Chris Paul reverencia carreira e postura de Nenê: “Tenho enorme respeito por ele”

Nenê Hilário não esconde que a aposentadoria das quadras está mais próxima do que os torcedores brasileiros gostariam. E, se a participação dentro de quadra pelo Houston Rockets já não é tão grande assim, o seu papel como influência positiva no vestiário ainda é muito forte. Uma das principais referências do elenco, o astro Chris Paul admite que vê o pivô como um exemplo para a carreira.

“Eu já tive a oportunidade de jogar com ótimos veteranos e atuar por tanto tempo na NBA diz bastante sobre o comprometimento de Nenê. Existem algumas coisas que passam despercebidas dos fãs, mas chamam a atenção do elenco e ganham respeito dos jogadores. Dá para ver a ética de trabalho dele refletida nos seus olhos e ações”, disse o armador, em entrevista ao site The Undefeated.

Em 17 temporadas na NBA, Nenê acumula 965 jogos disputados e é o único atleta ainda em atividade selecionado no draft de 2002. Poderiam ter sido, na verdade, até mais partidas realizadas se não tivesse tido a carreira atrapalhada por várias lesões e um câncer genital. O jogador brasileiro, hoje, registra médias de 11.3 pontos (54.8% de acerto nos arremessos de quadra) e 6.0 rebotes.

“Nenê nem entrou em quadra nos dois primeiros jogos dos playoffs, mas estava no ginásio todas as manhãs para cuidar do corpo. Sempre. Os jogadores mais jovens podem até não notar isso, achar normal, mas é algo importante para alguém que deseja continuar jogando e ter sua mesma longevidade. Eu tenho enorme respeito por ele”, concluiu o experiente armador, dois anos mais jovem do que o pivô.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Jefferson Cavalcanti

    Monstro.

    Nenê se entra alguns anos dps na liga, poderia até ser all star, talvez. Em 2002 ele entra na NBA muito magro, e aquela época em todos temiam Shaq (com razão). Os homens de garrafão passavam por um intenso trabalho de fortalecimento muscular. Com isso, ele perdeu muita mobilidade. E vai la se saber se isso teve efeito no histórico de lesões dele.

    Nenê mais leve, e mais novo, é claro, poderia ser um desses unicórnios na NBA.

  • BrianScalabrine

    Nenê é um dos maiores, se não o maior jogador brasileiro na história da NBA. Ainda que não tenha um título, como têm os seus contemporâneos Leandrinho, Varejão e Splitter, isso não diminui em nada a carreira dele. Os títulos brasucas são uma questão circunstancial, de jogadores que assumiram um papel diminuto na rotação de times fortes. Splitter, o único que ganhou um anel sendo titular, talvez seja, mesmo assim, o menor entre os 4. Varejão fez parte de dois elencos campeões, com Cavs e Warriors, mas não estava sequer presente nos elencos quando começaram os playoffs. Leandrinho, por sua vez, foi campeão em 2015 jogando apenas 11 minutos por jogo.

    Nenê performou em alto nível por muito tempo, sendo relevante por anos e anos (foi titular em aproximadamente 65% dos jogos na carreira, sendo que esse índice caiu muito nos últimos anos). Jogou quase 1000 jogos na liga, mesmo lutando contra algumas lesões sérias, como uma lesão no joelho que o fez ficar fora de praticamente toda a temporada 2005/06. Essa lesão, aliás, foi o motivo alegado por ele para recusar a convocação da seleção brasileira para o Sul-americano de Basquete de 2006. Causou furor no país, foi cruelmente julgado pelo “patriotismo” canarinho (um sentimento que, ao meu ver, faz muito mais mal do que bem, mas é uma discussão pra outra hora) e “queimou” a sua imagem por aqui.

    Mas o fato é que ele ainda é um dos pouquíssimos jogadores na ativa entre os draftados em 2002 e isso diz muito sobre a tal ética de trabalho dele e todo o respeito que ele merece. CP3 pode estar no pior momento da carreira, mas foi cirúrgico na afirmação.

    • marcelo pinaffo

      Mandou bem, mas não precisava diminuir os feitos dos outros brasileiros pra.enaltecer o Nenê, todos tiveram suas qualidades (Leandrinho 6 man, splitter 1 brasileiro com anel, varejao sempre elogiado por onde passava).

      • BrianScalabrine

        Pô, cara… não era minha intenção, em absoluto. Até fui reler o que eu escrevi e realmente dá essa margem de compreensão. Até merecia um edit, mas seria “roubo” kkkkk por isso, vou me explicar por aqui.
        O que eu quis dizer é que, se formos comparar as carreiras dos brasileiros, o fato de ter ou não um título no currículo não é um bom argumento, pelo menos nesse caso. Acho que todos eles, com exceção do Splitter, têm algo mais relevante que o anel em suas carreiras.
        Varejão talvez seja o maior ídolo entre eles, ao ponto de ter um dia “dele” em Cleveland, quando todos vestiam uma peruca que imitava o seu penteado. Ele foi um dos principais reboteiros da liga, tinha uma entrega contagiante em quadra, se tornou um símbolo; Leandrinho foi por alguns anos um dos principais pontuadores do Suns, era um gatilho de 3 pontos. Até hoje, é o único brasileiro com um um prêmio individual, quando foi o melhor sexto homem em 2006/07; o Splitter, sim, talvez tenha como momento mais marcante o título da NBA, mas também porque ele foi o mais relevante brasileiro em um elenco campeão. Era titular e um membro importante da rotação do Spurs.

