logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 7 set 2017 às 10:05
“Isso é para Boston”, por Isaiah Thomas

Recém-negociado com o Cavs, armador fala sobre sua passagem marcante pelo Celtics e paixão pela cidade de Boston

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Gustavo Lima

Por Matheus Prá (@blockpartty)

Isaiah Thomas, Guard / Cleveland Cavaliers - The Players' Tribune

 

É engraçado, eu estava comemorando.
Quando recebi a ligação de Danny (Ainge), eu estava deixando o aeroporto – minha esposa, Kayla e eu estávamos retornando de uma viagem onde comemoramos nosso aniversário de um ano de casamento. Fomos a Miami por alguns dias – e agora estávamos de volta a Seattle, dirigindo para casa.
Eu perdi a ligação, deveria estar ocupado com alguma coisa no carro. Danny me enviou uma mensagem.
“IT, me ligue quando puder”.
Soa dramático, mas na verdade é uma mensagem comum vinda do Danny. Poderia ser um monte de coisas. Então eu liguei de volta para ele, ainda dirigindo, sem dar muita importância. Ele sabia que eu estava viajando, então me fez algumas perguntas sobre isso. Tenho certeza de que perguntei como ele estava, como estava a família dele. Uma conversa normal, você sabe.
E aí, eu notei algo que…era quase imperceptível. Uma pequena pausa na conversa. E foi aí que ele me disse.
“Eu acabei de trocar você”.
Simples assim. Sem grandes palavras, sem um grande discurso. Eu acho que, quando envolve esse tipo de coisa, não há muito a dizer.
“Para onde?” Isso foi tudo o que eu consegui pensar.
“Para os Cavaliers, pelo Kyrie”.
E foi aí que, tipo, cara. Você já esteve no telefone, e aí alguém te diz alguma coisa… e, de repente, tudo o que você pode pensar é: eu não quero mais estar nessa ligação? Não é nenhuma grosseria. Simplesmente, sua força de vontade de ter uma conversa se vai. Foi isso que o que senti naquele momento.
Danny começou a falar sobre tudo o que fiz pela cidade de Boston, e pela organização do Celtics, tanto dentro como fora da quadra. Sobre como eu sou um grande jogador, e como eu me darei bem em Cleveland. Você sabe, esse tipo de coisa. E foi tipo… naquele momento? Eu definitivamente não queria ouvir nada daquilo.
Então, eu fiquei tentando encerrar a conversa algumas vezes. Eventualmente, consegui. Foi basicamente, você sabe – fico agradecido por você ter entrado em contato, me dito tudo isso, mas não há nada mais que você ou eu podemos dizer neste momento.
Foi basicamente isso.
A ligação foi desse jeito.
Cara… Tanta coisa passou pela minha cabeça naquele momento. Mas eu precisei bloquear tudo aquilo por um tempo. Meu primeiro instinto foi tentar entender o que isso significaria para minha família. Pensei em meus dois filhos, James e Jaiden, e ter que dizer a eles que era hora de mudar. Eu sabia que isso seria um choque para eles – primeiro, pelo fato de estarmos próximos do ano letivo. E segundo, por saber o quanto Boston havia começado a ser uma casa para eles. Para todos nós.
Os meninos estavam hospedados na casa da minha mãe, enquanto Kayla e eu estávamos viajando, e, assim, que chegamos em casa do aeroporto, fazemos um FaceTime com eles. Eu sabia que a notícia iria vazar mais cedo ou mais tarde, e eu queria me certificar de que eles ouviriam isso de mim. E então eu contei o que havia acontecido: papai foi negociado.
James, meu filho mais velho – tal pai, tal filho, porque ele fez a mesma primeira pergunta que eu: “para onde?”
“Cleveland. Eles me trocaram pelo Kyrie. “E tenho certeza de que você sabe o que aconteceu depois.
“LEBRON! LEBRON JAMES! Papai, você vai jogar com LeBron James! “
Jaiden, porém, o caçula, e talvez um pouco mais sensível, ama Boston mais do que qualquer pessoa. Então eu sabia que a notícia poderia ser mais dolorosa para ele. E apenas observando a reação dele, assim que ele ouviu, eu sabia que estava certo. Ele parecia estar com o coração partido.
Eu disse: “Jaiden, você está feliz ou está triste?”
“Triste.”
“Por quê?”
E ele disse: “Porque Cleveland provavelmente não tem pistas de skate”.
Ele adora skate e coisas assim. Então ele definitivamente ficou chateado com isso. (Cleveland, se vocês tiverem pistas de skate, me avisem no Twitter)
Poucas horas depois, a notícia estava em todos os noticiários. Todas as minhas redes sociais estavam explodindo. Devo ter recebido umas mil mensagens e visto umas mil reações.

(Photo by Brian Babineau/NBAE via Getty Images)

