Entre playoffs e técnicos

Por Ricardo Romanelli

 

Na hora certa

Roy HibbertHeat e Pacers foram duas das equipes que mais receberam críticas ao término da temporada regular. Enquanto os principais postulantes ao título no Oeste, Thunder e Spurs, tiveram finais de campanha tranquilos, as duas maiores forças do Leste encontraram dificuldades para encaixar boas sequências. Miami espantou a zebra ao “varrer” o Bobcats na primeira rodada e, agora, possui liderança tranquila sobre o Nets. É verdade que o Pacers teve que “suar” para passar pelo Atlanta Hawks na fase inicial, mas, agora, faz uma série sem sustos contra o Wizards e pode garantir vaga nas finais de conferência já nesta terça-feira.

No começo da temporada, uma decisão do Leste entre Pacers e Heat parecia tão certa quanto emocionante. Bom para nós, que acompanhamos a NBA, que isso deve se concretizar e os dois melhores estarão frente a frente.

 

Indefinição no Oeste

Kevin DurantEnquanto isso, no outro lado dos playoffs, nós temos alguma imprevisibilidade. O Spurs destoa: tem uma confortável liderança sobre o Blazers e tem jogado muito melhor do que o adversário até aqui. Apenas uma grande e bem improvável virada parece capaz de tirar a equipe texana de outra final de conferência.

O outro duelo é o que impressiona mais, pois Thunder e Clippers fazem uma série emocionante e aberta. As equipes possuem enorme vigor físico e capacidade de pontuação, o que transforma as partidas em verdadeiros tiroteios em campo aberto. São jogos agradáveis aos telespectadores.

 

A nova geração

Mark JacksonFora das quadras, o mercado de treinadores vem movimentando a NBA: Golden State Warriors (Mark Jackson, foto, saiu do comando), New York Knicks, Los Angeles Lakers, Cleveland Cavaliers, Minnesota Timberwolves e Utah Jazz estão atrás de novos comandantes. O fator intrigante da situação é que os nomes especulados são, em sua maioria, de técnicos com pouca ou nenhuma experiência na liga. Profissionais universitários também têm sido frequentemente mencionados.

O perfil de técnico de sucesso na NBA mudou muito nos últimos anos. Se, antes, era necessário apenas um bom motivador com conhecimento tático clássico para triunfar na liga, agora os treinadores precisam ir além. Eles devem saber fazer, por exemplo, uma leitura estatística do jogo e trabalhos de vídeo com os jogadores. São novas demandas que fazem nomes antigos perderem cada vez mais espaço na NBA, abrindo caminho para treinadores da nova geração – mais novos e que, desde cedo, se prepararam para o cargo.

Isso é bom para o basquete e para a liga, diferente do que se pode imaginar. Um processo perfeitamente natural e necessário num processo de renovação do esporte.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Waldir Mendonça

    Ricardo, não sou especialista em basquete, pois conheço relativamente muito pouco do jogo. Sou torcedor do Golden State Warriors e não compreendo como um time com Curry, Thompson, Iguodala, Lee e Bogut chega com tão pouca expressão e não briga por títulos, agradeceria se você me analisasse , assim como o GSW, grandes times que não conseguem ser campeões.

    • Cara, sei que você perguntou para o Ricardo, mas vai minha análise. O GSW era sim um dos postulantes ao título esse ano, um time chato de jogar contra, mas a ausência de Bogut nos Offs fez a diferença, prejudicando a equipe na série contra o LAC. Tenho certeza se ele estivesse, Gold State teria passado, pois sem ele já deu trabalho. É um time que gosto muito de ver jogar, deram trabalho para nós o ano passado, mas pode ficar sossegado, seu time ainda tem muito a dar futuramente na liga.

    • Waldir, tb sou Warriors, a questão esse ano vai alem do quinteto inicial. O banco de Golden State esse ano não apareceu. Harrison Barnes, de quem se esperava uma excelente temporada após os playoffs do amo passado, fez uma temporada regular fraca; Durante metade da temporada o time sofreu com a falta de um backguard ao Steph e Klay, que só veio melhorar com a chegada do Steve Blake e J. Crawford. Adicionado a isso, varias lesões (principalmente Bogut, Lee e Iggy) atrapalharam o rendimento e a química do time. O retrato de GS essa temporada é de um time que fez partidas espetaculares contra times favoritos (caso de Heat, Pacers, OKC e LAC) e perdeu jogos ridículos, muitos em casa, contra times fracos (caso de Bobcats, Wizards, Nuggets, Cavs e T-Wolves), ou seja, um time completamente irregular. Acho que Mark Jackson tem parte de culpa no fracasso dessa temporada. Como comentei em outro post, ele é um motivador nato, mexeu com os brios do time, ainda mais do Curry, mas taticamente ele é fraco e não soube explorar as opções que a rotação lhe permitia, exemplo foi a utilização do Green apenas a partir do 4º jogo da série contra LAC. Enfim, é mais ou menos isso. Abração! #LetsGoWarriors #DubNation

    • Ricardo Romanelli

      Waldir, assim como os amigos acima ressaltaram, o Warriors é um time bastante jovem ainda. Esse ano o técnico Mark Jackson acabou levando a culpa pela eliminação precoce, mas é só você analisar que a equipe foi a 7 jogos bastante disputados contra o Los Angeles Clippers, que por sua vez faz uma série duríssima contra o Oklahoma City Thunder, time do MVP da temporada e grande postulante ao título.

      Não tenho dúvida que com o técnico certo e mais um ano de experiência, além de um ou outro reforço pontual para o banco de reservas, o Warriors pode muito bem chegar a uma final de conferência no ano que vem, e a partir daí qualquer coisa pode acontecer. Vale lembrar que a equipe jogou os playoffs sem Andrew Bogut, ancora da defesa da equipe. No Oeste, faz muita diferença você ter uma defesa de garrafão do nível de Bogut. Na minha avaliação, o Warriors fez uma bela série de primeiro round contra aquela que é a terceira melhor equipe do Oeste, e só tende a crescer no próximo ano. Podemos ver este time disputando vaga nas finais muito em breve.

  • M Dias

    Não creio que Pacers vem fazendo uma série tranquila contra os Wizards não, prova disso é o que se viu hoje! Os Wizards ganharam o jogo em Indiana e ainda meteram mais de 20 pts de diferença, então…

    Detalhe: o próximo jogo será na Capital!

    • Tbm acho…Em alguns momentos a diferença chegou a 30 pontos… O Pacers é estranho.. é capaz de uma virada fantástica como no Game 4 mas tbm é capaz de uma atuação pífia como a de ontem jogando em casa.. Tá com cara de Game 7!!

      • M Dias

        verdade…

  • Concordo,Pacers é um time estranho,pelo menos nesses Offs,tomou uma cacetada do Wizards,e não duvido nada o Wizards levar essa série ao jogo 7,mas tbm acredito que esse Pacers pode golear,time joga uma muito bem,e no outro jogo não entra em quadra.