Donos e dirigentes de times acreditam que paralisação da NBA pode durar três meses

Warriors

Reprodução

Os fãs da NBA podem preparar-se para um longo período de abstinência do melhor basquete do planeta. De acordo com Adrian Wojnarowski, da ESPN, os dirigentes e donos de franquias acreditam que a suspensão da temporada pode estender-se por três meses. A expectativa atual nos bastidores é que, na melhor das hipóteses, a liga só volte a ter jogos na segunda metade de junho.

É considerado certo por todos os envolvidos nas discussões internas que a extensão da paralisação das atividades da NBA será alongada além dos 30 dias inicialmente em vigor. Se a projeção de volta no fim de junho confirmar-se, especula-se que a liga decida reiniciar a competição diretamente nos playoffs e os jogos aconteçam, por período indeterminado, sem público nas arenas.

Mas, aos poucos, algumas notícias boas também começam a ser divulgadas para a comunidade da NBA. Os jogadores foram liberados do período “estático” imposto pela liga e, sob condições seguras, estão autorizados a saírem das cidades em que atuam a partir desse domingo. Atletas em quarentena e com suspeita de contágio, obviamente, não estão contemplados pela liberação.

Outras regras, porém, ficaram ainda mais rígidas: a proibição de treinos coletivos (com mais do que um jogador e um técnico/orientador) não só foi mantida, mas acabou expandida para tempo indeterminado. Múltiplos atletas podem trabalhar nas mesmas quadras, mas recomenda-se que cada um frequente uma cesta diferente e tenha treinador específico no período.

É recomendado também que qualquer jogador que entre em uma quadra de uma franquia para treinar, assim como membros da comissão técnica, passe por uma checagem de temperatura por precaução. Até agora, a NBA contabiliza três casos de infectados pelo coronavírus: Rudy Gobert e Donovan Mitchell (Utah Jazz), além do pivô Christian Wood (Detroit Pistons).

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.