Mas a verdade é que as duas primeiras reações que recebi, a dos meus filhos, eram só as que eu precisava. Todas aquelas análises, todos os rumores, observações de especialistas… e, cara, os meus filhos entenderam em alguns minutos no FaceTime. Tudo sobre aquela troca, tudo o que eu estava sentindo no meu coração naquele momento – eles acertaram as duas únicas coisas que importavam.
Uma, como meu filho mais velho disse: “LeBron James”. Ou, colocando de outro jeito – eu vou chegar e me juntar à melhor equipe do Leste, e tentar ganhar um campeonato ao lado do melhor jogador de basquete do mundo.
E dois, como meu filho mais novo disse: “Triste”. Ou colocando de outra maneira, cara, eu vou sentir falta dessa cidade.
Cara, eu vou sentir falta de ser um Celtic.
Então, eu vou dizer de uma vez: essa merda doeu. Doeu muito.
E não vou mentir – ainda dói.
Não é que eu não entenda isso. Claro que entendi: isso é um negócio. Danny é um homem de negócios, e ele tomou uma decisão. Eu não concordo com ela e, pessoalmente, não acho que o Boston Celtics tenha melhorado com essa troca. Mas esse não é o meu trabalho. Esse é o trabalho do Danny. E é um trabalho difícil, e ele tem sido muito bom nisso. Mas, no fim das contas, essas trocas apenas remetem a apenas uma coisa: negócios. Portanto, sem mágoas. Eu sou adulto, e eu sabia onde estava me metendo quando ingressei nesta liga – e até agora tenho recebido mais bênçãos do que maldições. Eu não estou sentado aqui, escrevendo isso, achando que fui injustiçado. Eu não fui injustiçado. Boston tinha todo o direito de me trocar.
Além do mais, de muitas maneiras, eu acho que essa foi uma boa lição. Não só para mim, mas para a liga como um todo. E para os fãs e para a mídia também, você sabe, como eles falam sobre os jogadores que trocam de times. Eu estava pensando nisso no ano passado, com Kevin Durant sendo agente livre – e sobre como as pessoas o criticaram por ele ter feito o que ele achava que era o melhor para ele e para o seu futuro. Como eles o transformaram em um vilão, apenas por ter exercitado o seu direito como agente livre nesta liga. De repente, era tipo: “oh, ele é egoísta”, ou “oh, ele é um covarde”. De repente, apenas por ter tomado uma decisão de negócios, e por ter feito que era certo para ele, ele foi retratado como uma má pessoa.
Mas é isso que eu acho que a minha troca mostra para as pessoas. Eu quero que eles vejam como minha negociação foi feita – assim, sem nenhum aviso prévio – pela franquia pela qual eu briguei, me sacrifiquei, sangrei, pela qual eu dei tudo o que eu tinha. É por isso que as pessoas precisam alterar suas perspectivas. É tipo, cara – com poucas exceções, a menos que sejamos agentes livres, 99 vezes em 100, são os proprietários que têm o poder. Então, quando os jogadores estão sendo trocados a toda hora, e tendo suas vidas alteradas sem nenhum aviso prévio, e vida que segue… Mas, então, quando isso se inverte, e o jogador tem controle… aí vira um escândalo? Apenas sendo honesto, mas para mim, isso diz muito sobre onde estamos como liga e até como sociedade. E diz muito sobre o tanto que ainda temos que avançar.
E, como eu disse, sem mágoas. Mas eu só espero que a próxima vez que um jogador trocar de time na agência livre, e as pessoas quiserem atacá-lo ou escrever uma crítica ou um mandar um tweet desagradável sobre ele, talvez, agora, eles pensem duas vezes. Talvez eles olhem ao redor da liga, para um caso como o meu e se lembrem que lealdade é apenas uma palavra. E é uma palavra poderosa se você quiser que seja. Mas cara… Quando se trata de negócios, você não pode contar com ela.
Ao mesmo tempo, porém, as pessoas precisam entender. Tipo, mesmo com todo isso que eu disse … cara … ainda dói. Ainda dói muito. E espero que as pessoas possam entender isso quando eu digo que dói, não estou me dirigindo a ninguém em particular. Eu não estou dizendo que eu fui magoado por alguém, ou injustiçado por alguém, ou traído. Só estou dizendo, cara, que sou humano. Posso agir como um cara durão na quadra. E pode parecer que tenho gelo em minhas veias quando estou competindo. Mas, ao mesmo tempo – não tenho gelo, na verdade. Eu tenho sangue e tenho um coração como todo mundo.
E então, quando digo que isso dói, cara –  saiba que não é por causa de alguma coisa que alguém fez. É só por causa de algo que fiz.
Eu me apaixonei por Boston.
Quando o Celtics me adquiriu via troca, eu sabia o que era esperado. Eu sabia do meu papel quando fui trazido para jogar – o mesmo papel que desempenhei durante toda a minha carreira na NBA. “Armador que pontua, que sabe armar um pouquinho”. “Arma ofensiva vinda do banco”. “Sexto homem.” Já era a minha terceira parada em quatro anos, e esse não é um plano de carreira de ninguém que é um Franchise Player ou armador do futuro. Não era assim que a liga me via. E eu sabia disso.
E quando cheguei via troca, acho que os fãs do Celtics também sabiam o que eu era. Eles sabiam que eu estava sendo trazido como parte de um profundo processo de reconstrução, e que não era o momento de pensar em playoffs ou nada. Eram para ser alguns anos de transição. Você sabe: empilhar moedas de troca. Encontrar algum talento jovem e barato. E sim – provavelmente perder um monte de jogos.
Pelo menos era isso o que todos nos diziam.
E eu acho que é por isso que eu me dei tão bem com a cidade de Boston e porque nos conectamos tão bem. Toda a minha vida, tudo o que eu estava fazendo era vencer e jogar um excelente basquete. Mas agora, de repente, como profissional, as pessoas estavam me dizendo que eu tinha que ser um jogador vindo do banco – e que o melhor que eu poderia esperar era ser o cestinha de uma equipe em reconstrução. E é semelhante a esta era do Celtics: durante toda a sua existência, o Celtics só ganhou e jogou um excelente basquete. Mas agora, de repente, as pessoas estavam dizendo aos fãs da equipe que haveria uma reconstrução e que eles seriam um time de loteria por um tempo. E é quase como eu e a cidade, meus companheiros de Celtics e esses fãs celtas, nós compartilhamos o mesmo coração, a mesma mentalidade. Nós só queríamos ganhar – agora – e nenhum de nós tínhamos tempo para as críticas. Era tipo, cara, foda-se a loteria.
E acho que isso evoluiu para uma relação especial, essa conexão especial com o momento. Todo mundo tem seus números e as estatísticas todas decoradas – e todos esses especialistas, cara, eles acham que sabem tudo sobre a liga. Mas eles nunca me entenderam. E eles nunca entenderam a importância de se ter uma cultura vencedora – da qual fazem parte os fãs, o jogadores, os treinadores, diretoria, até o topo. E nós tínhamos isso aqui. Este foi o primeiro lugar, a primeira organização, o primeiro grupo de fãs da liga que não olharam para mim, não olharam para o meu tamanho e não me colocaram no mesmo papel de sempre. O Boston Celtics me deu a chance de ser grandioso. E eu nunca vou me esquecer isso.
E é por isso, sabe, que as pessoas me perguntam muito sobre os playoffs do ano passado. Sobre como, mesmo depois que minha irmã Chyna morreu, eu ainda apareci lá para o jogo 1 contra Chicago e entrei em quadra. Mas o louco é que, o motivo inicial pelo qual eu planejava jogar, foi um pouco diferente do motivo pelo qual eu, de fato, acabei jogando. No começo, pensei que iria jogar porque, honestamente, essa é apenas a minha mentalidade quando se trata de basquete. Com o basquete, acho que sempre foi, como – não importa o que estava acontecendo na minha vida… Eu sempre achava refúgio em uma quadra de basquete. Tudo o que tenho a fazer é encontrar uma, e eu sei que estarei bem enquanto eu estiver naquela quadra. Isso é o que o basquete sempre foi para mim, em meio aos altos e baixos da minha vida. Isso me protege de tudo o que acontece na minha vida.
E quando eu cheguei à arena naquela noite, depois que a Chyna morreu – eu estava pensando, O.K., eu só preciso que isso aconteça. Eu preciso que essa quadra seja meu escudo esta noite, eu preciso que essa quadra me ajude a esquecer. Mas quando eu cheguei lá? Cara, foi um daqueles momentos… Eu nem consigo descrever. Os aplausos que recebi, ainda posso ouvi-los. As pessoas tinham esses cartazes, e eu ainda posso vê-los: ISSO É PELA CHYNA. NÓS TE AMAMOS ISAIAH. Esse tipo de coisa. Então eles fizeram um momento de silêncio, toda a arena, em memória da Chyna. E foi tipo… Cara. Percebi naquele momento, que eu não precisava da quadra para me proteger. Eu não precisava bloquear nada e fingir que não estava sofrendo. Eu não precisava estar sozinho. Toda a arena estava ali comigo. Honestamente, eu senti que toda a cidade de Boston estava comigo.
E naquele ponto, eu acho que caiu a ficha, tipo, é claro que eu tenho que jogar. Em primeiro lugar, vou fazer isso pela Chyna e pela minha família. Mas eu também vou fazer isso pela minha cidade. Porque o que eles estão me mostrando agora é tudo que eu precisava esta noite: saber que não estou sozinho. Eles estão me mostrando que estão passando pela mesma coisa pela qual eu estou passando esta noite. Eles estão me mostrando que eu sou um deles, e que nós estamos juntos nisso. Então vamos estar juntos nisso.
E por dois anos e meio, cara, nós estávamos juntos.
Eu só vou dizer isso aqui, para acabar com isso – e daí você pode seguir em frente e publicar isso em qualquer outro lugar que você queira: você não vai querer mexer com o Cavs este ano. Este será um ótimo ano para ser um torcedor do Cavs, um excelente ano. Eu estou animado.
Da perspectiva do basquete, eu e o Cavs fomos feitos um para o outro. Se você assistiu a algum jogo do Celtics, no ano passado, então você sabe quantas vezes eu teria que passar por dobras e até marcações triplas, apenas para conseguir arremessar. Acabou funcionando muito bem para nós – os caras estavam jogando muito bem, e meu arremesso estava caindo. Mas este ano… Cara, nem vai ser um problema. Você realmente vai por três caras para me marcar, quando estou dividindo a quadra com o melhor jogador de basquete do planeta? Eu acho que não.

