Contra o racismo

Por Ricardo Romanelli

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=MVCQWo06w44]

As recentes notícias que assombram a NBA nos obrigam hoje a escrever com maior seriedade: um fato triste e grave conseguiu tirar o foco das excelentes partidas que vêm sendo disputadas nesta primeira rodada dos playoffs. O dono do Los Angeles Clippers, Donald Sterling, é o epicentro de uma polêmica de grandes proporções por conta de declarações racistas que fez à namorada, pedindo que não tirasse fotos com negros e não os levasse a jogos da equipe.

Tudo isso porque a garota postou uma foto em seu perfil do Instagram com Magic Johnson, um dos maiores jogadores de basquete de todos os tempos. O absurdo da situação se evidencia ainda mais ao constatarmos que os jogadores da NBA são, em sua maioria, negros. Como poderia um dono de uma franquia, portanto, agir de maneira tão tenebrosa?

Infelizmente, o racismo ainda é um problema social bastante comum. Apesar de a sociedade ter caminhado a passos largos nas últimas décadas rumo à conscientização, a discriminação racial ainda encontra resistência em mentes ignorantes como a de Sterling. Vale lembrar que o mandatário do Clippers já enfrentou problemas com a justiça americana por se recusar a alugar apartamentos de sua propriedade para locatários de origem latina e negra.

Os jogadores do time, capitaneados por Chris Paul, presidente da associação dos jogadores da NBA, não ficaram quietos diante deste ato abominável. Cogitaram não entrar em quadra contra o Golden State Warriors no último domingo, mas decidiram agir com mais cautela. Vão esperar uma posição da liga para tomar uma atitude mais enérgica nesta terça-feira, quando a série volta para Los Angeles. No domingo, durante o aquecimento, vestiram suas camisetas ao contrário, para não exibir o nome do Clippers em protesto.

Não é dever dos jogadores, no entanto, punir Sterling. Essa obrigação é da liga, na figura do comissário Adam Silver e dos donos das outras franquias. Eles precisam tomar uma atitude firme e decisiva contra o empresário, mostrando ao mundo que a NBA não tolera esse tipo de atitude, que não tem qualquer espaço ou justificativa em um mundo livre e democrático.

Magic Johnson, que foi alvo específico do ato racista do dono do Clippers, com certeza possui uma carreira de vitórias e sucessos que tornaram-lhe um ídolo de muitas pessoas no decorrer de sua carreira. É um ex-atleta de talento único, que como tantos outros no decorrer da história provou que a cor da pele de uma pessoa não traz qualquer diferença para seu caráter ou suas habilidades e capacidades.

É realmente uma pena que um homem tão bem sucedido como Sterling tenha mentalidade tão retrógrada, abominável e detestável. É mais uma prova que sucesso profissional não está ligado ao sucesso pessoal. O fato do escândalo ter ocorrido num ambiente esportivo, que tem como finalidade principal a confraternização e a socialização entre as pessoas, torna a situação toda ainda mais desprezível.

A intolerância e o racismo são posturas que não possuem espaço em um mundo que cada vez mais vive em intercâmbio de ideias e cultura. Essa atitude de Sterling conseguiu manchar aquele que vinha sendo um dos melhores primeiros rounds de playoff da história. Fica nosso voto para que a NBA, dentro de seus regulamentos, tenha a firme atitude de puni-lo da maneira mais severa que conseguir e que todos aqueles envolvidos com a franquia adotem posturas afirmativas para garantir que isso não aconteça novamente.

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=uzyPnvQ3MMU]

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Big

    Eu tenho acompanhado essa história e os efeitos tem sido desastrosos para o próprio clube.
    Adidas, Kia, Red Bull, Mercedes-Benz entre várias outras empresas, suspenderam ou rescindiram seus contratos com a franquia.
    Jogadores de diversos times, personalidades do esporte ou não, autoridades e celebridades têm se manifestado sobre o caso, trazendo péssimas repercussões para a franquia e, principalmente, para seu dono.
    A NBA ou os donos das outras franquias, não tem poderes para forçar Donald Sterling a vender a franquia, porém parece claro haver, neste momento fique claro, uma forte comoção para que tal transação (venda) seja efetuada.
    Parece-me que a franquia terá MUITA dificuldade em apagar o estrago feito pelas declarações e tal situação irá influenciar DECISIVAMENTE na contratação de agentes livre, que podem não aceitar assinar com a franquia (pois no caso de troca não há como o jogador protestar) bem como manutenção de seus atletas com contratos expirantes com com opção de renovação.
    O próprio treinador ja coloca em dúvida prosseguir na franquia na próxima temporada tendo recusado inclusive, segundo alguns sites, um encontro com o dono.
    Enfim, esta é uma oportunidade de ouro para a NBA dar o exemplo sobre a forma de tratar casos absurdos (obviamente limitados pelos seus poderes legais), multando, proibindo o acesso a ginásios, suspendendo direitos de aquisições ou outras medidas que possam ser tomadas. Principalmente por tratar-se de um dono de franquia.
    Estou ansioso com o desfecho desta história esperando que esse pensamento absurdamente retrógrado e ofensivo seja efetiva e exemplarmente punido pela NBA

