Conheça o fenômeno Luka Dončić

O grande nome do basquete europeu na atualidade tem apenas 18 anos, mas joga como se fosse um veterano. Mesmo com a pouca idade, Luka Dončić já é campeão do EuroBasket pela seleção principal da Eslovênia e o cestinha da EuroLiga pelo Real Madrid, da Espanha. Não por acaso, por tudo o que tem feito nos últimos meses, ele é projetado para ser uma das primeiras escolhas do Draft de 2018.

Mas quem é Dončić? Como ele gosta de atuar? Ele é tão bom assim? Dončić será um astro na NBA? Sexta, no Globo Repórter? Não. Neste artigo responderei a esses questionamentos e apresentarei a trajetória e as características do jovem esloveno que vêm chamando a atenção de scouts e equipes ao redor do planeta.

A carreira

Filho do ex-jogador Saša Dončić, e apadrinhado pelo ex-pivô da NBA, Rasho Nesterovic (campeão pelo San Antonio Spurs, em 2005), Luka tem o basquete presente em sua vida desde pequeno. Ele começou sua trajetória no esporte aos oito anos pelo Union Olimpija Ljubljana, principal equipe da Eslovênia. Após 16 minutos em seu primeiro treino, ele já foi enviado para o time sub-11. Posteriormente, Dončić fez um treinamento ao lado das crianças de 11 anos e se destacou tanto que foi mandado para o time sub-14. Uma coisa já estava clara: ele dominava os atletas de sua idade e treinava, com frequência, entre os jogadores mais velhos.

No início de 2012, Dončić foi emprestado para um dos gigantes do basquete europeu. Pelo Real Madrid, ele disputou a Minicopa ACB. Na decisão, disputada contra o arquirrival Barcelona, Dončić anotou 20 pontos e foi o destaque do duelo. Em abril daquele ano, já de volta ao Union Olimpija, ele foi o MVP do Torneio Lido di Roma para equipes com jogadores de até 13 anos. Na final da competição, contra a Lazio, Dončić alcançou um triplo duplo incrível: 54 pontos, 11 rebotes e dez assistências.

O Real Madrid se rendeu ao desempenho magistral do esloveno e, em setembro de 2012, o contratou em definitivo. Dončić, que firmou um contrato de cinco temporadas com o time merengue, logo se destacou nas equipes sub-16 e sub-18. Em 2014/15, quando tinha 15 anos, ele foi o principal nome do time reserva do Real Madrid, na quarta divisão do basquete espanhol. Na ocasião, Dončić angariou médias de 14.5 pontos, 6.2 rebotes e 3.1 assistências. Ainda naquela temporada, ele ajudou o time merengue a conquistar o título do torneio sub-18 da EuroLiga. Para variar, Dončić foi escolhido o MVP da competição.

Em abril de 2015, com 16 anos, dois meses e dois dias, o esloveno tornou-se o atleta mais jovem a atuar pelo Real Madrid na Liga ACB. Na temporada seguinte, ele já fez parte da rotação do time principal. Em 2016/17, Dončić passou a ter mais tempo de quadra e, ocasionalmente, figurou no quinteto titular da equipe madrilenha. Ao final da temporada, ele ganhou os prêmios de melhor jogador jovem da Liga ACB e de estrela em ascensão da EuroLiga (este por unanimidade).

Dončić fez sua estreia pelo time principal da Eslovênia em julho deste ano. Quase dois meses depois, ele foi peça importante para que a seleção de um país de apenas dois milhões de habitantes conquistasse o EuroBasket pela primeira vez. Com médias de 14.3 pontos, 8.1 rebotes e 3.6 assistências, Dončić foi eleito para o quinteto ideal do torneio.

Na temporada que acabou de começar, o jogador esloveno ajudou o Real Madrid a ganhar as quatro primeiras partidas na EuroLiga. Até o momento, Dončić é o cestinha do torneio. Suas médias são de 24.0 pontos, 6.8 rebotes e 3.8 assistências, além de aproveitamentos de 65.4% nos chutes de dois pontos, 43.5% nos arremessos de longa distância e de 88.9% nos lances livres. Tudo isso em 27 minutos de ação por jogo. Com a grave lesão do armador Sergio Llull (ruptura do ligamento cruzado anterior do joelho direito), Dončić assumiu a condição de ser o principal pontuador do Real Madrid. Um desempenho impressionante de um atleta de 18 anos naquela que é considerada a competição mais difícil do basquete fora da NBA.