E esse é só o LeBron. Eu olho para todo o elenco, e só vejo caras com os quais eu mal posso esperar pra jogar junto: Kevin Love (era meu antigo colega de equipe da AAU!), Tristan Thompson, J.R. Smith, Iman Shumpert… Não é nenhum acidente para mim esses caras terem ganhado o Leste por três anos consecutivos. E agora comigo, D. Rose e meu parceiro Jae? Esse elenco, cara, é completo. Fãs dos Cavs, vamos nos preparar para um rock and roll.

Claro, estar na equipe a ser batida no Leste… Eu não vou mentir, são emoções misturadas. Porque esse foi o nosso objetivo em Boston durante muito tempo – passar pelo Cavs e ganhar o Leste. E eu sei que esse ainda é o objetivo em Boston. Porém, agora, é minha responsabilidade impedi-los de completar esse objetivo. E isso é difícil. Porque quando chegar os playoffs, e nós tivermos que enfrentar o Celtics… Eu não sei, é difícil de explicar. Não vai ser apenas o “time em que costumava jogar”. É a minha ex-equipe. O ataque de elite, mais de 30 jogos televisionados, um lugar para o qual os agentes livres queiram vir jogar – eu sinto que ajudei a construir tudo isso. Ajudei a criar essa situação.

E quando chegarem os playoffs, de repente, será tipo: O.K., agora destrua tudo isso.

É triste, cara. É muito triste.

Mas eu não vim para Cleveland para perder.

Como eu disse, quando a notícia da troca saiu, recebi muitas mensagens. SMS, Instagram, Twitter, Voicemail. Estava frenético. Mas uma mensagem, em particular, me chamou a atenção. Foi do Tom Brady.

“E aí, IT, acabei de ouvir a notícia. Você está bem?”

“Eu estou bem. Quero dizer, é uma loucura. O jogo é implacável.”

“Sim, é implacável. Toda a sorte do mundo. Você vai se sair bem. Mantenha contato.”

Não foi o que ele disse, exatamente – embora tenha sido legal por parte dele entrar em contato, sem dúvida. Foi mais por tudo o que significou, eu acho, que essa mensagem mexeu comigo. Receber uma mensagem pessoal assim de alguém como o Tom, que é uma lenda em Boston…quero dizer, foi meio agridoce.

