#BrazilianWeek – Edição Ano Novo

Edição extraordinária! Disponibilizada regularmente todas às segundas-feiras, a coluna do Jumper Brasil dedicada especificamente aos jogadores brasileiros na NBA trará não só as estatísticas da semana, mas também uma projeção da situação de cada um para 2017.

Enriqueçam a discussão e deixem suas sugestões nos comentários para que possamos melhorar cada vez mais esse espaço do site. Então, segue nosso oitavo #BrazilianWeek da temporada 2016-17:

#1 Nenê Hilário (Ala-pivô, Houston Rockets)

Médias na semana: Oito pontos, cinco rebotes e 63% de aproveitamento nos arremessos em seis jogos
Médias na temporada
: 7.3 pontos, 3.9 rebotes, 0.8 assistências e 56% de aproveitamento nos arremessos em 29 jogos

Com a contusão do pivô Clint Capela, Nenê não foi poupado em nenhuma das últimas dez partidas do Houston Rockets e foi titular em três oportunidades. Com uma média de 17 minutos por partida, Nenê conseguiu ótimos números, mas continua como uma peça divergente ao estilo veloz do técnico Mike D’Antoni. No atual momento, Ryan Anderson e Montrezl Harrell se encaixam melhor na posição de pivô. Apesar das piores médias na carreira, Nenê permanece muito efetivo e com sua posição estável no Rockets.

#2 Lucas Nogueira (Pivô, Toronto Raptors)

Médias na semana: 3.8 pontos, 5.2 rebotes, uma assistência, um roubo de bola, dois tocos e 60% de aproveitamento nos arremessos em cinco jogos
Médias na temporada: 4.6 pontos, 4.8 rebotes, 1.8 tocos e 71 % de aproveitamento nos arremessos em 25 jogos

Lucas Bebê continua espetacular quando o assunto é defesa. O brasileiro aumentou sua sequência com pelo menos um toco para 18. Bebê só não registrou tocos em uma das 25 partidas que jogou na temporada 2016-17. Seus esforços defensivos somados ao alto rendimento em jogadas de pick and roll garantem entre 15 e 25 minutos para o brasileiro.

#Leandro Barbosa (Ala-armador, Phoenix Suns)

Médias na semana: 3.2 pontos, 1.5 assistências, um roubo de bola e 40% de aproveitamento nos arremessos em seis jogos
Médias na temporada
: 5.9 pontos, 1.4 rebotes, 1.2 assistências e 46% de aproveitamento nos arremessos em 32 jogos

Aproveitamento abaixo da média = tempo de quadra abaixo da média. Dependente da pontuação vindo do banco de reservas, Leandrinho foi superado por Brandon Knight. O retorno de T.J. Warren também não ajuda nas oportunidades do brasileiro. Ainda assim, Leandrinho terá pelo menos dez minutos por partida garantidos, independentemente de possíveis lesões no perímetro do Phoenix Suns.

#4 Cristiano Felício (Ala-pivô, Chicago Bulls)

Médias na semana: 5.1 pontos, seis rebotes e 56% de aproveitamento nos arremessos em sete jogos
Médias na temporada: 3.7 pontos, 4.7 rebotes e 48% de aproveitamento nos arremessos em 25 jogos

Com média superior a 15 minutos por partida, Cristiano Felício teve uma semana especial, com seu primeiro duplo duplo na carreira. Na derrota para o Indiana Pacers, foram 12 pontos, 12 rebotes e 80% de aproveitamento em 22 minutos. As dificuldades do técnico Fred Hoiberg em manter um plano de jogo para seu garrafão permitirá que Felício atue por muitos minutos se garantir os rebotes e mantiver um alto índice de conversão nos arremessos.

