logo lance
undo
Nacionais
Internacionais
Leste
Hawks
Celtics
Nets
Hornets
Bulls
Cavaliers
Pistons
Pacers
Heat
Bucks
Knicks
Magic
76ers
Raptors
Wizards
Oeste
Mavericks
Nuggets
Warriors
Rockets
Clippers
Lakers
Grizzlies
Timberwolves
Pelicans
Thunder
Suns
Blazers
Kings
Spurs
Jazz
Postado em 11 set 2017 às 10:00
Revisão da Temporada – Houston Rockets

Harden teve temporada brilhante, mas não foi suficiente para chegar longe nos playoffs

Compartilhe nosso conteúdo!
Envie por email!
Compartilhe no Google+ Google +
Tweet esse post! Twitter
Compartilhar no Facebook! Facebook
Por Michel Zelazny

Houston Rockets (55-27)

Temporada regular: terceiro lugar da conferência Oeste
Playoffs: campeão após bater o Cleveland Cavaliers em cinco jogos
MVP da campanha: James Harden (29.1 pontos, 8.1 rebotes, 11.2 assistências, 1.5 roubos de bola)

Pontos positivos

– A mudança de James Harden para armador, promovida com a chegada do treinador Mike D’Antoni, se mostrou muito efetiva, e o jogador teve a melhor temporada de sua carreira.

– Com diversos bons chutadores em quadra, a equipe usou e abusou das cestas de três pontos, sendo a primeira no ranking de arremessos de longa distância tentados e convertidos.

– O Net Rating do Rockets (diferença entre pontos anotados e sofridos) foi a terceira melhor marca da liga, indicando consistência da equipe ao longo da temporada regular.

– A equipe também foi a terceira em assistências por jogo, o que destaca o desempenho de Harden e a mentalidade altruísta da equipe para procurar o homem livre.

Pontos negativos

– “Live by the 3, die by the 3”: quando a bola de três do Rockets não entrava, a equipe não encontrava muitas soluções para se manter viva na disputa

– A falta da presença de um jogador com repertório ofensivo no low post. Anderson trabalha melhor do perímetro e Capela ainda foi muito dependente de pontes aéreas, com dificuldade para criar o próprio arremesso. Fora eles, Nenê teve um ano inconstante e novamente marcado por contusões, ainda que tenha brilhado em certos momentos.

Análise

A temporada 2016-2017 do Rockets começou com a contratação de Mike D’Antoni como treinador da equipe. Conhecido pelo seu estilo ofensivo rápido e agressivo, mas com defesa falha, as expectativas não eram das mais altas. A mudança de James Harden para principal armador da equipe também gerava dúvidas.

Contudo, a temporada chegou e a desconfiança deu lugar à esperança. Harden jogou em um nível altíssimo, sendo o segundo colocado na votação de MVP para a temporada. Com o barbudo chamando atenção extra da marcação adversária, eram muitas as ocasiões em que o Rockets tinha a possibilidade de rodar a bola e encontrar um homem livre para um arremesso de longa distância. E a equipe não teve medo de chutar: com 3306 tiros de três, a equipe teve mais de 500 tentativas a mais no quesito que o segundo colocado na lista.

O estilo de jogo do Rockets trouxe o melhor basquetebol de jogadores como Lou Williams e Eric Gordon. O garrafão composto por Clint Capela e Ryan Anderson na rotação titular se mostrou bem efetivo, com características complementares entre os dois jogadores. O que se via em quadra era um time que sabia o que precisava fazer para sair de quadra com a vitória, e com impressionante poder de reação.

O melhor momento da equipe foi perto da virada do ano, quando embalou 20 triunfos em 22 partidas disputadas, chegando ao impressionante desempenho de 31-9 àquela altura. Após isso, o desempenho até o final do ano caiu, como era de se esperar, mas os torcedores do Rockets viam em Harden e cia uma possibilidade surpreender na pós-temporada.

Nos playoffs, o que se viu foi uma equipe extremamente competitva. Após eliminar o Oklahoma City Thunder sem muitos problemas em cinco jogos, o Rockets contou com uma grande atuação coletiva para ganhar o primeiro jogo da série contra o San Antonio Spurs e roubar a vantagem do mando de quadra no confronto. A partir daí, contudo, a equipe não conseguiu repetir o mesmo nível de apresentação. No jogo 5 da série, uma emocionante partida com direito a prorrogação terminou num toco fantástico de Manu Ginobili sobre James Harden, e aquele parece ter sido o último suspiro da equipe no ano, tendo sido facilmente eliminada no jogo seguinte.

Futuro

Se a aposta do Rockets para a temporada 2016-2017 foi criar um elenco qualificado e com diversas opções, o rumo para a próxima temporada foi diferente: no que pode ser considerada a segunda maior troca dessa pós-temporada, a equipe de Houston adquiriu o armador Chris Paul do Los Angeles Clippers, desfazendo-se de diversos jogadores que forneciam bom suporte para a equipe, incluindo os armadores Patrick Beverley e Lou Williams.