Em primeiro lugar, machucou um pouco. Eu olho para a carreira do Tom com o Patriots – e é exatamente o tipo de carreira que eu esperava construir aqui com o Celtics: ser uma escolha baixa de draft… Chegar sem aclamação… E depois – por meio de trabalho árduo, de determinação, e de algum talento que talvez as pessoas tivessem ignorado – começado a ganhar, e ganhar, e ganhar. E depois estabelecer um legado de vitórias. E daí ficar em Boston, ganhar títulos e competir bastante pelo resto da minha carreira – até que eu fosse considerado um dos grandes de todos os tempos de Boston. Essa é a carreira que eu estava começando a planejar para mim. Em minha mente, queria ser a versão Celtics de Brady e David Ortiz (Big Papi). Eu queria que a próxima era do basquete do Celtics entrasse para a história – e eu queria entrar para a história esportiva de Boston junto. Então, quando recebi esse mensagem do Tom, você sabe, uma parte de mim se sentiu bastante triste.

Mas então eu refleti mais sobre a mensagem… E acho que mudei um pouco a minha perspectiva. Eu meio que entendei, que cara, esse é Tom Fucking Brady. E só estive aqui por dois anos e meio. Tom Brady não está enviando uma mensagem dessas aos caras que jogaram em Boston por apenas dois anos e meio – a menos que eles tenham feito algo muito especial. Então, talvez, eu não sei… Talvez seja um motivo para se orgulhar. E talvez, meu tempo aqui… mesmo que, no fim das contas, não foi exatamente o que eu sonhei que fosse – talvez ainda tenho significado algo para algumas pessoas.

Então, acho que estou desse jeito neste momento. Ainda estou machucado, e ainda estou triste de ir embora. E tenho a certeza de que sentirei falta da minha família Celta por algum tempo. Mas agora eu vou para Cleveland, fazer o que eu faço de melhor. Eu vou me entregar. Pode não ser a carreira com a qual eu sonhei ter no ano passado, ou mesmo no mês passado – mas refletindo sobre isso, essa foi a minha carreira desde o começo. Nunca foi um sonho se tornando realidade e nunca foi o que eu esperava. Foi só eu mesmo.

E talvez essa seja a resposta para tudo isso, entende? Tipo, sim, nunca serei Tom Brady. E eu nunca serei David Ortiz. Eu nunca serei Bill Russell, ou Paul Pierce, ou Kevin Garnett, ou Larry Bird. Mas se isso teria acontecido sem essa troca, ou não teria — eu ainda assim gosto de imaginar uma coisa.

Gosto de imaginar que, daqui a algum tempo, em algum lugar de Boston, alguém vai se tornar um pai ou uma mãe, e conversar sobre basquete com o filho. E a criança vai perguntar, sem rodeios , como as crianças fazem, você sabe, “Ei, por que você se tornou um fã do Celtics?”

E aquele pai ou mãe, cara, vai refletir, realmente pensar nisso. E então ele/ela vai sorrir, e dizer a verdade.

“Eu vi Isaiah Thomas jogar”.

Isso me deixaria muito feliz. Para mim, eu acho, isso seria o suficiente.

 

ISAIAH THOMAS / CONTRIBUTOR

 

  • Carta traduzida por Matheus Prá, do Block Party. Sigam o blog no Twitter (@blockpartty).
  • O link para a carta original no The Players’ Tribune está aqui.
  • xmaah

    Homão da porra.

  • William Felton

    Que cara foda!

    A cidade de Boston e a franquia Celtics certamente são eternamente gratas a ele, por tudo que realizou na quadra e também fora dela!!

    Às vezes, somos muito pragmáticos e insensíveis ao lidarmos com as trocas, com as mudanças de time e de cidade (talvez porque tenha que ser assim mesmo), mas nos esquecemos de que por trás da superfície que nos é apresentada existe uma profundidade complexa de emoções, de sentimentos, de planos… Há interesses, desejos, sonhos de toda uma família, toda uma comunidade… Enfim, há muito de humano por debaixo da técnica negocial, do comando esportivo, do simples entretenimento público, de que fazemos parte, desta ou daquela maneira.

    Noves fora, desejo a este cara, que não conheço e provavelmente jamais conhecerei, toda a sorte e o sucesso de que é merecedor!

  • Rdrigo Cruz

    “Eu vi IT jogar”…

    É complicado desejar sucesso a ele, sendo agora rival direto de Boston.
    Mas torço muito para que se recupere bem e q eleve seu nivel no cavs

  • RL23

    Eu vi IT jogar 2.

    Saudades!

  • Vitor Martins

    “Mas eu só espero que a próxima vez que um jogador trocar de time na agência livre, e as pessoas quiserem atacá-lo ou escrever uma crítica ou um mandar um tweet desagradável sobre ele, talvez, agora, eles pensem duas vezes. Talvez eles olhem ao redor da liga, para um caso como o meu e se lembrem que lealdade é apenas uma palavra.” Ouch!

    Que jogador fantástico. Gosto muito de ver o estilo do GSW em quadra, mas se o Cavs for pra final de novo eu vou torcer pra eles. LeBron merece mais um título e IT é simplesmente fantástico dentro e fora de quadra.

    • pedrokadf

      Essa parte foi foda, falou tudo

    • Albert Santos

      Foda demais.

  • Deichmann

    Tava com vontade de fazer textão hein IT? Hahahahaha mas belíssima carta, conseguiu demonstrar gratidão ao Celtics, deu uma cutucada em alguns torcedores e dirigentes com relação a lealdade e ainda conseguiu dar um animada nos fãs do cavs

  • Baiano #Kyward #IT4∞ 🐳👴☘

    Voa, monstro!

  • Maurilei Teodoro

    Sucesso pra ele !!

  • Pablo Leite

    Comovente. Ele realmente ama a franquia e a cidade. Pena que para a franquia eram apenas negócios. Mas como ele disse, tomara que daqui para a frente as pessoas encarem as escolhas dos jogadores de forma diferente, eu sei que agora eu encaro. Os idiotas que só olham o lado da franquia sempre vão existir, mas tomara que daqui para a frente as pessoas olhem mais o lado dos jogadores, e não apenas como mercenários. Porque nesse negócio, é o que você precisa ser, com raras exceções, como os Spurs. Porque é isso o que os GM são, mercenários que só olham o negócio.

  • Marcelo Desoxi

    “…lealdade é apenas um palavra.”