#5 Marcelinho Huertas (Armador, Los Angeles Lakers)

Médias na semana: Dois pontos, três assistências, dois roubos de bola, dois rebotes, um toco e 25% de aproveitamento nos arremessos em um jogo
Médias na temporada: 2.8 pontos, 1.1 rebotes, 2.9 assistências e 38% de aproveitamento nos arremessos em 14 jogos

Presente em apenas uma das quatro partidas do Los Angeles Lakers na semana, Marcelinho Huertas teve grande atuação contra o Orlando Magic, conseguindo todas as estatísticas possíveis. Porém, seu aproveitamento nos arremessos diminui as chances de oportunidades, uma vez que a dupla Lou Williams e Nick Young continua “on fire”. Melhor passador da equipe, Huertas terá oportunidades em momentos específicos, mas será difícil repetir a sequência de seis jogos com mais de 20 minutos em quadra alcançada na primeira metade de 2016.

#6 Raul Neto (Armador, Utah Jazz)

Médias na semana: 2.8 pontos, um rebote, uma assistência e 43% de aproveitamento nos arremessos em cinco jogos
Médias na temporada: 2.4 pontos, 0.8 rebotes, 0.6 assistências e 482% de aproveitamento nos arremessos em 17 jogos

Com as ausências de George Hill e Dante Exum em três dos cinco jogos do Utah Jazz na semana, Raulzinho teve mais minutos que o normal e conseguiu mostrar serviço para o técnico Quin Snyder. O grande problema é que Hill retornou às quadras e permitiu apenas 34 segundos do brasileiro na vitória sobre o Philadelphia 76ers. Raulzinho não terá grandes oportunidades com o grande número de opções na posição, mas tanto Hill quanto Exum, Rodney Hood, Joe Johnson, Gordon Hayward e Shelvin Mack já se mostraram suscetíveis a lesões, fato que poderia ajudar o brasileiro para o restante da temporada.

#7 Anderson Varejão (Pivô, Golden State Warriors)

Médias na semana: Zero pontos e três rebotes em dois jogos
Médias na temporada: 1.2 pontos, 2.4 rebotes, 0.8 assistências e 25% de aproveitamento nos arremessos em nove jogos

Mais um brasileiro com problemas na rotação, Anderson Varejão atuou em apenas 28% dos jogos do Golden State Warriors na temporada. Longe de seu auge físico, Varejão até pode ter mais qualidade que David West, Zaza Pachulia, JaVale McGee e Kevon Looney, mas a falta de atleticismo não permitirá grandes minutos.  Nesta semana, foram 12 minutos e 30 segundos totais de quadra, com apenas um arremesso tentado.

#8 Bruno Caboclo (Ala, Toronto Raptors)

Médias na semana: Zero pontos, um rebote e zero assistências em um jogo
Médias na temporada: 0.6 pontos, um rebote, 0.6 assistências e 25% de aproveitamento nos arremessos em cinco jogos

Bruno Caboclo continua atuando apenas quando o placar está completamente resolvido. Foram dois minutos em quadra na vitória por 12 pontos contra o Brooklyn Nets no última dia 20. Na D-League, o brasileiro teve médias de 11 pontos, 1.6 rebotes, 2.3 assistências, 1.6 roubos de bola e 1.3 tocos em três jogos. Atuando por 28 minutos em média, Caboclo não repetiu as atuações dominantes na Liga de Desenvolvimento, mas teve aproveitamento de 50% nos arremessos, algo raro em sua carreira. A grande missão do ala na primeira metade de 2017 será provar que pode ser efetivo na NBA, principalmente visando uma troca de franquia.

#9 Tiago Splitter (Ala-pivô, Atlanta Hawks)

Médias na semana: Não atuou
Médias na temporada
: Não atuou

Tiago Splitter continua sua recuperação por conta de uma contusão na panturrilha. De acordo com as expectativas do Atlanta Hawks, o brasileiro deve ser liberado em duas semanas. Como ainda não estreou, Splitter terá dificuldades de se encaixar na rotação do técnico Mike Budenholzer, especialmente com as boas atuações de Dwight Howard e Paul Millsap. A experiência em pós-temporada é o grande diferencial de Splitter na comparação com os reservas Mike Muscala, Mike Scott, Ryan Kelly e Kris Humpries.