Donovan Mitchell garante Jazz “lutador” para evitar varrida do Rockets

O Utah Jazz está na situação que nenhuma equipe da NBA quer viver: perdeu as três primeiras partidas da série contra o Houston Rockets, pelas quartas-de-final do Oeste. Em sete décadas, nunca houve uma virada em um confronto de playoffs da liga após qualquer time começar sofrendo três derrotas consecutivas. A história joga contra, mas o jovem Donovan Mitchell garante estar pronto para lutar.

“Nenhum time virou uma série depois de perder três jogos assim como, até outro dia, ninguém havia vencido uma final da NBA após estar perdendo por três a um. Escritas são feitas para serem quebradas. Tudo tem que acontecer uma primeira vez e essa é a nossa mentalidade indo para o jogo 4”, disse o ala-armador, que acumula média de 21.3 pontos na série contra os texanos.

E, mesmo que a virada esteja fora de alcance, Mitchell sabe que o Jazz possui um compromisso com seu torcedor e história na sequência do duelo. “Ninguém pode simplesmente desistir. É uma batalha da qual partimos de um ‘buraco’, mas não temos medo. Não vamos entrar em quadra e dar-lhes a quarta vitória, deixá-los passear aqui. Essa organização não é assim. E nós não somos assim”, cravou.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • GarPax

    Houston em 4

  • Augusto Filho

    Fico admirado como o Mitchell é muito corajoso em tomar a frente de tantos aspectos desse time. Mas se depois de tudo que ocorreu no último jogo, a vitória não veio, dificilmente virá, a campanha que fizeram na regular não merecia essa provável varrida.

    • O Jazz joga com postura defensiva admirável e falta recursos ofensivos para balancear melhor os ganhos de posse. DM dá a cara, mas não é suficiente. Rubio têm tido pouco impacto pontuando, até tinha me surpreendido com partidas produtivas dele nesse quesito. Gobert faz o que pode na área pintada se limitando a aproveitar rebotes ofensivos e assistências aéreas pois cria pouco próximo ao aro. O Jazz poderia ir além caso não fosse o Rockets do outro lado da quadra, não tão além.

    • Michel Moral

      O Jrue Holiday seria um baita reforço para esse time.

      É um jogador que pode contribuir muito mais ofensivamente do que Rubio e também já mostrou que tem potencial defensivo.

      Claro que existem outros nomes, mas é difícil que algum astro escolha ir para Utah. E ainda tem questão de cap e tal…

      Então, Holiday seria um reforço ótimo. Melhor até do que o Mike Conley, que tem um contrato mais caro e tem menos recursos ofensivos (apesar de Conley ter feito uma temporada excelente também).

      Eu arriscaria um pacote com Rubio pelo armador do Pelicans.

  • Thiago Mendes

    Cara, a análise feita pra Houston e Utah foi feita encima da época de Carmelo, não acredito na varrida vai ficar 4×1 mais do que isso impossível, o time do Rockets é a fraqueza do Jazz.

  • Franchise 🏀 !! – ThiaGO

    Real, só com o Mitchell o Jazz não vai a lugar nenhum, Gobert não pode ser a segunda força ofensiva do time, nem munições para isso ele tem se levar em consideração a realidade dos pivôs atuais.

  • Arthur Oliveira Santos

    Infelizmente parece que o Auge desse time do jazz foi na temporada passada eliminando o OKC e indo a sete jogos contra os Foguetes. De lá pra cá o time praticamente seguiu a mesma receita da temporada passada, com a mesma raiz e sem nenhum reforço de impacto e com as mudanças na arbitragem teve seu jogo defensivo muito prejudicado, tendo que fazer várias adaptações ao longo da temporada.

    Gostaria de chamar atenção pra uma coisa: Nos primeiros dois meses de temporada Mitchell vinha muito mal e parecia ter “involuído” em relação a temporada de rookie. Depois foi se ajeitando e, por coincidência ou nao, atingiu a evolução que dele se esperava tendo seus melhores momentos quando o Rubio estava fora de jogo. Não seria a hora do Jazz efetivar o Mitchell como PG/playmaker e buscar um outro SG que seja consistente??? Esse time tá pipocando muito ofensivamente, o Gobbert com 5 metros de altura deveria ser mais efetivo no ataque, o Favors, Crowder, Rubio e o Ingles, nenhum deles se tornaram um cara minimamente confiáveis, oscilam muito .. Enfim, vamos tomar uma surra do Rockets (que fez uma campanha inferior em relação à temporada passada).. acho que já passou da hora da diretoria fazer algumas movimentações importante e trazer caras que ajudem o Mitchell mais efetivamente

  • No jogo 4, o Jazz conseguiu marcar muito bem, e ter um ataque perigoso, mesmo com Gobert e Ingles discretos, O’Neale e Rubio foram muito bem, e Favors vindo do banco foi fundamental, mas acho que mais 3 jogos assim é muito difícil, pois tem que ter um pouco de sorte do Houston errar muito chute de 3 nesse jogos e o poder de fogo do Utah nem sempre é como nesse jogo 4, mas vamos ver, garra não pode faltar para o Jazz…