    • Vincent Savino

      Mas é uma lei do ex de forma um pouco diferente, Kirie quis sair, fez de tudo para sair, lei do ex é mais quando o cara é trocado pela equipe. Por favor, não explique que basta ter saído para ser ex, eu sei.

      • Marcelo Desoxi

        basta ter saído para ser ex

      • MDias

        kkkkkkkkk

    • Leonardo Augusto N. Dos Santos

      KKKKKKKKKKKKKK ,LEI DO EX!KKKKKKKKK! Isso so existe no futebol!!!!!

  • “KOBE” -Thank You Kyrie.

    Sensacional. É um cara q merece muito sucesso nesta temporada. Tomara q volte logo.
    A história do Crowder envolvendo a troca tbem é muito impactante. O Crowder estava cuidando da mãe dele, q estava com Câncer de Mama, então ele soube que havia sido trocado. Contou a mãe dele sobre isto, e uns 5 minutos depois… sua mãe acabou falecendo. Ele falou sobre isto hoje na apresentação do Thomas, Crowder, e Zizic feita pelo Cavs, de forma bastante emocionada.
    Tomara q ambos venham para uma Revenge Tour neste ano, q se inspirem no Tom Brady e façam isto, para ajudar o Cavs a vencer o campeonato este ano.

    • Rdrigo Cruz

      Verdade, o IT é a peça central, mas o Crowder tbm enfrentou uma barra duríssima!
      Os dois virão com muito sangue nos olhos…

    • Michel Moral

      Cara, eu espero exatamente isso. Apesar do carinho pelo ex-time, quando a bola rolar a vitória vai ter um gosto muito especial para esses caras.

      Imagina Crowder, que ouviu (não que isso seja erradoou anormal) a temporada inteira inteiro de torcida, analistas e tudo mais, sobre a necessidade de um ala titular em Boston.

      Nesse sentido, o Cavs deve ser bem mais perigoso do que o Celtics. Além de mais cascudos, os jogadores trocados vem com um sentimento por trás.

    • Albert Santos

      Tomara msm mano !

  • “KOBE” -Thank You Kyrie.
  • “KOBE” -Thank You Kyrie.

    Aparentemente.. o Altman tava meio putaço na coletiva, rs. Thomas, ao q parece, não irá fazer cirurgia. Se for isto msmo, então… o prazo para a volta dele, com certeza diminui.
    https://twitter.com/mcten/status/905838835338280960

  • Pundinzinho

    Imagina esse carinha vencendo o Celtics na final do leste, indo pra final, fazendo o impossível e ganhando do GSW.
    Seria uma justiça poética que eu vou torcer pra que aconteça!!

    • pedrokadf

      Compartilho da mesma ideia amigo, estou na torcida por este roteiro aí

    • Albert Santos

      Concordo.

  • Lucas

    Por isso o basquete é emocionante cada ano existe uma narrativa interessante, no ano passado foi a do KD toda pressão e julgamento em cima da sua decisão é ele encerra como o MVP e no final essa troca do IT também marca o fim desse capítulo é o início de outra com Irving nos Celtics com os Cavs podendo retomar o topo. Que venha a próxima temporada que não terá vilão mais com certeza muitos heróis

  • João Simplicio

    E Ainda tem gente que fala em lealdade! Isso é bobagem! O atleta tem q ser profissional dentro e fora de quadra! Mas se tiver oportunidade melhor, precisa agarrar pq a carreira é curta! Olhai o que o Celtics fez com o Isaiah mesmo depois dele ter jogado em luto pela irmã! Antes de qualquer coisa, é business! Empresa não tem coração e nem sentimento! Se não me engano, o próprio Danny Ainge foi trocado pelo Celtics quando jogava e enviado pro Kings! É business! O Kevin Durant q fez certo!

    • Felipe Marques

      Merece meu Like falo tudo que pensei

  • Marcelo Desoxi

    Rumores que o Bucks tá dando Jabari Parker + pacote no Carmelo , kkkkkkk quero ver o Carmelo aceitar morar em Milwaukee

    • William Felton

      Manta.

    • Eduardo Rebelatto

      melo nao vai querer ir pra lá…

  • Gustavo

    Que texto foda pra caralho. Todo meu respeito para Isaiah Thomas

  • Felipe Marques

    Foda o cara. Ter. Amor pelo time é fazer isso com ele troco. O cara. Nem pergunta se ele queria ou não o cara jogo pelo time mesmo depois da morte. Da irma fez tudo que tinha que fazer deu sua alma. Suor e sangue. Lágrima. Por Boston e acaba nisso e triste wa realidade NBA é só negócio o amor pelo camisa morreu. Para os gms troca 3 caras mas duas escolhas Boston fez um pouco de burrada cedeu o Jae crowder ele é um bom defensor e metia umas bolas de três Marottaagora é bola pra frente Thomas. Que coisas melhores estão por vir fera.

  • Thomazbrasil

    Ah! Chora não, são só negócios. Aceite ou vá fazer outra coisa.

    Falou abertamente que queria contrato máximo, por mais que seja direito e merecimento se tem realmente amor pela franquia não lança uma notícia assim abertamente, mas senta em particular e negocia.

    Fez da forma que fez porque estava usando de uma estratégia, pois bem, a oportunidade veio e o Celtics, segundo sua estratégia, e é isso o que se espera de uma franquia competente, fez o que tinha que fazer.

    Portanto, ambos foram estrategistas, se se deu mal aceite, faz parte do jogo… vc sabia!!!

    Afinal, chegou desacreditado das outras franquias e Boston deu uma oportunidade mágica, tem mais que ser agradecido.

    Portanta se recupere e jogue… não caio nesse marketing para conquistar torcedores.

    Essa é a minha opinião, sei que muitos não gostarão, mas paciência. Se não concorda escreva um comentário sobre o que vc pensa, e cada um respeita o seu ponto de vista.

    • Eduardo D’Alcantara

      HAHAHAHAHHAHAHAHAHAHA

      • Thomazbrasil

        Que bom que gostou!

