Chris Bosh encaminha acordo amigável para rescisão com o Heat

 

O impasse entre o astro Chris Bosh e o Miami Heat está próximo de um final feliz para todos os envolvidos. Segundo Ira Winderman, do jornal South Florida Sun-Sentinel, o ala-pivô chegou a um acordo amigável para viabilizar sua saída da franquia. A resolução, que foi mediada pela NBA e Associação dos Jogadores da liga, deverá ser anunciada nas próximas semanas.

O acerto, em resumo, liberará a equipe da Flórida da obrigação de recontabilizar o contrato do jogador em sua folha salarial caso ele dispute 25 jogos por outro time em uma das próximas duas temporadas – o grande obstáculo nas negociações. O Heat ainda pagará os mais de US$50 milhões que deve ao atleta até 2019, mas a maior parte do valor será coberta pela seguradora do vínculo.

Bosh não atua na NBA desde fevereiro do ano passado, quando foi diagnosticado com uma segunda ocorrência de coágulos sanguíneos e afastado do elenco. Ele alegou estar curado e tentou voltar ao time oito meses depois, mas foi reprovado em exames médicos e o presidente da franquia, Pat Riley, descartou seu retorno em definitivo. A rescisão contratual, desde então, era o impasse.

O ala-pivô de 33 anos já declarou ter a intenção de voltar às quadras e, diferente do que havia sido noticiado, a NBA não pretende proibir times de contratá-lo na offseason que se aproxima. O veterano assegura ter condições de jogar sem riscos à vida por meio do uso regular de medicamentos anticoagulantes – como acontece, por exemplo, com o jogador de hóquei Tomas Fleischmann (NHL).

A partir do acordo, o Heat terá melhores condições de investimento na offseason. É projetado que, sem o contrato de Bosh, o time passe a ter flexibilidade de quase US$40 milhões em sua folha salarial para trazer reforços. As renovações com atletas como Dion Waiters e James Johnson, bem como a contratação de agentes livres como o ala Gordon Hayward, estariam na pauta de Miami.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.