Mas essas não foram as únicas mudanças do Rockets: a equipe renovou com Harden, que ganhará inacreditáveis $228 mi ao longo de cinco temporadas. Fora isso, a franquia trocou de mãos, passando agora a ser propriedade do bilionário Tilman Fertitta. Entre as manutenções, espera-se que o estilo de jogo seja parecido, com a rotação titular tendo uma única mudança, justamente a entrada de Paul (com o consequente retorno de Harden à sua original posição de James Harden).

No papel, a dupla de armadores é argumentavelmente uma das melhores que a NBA já viu desde o começo do século. O restante do time titular é sólido, mas as peças no banco são uma incógnita. Será que um forte time titular, com um excelente perímetro mas uma rotação reserva deficiente, será suficiente para desbancar o Spurs como principal concorrente do Warriors pela Conferência Oeste?

  • Marcos Oliveira

    Acho que o Houston pagou muito caro pelo Cris Paul, Berveley e o Lou eram jogadores importantes que davam opções ao time. Sem duvidas Barba e CP3 formam uma dupla formidável, mas acredito que falta um jogador mas agressivo dentro do Garrafão…

    • xmaah

      Lou nem tanto, mais o Beverley vai fazer uma falta danada.

      • Marcos Oliveira

        Lou com sua media de aprox. 15 ppg vindo do banco era uma ajuda e tanto…

        • xmaah

          sim, mais chutadores e pontos não era problema, já um cara que marcava com a intensidade do zé pequeno é complicado, o bom que o Rockets conseguiu bons marcadores.

  • xmaah

    ‘Playoffs: campeão após bater o Cleveland Cavaliers em cinco jogos’

    O estagiário ainda tá mto loko do feriadão prolongado.

  • Marcos Gordinho

    Kkkkk! Uncle Cliff bateu forte!!!

  • Bruno Gonçalves

    Foi uma temporada muito boa, ao meu ver. Conseguiram mostrar um jogo forte pra liga e marcar um estilo de se postar na quadra. Além disso, mostraram o potencial do J. Harden.
    Me pergunto se com Carmelo preenchendo essa lacuna do Low Post ,bem lembrada pelo Jumper, poderia dar liga, afinal ele também tem chute de 3, porém tem uma defesa precária.

    • William Felton

      Obviamente seria melhor, mas o problema da rotação permaneceria e, quem sabe, talvez até se agravaria, em razão da disponibilização de ativos para adquiri-lo.

      • Bruno Gonçalves

        Nisso eu concordo, tanto que nem entrei no mérito da troca, pois é complicada visto os atrativos que Houston possui. Agora, que seria interessante ver esses três atuando juntos, seria.

        • William Felton

          Seria sim, muito interessante! Carmelo seria a peça que falta pra esse time completar seu leque de possibilidades de jogo.

  • Marcos Gordinho

    Foi bom assistir ao Rockets. Harden em modo on fire em várias oportunidades, e Nenê mostrando o jogador que poderia ter sido durante toda a carreira. Gostei de ver Harden no controle das ações ofensivas, acho que poderia evoluir ainda mais se mantendo assim, uma troca por PG seria um ajuste mais efetivo que por CP3. Analisando como se complementam, pois Paulo Jorge defende bem o perímetro e posições baixas no garrafão e em dias que as bolas de 3 não caem possui mid rage confiável e infiltrações diversas. E o melhor, não faz questão de jogar com a bola na mão.

    • William Felton

      Concordo integralmente. O encaixe, possivelmente, seria bem melhor com PG mesmo, pelas razões que você discorreu. O que pesou foi ser o último ano de contrato dele. Mas poderiam tentar outra alternativa, não sei.

      • Rogério Rodrigues

        Mas CP3 tbm esta em ultimo ano de contrato, e deve pedir um supermax na proxima FA. PG não tem direito a supermax mais…

        • William Felton

          Não foi uma sing and trade? Se sim, o Pacers poderia tê-la feito? Se sim novamente, aí penso que o melhor pra todos os envolvidos seria mesmo uma troca entre Rockets e Pacers. Bom pras franquias e bom pros jogadores. PG teria um time melhor, Harden teria um companheiro com melhor encaixe e o Pacers certamente teria peças melhores do que as que recebeu de OKC.

          • Marcos Gordinho

            Exactamente!!!

          • Rogério Rodrigues

            CP3 tinha player option, ai resolveu optar por ficar no contrato. Assim o negocio poderia sair atraves da trade.

          • William Felton

            Ah sim, entendi. Realmente é diferente a situação do PG.

  • Time que mais me surpreendeu na temporada, a grande mudança foi o Mister Pringles dar ao Barba a função de PG, ele realmente mostrou surpreendentemente ser um armador de elite, fazendo seus companheiros renderem mais em quadra. Ficarei ansioso em ver o encaixe dele com CP3, acredito que não veremos o Harden com tantas assistências, e pouco com a bola debaixo do braço nessa temporada, já que CP3 é um “flor general”, domina a armação como poucos (talvez seja até o melhor) da NBA.

  • Thiago26-NBA

    Quem mudou de conferência?
    Hahahahaha

    • Brinell Arcanjo

      KKKKKKk, não tinha notado.

© Copyright Jumper Brasil 2007-2017 - Todos os direitos reservados