Basquete colegial – Briga intensa pelo top 3 da classe de 2018

A briga pelo top 3 da classe de 2018 é a pergunta que ninguém sabe responder com absoluta certeza. As duas primeiras posições parecem que já têm donos: R.J. Barrett e Zion Williamson, nessa ordem.

Barrett começou a temporada muito bem pela Montverde Academy (FL), tendo média de 29.3 pontos nos três primeiros jogos e fazendo com que a equipe esteja invicta até o momento. Após se comprometer com a universidade de Duke, o ala canadense é, de longe, o melhor jogador da classe. Vale ressaltar que ele era da classe de 2019 (ano em que vai para a universidade) e se reclassificou para a classe de 2018.

Williamson também começou muito bem a temporada, com média de 36 pontos nas duas primeiras partidas disputadas. O ala-pivô de Spartanburg Day (SC) estreou na temporada perdendo para a Christ School (NC) da estrela sensação Jalen Lecque, mas anotou impressionantes 45 pontos.

Mesmo tendo um ótimo começo, ele não jogou o terceiro jogo da sua equipe por conta de uma lesão no pé esquerdo.

Williamson ainda não anunciou o seu comprometimento, mas a disputa está entre as tradicionais Kentucky e Kansas. Falei sobre o seu recrutamento no texto aqui no Jumper Brasil, em que adiantei que o pivô Bol Bol iria assinar com Oregon.

As duas primeiras posições parecem intactas. Então, quem é o terceiro melhor veterano no high school no momento? Essa é a grande dúvida que paira no ar. Os dois sites mais conceituados no recrutamento americano, ESPN e 247Sports, apontam nomes diferentes.

A ESPN acredita que o ala Cameron Reddish é o terceiro melhor jogador do país. Ele é atlético, ágil e um grande finalizador, que usa muito bem sua versatilidade para infiltrar na defesa e concluir as jogadas. Reddish possui um alto QI de basquete e consegue ajudar bastante os seus companheiros a pontuarem. Além disso, ele possui uma ótima mecânica de arremesso e tem um bom controle de bola.

A 247Sports pensa diferente e põe Bol Bol como o terceiro melhor jogador do país. Ele é um pivô que mostra muita habilidade no trabalho dentro do garrafão. A sua envergadura ajuda bastante na finalização das jogadas e, aliada ao seu bom timing, ele vira uma máquina de dar tocos e pegar rebotes. O trabalho de pés, que já era bom, vem evoluindo a cada jogo que passa, assim como a sua eficiência para finalizar, seja no low post ou no high post.

Reedich e Bol Bol são duas boas escolhas para a terceira posição. Mas antes de dar a minha sugestão, vou levantar dois pontos sobre eles.

Reddish é, realmente, um atleta talentoso. Porém, marcar jogadores mais fortes que ele, e que trabalham no perímetro, são uma das grandes dificuldades do ala. Seu arremesso de três pontos pode e deve ser melhorado com o tempo.

Já Bol Bol, mesmo tendo uma altura privilegiada (2.21m), precisa ganhar mais massa muscular para que possa fazer melhor o box out nos dois lados da quadra e consiga dificultar o ataque de pivôs mais pesados do que ele. O filho do lendário Manute Bol também precisa melhorar consideravelmente os arremessos de média distância para que seu repertório ofensivo não fique limitado à área próxima à cesta. Ainda sobre Bol Bol, ele tem que provar que pode render em uma temporada completa, já que entrou no final da temporada passada em Mater Dei (CA) e, quando iria começar a nova temporada nos Monarchs, ele se transferiu para Nevada. A transferência para a Findlay Prep foi motivada por motivos familiares.

A minha sugestão é um nome que aparece na quinta posição dos dois rankings e que já foi o segundo melhor jogador do país meses atrás: Romeo Langford. O ala-armador da New Albany (IN) tem um talento natural para pontuar e pode fazer isso de todas as maneiras possíveis e de todos os três níveis da quadra de ataque. Ele é muito habilidoso e atlético, usa bem seus atributos físicos para chegar até o aro com infiltrações, e também é um excelente defensor de perímetro e tem um bom posicionamento para conseguir rebotes defensivos.

Na temporada passada, Langford teve médias de 30.7 pontos, 7.4 rebotes e 3.0 assistências, em 12 jogos. Nesta temporada, ele começou mostrando que quer voltar ao top 3 e estreou fazendo 48 pontos.

Uma coisa é certa, a briga pelo top 3 da classe de 2018 será incessante até o final. Para você, caro leitor, qual será o terceiro melhor jogador da classe de 2018 dos Estados Unidos?

Felipe Souza
Felipe Souza
Felipe Souza é o criador do site HSBasketballBR e co-criador do Live College BR. Ele escreve para o site americano D1Vision. Faz trabalho de Scout nas horas vagas e acredita que o estudo diário do basquete, faz dele um profissional melhor.
  • Maicon Gomes

    Pelo jeito teremos mais uma safra do altíssimo nível.
    Não conhecia o Langford e nem o Reddish, mas os dois são excelentes.

    Parabéns pela qualidade da matéria.