Becky Hammon: “Eu estou preparada para ser treinadora principal na NBA”

Becky Hammon destrói barreiras e tabus a cada etapa que avança como treinadora na NBA. A ex-armadora deu mais um passo na carreira ao ser promovida à auxiliar principal da comissão técnica do San Antonio Spurs, substituindo o jovem James Borrego. Ela sabe que ainda é questionada em um meio massivamente masculino, mas crê que sua efetivação seja a maior prova de capacidade possível.

“Gregg Popovich não faz ‘joguinhos’: se achasse que não sou qualificada o bastante, podem acreditar, eu não estaria ao seu lado. Fiquei quatro, cinco anos só participando de reuniões e assistindo a tudo atrás do banco de reservas para poder estar sentada onde estou agora. Sou bem agradecida pela oportunidade e confiança”, afirmou a assistente, ídolo e camisa aposentada pelo San Antonio Stars (WNBA).

E, para quem continua a duvidar e “torcer o nariz” para Hammon, ela avisa: esse não é o passo final de sua ascensão à beira das quadras da NBA. “Sei que há uma chance espetacular e oportunidade de crescimento esperando por mim, então fico empolgada pelo que está por vir. Eu estou preparada para ser treinadora principal na liga”, cravou a profissional de 41 anos.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Tomara! Seria uma evolução absurda para o esporte e a cidadania em geral. Que consiga o cargo e seja bem sucedida.

  • Allan Lopes Soledade

    Com um tutor como Pop certamente está preparada.Tomara que consiga.Isso abriria caminho para outras.

  • Marcos Oliveira

    Todo mérito a ela que se esforçou e Mostrou ser capaz, Sobre o POP o cara é um cidadão exemplar…

  • Guilherme

    Seria sensacional para o esporte como um todo. Com o tio Greg como mentor, as chances crescem. Espero que tenha sucesso na empreitada.

  • Gustavo

    Melhor que o Lue, com certeza.

  • ++ ThiagO (CaVs vem forte!)

    Que dê certo!
    Acho que não precisa uma mulher galgar o seu espaço para abrir portas nesse esporte, as oportunidades para o sexo feminino poderia ser maiores. Mas, se é necessário uma mulher crescer para abrir as portas às demais, ok…tudo tem que ter um início.

  • Claudio R.

    independendo do sexo, sendo competente to aceitando…. agora o que não é legal, é vc ter oportunidade só por nome…. boa sorte a ela!

  • Marcinho Mueller

    Legal o Spurs abrir espaço, Legal o Pop confiar, e muito legal o Jumper abordar o assunto. Mas mais legal que tudo isso, é a vontade dela de abrir novos caminhos, não deve ter sido nada fácil chegar até aqui e não vai ser nada fácil daqui pra frente. Todo sucesso pra ela, e que dê tudo certo, não por essa ser mulher e sim por ela ser capaz.

  • Vinícius Maia

    Na minha visão, o unico “problema” de ter uma mulher a beira da quadra seria o risco para ela mesma com a falta de respeito de jogadores. Não falo em termos de cantadas e assédio sexual, mas dizem que LeBron gritava com David Blatt, por exemplo, num claro ato de desrespeito (não importa se o cara era ruim e se não concordava, o “coach” tem que ser respeitado). Citei LeBron porque é um caso que eu me lembro, mas com certeza não foi o primeiro nem será o último. Eu acho que com uma treinadora, isso poderia ser ainda mais delicado. Por ser o “sexo frágil”, elas estariam mais vulneráveis a isso.

    Mas fora a isso, seria maneiro.

    • Tem essa preocupação mesmo, Vinicius. Mas só pra contrariar (e enriquecer a discussão), eu fui treinado por uma mulher do Fundamental ao Médio e rolou muito respeito sim. Claro que é uma situação muuuuito diferente e desde cedo aprendemos essa questão de profissionalismo e respeito, mas em se tratando de adultos maduros da NBA (claro que sempre vai ter um Trump da vida), pode ser que dê (muito) certo. É só o tempo que vai dizer.
      Espero que não vá uma treinadora ao Mavericks hahaha (lembra do escândalo de assédio?)

    • Rodrigo Morais

      Acho que esse problema se anula pela postura da mesma, lembro que quando fiz meu primeiro estagio dentro de obra a responsável geral era uma arquiteta mulher, e te digo a peãozada se pelava de medo dela muito mais do que dos Engenheiros homens

      • Vinícius Maia

        Sim, se a mulher souber se posicionar, ela impõe respeito, independente do lugar que ela estiver. Além disso, por tudo que o Spurs já mostrou em termos de cultura e ética de trabalho ao longo dos anos, eu acho que seria o cenário perfeito para estreia da primeira treinadora da liga. Mas além do posicionamento da mulher, no caso da NBA, eu acho que caberá as franquias também terem postura para colocar seus atletas no devido lugar em caso de desrespeito a treinadora.

