Dono do Clippers planeja time mais “moderno” após troca de Blake Griffin

O Los Angeles Clippers foi o protagonista de uma das grandes surpresas do início de ano na NBA ao resolver negociar o astro Blake Griffin. O ala-pivô não era só a principal referência técnica do time, mas havia recebido uma extensão contratual de cinco temporadas da franquia meses antes. A decisão causou discórdia, mas, de acordo com o mandatário Steve Ballmer, era inevitável pensando em longo prazo.

“Trocar Blake foi uma decisão difícil. Trata-se de um superastro da liga. No entanto, se você analisar o que aconteceu com nossa equipe em termos de entrosamento e lesões, os números mostravam que era preciso distribuir melhor responsabilidades. Um jogador dava todas as assistências, outro marcava todos os pontos e um outro pegava todos os rebotes”, explicou o empresário, em entrevista à ESPN.

Ballmer foi um dos participantes da edição deste ano da conferência MIT Sloan, que discute o uso das métricas numéricas na análise do desempenho esportivo. O dono do Clippers revelou ser um entusiasta da crescente adição de dados estatísticos nas operações de franquias da NBA e a negociação de Griffin faz parte do processo de montagem de um time mais alinhado com as tendências atuais da liga.

“É claro que teremos que adicionar mais alguns jogadores, mas acho que estamos montando uma equipe mais próxima da NBA moderna. Essa é uma tendência que vemos mais e mais, de um time mais bem distribuído, em um processo que só se acelerou desde que renovamos o contrato de Blake”, disse o bilionário, exaltando reforços recém-chegados como Avery Bradley e Tobias Harris.

A troca de Griffin parecia ser indício do começo de uma reconstrução no elenco do Clippers, mas os passos seguintes não poderiam ter sido mais divergentes. O time resolveu desistir dos planos de negociar os futuros agentes livres Lou Williams e DeAndre Jordan. No caso do armador, os dirigentes de Los Angeles foram além: acertaram a extensão prévia de seu contrato para mantê-lo na franquia.

Para Ballmer, a situação sempre foi clara: uma reconstrução do zero está fora de cogitação em sua gestão. “Acho que jogar tudo por terra é perigoso. Superastros não querem jogar por equipes que estão no fim da tabela, então você realmente cria a necessidade de acertar suas escolhas de draft. E, de certa forma, você afasta os torcedores do time quando dá um passo tão grande para trás”, argumentou.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Times “sem estrelas” costumam ter uma dificuldade tremenda, na hora que água bate no pescoço e falta um cara para decidir os jogos, vide o Atlanta Hawks de 2015, mas mesmo achando meio louca essa tática de trocar seu melhor jogador e astro, pelo menos o Ballmer tem uma postura e uma filosofia pra sua franquia, boa sorte pra eles, não será fácil rs

    • Marcelo Desoxi

      role players em playoffs…

  • Gabriel De Oliveira Meira

    Concordo com este cara. Griffin joga muito, mas não será jamais o cara que faz uma franquia campeã… Melhor então partir para o coletivo.

  • Wilton Gonçalves

    Concordo totalmente com o último parágrafo. Vários times estão a tanto tempo sabotando as campanhas para ter primeiras escolhas de Draft, mas isso não é garantia de nada. O ideal é manter a equipe com uma base competitiva e ir fazendo as alterações, sem arrebentar o CAP com salários altos para jogadores medianos/medíocres. Algumas equipes se deram bem nos Drafts utilizando a competência em analisar prospectos fora do top-5 e se mantém competitivas nas cabeças da Liga. Enquanto outras, sempre com escolhas altas, não conseguem montar uma equipe minimamente respeitável.

    • Dudu Ferrero

      Quando leio salário alto já vem Jr e TT na cabeça de cara kkkkkkk

      • João Víctor Matos

        Empresario do Lebron James é mito demais kkk.

        • nico

          rich paul é melhor que o empresario do romulo e marcio araujo ahhaa

  • O Pensador

    Tem que começar mudando de cidade , não sei oq essa franquia faz aí na cidade dos Lakers…

    • A “arena” é nova, e LA é um mercado grade o bastante para duas franquias, sempre será a cidade dos Lakers, mas os jogos dos Clippers nunca estão vazios, faz tempo que não consulto, mas eles não estavam com problemas de público. Ainda mais nesses anos de vacas magras do LAL, Clippers se tornou uma boa opção para quem mora na cidade e queria ver bons jogos, especialmente de playoffs.

      • Diego Costa

        21 esse ano, ano passado foram top 10. Queda esperada, normal

  • Parece ser um dos melhores donos de time da NBA. Desde que adquiriu o Clippers só tomou boas decisões.

  • Rodrigo SMC

    Clippers, uma das piores franquias em termos de rendimento da história da NBA.

    Logo vai completar 50 temporadas na NBA e a incrível marca de nunca ter disputado uma Final de Conferência.

    Chegou a ficar 15 temporadas seguidas sem ir para os playoffs e antes de draftar o Griffen, tinha uma bela marca de 2 playoffs nos últimos 15 anos.

    Desde então, foram 6 idas ao playoff seguida, melhor marca disparada da história.

    Vamos ver como será essa nova era moderna do time.

  • vsr.snake

    Isso aí não é jogar mais moderno, é jogar basquete como deve ser jogado, um jogo coletivo hue rsrsrsrsrsrs. Mas entendi o ponto dele.

  • Vitor Martins

    Leva logo esse time pra seatle!

  • felipe fernando Oliveira

    Deixa de ser vacilao Ballmer leva essa franquia pra Seattle e ressuscita nosso verdinho

    • Goatoppolo

      E passar essa maldição para eles? Coitados kkkkk

      • Vitor Martins

        Se eu não me engano Seattle pode voltar com o nome SuperSonics, a identidade visual, os títulos e as camisas aposentadas que hoje pertencem ao OKC. Ai extingue o Clippers de vez e dá pelo menos uma contornada na maldição hehehe

        • Goatoppolo

          Sim, se Seattle voltar a ter uma franquia, será como Supersonics, mesmo que seja mudança de cidade de uma outra franquia. Só que vindo do Clippers, do jeito que eles são zikado, sei não haha

    • Pablo Leite

      E abrir mão do mercado de LA? Difícil.

  • marcelo pinaffo

    So nao entendi bem essa de nova era.
    Q time ta fazendo isso?
    So vejo times com all stars, ou com uma gde estrela.
    Cle,hou, gsw, okc, minessota. Tudo com dois ou mais all stars
    Sas, boston, phila, tudo com seu FP.
    Essa entrevista foi pra nao causar atrito com a torcida e com o griffin.
    Q na real seria, o cara joga muito, mas se quebra bem na hora q mais precisamos, entao preferi trocar, pegar varias moedas de troca, e ver no q vai dar.