      • Eduardo Rebelatto

        hahahaah penso o mesmo. o cara jogou todo machucado, devastado emocionalmente, sem dente kkkk ainda bem que a grande maioria dos celtas respeita e admira o baixnho

        • Thomazbrasil

          Sou a minoria. Não tenho medo de falar o que penso. E não sou de rir dos comentários que não concordo.

          Pena que admirar não vem junto com respeito, não é?

    • Por que ele iria querer conquistar fãs de uma franquia que ele não defende mais? Fãs que na real ele já conquistou. Todo atleta deixa clara sua pretensão salarial, até porque geralmente isso é muito óbvio, Thomas nem precisava ter dito que pediria o máximo, qualquer um já esperava por isso. E mesmo que anunciasse que iria renovar pelo mínimo, Celtics o teria trocado por um superastro mais jovem e ainda em evolução. Ele deixou bem claro que compreende que isso são negócios, que entende que a liga funciona assim. Ele não está saindo de um contrato de rookie, é um veterano que já foi trocado antes, como ele ressaltou várias vezes, ele sabe como as coisas funcionam e não culpa ninguém.

      Você deixou passar o que essa publicação tem de melhor, a perspectiva intimista do Thomas. Ele não escreveu isso apenas como jogador de basquete que viu seu plano de carreira mudar repentinamente, ele também escreveu como um cidadão comum, alguém que cria raízes com um local, que vê sua família se vincular e se acostumar com uma comunidade, e de repente tudo muda, e o quanto isso é doloroso.

      • Thomazbrasil

        Vamos lá, primeiro ele está tentando conquistar os novos fans, agora do Cavs… está explícito isto. Nem pensei nos fans do Boston…

        E está nítido que ele mais está p… da vida, e não triste. Mas isso também não viram, só virão a sua visão intimista. Meu comentário veio em cima da visão pu..tivista do Thomas.

        É o que preferir comentar, ao invés de ver o básico e falar a mesma coisa que todos estão escrevendo. Ora, qual o problema?

        A dor do Thomas está no fato que as chances de ganhar contrato maximo diminuíram, eis que deixou de ser a estrela e não terá mais um time em volta e preparado para ele. Ponto.

        Que ele ficou chateado, magoado, futuro desmantelado…. blá, blá, blá… ok, mas não quis falar sobre isso. Tá bom?

        Abraço.

        • Brinell Arcanjo

          Como ele iria conquistar os fans do Cavs elogiando o principal concorrente na conferencia? Se está explicito isso no texto, acho que deixei passar.

          • Thomazbrasil

            caraca, não viu? leia novamente, o texto continua acima, mas leia sem lágrimas nos olhos, leia com a cabeça. Se não achar, tudo bem, cada um tem o direito de entender o que bem entender, pena que o brasileiro não sabe respeitar isso.

            A regra é, ou pensa igual ou você está errado….. Pena….

          • Felipe Mendonça

            Não sei se você realmente entendeu a mensagem que o texto que o Isaiah quis transmitir, eu realmente não entendi a sua mensagem tão somente o atleta no exercício da profissão.
            Vamos lá, não é necessário nem entrar no mérito de que, além de atleta, jogadores da NBA são pais de família e chefes da sua família como um todo, levando em consideração o fato de que, provavelmente, são os mais bem sucedidos de sua família.
            O cara quis transmitir um pouco do carrossel de emoções que ele está sentindo nesse momento, não tentando angariar fãs do Cavaliers, afinal de contas, a raça e a qualidade técnica dele vai fazer com que esses fãs naturalmente o admirem.
            A vida é muito maior e mais complexa do que somente o “mundo dentro da quadra” esta porra não é NBA2K.
            Meu Deus do Céu, imagina como deve ser sentar com sua esposa e filhos e dizer que vão ter que se mudar e recomeçar a vida, amizades, costumes locais em outra cidade?
            Agora imagina essa cidade sendo bem menos estruturada do que a anterior?
            Imagina você tendo que reconquistar o seu espaço em uma outra empresa?
            As vezes o dinheiro não paga essas coisas, deve ser um louco carrossel de emoções a vida de quem vive sem criar raízes.
            Reflita.

          • Thomazbrasil

            Quero ver se o IT iria pensar em toda esta questão de família, dificuldade, mudança, caso tivesse recebido proposta máxima do outro lado do país….. Duvido que não iria voando….. e a resposta seria a de sempre – “antes de jogador sou profissional e tenho que pensar no meu futuro, é trabalho”.

            É tudo negócio, só que alguns vêm com mais sentimento e outros com mais profissionalismo, eu sou da segunda espécie.

            Mas legal que vc pensou em tudo isso, acho que ambos podemos estar certos e errados ao mesmo tempo, é sadio isso, não?

            Toca a vida amigo!

          • Felipe Mendonça

            Com certeza, toca a vida. Ele passando por esse carrossel de emoções ou não, está melhor do que eu, que sobrevivo em terras tupiniquins sem reconhecimento algum.

          • Brinell Arcanjo

            Vc esta defendendo seu argumento, eu estou defendendo ou meu. Não estou qurendo “obrigar” vc pensar igual. Vc que esta com esse mimimi de sou minoria. A partir do momento que vc decide postar uma opinião que pelos comentários é diferente de quase todos, tem que estar preparado pra que argumente, e estar preparado pra contra-argumentar, e não com essa besteira de sou desrespeitado. Não sabe brincar não desce pro play.

          • Thomazbrasil

            se tivesse colocado um comentário para debate entenderia plenamente, mas vc não fez isso.

            Relaxa estamos numa boa, sei que minha opinião é diferente. Sem mimimi e a questão de ser minoria não é mimimi, é um fato. Só isso.

            Mas de boa.

