Blake Griffin: “Tenho orgulho de ter feito parte da mudança de imagem do Clippers”

Blake Griffin terá uma experiência emocionante neste sábado. O astro do Detroit Pistons vai visitar o Los Angeles Clippers – franquia que defendeu nos oito anos iniciais da carreira – pela primeira vez e deve receber muitas homenagens do time. Nada disso, diga-se de passagem, por acaso: a seleção do ala-pivô com a primeira escolha do draft de 2009 é vista como um divisor de águas na história da equipe.

“Eu tenho orgulho de ter feito parte da mudança de imagem da franquia. Quando cheguei lá, a organização não era vista como hoje – e lembro que várias pessoas falavam para recusar-me a ser escolhido pelo Clippers no draft. Não só joguei lá, mas fui bem e também tive moderado sucesso em uma equipe que diziam ser amaldiçoada”, afirmou o craque, com tom saudoso, em entrevista à ESPN.

A história de Griffin na franquia é longa e significativa, mas pode-se dizer que não acabou da melhor forma possível. O jogador de 29 anos ficou sabendo que estava sendo trocado com o Pistons por um amigo que trabalhava nos escritórios da liga, poucos meses após assinar uma extensão onde era anunciado como um “Clipper para toda a vida”. Mais um exemplo duro de que a NBA é um negócio.

“Antes de Blake, ninguém queria estar aqui ou sequer ligado a nós. Tínhamos um longo histórico de derrotas, dentro e fora das quadras. Ele foi um dos atletas que começaram a mudar isso. Não importa o que façamos a partir de agora, vai estar sempre atrelado ao que começou com Blake. Trocá-lo não foi uma decisão pessoal. Na verdade, estaremos em débito eterno com ele”, reconheceu o treinador Doc Rivers.

Griffin mudou a imagem do Clippers e posicionou a equipe competitivamente, mas muitos dirão que também não construiu uma história, de fato, campeã na franquia. Um título nunca veio, as campanhas sempre pareciam acabar antes do esperado e lesões surgiram nos piores momentos. Os números, porém, não mentem: seis das 13 aparições do time angelino nos playoffs em 48 anos de história aconteceram após a chegada do ala-pivô.

“Eu não direi que o que consegui no Clippers foi um sucesso absoluto, mas, perto do que esperavam quando cheguei na NBA, sinto que superei expectativas. Olho tudo da forma mais honesta possível. Existem coisas que gostaria de ter feito um pouco diferente, mas pude aprender com ótimos jogadores em grandes partidas. Tive grandes experiências. E, hoje, sigo em frente”, finalizou Griffin, em paz com o que realizou em Los Angeles.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.