião ou eram a mesma raça. Eles fizeram isso porque eram seres humanos decentes e corajosos. Eles eram os mesmos que aquelas pessoas agachadas em um buraco. E eles sabiam que aquelas pessoas não mereciam o que lhes estava sendo feito.

Perguntei-me uma questão muito difícil: eu teria feito o mesmo? De verdade, teria feito o mesmo?

Quando voltei para a América, recebi algumas mensagens muito desanimadoras dirigidas para mim nas mídias sociais sobre minha viagem. Algumas pessoas não gostaram do fato de eu estar indo para a Polônia para aumentar a conscientização sobre os problemas que aconteceram lá e não usar esse tempo ou energia para apoiar pessoas na comunidade negra.

Foi-me dito que meus antepassados ​​ficariam envergonhados de mim.

Eu sei que há trolls online e eu não deveria nem prestar atenção, mas esse tipo de coisa chegou até mim. Eu entendi de onde eles estavam vindo. Eu entendo que há muitos problemas em nosso próprio país agora, mas eles estavam olhando minha viagem com uma visão errada. Eu não fui para a Polônia como pessoa negra, pessoa branca, pessoa cristã ou pessoa judaica – fui como um ser humano.

É fácil dizer “Fui para ter certeza de que essas coisas não aconteçam novamente”. Mas fui aprender sobre a verdadeira realidade do que aconteceu durante o Holocausto e o que podemos tirar disso. As pessoas que acreditam que não estou passando meu tempo do jeito certo … bem, eles estão perdendo todo o ponto. Não devemos rotular as pessoas como essa ou aquela coisa porque, ao fazê-lo, você cria essas noções preconcebidas, que é como entramos nessas situações horríveis, em primeiro lugar.

Temos de fazer um melhor trabalho rompendo a ignorância, a mentalidade fechada e as divisões que estão assolando a nossa sociedade em 2017.

Lembro-me de ser uma criança na escola primária, e todos nós costumávamos ter alguns amigos de todo o mundo. Eu estava tão animado para ouvir pessoas de diferentes países. Eu queria saber como eles viviam. Fiquei curioso sobre suas vidas. E eu sinto que já perdemos isso. Parece que, agora, só vemos nós mesmo. Nós só queremos cuidar de nós. O que quer que isso signifique.

Penso na família Tadeusz. Quem eles definiram como nós?

Eles nos viram como todos os seres humanos, independentemente do que eles pareciam, ou o que eles acreditavam. Eles achavam que todos valiam a pena proteger. E eles estavam dispostos a morrer por isso.

Isso é algo que vale a pena lembrar, sempre”.

 

RAY ALLEN

 

 

  • Crédito das fotos: Elan Kawesch

 

  • O link para a carta original no The Players Tribune está aqui.
  • Gil Martins

    Hoje é bem isso mesmo…as pessoas só olham para os seus umbigos…são individualistas e arrogantes….mas ainda dá tempo de recuperarmos essa essência perdida no tempo. Parabéns ao Ray Ray.

  • Eduardo Muniz

    Sensacional a parceria e grande texto.

    Ótimas lição, visão e pensamentos de Ray Allen.

  • Melo#AVISAPROCARMELO#TANKMODE

    Ray Allen monstro continua mostrando o seu lado humano com essa grande história.
    Parabéns por essa nova seção do site, gosto dessas histórias. Tenho vontade de conhecer um pouco mais sobre esse assunto.Fui para a Alemanha e tbm fiquei impressionado e bem triste

  • Lucas

    Sensacional!!!

    Falando e Ray Allen e lembrando do Celtics está sendo dito na liga que eles são candidatos a ter Kirie e eles tem o que o Cavs procura um talento afirmado e jovem escolha ou picks.

    • Pedro Cortez

      Será que rola uma troca pelo Thomas?

    • Rômulo Franco Cardozo

      Será?! Seria fantástico para os dois, mas acho muito difícil acontecer!

  • Caralho…

  • Ale-Heat

    Fantástico e doloroso.

  • danielzera

    Essa foi forte, até caiu um negocio aqui no meu olho…

    Já estou ansioso pela próxima carta traduzida.

  • Thiago26-NBA

    bela iniciativa

  • Hilton Silva

    A pouco tempo atrás eu descobri que há pessoas que negam a existência do holocausto, eu realmente não sabia que essas pessoas existiam. Eu acho que essa foi a primeira e única vez que eu parei para pensar naquilo que eu mais defendo: liberdade de expressão. Será se essas pessoas deveriam ter o direito falar que não houve holocausto? Bem, eu acho que sim, as pessoas devem ter esse direito, mas que isso é uma falta de escrúpulos gigante, isso ninguém pode negar!

  • Elvis Monteiro

    Texto excelente

  • Igor Dourado

    Texto espetacular! Tive a oportunidade de ir à Aushwitz no ano passado, bem como à Holanda, visitar a casa de Anne Frank. Não há livros, imagens ou documentários que reproduzam a experiência que é isso ao vivo e in loco. É de estremecer a alma e te fazer reformular todos os seus conceitos. Acredito que qualquer pessoa que passe por uma experiência dessas volta mais humano, em todos os sentidos, principalmente no aspecto de saber que ideologias, etnias, raças, gêneros e opções sexuais são apenas escolhas. Todos possuímos um elo inquebrantável que é “sermos humanos”, e isso basta como argumento para nos ajudarmos independente de qualquer outra coisa.

    • Alex Alves

      Recomendo ler o livro da Maip que auxiliou a família da Frank é sensacional e muito triste.

      • Igor Dourado

        Obrigado, parceiro. Vou procurar pelo livro e lê-lo sim.

  • Marcos Gordinho

    Parabéns a Allen por seus caminhos dentro e fora do jogo da bola laranja! Como poucos conseguiu descrever a necessidade de todos sermos pela humanidade antes de sermos por etnias, credos, gêneros, etc… continuo a admirar essa figura icônica e futuro HOF.

  • Roger Vieira

    Tive a oportunidade de ir lá e sou grato por isso…experiencia incrível e necessária…ao lado das ruinas da camara de gas, destruida pelos alemaes em virtude da iminente chegada dos russos, senti o clima pesado q ele descreveu, algo realmente q mexe fisicamente com o corpo…ao lado um lago onde era jogado as cinzas…cemitério de milhares de almas…triste

  • Renato Lemos

    Tradução péssima. Nada que comprometa o significado, mas torna a leitura muito desagradável.

  • Ave Ave Triunfante

    E brincadeira,nem Hitler poderia ter uma ideia como essa,tornar um campo de concentração nazista em uma especie de “Disneyland”para ser visitada e fazer as pessoas lembrarem de como deve ter sido”ruim”pra não dizer horrível para as pessoas que foram encarceradas lá,e de um mal gosto tremendo,sem falar que isso de ficar lembrando não impede nem um pouquinho de que isso volte acontecer,guerras sempre vão existir e genocídios também,nesse minuto em algum lugar uma guerra está em andamento e pessoas estão sendo mortas,e da natureza humana.Engraçado,as pessoas não se importam com as guerras atuais,mas se importam com um monte de judeu morto faz mais de 60 anos,bem que Hitler falou que o Reich dele duraria mil anos,seu feitos sempre serão lembrados por esses hipócritas da atualidade.

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados