Danny Ainge revela que sabia sobre provável saída de Irving desde março

A direção do Boston Celtics, diante do volume de rumores divulgados, não deve ter sido surpreendida com a notícia de que Kyrie Irving deixaria a franquia para assinar com o Brooklyn Nets. Danny Ainge, pelo menos, confirma que já tinha uma sólida ideia do que estava por vir. O presidente da equipe revelou que sabia dos planos do astro desde pouco depois da última trade deadline.

“Kyrie expressou para mim, em conversas em março e pouco antes do término da temporada regular, que realmente queria retornar para casa. Eu tive a impressão, naqueles momentos, que estava mais interessado em jogar no Brooklyn do que Nova Iorque ou Boston. Mas nunca houve um decreto, de fato, que não renovaria conosco”, contou o executivo, em entrevista a uma rádio local.

A conduta de Irving na última temporada, diante da decepcionante campanha do Celtics, fez com que ele passasse de um futuro agente livre estudando suas opções para um dos “vilões” do grupo na percepção popular. O armador foi apontado como motivador de crises internas e um dos grandes culpados pelos resultados ruins no ano. Ainge acredita que essa visão é equivocada e extremamente injusta.

“É triste que só uma pessoa receba o crédito ou culpa pelo fracasso do time. Houve diversas razões para que não tivéssemos sucesso nesse ano, em diferentes áreas. Kyrie merece sua parcela da responsabilidade por isso, mas nada maior ou menor do que qualquer outro jogador do elenco”, garantiu o experiente dirigente, replicando a postura do elenco em defender o jogador.

Se soube em março das intenções de Irving, Ainge já não tinha condições de tentar negociar o atleta emergencialmente porque janela de transferências da temporada já havia se fechado no mês anterior. Mas, diante do que insinuava ser um iminente desastre, o Celtics até que conseguiu recuperar-se na agência livre: convenceu o astro Kemba Walker a assinar contrato para assumir a armação.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.