Draft necessidades Chicago Bulls

Draft 2020: As necessidades do Chicago Bulls

Draft 2020: As necessidades do Chicago Bulls

Elenco para a próxima temporada (11 contratos garantidos)

PG: Tomas Satoransky (28 anos, US$10 milhões) / Ryan Arcidiacono (26 anos, US$3 milhões)
SG: Zach LaVine (25 anos, US$19,5 milhões) / Coby White (20 anos, US$5,5 milhões)
SF: Chandler Hutchison (24 anos, US$2,4 milhões)
PF: Lauri Markkanen (23 anos, US$6,7 milhões) / Thaddeus Young (32 anos, US$13,5 milhões)
C: Wendell Carter (21 anos, US$5,4 milhões) / Daniel Gafford (22 anos, US$1,5 milhão) / Luke Kornet (25 anos, US$2,2 milhões) / Cristiano Felício (28 anos, US$7,5 milhões)

Folha salarial: US$77,2 milhões

Agentes livres: Kris Dunn (PG/SG, 26 anos, restrito) / Shaquillle Harrison (PG/SG, 27 anos, restrito) / Denzel Valentine (SG/SF, 26 anos, restrito) / Adam Mokoka (SG, 22 anos, restrito)

Contratos não garantidos/parcialmente garantidos/opção do jogador: Otto Porter (27 anos, US$28,4 milhões, opção do jogador)

Contratos expirantes: Cristiano Felício / Lauri Markkanen / Luke Kornet

Números da temporada 2019/20

Pontos anotados: 106,8 (quarto pior)
Pontos sofridos: 109,9 (14º)
Eficiência ofensiva: 106,7 (quarto pior)
Eficiência defensiva: 109,8 (12º)
Pace (posses de bola por jogo): 99,7 (16º)
Assistências por jogo: 23,2 (oitavo pior)
Rebotes por jogo: 41,9 (segundo pior)
Desperdícios de bola: 15,5 (quarto pior)
Aproveitamento nos arremessos de quadra: 44,7% (quinto pior)
Aproveitamento nos lances livres: 75,5% (décimo pior)
Aproveitamento nas bolas de três pontos: 34,8% (nono pior)
Tentativas de arremessos de três pontos por jogo: 35,1 (11º)
Aproveitamento do adversário nas bolas de três pontos: 35,3% (12º)
Pontos sofridos no garrafão: 49,6 (décimo pior)

Posições carentes: PG, SF

Necessidades da equipe

  • Alas saudáveis (Otto Porter, Chandler Hutchison e Denzel Valentine não conseguiram se manter saudáveis na última temporada, o primeiro disputou apenas 14 jogos, o segundo 28 e o terceiro 36)
  • Bons arremessadores (em 2019/20, o time teve o quarto pior ataque da liga, entrou no Top 5 de piores aproveitamentos nos arremessos de quadra e no Top 10 de piores chutadores do perímetro)
  • Um playmaker (criador de jogadas) que cuide bem da bola (além do ataque ineficiente, o Bulls esteve no Top 8 de times com menos assistências e foi o quarto pior em turnovers) e faça o ataque do time de Chicago fluir com naturalidade

Escolhas no Draft de 2020: 4 e 44

Prospectos mais indicados

  • Pick 4
  • Deni Avdija (SF): Avdija é um ala inteligente e versátil, que gosta e busca o jogo de contato, usando sua força para ser agressivo finalizando ao redor do aro e atacar alas menores no poste baixo. Na defesa, ele é um bom protetor de aro como defensor de cobertura. Além disso, é um ótimo passador e sabe jogar sem a bola em mãos. Aos 19 anos, Avdija já tem experiência no nível profissional e tem um bom molde no basquete de passe-drible-chute que invadiu a NBA. O versátil Avdija não é o novo Luka Doncic, mas teria um ótimo encaixe em Chicago, já que poderia resolver algumas das maiores carências da equipe. Com a capacidade de ser o ballhandler secundário do time (ou até mesmo um point forward), ele traria qualidade ofensiva ao Bulls, já que consegue criar para si e para os companheiros; mostra capacidade de conduzir o jogo em transição; tem uma mecânica de arremesso rápida e compacta, que demonstra potencial para ser trabalhada no futuro enquanto arremessador; e sabe jogar sem a bola em mãos, especialmente em cortes nas costas da defesa. Elogiado pela ética de trabalho e pelo altruísmo em quadra, Avdija seria um ótimo complemento para LaVine (White) e Markkanen, as principais armas ofensivas do Bulls. Nas mãos de um técnico que sabe montar boas equipes defensivas, como Billy Donovan, o jovem israelense tem tudo para melhorar sua eficiência como marcador (sobretudo, individual) e ser mais focado nesse lado da quadra. Avdija é um prospecto que pode contribuir de imediato, com toda a sua experiência em competições de alto nível na Europa, e possui um teto alto. Difícil o Bulls deixar passá-lo…
  • Isaac Okoro (SF): ala dotado de atributos físico-atléticos de elite, Okoro sempre atua com muita intensidade nos dois lados da quadra e tem as ferramentas necessárias para se estabelecer como um defensor de elite na NBA. Ofensivamente, ele é um grande slasher (jogador que tem como base do seu jogo a infiltração). Além disso, Okoro é um sólido passador, com capacidade para ser o playmaker secundário de sua equipe e operar no pick-and-roll com eficiência. Protótipo de role player; que sabe atuar em um papel limitado, mas de suma importância para o sucesso coletivo do time. Okoro seria perfeito no Bulls, dado o seu potencial para se tornar um defensor de elite na NBA, a mentalidade de jogo altruísta, o elevado QI de basquete e pelo fato de não precisar da bola nas mãos para ser útil. Ele é tudo o que a equipe de Chicago precisa: um potencial jogador two-way, que vai sempre dar o máximo em quadra e ficar responsável por marcar o melhor jogador do perímetro adversário. O arremesso inconsistente, seu ponto fraco, pode ser trabalhado ao longo dos anos, com calma, já que o Bulls tem boas armas ofensivas (LaVine, White, Markkanen). Como aconteceu com Jaylen Brown no Boston Celtics…
  • Killian Hayes (PG/SG): Hayes é um armador alto, com braços longos, eficiente pontuando da média distância e um ótimo atleta de transição, por possuir boa velocidade em quadra aberta. Um dos passadores mais naturais da classe, o francês se destaca no pick-and-roll, é bastante criativo com a bola nas mãos e tem um controle de corpo elogiável. Dedicado na defesa e inteligente para executar a rotação defensiva, Hayes é muito habilidoso, com ótimo QI de basquete e já possui experiência no nível profissional. Excelente opção, caso o Bulls pense em selecionar um armador (na minha opinião, o melhor jogador da posição 1 na classe deste ano). O canhoto Hayes teria um bom encaixe com LaVine/White, as grandes armas ofensivas do Bulls no perímetro, atuando como um facilitador e tirando um pouco a responsabilidade que a dupla carrega de pontuar e ainda criar para os companheiros. Com ele, o time de Chicago teria um playmaker confiável, que mostra excelência no pick-and-roll, e um bom pontuador em vários níveis. Além disso, o francês seria importante nos cenários de pick-and-pop. Lauri Markkanen, jogador que andou esquecido na temporada passada pelo ex-técnico Jim Boylen, cresceria bastante de produção ao lado de Hayes e seria melhor aproveitado no ataque. Em suma, Hayes seria muito útil para a equipe de Chicago por conta de sua criatividade como passador, arsenal ofensivo e dedicação na defesa, e faria os companheiros produzirem melhor.
  • Tyrese Haliburton (PG): armador alto, dotado de envergadura invejável, Haliburton tem o passe como prioridade. Excelente na transição ofensiva, ele dita o ritmo do time, se destaca no pick-and-roll e demonstra eficiência nos arremessos de três pontos, sobretudo em cenários de catch and shoot. Além disso, Haliburton é um defensor acima da média, seja na antecipação das linhas de passe, na marcação individual ou até como protetor de aro. Em suma, ele seria um encaixe perfeito junto a um guard mais voltado para a pontuação. Completando a sentença anterior: em termos de encaixe com LaVine/White, Haliburton supera Hayes (apesar de ser menos talentoso) e seria perfeito para o Bulls por conta de sua versatilidade defensiva, visão de quadra privilegiada e da utilidade sem a bola nas mãos. Não preciso falar mais nada…

 

  • Pick 44
  • Malachi Flynn (PG): Flynn é um armador que consegue criar para si e para os companheiros, produtivo com e sem a bola nas mãos, e que corre bem a quadra. Ele possui um elevado QI de basquete (nos dois lados da quadra), opera com maestria no pick-and-roll, sabe manipular as defesas adversárias e mostra versatilidade como arremessador. Na defesa, Flynn se destaca na ajuda e na marcação sem a bola e mostra eficiência na antecipação das linhas de passe. Na segunda rodada, Flynn é um dos prospectos mais qualificados. Com todas as suas características, ele seria uma ótima adição para a armação do Bulls, caso a franquia não tenha selecionado um jogador da posição na quarta escolha.
  • Elijah Hughes (SF): Hughes é um ala dotado de sólidos atributos físico-atléticos, que mostra excelência pontuando após o drible e se movimentando subitamente buscando uma melhor posição para finalizar. Além disso, ele é um sólido passador e um jogador produtivo com e sem a bola nas mãos. Defensivamente, chama a atenção por ter um ótimo timing para bloquear arremessos e não foge do jogo de contato. Em suma, Hughes é um protótipo de 3-and-D, com o plus de ser um bom criador de jogadas. Uma das carências do Bulls seria preenchida com a opção por Hughes, um ala que chama a atenção pelo pacote de habilidades. A opção por ele aqui seria no caso do time de Chicago ter selecionado um armador com a pick 4.

 

Siga o Jumper Brasil em suas redes sociais e discuta conosco o que de melhor acontece no basquete:

Instagram
Youtube
Twitter
Facebook