Com Huertas, Brasil expande recorde de representantes na NBA

Agora somos dez. O armador Marcelinho Huertas tornou-se o décimo representante brasileiro na NBA nesta quarta-feira, após assinar contrato e ser oficializado como novo reforço do Los Angeles Lakers. Com a confirmação da chegada do ex-atleta do Barcelona à franquia, o país nunca teve tantos jogadores na maior liga de basquete do planeta.

Além de Huertas, o Brasil já conta com o armador Raulzinho Neto (Utah Jazz, também recém-contratado), o ala-armador Leandrinho Barbosa (Golden State Warriors), o ala Bruno Caboclo (Toronto Raptors), o alas-pivôs Cristiano Felício (Chicago Bulls), Rafael Hettsheimeir (San Antonio Spurs) e Anderson Varejão (Cleveland Cavaliers), além dos pivôs Lucas “Bebê” Nogueira (Raptors), Nenê Hilário (Washington Wizards) e Tiago Splitter (Atlanta Hawks).

Dos dez brasileiros, apenas dois ainda não estão certos para a próxima temporada da NBA: Felício assinou contrato garantido somente para a disputa da pré-temporada do Bulls e tentará assegurar vaga no elenco efetivo com boas atuações durante o período de preparação da equipe. Já Hettsheimeir, vai fazer testes no Spurs.

O sucesso do Brasil na NBA vai além do crescente número de participantes. Nas últimas duas temporadas, atletas do país ganharam o título da liga: Splitter foi titular do San Antonio Spurs campeão em 2014 e Leandrinho teve participação importante saindo do banco de reservas para o Warriors, que acabou com um jejum de 40 anos ao levantar o troféu Larry O’Brien em junho deste ano.

Outros seis jogadores brasileiros já chegaram a atuar na temporada regular da NBA anteriormente: Rolando Ferreira (1988-89), João “Pipoca” Vianna (1991-92), Alex Garcia (2003-05, atualmente no Bauru), Rafael “Bábby” Araújo (2004-07), Marquinhos Vieira (2006-08, atualmente no Flamengo), Fab Melo (2012-13, atualmente no Caciques de Humacao), Scott Machado (2012-13, atualmente no EWE Baskets Oldenburg) e Vitor Faverani (2013-14, atualmente no Maccabi Tel Aviv).

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Ed Cavalcanti

    Faltou mencionar o Rafael Hettsheimeir fazendo teste nos Spurs…

    • Tássio Marcel Hoffmann Coelho

      Nao tem contrato nem pra pré temporada, apenas teste, creio que por isso nao foi mencionado.

    • Felipe ASM

      Do jeito que o Pop usa os rookies, ele não vai jogar nem 10 min por jogo, mesmo se for não conta muito.

  • TRUETHIAGO

    É um número relevante, sim. Em termos de quantidade, somente atrás de França e Canadá (atualmente) e no histórico ficamos entre os top 5 agora. Considerando que antes da década de 90 existia uma certa resistência para contratar estrangeiros, enfim.

    O que fica devendo ainda digamos é na “importância individual”. Ok, o Leandrinho já foi Sixth Man (baita feito!) e o Nenê é um titular sólido há vários anos. Os outros, são Role Players ou menos que isso. Está faltando aquele passo adiante, um cara que seja no mínimo o 2 ou 3 dentro de alguma franquia, não necessariamente o FP.

    • Caelos

      Varejão naquela season dos rebotes foi monstro ein

      • TRUETHIAGO

        Tanto na temporada 2011-12 quanto na 2012-13 ele vinha muito bem, com excelentes médias (10ppg/11rbt em uma; 14ppg/14rbt/3ass na outra) antes de se lesionar. Mas 25 jogos é uma amostragem muito pequena, e na carreira ele tem muito mais aparições vindo do banco.

        Mas entre os brasileiros é certamente o que tem maior identificação dentro de uma franquia. A torcida em Cleveland o adora, já fizeram “jogo das perucas” e tudo, por ser bastante carismático e seu estilo brigador que contagia.

        O meu ponto é esse: falta um brasileiro que consiga ser individualmente marcante dentro de quadra. Ainda não tivemos alguém desse patamar na liga.

    • Renan Domok

      E o Splitter foi titular na campanha do título dos Spurs. Não é pouco também.

      • TRUETHIAGO

        Sim, especialmente nos playoffs (na regular jogou 50 partidas como starter) mas era role player. O próprio tempo de quadra limitado, na faixa dos 21/22mpg.

    • VIEIRA – CHICO

      na sua opinião dos 10 mencionados – sem contar com as birras de técnico – quem deveria está no rio-2016 ????
      e quem deveria ser chamado pra completar o time ?????

      • TRUETHIAGO

        Praticamente todos, oras. É o que temos de melhor, junto com os que se destacaram recentemente (casos de Benite e Augusto Lima)

        Talvez se o Lucas Bebê ganhar mais tempo de quadra nessa temporada possa merecer ser chamado próximo aos Jogos, para aquela fase de amistosos. O Caboblo dificilmente terá espaço na rotação dos Raptors, ficará jogando na D-League, acredito eu. Mas não temos nenhum reverva sequer razoável para o Marquinhos. Achei o tal Leo Meindl fraquíssimo (e olha que ele deve ser uns 3 ou 4 anos mais velho que o Bruno) e parece ser até mais cru em nível internacional.

  • Se o Nenê fosse mais egoísta para si (no bom motivo), tivesse um bom chute de média distância e PRINCIPALMENTE não sofresse com tantas lesões poderia ser nosso all star

    • Renan Domok

      Acho que o Nenê e o Leandrinho tiveram carreiras memoráveis na NBA. Dois jogadores que não tem muita vaidade e por isso nunca tiveram tanto destaque aqui, mas você vê o respeito que os americanos têm por esses dois. Acho que o Splitter vai se provar no Hawks esse ano e conseguir uma vaga de titular em outra franquia na próxima off. Isso se ele não forçar uma troca depois que começar a temporada. Tem muito time que ele encaixaria de titular fácil.

  • Raphael Souto

    Faltou citar o Fab Melo e o Scott Machado que chegaram a atuar na temporada regular.

  • Rafael Victor

    Legal, de todos esses que chegaram nos últimos dois anos quem mais tô afim de ver nessa temporada é o Raulzinho, essa possibilidade de começar como titular no Jazz tem que ser aproveitada da melhor forma possível!

  • Jax Teller

    Vitor Faverani vi poucas atuações dele, mas gostei do que vi, ele é um 5 postado, infelizmente suas lesões atrapalharam!

  • BetoMavs

    Com o NBB ficando cada vez mais forte e com o apoio da NBA, acredito que esse número só tende a crescer tanto em quantidade como também em qualidade.

  • VIEIRA – CHICO

    Dos 10 mencionados – sem contar com as birras de técnico – quem deveria está no rio-2016 ????

    e quem deveria ser chamado pra completar o time ?????

    • Jax Teller

      Vamos com os 12! Entre parênteses possíveis substituições conforme o decorrer do ano, pois os que estão fora podem cair de rendimento esse ano. Mas acredito que a base seja essa!

      Huertas, Raulzinho, Fischer (Rafael Luz), Leandrinho, Alex (Scott Machado), Benite, Caboclo, Marquinhos (Léo Meindl), Nene (Vítor Faverani), Varejão (Augusto Lima), Splinter (Fab Melo) e Bebe (Felício).

      • TRUETHIAGO

        Na boa, amigo… FAB MELO?!

        O Vitor Faverani ainda passa, estando saudável. Pelo que noticiaram aqui no Jumper há algumas semanas, vai jogar no Maccabi Tel Aviv/Israel que é um time forte europeu, participa sempre das fases finais da Euroleague (ganhou algumas inclusive, a mais recente em 2014, com o David Blatt); Enfim, dependendo que que apresentar poderia ser lembrado.

        • Jax Teller

          Exato, por isso foi um entre parênteses, o Fab Melo é novo tem potencial, só precisa de um tranco pra ver se vai, não creio que outro pivô no Brasil possa suprir, talvez o JP Batista ou Hettsheimeir.

          • TRUETHIAGO

            Eu não vi esse potencial todo, sinceramente. No High School chegaram mesmo a colocar nele uma “hype” absurda – seu treinador falava que tinha tudo para ser um pivô similar ao Cousins! Porém, vimos em Syracuse como essa comparação era ridícula, ele foi um bom protetor de aro e… só. Deixando a desejar em todas as outras partes.

            Bebê sim demonstra estar evoluindo em todos os setores (fez uma Summer League muito boa); Felício, que você também colocou ali, embora seja limitado vejo com melhores olhos do que o Fab Melo.