Vale dizer que Dončić tem contrato com o time merengue até 2021, com uma cláusula de rescisão de cinco milhões de euros (US$5.8 milhões). Mas com todo o burburinho em torno de seu desempenho estalar nos últimos meses, dificilmente o jogador não irá se inscrever no Draft de 2018. Hoje, o esloveno é um dos nomes fortes para ser a primeira escolha do próximo recrutamento, juntamente com o ala Michael Porter e o ala-pivô Marvin Bagley, que vão estrear no basquete universitário americano nesta temporada. O pagamento da multa rescisória seria o menor dos problemas para o time que o selecionar no ano que vem. Caso seja escolhido na primeira posição do Draft, Dončić vai ganhar um salário de cerca de US$7 milhões em sua temporada de estreia no melhor basquete do mundo, e aproximadamente US$34 milhões ao final dos quatro anos de seu contrato de novato.

 

 

Médias no basquete profissional

Real Madrid
Liga ACB 2016/17 (41 jogos): 7.6 pontos, 4.5 rebotes, 3.1 assistências, 0.6 roubo de bola, 44.3% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 29.7% de acerto nas bolas de três pontos, 78.5% de aproveitamento nos lances livres, 1.8 desperdício de bola, 19.5 minutos
EuroLiga 2016/17 (35 jogos): 7.8 pontos, 4.5 rebotes, 4.2 assistências, 0.9 roubo de bola, 43.3% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 37.1% de acerto nas bolas de três pontos, 84.4% de aproveitamento nos lances livres, 1.8 desperdício de bola, 19.4 minutos
Liga ACB 2017/18 (seis jogos): 13.5 pontos, 5.7 rebotes, 4.8 assistências, 0.7 roubo de bola, 49.2% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 29.2% de acerto nas bolas de três pontos, 75.0% de aproveitamento nos lances livres, 1.5 desperdício de bola, 25.0 minutos
EuroLiga 2017/18 (quatro jogos): 24.0 pontos, 6.8 rebotes, 3.8 assistências, 1.3 roubo de bola, 55.1% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 43.5% de acerto nas bolas de três pontos, 88.9% de aproveitamento nos lances livres, 2.0 desperdícios de bola, 26.8 minutos

Eslovênia
EuroBasket 2017 (nove jogos): 14.3 pontos, 8.2 rebotes, 3.6 assistências, 0.9 roubo de bola, 40.6% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 31.1% de acerto nas bolas de três pontos, 84.8% de aproveitamento nos lances livres, 1.3 desperdício de bola, 29.2 minutos

O conjunto de habilidades

Dončić é um prospecto de rara versatilidade. Com 2.03m de altura e pesando pouco mais de 103 quilos, ele tem a capacidade técnica e os atributos físicos-atléticos necessários para atuar nas três posições do perímetro. O esloveno tem um excelente controle de bola, visão de quadra privilegiada (facilitada pela altura privilegiada, que lhe permite observar por cima do adversário), é um grande passador, e chama a atenção nas situações de pick and roll. Além disso, tem um senso de posicionamento e QI de basquete impressionantes para um atleta da sua idade. Ele sabe ler as defesas adversárias e encontrar a melhor forma de deixar um companheiro em ótimas condições para pontuar. Por tudo isso, ele tem a habilidade natural de ser um playmaker. Veja os vídeos abaixo e fique fascinado pelo jogador:

 

 

 

Em termos ofensivos, Dončić tem a habilidade de marcar pontos com uma facilidade assustadora. Seu chute de média e longa distância está em franca evolução. A mecânica de arremesso de Dončić é elogiável, com destaque para o ponto de lançamento e a rapidez com que a bola sai de suas mãos. Ele sabe arremessar após o drible e nas situações de catch and shoot. Seu impressionante trabalho de pés lhe permite arremessar de vários ângulos e lugares da quadra. O esloveno também não decepciona quando tenta as infiltrações no garrafão adversário. Apesar de não ser dotado de um atleticismo de elite, ele não foge do contato e usa seus atributos físicos para finalizar com eficiência, com ambas as mãos. E mais: Dončić se sobressai contra marcadores de menor estatura e pontua no post up como poucos jogadores do perímetro. A grosso modo, ele é um armador no corpo de um ala. Ofensivamente, o jogo de Dončić é de fácil encaixe na NBA, já que ele pode ser o ballhandler principal ou secundário, e contribui mesmo sem a bola nas mãos. Ele poderá ser usado como armador de ofício ou um point forward (ala que carrega a bola e conduz o time no ataque).