  • Marcos Gordinho

    Em um outro site estavam fazendo uma série de matérias sobre os donos das franquias. Os Buss no Lakers, o “Russão” no Nets, o babaca Dan do Cavs, que deveria ter sido punido por incitar ainda mais ódio na torcida contra Lebron (mesmo ele merecendo), gostei muito do dono do Mavs, Mark Cuban, para mim o mais apaixonado pelo basquete. E cheguei na matéria Sobre Donald do Clippers. O cara já tocava o terror a muito, têm um desvio de caráter nítido, pesam sobre ele vários processos por preconceito em várias variantes, chegaram comentar alguns “causos” que agora me parecem até mais verídico. O mesmo chegava a levar mulheres “essas deveriam agir como” ao vestiário para ver os atletas pelados. Enfim, um ser retrógrado que deveria se isolar com todas as suas limitações e atitudes a um mundo distante do esporte. Ps. caso possa, a matéria foi publicada no site bola presa a uns 2 anos atrás em um excelente trabalho de pesquisa.

  • Nettmann

    como eu disse no outro post, este tal de Sterling merece ser preso e estuprado pelo Kid Bengala…… Agora é de se pensar: se ele fez isso com o Magic Johnson imagina o que ele pode fazer contra negros menos influentes…..

    • Zorg

      Vc tem noção do que escreveu ?????

  • Marcos Gordinho

    Caramba, essa forma de pensar sua Nettmann é tão agressiva quanto as atitudes do babaca do Sterling.

  • Laura

    Eu queria o Kid Bengala, bom demais. Mas tenho que me contentar com meu maridinho desprovido rsrssrrssrrs

    • L.Avila

      A proposta de tornar todos jogadores do Clippers agente livre é a melhor todos gerentes vão querer por que Paul, Griffin… livres é um sonho e força o babaca a vender o time que vai fica valendo nada.

    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk hasuhasuhasuashauha kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Eduardo Saraiva

      huahuahuahuhuahuahua

  • Anônimo

    Aí o cara vem e diz que o Lebron merece o ódio da torcida, é muita ignorância em um post sério, pqp.

  • Nettmann

    calma gente é claro que eu estou brincando, até porque sou advogado e tenho muita noção do que é e o que não é crime, só estou “exagerando” por que nesse caso não vai acontecer nada com esse cidadão, apenas uma multa, nada mais do que isso. e foi como eu disse se fez isso com o Magic imagina com qualquer outro.
    mas Volto a dizer: estou brincando…..

  • rodrigo

    Quem pratica racismo è doente

  • Marcos Gordinho

    Kkkkkkkkk!!! Boa Nettmann! Entendi sua justiça poética. Desculpa o puxão de orelha. Nunca achei merecido a raiva dos torcedores do Cavs para com Lebronha. Mas admito que que decepção é uma palavra mais que justa pela palhaçada que ele fez. Por fim, Laura. Em uma matéria com o cara percebi o quanto Bengala é ignorante. No tamanho e nas atitudes, Com certeza uma mulher que se submete a Sterling por dinheiro faz bem o tipo que não se importa em ser bem tratada em nome de uma fantasia. Namoro uma empresária de sexshop que pode te indicar uns consolos até mais inspirados e você ainda curte o momento com seu maridinho. Pois no fim, além de tamanho precisa ter imaginação.

  • fabio

    Foi banido, acabou de sair no nba tv.

  • Caseh

    Felizmente a NBA acaba de aplicar uma bela punição ao velho!

  • Cleonice

    Entenderam agora porque Hitler não gostava de judeus!