        Não queria diminuir nenhum deles. Tenho o maior respeito por todos, tanto que eu disse que o Nenê só talvez seja o maior entre eles, por todo o respeito que eu tenho pela história de todos.

  • Celso Cachali Jr

    E o maior sem dúvida… Leandrinho chegou o mais próximo dele, mas não deu para ele.
    Acho que neném ainda tem combustível para queimar, poderiam estar em um time precisando mais dos seus serviços

    • Hilarious

      Pepê e Neném?

    • Alex Alves

      Você quis dizer Boston rsrs.

  • suiciniV_Vascão

    Nenê é Vasco, porra!

    • Fale isso para ele e receba um pescoção de brinde. O Vasco e Eurico Miranda infernizaram a ida dele para NBA. Acho que restou apenas mágoas e decepções. Na época Nenê implorou para a CBB intervir e não foi ajudado. Chegam a associar o desinteresse dele com a seleção adulta por causa da falta desse suporte. Basicamente ele recebia do Vasco salário bem reduzido e havia uma cláusula de multa na casa dos milhões em caso de rescisão por parte do atleta. Segundo as regras da época (e atual ainda acho) nenhuma franquia da NBA poderia pagar acima de um determinado valor (teto) para rescindir contrato de atleta draftado ligado a alguma agremiação. Mesmo abatendo o valor limite possível de ser pago pela franquia, sobrou para Nenê arcar com mais de milhão para Eurico Miranda o liberar. O atleta se endividou para levantar o valor, cortou relações com o Vasco totalmente, que por sua vez perdeu o que poderia ser um baita benfeitor, e só reatou com a CBB 6, 7 anos atrás voltando a representar a seleção nacional. Que eu me lembre, foi algo assim.

  • LE-MELHORDAHISTÓRIA-BRON

    Horroroso e pipoqueiro assim como o pipoca Paul.

  • LE-MELHORDAHISTÓRIA-BRON

    Prêmio de sexto Homem + anel do Leandrinho >>>>> Carreira do limitado nenê

    • Gustavo Santos

      Pois é, a carreira do Leandrinho é mais vitória que a do Nenê..

    • Evandro

      Desculpa, mas, no auge da carreira (em Denver), Nene nunca foi banco. Foi titular. Impossível assim, disputar sexto homem.
      Além de ser um excelente time o do Denver.
      E se não me falha a memória, boa parte em Washington, Nene foi titular.

      • Carlos Eduardo Furim

        Nenê era mais importante para o Denver que Yao Ming era para Houston Rockets em seu tempo. No Washington, Nenê era escalado na 4 e na 5 para permanecer como starter, por opção do técnico.

  • Raizen

    maior jogador de basquete brasileiro na história. Não venham falar de oscar porque ele não disputou contra os melhores

    • Gustavo Santos

      Merece seus créditos por jogar na NBA. Oscar tb tb teve sua chance de jogar já NBA e em tempo em poucos estrangeiros tinham chance para tal, basta comparar o número de estrangeiros de cada época… Comparando os dois, acho que o Nenê não chega nem perto do patamar do Oscar.

      • Joinha

        Muito leviano essa comparação sem sentido.

        • Gustavo Santos

          Isso é questão de opinião. Só deixando claro que estou comparando Nenê com o Oscar… Como falei, tem seus méritos por chegar na NBA partindo do Brasil onde convenhamos, estrutura fraca para o basquete infelizmente, mas na minha opinião não chega perto do Oscar…. Falar que ele é o maior da história porque jogou anos como titular na NBA…. Mas e aí e as conquistas dele na NBA (além de como falei um brasileiro que atuou por anos como titular na NBA, o que como disse é um mérito)? Oscar teve uma carreira vitoria mesmo que na Europa e ainda pela seleção brasileira, elevava o patamar dos times e da seleção brasileira… Enfim, é isso, pode ser leviano na sua opinião mas esta aí o meu argumento.

    • Guilherme Petros

      calma

  • Nenê é excelente! Porém vários técnicos enxergaram uma certa falta de gana em ser protagonista. Mesmo no Nuggets de Melo, Billups, Jr. Smith… era considerado jogador de enorme potencial, e mais de uma vez foi provocado a assumir papel de maior destaque. Todavia, tenho certeza que a sua geração de brasucas na NBA foi o grupo mais talentoso.