 

 

 

No lado defensivo, o esloveno não tem o mesmo impacto. Apesar de ter uma força considerável para um jogador de 18 anos, ele vai precisar ganhar músculos para encarar a NBA. Em termos de basquete europeu, seu atleticismo chama a atenção, mas com relação à melhor liga de basquete do mundo, ele tende a ter dificuldades para marcar jogadores mais velozes. Sua agilidade lateral é apenas mediana, o que deverá lhe causar problemas na marcação individual de adversários mais explosivos na NBA. Mas Dončić não é uma tragédia na defesa. Ele é um bom marcador sem a bola, se destaca na antecipação das linhas de passe graças ao seu alto QI de basquete e às mãos rápidas, e não desiste facilmente do seu adversário. No um contra um, Dončić luta sempre para não deixar que o oponente estabeleça posição embaixo (tem corpo para absorver contato na área pintada), e sabe utilizar seu tamanho para contestar os chutes de armadores mais baixos. Ele não deve se tornar um defensor de elite, mas pelo menos seu futuro time poderá contar com esforço e disciplina nesse lado da quadra. Sua combinação de altura privilegiada, força física e capacidade atlética lhe permitirá que seja utilizado sem problemas em trocas de marcação.

As comparações com o saudoso Dražen Petrović, considerado um dos maiores jogadores europeus de todos os tempos, parecem ser inevitáveis. Assim como a lenda croata, Dončić é um fenômeno que, mesmo com a pouca idade, já causa impacto no basquete profissional, consegue atuar em todas as posições do perímetro, tem uma técnica apurada, um excelente controle corporal, pontua de várias maneiras e ainda por cima sabe criar jogadas para os companheiros, é dotado de mentalidade vencedora e atua sempre com muita confiança. Vejo algumas semelhanças entre eles, mas acho que Dončić não tem a mesma capacidade de pontuar como Petrović, mas em compensação, o prodígio esloveno é um playmaker mais criativo e tem um senso de posicionamento espetacular para angariar rebotes.

 

 

O que jogadores, técnicos e dirigentes falam sobre o fenômeno esloveno

“Naquele momento, disse a alguém que ele me lembrava o Dražen Petrović jovem. Ele era um assassino com uma cara de bebê. Foi tão fácil para ele”. (Srecko Bester, diretor do Union Olimpija de longa data, logo após a performance épica de Dončić no Torneio Lido di Roma)

“Não quero pressioná-lo, mas acho que ele provavelmente é um dos maiores talentos que já vi, especialmente nessa idade. É inacreditável. A maneira como ele lida com o jogo, a postura dele dentro e fora da quadra. Ele é tão versátil. Quer dizer, o menino pode ter médias de triplo duplo quando quiser”. (Anthony Randolph, companheiro de Dončić no Real Madrid e na seleção da Eslovênia)

“Para ele, é tudo tão natural. Ele joga sem medo. Ele ama competir, ele ama estar presente nas grandes competições, enfrentando os grandes jogadores. E ele só está melhorando. O céu é o limite para Luka”. (Igor Kokoškov, treinador da seleção da Eslovênia e assistente técnico do Utah Jazz)

“Luka é um vencedor nato.  Não estou brincando. Ele já possui muitos troféus e medalhas. Ele tem apenas 18 anos e joga com muita confiança. Luka é um diamante do basquete europeu. Na minha opinião, ele já é o melhor jogador europeu na faixa entre 18 e 25 anos. Anote bem o que vou lhe falar: ele vai ser um dos melhores jogadores do mundo“. (Goran Dragic, armador do Miami Heat e companheiro de Dončić na seleção da Eslovênia)

“Ele tem um talento excepcional. Se ele joga assim nessa idade é porque há algo grande dentro dele. Luka tem muitas habilidades. Ele pode jogar em posições diferentes, pode marcar armadores, alas, sabe pegar rebotes. Ele é um jogador completo”. (Pablo Laso, treinador do Real Madrid)

“Nunca vi um jogador de 18 anos fazer o que Luka tem feito na Europa. É um dos líderes do Real Madrid e muito consistente: não faz uma grande atuação e outras duas ruins – como aconteceu comigo e tantos jovens talentos. A regularidade é o que surpreende mais. Eu acho que ele deve ser a primeira escolha do próximo draft”. (Kristaps Porziņģis, ala-pivô do New York Knicks e uma estrela em ascensão na NBA)

“Ele tem muito talento. Foi uma peça-chave para o êxito da Eslovênia no EuroBasket. Luka será um jogador importante na NBA, tem todas as qualidades para isso”. (Pau Gasol, pivô do San Antonio Spurs e considerado um dos maiores jogadores europeus da história do basquete)

Futuro astro da NBA?

Enfim, Dončić é um prospecto único, com um pacote de habilidades bem específico, e uma maturidade assustadora para um atleta de 18 anos. Um jogador que atua em várias posições, tem um controle de bola e uma visão de quadra excepcionais, cria oportunidades para si e para os companheiros, capaz de pontuar de todos os cantos da quadra, dotado de atributos físico-atléticos raramente vistos em um jovem europeu, e que já impressiona atuando entre atletas profissionais e em competições de alto nível? Não é todo dia que vemos um jogador desse quilate, ainda mais nessa idade.

É muito difícil fazer uma comparação dele com qualquer outro jogador da ativa ou que já tenha parado de jogar basquete. Talvez ele seja uma mistura de Hedo Turkoglu, Gordon Hayward e Manu Ginóbili. O hype em cima do jovem esloveno só vai crescer à medida que o Draft de 2018 for se aproximando. Pode ter certeza disso.

Sabe qual é o diferencial de Dončić em relação aos grandes prospectos que estão chegando ao basquete universitário nesta temporada? Enquanto o esloveno se destaca atuando entre os profissionais, nas melhores ligas de basquete fora da NBA, os outros chamaram a atenção em duelos contra adolescentes, em partidas do basquete colegial.

Em quase uma década de Jumper Brasil, observando e analisando prospectos, eu nunca vi um europeu tão talentoso e singular como Luka Dončić. O time que o selecionar no recrutamento do ano que vem terá uma joia rara em mãos. O prodígio esloveno que vem ‘chutando bundas’ de adversários desde os oito anos de idade tem tudo para ser um sucesso na NBA e deixar o seu nome marcado na história do basquete.

Gustavo Lima
Gustavo Lima
Jornalista graduado pela UFMG e pós-graduado em Produção em Mídias Digitais pela PUC-MG. Natural de Ipatinga e residente em BH. Editor do Jumper Brasil desde 2007. Acompanha a NBA desde 1993. Torcedor do Phoenix Suns, mas adepto da imparcialidade.
  • Douglas Mavericks

    Mavs vem forte no projeto 1st pick em 2018. Smith Jr. + Doncic na armação, ficaria interessante.

    • João Vitor

      dallas, bulls e suns seria um otimo encaixe pra ele, ele no suns ia fazer uma puta dupla com booker

  • Murillo

    Bem vindo aos Bulls.

  • Chimbinha

    Do jeito que o Cavs é cagão, vai vir com a pick do Nets

    • Gabriel S Monteiro

      Ai eu mando cortar a cabeça do Dany boy! hahaha

    • paulo hamk

      Nets não vai ser top 5 piores times da liga

      • Chimbinha

        Isso que quis dizer. Irving foi pick1 com a escolha do Clippers com chances muito pequenas na loteria do draft ,não lembro em que posição ficou o Clippers

        • TRUETHIAGO

          Era a 8ª pior campanha, com menos de 3% de chances.

    • Paulo Henrique

      Do jeito que o Cavs é cagão é capaz de vir com a pick deles mesmo

    • Marcelo Desoxi

      Cavs em sorteio é uma poha

  • Alex Alves

    Seja bem vindo ao Celtão da massa (via pick tercerizada rsrs)

    • Fillipe Carel

      Praticamente nula as chances…kkkk

    • Rogério Rodrigues

      To achando dificil a gnt ficar com a pick Lakers (entre 2-5), não pelo Lakers ser bom, pois são fracos, mas sim por ter muitos times em tank mode essa temporada. Mas vamos torcer pra isso né…

  • Esse moleque é assombroso. O que ele fez na eurocup é absurdo. Acho muito difícil não ser o n°1 do draft.

  • Nilton Bitencourt

    Vai pro Chicago

  • Gustavo Macedo

    Gente… Acontece na NBA algum negócio estranho do tipo um time que tá lá no final da fila paga um jabá por fora pras equipes que tem os primeiros picks repassarem o jogador pra eles logo após a escolha? Como se fosse uma transação normal…

    • Rogério Rodrigues

      Não existe isso na NBA, ao menos que temos conhecimento não… kkkk

      • Gustavo Macedo

        VAi saber né… Valeu mano!

  • Marcio

    Joga muito esse moleque, deve vir nas 3 primeiras escolhas do próximo draft!!!

  • arruda91 arruda

    vai para Chicago ou Atlanta

  • Michel Moral

    Maravilha de artigo do Xará.Tudo parece tão evidente que fica difícil acreditar que algo pode dar errado.

