Bosh coloca título da NBA acima de medalha olímpica

Campeão em Pequim-2008, ala-pivô prioriza anel da liga

O ala-pivô Chris Bosh é um dos 20 jogadores pré-convocados pela seleção norte-americana para as Olimpíadas de Londres. O atleta do Miami Heat, porém, já tem uma conquista como prioridade em 2012 – e não é a medalha de ouro. Em entrevista ao site Hoopshype, ele deu a entender que seu objetivo neste ano é o título da NBA.

“Eu já tenho uma medalha de ouro, mas não tenho um anel de campeão da liga”, resumiu Bosh, quando questionado sobre a questão. Ele foi reserva de Dwight Howard na equipe que ganhou os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008 – conhecido como “time da redenção”.

Para disputar sua segunda Olimpíada, o ala-pivô ainda terá que “sobreviver” aos oito cortes que a lista inicial vai sofrer até julho. “Existem tantos bons jogadores na lista, algumas decisões muito difíceis terão que ser feitas. Eu só posso fazer meu melhor e torço para que esteja entre os escolhidos”, disse.

Bosh tem 27 anos e participará do seu sexto Jogo das Estrelas na noite deste domingo. Em 34 jogos disputados na atual temporada, ele acumula médias de 18.4 pontos, 8.3 rebotes e 49.4% de aproveitamento nos arremessos de quadra.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Cristiano

    Sem dúvida.

    Eu tb! Acho a medalha olímpica sem significado para quem joga na NBA! 🙂

  • L Out

    eu que sou brasileiro torcedor do heat concordo em ahahha

  • acho que os eua não deveria ir com força total, deveriar ir com jogadores bem medianos ou universitarios. Para dar chance para brasil, espanha, frança, argentinas entre outras …

    • L Out

      então explica porque o estados unidos iria querer dar chance? lol

      • não to falando de dar chance, só to falando minha opinião, eles sabem que se eles jogarem certo não existe seleção no mundo que possa vence-los e se fossem com jogadores medianos ou universitários poderiar deixar as coisas mais equilibrados e não ser o favorito absoluto.