Astros seguem exemplo de Kevin Love para apoiar funcionários de ginásios da NBA

Kevin Love realmente conseguiu criar uma tendência na NBA nos últimos dias: a atitude do ala-pivô, que doou US$100 mil para amparar os profissionais da arena do Cleveland Cavaliers afetados pela suspensão da temporada, tomou conta da liga. Outros astros da liga seguiram a decisão do campeão da liga em 2016 e resolveram apoiar financeiramente o estafe dos ginásios em que atuam.

O atual MVP da liga, Giannis Antetokounmpo, e Khris Middleton também doaram US$100 mil cada para garantir que os colaboradores da arena do Milwaukee Bucks não fiquem sem renda durante a paralisação. O valor foi o mesmo destinado pelo ala-pivô Blake Griffin aos funcionários da “casa” do Detroit Pistons, que também vão ficar amparados no período em que os jogos ficarem suspensos.

O calouro Zion Williamson tomou uma decisão semelhante, mas com parâmetro financeiro diferente: o “fenômeno” anunciou que bancará salários dos funcionários da arena do New Orleans Pelicans pelos próximos 30 dias, o período inicial de suspensão que a NBA anunciou, sem revelar o valor específico que o investimento pessoal somaria.

A onda de doações de jogadores para o estafe de ginásios trouxe críticas aos donos de franquias da liga: em sua maior parte, bilionários que deveriam estar pensando em formas de não deixar tais profissionais desamparados. Equipes como Indiana Pacers, Golden State Warriors e Phoenix Suns, na verdade, já estariam com planos em desenvolvimento para não deixarem seus funcionários sem renda.

A questão dos profissionais de ginásios de times da liga tornou-se um problema por conta do vínculo empregatício que muitos possuem: eles costumam receber pela temporada ou por partida realizada na arena e, com a suspensão das atividades da liga, perderiam seus empregos por período indeterminado sem preparação prévia.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.