        • Sávio

          Entendo o que o Thomaz quis dizer e tive a mesma sensação ao ler a carta do IT. Dizer que criou laços com a cidade e que queria ser a versão de Brady e Ortiz do Celtics é realmente uma coisa que extrapola a relação de negócios. É uma relação de lealdade / fidelidade com a franquia / cidade. Mas quem colocou os negócios na frente da lealdade foi o próprio IT ao pedir o contrato máximo. Lógico que ele está no direito dele, ainda mais pelo que ganha atualmente. Eu faria o mesmo!!!…. e essa atitude e simplesmente colocar o business na frente de outras coisas. Comportar o salário do IT teve como consequência a negociação do AB em uma troca extremamente “porca” para o Boston… Não vi o IT se pronunciando sobre lealdade naquele momento (posso está sendo injusto já que não vivo os bastidores da franquia). Logo AB que cobria aquela que é a grande diferença entre IT e Kyrie na minha opinião, a defesa. AB era, na minha opinião, um jogar mais identificado com Boston que o próprio IT e foi sacrificado. Os Brady’s de Spurs, Dallas, Miami (Dirk, Duncan e Wade) tiveram atitudes nesses momentos extremamente leais as suas franquias…. sacrificaram os seus em prol da franquia. IT não tinha obrigação nenhuma de fazer isso, repito…. eu mesmo provavelmente não faria. Ainge tendo que planejar a equipe sabendo que teria uma caminhão de dinheiro comprometido com IT também não tinha obrigação nenhuma de mantê-lo imune a trocas…. Agora se a preocupação é em ter que mudar de cidade, saiba que faz parte do negócio!!!

        • Estar puto também faz parte da visão intimista do Thomas ora, ele está puto com a situação, ninguém é culpado, a liga funciona assim, no entanto ainda é uma situação para ficar puto, isso também está claro. Olhe os salários inflacionados, tem role player ganhando 16 milhões, Thomas continua com as mesmas chances de ganhar contrato máximo, pode não ser no Cavaliers, mas no momento atual, sempre tem uma franquia disposta a abrir os cofres. As chances dele sempre dependeram de se recuperar do quadril e ficar saudável a maior parte da temporada. Se ele fizer isso terá um Lakers ou Blazers da vida para oferecer o máximo. Não existe problema algum em você comentar algo diferente do geral, as opiniões divergem mesmo, e esse espaço serve justamente para trocarmos opiniões. flw abraços.

  • Fabrica de Vassilo

    Na hora do reconhecimento, ninguém quer dar. Esse negócio de lealdade tô começando a achar que é bullshit mesmo, já estava pensando nisso desde quando Durant foi embora. Fico triste com essa troca, mas feliz que agora ele está num time melhor, ele merece continuar competindo.

  • Danilo Celtics #Banner18

    vou torcer mto pra ele nas finais do ano q vem , vlw por tudo Isaiah

  • Como de costume outra excelente publicação, é interessante como IT não escreveu isso apenas como um jogador, mas expondo o lado mais íntimo de sua vida, e como essa troca o afeta fora da quadra. Esse é um lado pouco explorado no mercado de trocas, a falta de estabilidade futura para diversos jogadores deve ser um saco, mesmo com toda a grana que eles ganham, ainda mais se você tiver filhos, imagine trocar seus filhos de cidade em curtos períodos.

    Só discordo de uma coisa. Paul George anunciou que não renovaria com o Pacers e ninguém o crucificou por isso, o mesmo vale para ídolos como CP3 e Aldridge, trocaram de equipe e foram alvo de hostilidade. Lealdade incondicional por parte do atleta é algo que tem sido discutido há meses devido a forma que o Carmelo foi tratado pelo Jackson (esse é um exemplo melhor do que o Thomas/Celtics). Já o Kevin Durant foi uma situação fora da curva. E outra, ele exerceu seu direito de escolher jogar onde quisesse, eu exerci o meu direito de consumidor de criticar uma decisão que afeta o produto que pago para consumir.

    • mavs

      cara…esqueci o Durant..que mágoa do caralho kkkkkkkk
      o cara tenho o direito de ir para onde quiser…
      quem sou eu para falar onde ele deve jogar?
      pq eu sou um consumidor, tenho direito de criticar uma pessoa que decidiu ir jogar em algum time?
      bicho, pelo amor de Deus..
      olha o que aconteceu com Thomas….me desculpe, mas depois dessa, é impossível criticar o durant

      • Não cobro fidelidade incondicional de nenhum atleta, rola polêmica em situações peculiares. Sim por ser consumidor você tem o direito de criticar uma decisão de um atleta. Antes do Durant ir para Oakland tivemos duas finais entre Cavs e Warriors, na primeira, mesmo sem Irving e Love, o Cavaliers conseguiu levar a série a 6 jogos, tendo até assumido a liderança no game 3. No ano seguinte tivemos uma série equilibrada com uma virada histórica do Cavs. Já em 2017 o cenário foi bem diferente, GSW teve amplo domínio e esteve próximo de varrer o Cavaliers, sendo Durant o grande fator diferencial para os dois anos anteriores, é bem nítido que ele desnivelou as forças entre as duas franquias. A decisão do Durant não afetou apenas ele, afetou o equilíbrio de forças da liga. Eu pago tv por assinatura, sou assinante do league pass, compro produtos oficiais da NBA, sou consumidor, somos nós que fazemos a liga ser o que ela é, se esses atletas são milionários é porque existe um grande público consumindo o produto que a NBA vende, se a decisão de um atleta afeta o produto que eu pago para consumir, eu tenho todo o direito de criticar.

        • João Simplicio

          Tenho certeza q vc no lugar do Durant, assinaria com o Brooklin nets!