    Mesmo assim, precisamos ter calma. Às vezes o cara chega na NBA, torna-se um excelente jogador, mas não atinge o nível que se espera, simplesmente por não se adaptar.

    Essa questão física precisa ser trabalhada com cautela. Se fosse nos anos 90, não que o jogo fosse menos físico (até porque o contato era até maior do que hoje), mas o estilo de jogo do esloveno encaixaria perfeitamente.

    Pegando o Antetokounmpo como parâmetro, um garoto que faz bandeja começando passada da linha dos três sob marcação, vemos que a questão física é muito importante.

    Ou então, que ele aprimore ainda mais o arremesso de perímetro, para que o trabalho de pernas e a agilidade da mecânica do chute sejam mortais, como acontece com Klay, Curry e Kyrie.

    E o que foram as jogadas 2 e 3 do “Top 10”?! Muito, muito semelhante ao Jason Williams. Moleque encarnou o White Chocolate.

    • Doug

      Bom comentário, Michel. Mas, eu discordo um pouquinho, pq acredito que o Doncic se encaixe no jogo de hoje mais do que no que na década de 90, pelo que vc mesmo disse…claro que dependeria do time e etc…lembre-se de Kukoc (um dos grandes europeus que vi jogar) e outros q até deram certo mesmo, mas não acredito que o jogo casasse melhor com eles…o embate físico era bem maior antigamente..imagine um cara desses no GSW o estrago q não faria (só exercício de imaginação)…hj, pra mim, a técnica se sobressai e é isso que vejo no Doncic…o grego, usado no seu comentário, pra mim, é uma exceção dessas que a gente pouco vê, um combo atlético sobretudo e que vem se aperfeiçoando tecnicamente…Doncic me parece mais um combo técnico, que precisa aperfeiçoar o lado físico e defensivo, seja pela escola de onde vem, seja pela versatilidade que aparenta apresentar…de todo modo, é raro ver um cara na idade dele jogar com tanta naturalidade e serenidade dentre profissionais…de toda forma, é ótimo que tenhamos um talento natural desses…e que ele se concretize na NBA e que tenha saúde, indo para onde for…

  • Gabriel Pereira Barbosa

    Dallas esfrega as mãos..

    • Mavscelo

      Eu queria muito, mas é capaz do Cuban fazer uma troca pegando o Bledsoe. Dai arrebenta o processo todo.

      • Gabriel Pereira Barbosa

        Daqui pro ano que vem tem muito chão ainda.As vezes ele nem vem na nossa Pick
        Mas acho que o pessoal já aceitou o TANK mesmo.
        veremos.
        Uma linha de perímetro com dois moleques sub-20 e com esse talento absurdo é um sonho de criança ‘literalmente’ pra nós torcedores do Dallas

  • Vitor Martins

    Os americanos dessa classe, Bagley e Porter, parecem muito promissores, mas eles jogam contra adolescentes… Doncic domina a Europa de uma forma que Saric e Porzinguis (pra citar dois ótimos europeus que entraram recentemente na NBA) jamais fizeram.

  • Leo

    Doncic deve ser a primeira escolha. Se eu fosse dirigente escolheria sem pensar.

    Pode ser que Porter Jr. ou Bagley sejam mais dominantes no futuro? Pode. Mas o esloveno se provou contra profissionais, atuando muito bem e sem medo, é muito improvável dar errado. Pode até ser que as primeiras temporadas sejam difíceis, mas o time que escolhê-lo ganha um astro

    Os GMs das equipes da rabeira estão doidos pra tankar essa temporada. O melhor é que ele seria um ótimo encaixe para a maioria dessas equipes

  • Vitor Martins

    Ele e o Smith Jr na dupla armação Carlisle seria algo bem fantástico de ver.

    • Alysson Cartaxo

      Sensacional mesmo!! Ta caminhando pra isso…Go Mavs

  • Millo

    Vem pro Pacers filho vem !

  • MarcoLakers

    Doncic é o maior prospecto europeu da história.

    Se eu fosse o GM que tivesse a primeira escolha optaria por ele ao invés do Potter.

  • suiciniV_Vascão

    Esse moleque ainda estuda? rsrsrs
    Fico preocupado com a educação desses caras, devem treinar de mais, e a rotina de jogos ainda é punk… (o professor falando)

  • Dudu Ferrero

    Parece ser craque mas até mostrar isso na NBA fico com pé atras, ja vi muito MVP da europa que na NBA nao conseguia nem ser titular, nessas horas prefiro ter cautela