Carmelo Anthony quebra silêncio, reavalia carreira na NBA e crava: “Ainda posso jogar”

Carmelo Anthony finalmente quebrou o silêncio. Após meses longe das quadras, o astro voltou aos holofotes em uma longa e detalhada entrevista na ESPN: por uma hora, ele respondeu todas as perguntas feitas pelo comentarista Stephen A. Smith. O ponto principal do veterano, evidentemente, é que o ala de 35 anos está pronto para voltar às quadras e espera a oportunidade para dar a volta por cima.

“Esse período forçou-me a reavaliar a minha carreira e minha vida. Mas, agora, eu estou de volta ao ginásio todos os dias. O silêncio dos últimos tempos não é sinal de rendição. Amo demais o basquete para simplesmente desistir. Sinto que ainda posso jogar. Os jogadores sabem que ainda posso atuar. E, acima de tudo, eu sei que ainda posso jogar”, sentenciou o determinado veterano.

A última temporada foi curtíssima e revelou-se uma experiência traumática para Carmelo. O jogador chegou ao Houston Rockets para ser uma peça de suporte importante em um dos mais proeminentes candidatos ao título da liga. Mas, dez jogos depois de sua estreia, ele foi afastado do elenco sem maiores explicações e não voltou mais a atuar naquela campanha por nenhum time.

“Eu não gostei de como tudo aconteceu. Daryl [Morey, gerente-geral] só disse que meus serviços já não eram mais necessários. Questionei o que poderia fazer e ele falou que não estava funcionando. Senti-me como alguém sendo demitido. Foi um golpe em meu orgulho. Passei a duvidar da minha capacidade de jogar basquete. Fiquei emocionalmente vulnerável”, contou o experiente ala.

Um dos pontos decisivos da carreira de Carmelo, para muitos, ocorreu na offseason de 2014: ele resolveu renovar contrato com o “projeto” com New York Knicks em vez de assinar com o Chicago Bulls, que tinha um elenco competitivo montado. O craque foi “acusado” por anos de ter escolhido unicamente pensando na proposta financeira, mas ele explicou que a situação foi bem mais complexa.

“Eu estava indo para Chicago. Coisa certa. Queria jogar com Derrick Rose e Joakim Noah. Já estava lá. Então, eu comecei a receber essas informações de bastidores e outros atletas me aconselhando a mudar de ideia. Diziam que as coisas não eram feitas da forma correta por lá. Aquilo influiu em minha decisão”, relembrou o astro, referindo-se à fama do Bulls ter donos pouco dispostos a investir na equipe.

A verdade é que, independentemente de sua escolha há cinco anos, Carmelo está em uma encruzilhada na carreira. E tudo o que busca é um time competitivo que acredite em seu jogo. “O objetivo definitivo é ser campeão, para mim. É a única coisa que resta em minha carreira. Mas também quero jogar, pois sinto falta do basquete. Mereço outra chance”, concluiu o futuro membro do Hall da Fama.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.