          • Bem, eu não estou no lugar do Durant, e nem fazendo hipóteses malucas e surreais ¯_(ツ)_/¯

          • João Simplicio

            Pois é, vc n está! Nenhum de nós está! Vc e eu só conhecemos um lado da história, o de quem tá de fora da decisão! Só o Durant e os mais chegados dele conhecem o verdadeiro lado dele da história! A crítica é um julgamento sem punição direta e é extremamente injusto julgar alguém sem conhecer os dois ou mais lados da história! É muito fácil criticar alguém sem estar no lugar da pessoa! E quanto ao equilíbrio da liga, nunca houve equilíbrio real! No começo da liga o Celtics ganhava td! Nos anos 80 o Lakers ou Celtics q papava os títulos, com raras excessões! 90 o Bulls ganhou mais da metade dos títulos! Anos 2000 Lakers…

          • Não há mistério, KD queria vencer, Warriors é o melhor time do momento, (inclusive o que chutou o traseiro dele em 2016) esse é o lado dele da história, ele queria um anel e julgou que no Warriors teria mais chances de ganhar, simples assim. Não precisa ser “chegado” do Durant para entender o motivo dele, ou você acha que existe alguma outra razão para ele ir para Oakland? Nós compramos o entretenimento que a NBA vende, KD trabalha para NBA, são negócios, julgo uma decisão de negócios nada além. Me referia ao equilíbrio entre duas forças, antes do Durant existia equilíbrio entre Warriors e Cavaliers. Com exceção dos anos 60 e parte dos 90 sempre existiu equilíbrio em ao menos duas forças. Anos 70 foi bem variado, 80 era Lakers e Celtics, 2000 Lakers e Spurs.

          • João Simplicio

            A gente acha q ser campeão era o único motivo, mas não tem como ter certeza! Por isso, acho q só ele e os mais chegados sabem! O caso do Kyrie, por exemplo, não faz nenhum sentido um Kra querer sair de um time igual o Cavs, jogando com Lebron, mas os bastidores não são inteiramente do nosso conhecimento! Pesquisando mais a fundo, vi que o Kyrie queria sair não só pra ser protagonista, mas Tb pq o LJ tem diversas regalias q outros atletas não têm no Cavs! Tipo empregando amigos na franquia, amigos dele viajando com o time. O Lebron solicitou a franquia trazer vários kras q jogaram com ele no Heat e a Franquia trouxe! Fora q de alguma forma, o empresário do Lebron, que é amigo pessoal dele, se tornou empresario de alguns atletas do Cavs! Creio q tem muito mais coisas q só eles lá sabem! E por tudo isso o Kyrie pediu pra sair! Tipo quando vc tá a muito tempo numa empresa e pede pra sair pq não aguenta mais e nem um aumento te segura lá! Talvez seja o caso do Durant! De fora, nunca vamos saber! No máximo podemos fazer uma crítica raza dizendo q Kyrie saiu pq queria ser protagonista e o Durant queria ser campeão, oq não deixa de ser verdade, mas não é toda a história! De qualquer forma é válido um debate sadio, sem ofensas! Valew por se expressar com educação! ABS!

        • Denyson

          Acho que você é tão consumidor, quanto toda a galera da Bay Area e não tá ligando pro seu choro. Cara, são negócios, só aprecie o jogo. E as franquias façam como Rockets, Twolves, Cavs e se reforcem pra bater de frente com o Warriors, em vez de ficar chorando.

          • Exato são negócios, para mim também, não é só aprecie o jogo porque o jogo não entra de graça na minha casa. É uma questão de opinião também, se você apenas aprecia ótimo, bom para você. O ponto de todos os meus comentários é que eu, ou qualquer outro consumidor da liga tem o direito de criticar o KD. ¯_(ツ)_/¯

  • Chimbinha

    Quando disse que era a hora certa de trocar ele,me cagaram todo.” Não vão fazer isso nunca,Ainge vai ficar queimado por trocar ele e tals”.Essa merda é só negócio mesmo.

  • MDias

    Cara que mensagem espetacular! Não sei se foi realmente ele quem escreveu tudo isso, mas de qualquer forma, aplausos ao gigante IT.
    Sucesso no Cavs, e que ganhe muitos títulos lá! kkkkkk

  • mavs

    VAMOS VER SE AGORA O PESSOAL PARA DE MIMIMI COM O KEVIN DURANT.
    CADA UM FAZ O QUE É MELHOR PARA SI NA NBA…

  • Nildo Rios

    que time foda DROSE E IT rpz que time e banco bom da porra !!!

  • Marcos Gordinho

    Gostaria de descobrir até onde IT chegaria no Celtics, ainda preferia ver o Thunder peitando equipes como Warriors e Spurs nos playoffs com Durant e West tirando coelhos da cartola. Como destacado na carta, no fim é apenas um negócio. E as partes precisam se adaptar, gostem ou não. Tomarei mais cuidado com minhas críticas e tentarei observar tudo o mais que envolve escolhas sejam dos atletas ou dos dirigentes. Guardarei esta carta como referência para os radicais, vida que segue.

  • TRUETHIAGO

    Bela carta mesmo, não vi choro nenhum, me pareceu bastante sóbrio e sincero.

    Ficou triste com a troca, diz claramente que não concordou, mas compreende o que foi feito. Assim como o Ainge fez o que achou melhor para a franquia, não tinha nada que pedir a opinião do Thomas. São apenas negócios, profissionalismo, não tem vilão nem mocinho na história.

    O lado passional/irracional fica para o torcedor.

    “Ah, mas e o Duncan, Dirk, Kobe, Magic, Bird…???” Eles são exceções, não a regra. A regra é o negócio (99,9%) QUASE SEMPRE. Se calhar de conciliarem essa parceria entre jogador e franquia durante toda uma carreira, maravilhoso. Mas, se em algum momento isso não for mais possível, cada um que busque o que achar mais vantajoso para si, dinheiro, títulos, protagonismo (exemplo : Irving), enfim, vida que segue e ninguém apaga o que fizeram antes. É óbvio que nesses 2 anos e meio o IT já deixou sua marca nos Celtics.

    Que fique claro, o fato de ser profissional não exclui o lado humano, amizades, identificação com a cidade, etc. Para mim, é essa a essência do que o Isaiah quis transmitir.

  • Albert Medeiros

    Cara como eu “amo” essa franquia,kkkkkk

  • Denyson

    PQP IT! Muito obrigado pelo que fez pela franquia. Carta muito linda. Sem palavras. Somente muito obrigado de coração desse torcedor brasileiro.

  • Que texto meu Deus do céu, me deu raiva de não ser torcedor do Celtics agora.

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados