Aos gritos de MVP, Michael Beasley confirma grande fase no Knicks

Poucos jogadores são mais instáveis da NBA do que Michael Beasley. E, hoje, ele está vivendo uma inegável grande fase. O ala comandou as últimas duas vitórias do New York Knicks com performances de 30 ou mais pontos, contra as defesas mais eficientes da liga – Oklahoma City Thunder e Boston Celtics. Foram duas atuações tão impressionantes que arrancaram gritos de “MVP” da torcida local.

“Bem, eu só estou entrando em quadra para fazer o que tenho que fazer. Isso é o que faço. É ótimo ouvir os gritos dos torcedores, mas tenho certeza de que foram para o Kristaps Porzingis”, afirmou o reserva de 28 anos, escolhido na segunda posição do draft de 2008, mostrando uma humildade até pouco característica em sua carreira.

Nas últimas três partidas, Beasley acumula médias de 28.3 pontos e 8.7 rebotes, com quase 57% de aproveitamento nos arremessos de quadra. Mas, segundo o ala, a ótima sensação já vem de bem mais tempo. “Minha mão está quente desde 09 de janeiro de 1989”, resumiu o atleta, citando a data do próprio nascimento, voltando àquela postura “egocêntrica” pela qual sempre foi conhecido.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Most Valuable Westbrook ☇

    O loco,esse draft 2008 cheio de MVP’s

    • Rafael Victor

      hahahaha!

    • Louco era o Thunder que até o último minuto tentou trocar de escolha com o Heat para selecionar o Beasley. Westbrook foi prêmio de consolação na época.

  • Vitor Medson

    Não canso de repetir que esse cara tem a maioria dos atributos para ser um All Star durante anos e quem sabe All NBA, mas preferiu se perder na maconha.

    • Guilherme Petros

      Maconha não faz isso com ninguém. Ele se perdeu por causa da própria cabeça. A maconha é só mais um detalhe.

      • Vitor Medson

        Se perder por só querer fumar maconha e não se dedicar mais ao basquete.

        • Guilherme Petros

          Ah, não sei, cara. Acho que o buraco é bem mais embaixo nesses casos, saca?

          • Vitor Medson

            Eu tento imaginar, mas não consigo uaheuaheu

    • A maconha nesse caso seria um “a mais” mas não a real razão do problema. O problema do Beasley é a displicência por tudo que não envolve jogar, ou melhor, por tudo que não envolve pontuar. Treino, defesa, jogo coletivo, química de vestiário, responsabilidades em geral. A forma que os jovens atletas são tratados no high school costuma ser alvo de muitas críticas, se é um adolescente talentoso ele não precisa se esforçar muito para ficar no time, é o time que se esforça para manter ele, o trata como um Deus oferecendo um monte de regalias.

      O resultado são adultos egocêntricos que acham que privilegiada é apenas a franquia por contar com seus talentos, e não ele por ter a oportunidade de estar na NBA, são atletas irresponsáveis e pouco comprometidos que acham que assim como no amador, o time irá continuar existindo em função dele. Beasley é um bom exemplo disso. Mas quem sabe aos 28 anos e após uma temporada na China ele esteja mais comprometido.

  • Thiago // NBA GAME

    No Bucks ele já fazia algumas boas partidas.