Documentário sobre legado de Michael Jordan estreia na Netflix em 20 de abril

Em meio à pandemia de coronavírus, os fãs do melhor basquete do mundo receberam uma grande notícia nesta terça-feira (31). A Netflix anunciou, em seu perfil oficial no Twitter, que The Last Dance (A última dança), documentário sobre o legado do maior jogador de todos os tempos, Michael Jordan, vai estrear na plataforma de streaming no próximo dia 20 de abril. 

Com produção da Mandalay Sports Media, em parceria com a NBA Entertainment, ESPN Films, Netflix e Jump 23, o documentário será dividido em dez episódios, de uma hora cada, com dois inéditos toda semana (sempre às segundas-feiras). Mais de 500 horas de filmagens e entrevistas inéditas foram utilizadas no material, que é dirigido por Jason Hehir, que esteve à frente dos documentários The Fab 5 e Andre The Giant.

No outono de 1997, Michael Jordan, Jerry Reinsdorf, proprietário do Chicago Bulls, e Phil Jackson, então técnico da equipe, concordaram em deixar que uma equipe de filmagem da NBA Entertainment acompanhasse o time durante toda aquela temporada. O retrato final foi um conjunto de imagens e conteúdo exclusivo do astro e de um time que marcou época, revelado mais de duas décadas depois em The Last Dance.

O documentário conta em detalhes a tumultuada temporada 1997/98, levando os fãs ao passado, onde tudo começou, desde as raízes na infância de Jordan, passando pela realidade do Bulls antes da chegada do camisa 23, mostrando como a equipe foi construída depois da escolha de Michael no Draft de 1984, até chegar aos confrontos que levaram Chicago à conquista do primeiro título. A série avança pelos cinco primeiros títulos da franquia, mostrando desafios, lutas e triunfos fora de quadra que colaboraram para um fenômeno protagonizado por Jordan e o Bulls.

Com um cenário improvável que serve de pano de fundo fascinante para contar os bastidores do campeonato de 1998, o documentário mostra quem eram os principais companheiros de Jordan na equipe, nomes como Scottie Pippen, Dennis Rodman e Steve Kerr, além de Phil Jackson, apresentando dezenas de entrevistas recentes com rivais, astros do basquete e outros grandes nomes. Em meio aos capítulos, vai ser possível acompanhar as tensões e os conflitos que fizeram parte da corrida final para a conquista daquele título.

“Michael Jordan e o Bulls dos anos 90 não eram apenas estrelas do esporte, eles eram um fenômeno global. Dirigir The Last Dance foi uma oportunidade incrível para explorar os impactos extraordinários de um homem e uma equipe. Demoramos quase três anos para conseguir apresentar um conteúdo completo e definitivo da história de uma dinastia que define uma era, apresentar esses heróis do esporte como seres humanos. Espero que os espectadores gostem da série tanto quanto nós aproveitamos a oportunidade de produzir”, disse o diretor Jason Hehir. 

O mito do Bulls e atual dono do Charlotte Hornets foi o atleta que revolucionou o marketing esportivo e um dos principais responsáveis por solidificar a marca NBA em todo o mundo. Jordan é o garoto-propaganda mais bem sucedido da história da Nike (com a qual tem contrato vitalício) e um dos atletas mais bem pagos de todos os tempos.

E o que dizer do currículo dele? Além dos seis títulos, ele angariou seis prêmios de MVP das finais, cinco MVPs da temporada regular, 14 participações no All-Star Game, além de ter sido o cestinha da NBA em dez temporadas, bicampeão olímpico (1984 e 1992) e ganhado os prêmios de calouro do ano (1985) e de melhor jogador defensivo (1988). Michael fez parte do time ideal da temporada em dez oportunidades e, em outras nove, integrou o time ideal de defesa.

E tem mais: ele é o quinto maior cestinha da história da NBA, com 32.292 pontos (atrás apenas de Kareem Abdul-Jabbar, Karl Malone, LeBron James e Kobe Bryant). Jordan anotou pelo menos 60 pontos em quatro jogos, e pelo menos 50 pontos em outras 31 partidas. Além disso, ele obteve médias de 33.4 pontos nos playoffs, recorde que permanece até hoje. 

Confira o teaser do documentário The Last Dance

Gustavo Lima
Gustavo Lima
Jornalista graduado pela UFMG e pós-graduado em Produção em Mídias Digitais pela PUC-MG. Natural de Ipatinga e residente em BH. Editor do Jumper Brasil desde 2007. Acompanha a NBA desde 1993. Torcedor do Phoenix Suns, mas adepto da imparcialidade.