        Pegando uma situação do futebol para exemplificar o que quero dizer, eu penso que com uma treinadora mulher, seria inadmissível uma franquia passar a mão na cabeça de sua estrela como o Santos fez com Neymar a alguns anos atrás quando ele não atendeu a um pedido do técnico e o Santos demitiu o técnico sem dar nenhuma punição ao jogador. Não que isso seja válido para treinadores do sexo masculino, mas o que quero dizer é que para o sexo feminino, eu penso que a franquia deveria ser ainda mais firme.

    • Nicolas Dias

      Essa história de sexo frágil é pura construção social, e se de fato existir o sexo frágil, as evidencias apontariam para os homens. Por exemplo, eu não vejo tanta birrinha e treta na WNBA como rola na NBA, não só na NBA mas no esporte em geral, mulheres se mostram mais tolerantes a frustração e aptas a resolver conflitos, do que os homens que pedem troca muitas vezes por motivos banais e supérfluos. Se gritarem com ela não acho que ela iria esfarelar, ela está no ramo há um bom tempo, sabe como as coisas funcionam e como lidar com essas situações.

      • Vinícius Maia

        Concordo, mas isso não muda o fato que muitas homens se acham no direito de agredir mulheres fisicamente e verbalmente só por terem vantagem física. Um dia desses eu me deparei com uma cena que me deu muita raiva. Estava saindo do supermercado e vi um cara dentro de um carro gritando com a mulher com o dedo na cara dela dizendo “quem manda nessa p%#@ sou eu”.

        E infelizmente, como eu citei anteriormente, vemos atletas da NBA gritando com técnicos homens mostrando desrespeito. Com mulheres, isso poderia ser pior. Eu apoio a ideia de mulheres no banco conduzindo um time e sinceramente, já estou até curioso para ver como isso vai funcionar porque, pensando apenas em basquete, seria uma experiencia muito interessante. Mulheres costumam ter visões e perspectivas diferentes das coisas e não há nenhum sexismo nisso. Trabalho numa área “dominada” por homens e já ouvi muitos chefes dizendo que gostariam de contratar mais mulheres, não por sexismo, mas porque a mulher traz uma visão e uma abordagem diferente do homem para o trabalho e isso agrega muito. Acredito que não seria diferente no basquete.

        Mas voltando a questão que eu falei, da falta de respeito, eu acho que as franquias teriam que ter pulso firme para colocar seus atletas, mesmo suas estrelas, no devido lugar em casos de desrespeito as treinadoras.

  • LeBrOSMAN #YoungBull

    Acredito q é uma questão de tempo para isto acontecer.
    A Hammon já foi até entrevistada para o cargo de Head Coach do Bucks nesta offseason, e o fato de ela não ter sido contratada faz total sentido, pq havia o Budenholzer disponível q combina com um elenco q precisa sair do nível de equipe promissora para um contender. Neste caso é preciso de alguém experiente como treinador.
    Das 4 Major Leagues dos EUA (NBA, NFL, NHL, MLB), a NBA é a liga mais a frente do seu tempo, por ser a liga q como um todo (desde o comissário até os jogadores), é a mais engajada em causas sociais, principalmente se tratando de minorias, e outros temas polêmicos.
    Ela tem mt a ganhar sendo assistente principal pela primeira vez nesta próxima temporada, do melhor treinador da história da NBA. Não é preciso acelerar as coisas, mas acredito q não vá levar mt tempo até ela conseguir ser treinadora de alguma franquia (o ideal seria alguma em rebuild, sem pressão imediata por resultados.).

  • Joabe#VamoSpurs

    Substituto do Pop será o Ettore Messina, caso não venha ser por algum motivo, quem sabe a cúpula dos Spurs confia o cargo de treinadora a ela. E por mim tem meu total apoio. E a mulher é pé quente como treinadora, dirigiu os Spurs na SL 2015 e já trouxe um título pro curriculo, rs

  • felipe fernando Oliveira

    E o aconteceu com Ettore Messina?

  • Wilton Gonçalves

    Torço por ela, mas sabemos que ela será muito questionada e desafiada, principalmente se tiver que comandar alguma estrela marrenta da prateleira de cima… Poucos são os treinadores que conseguem isso, mesmo tendo cartaz, história e moral.