“Esta temporada foi só o começo do sucesso do Jazz”, avisa Donovan Mitchell

Poucos times surpreenderam a maioria dos fãs da liga tão positivamente quanto o Utah Jazz. Com a ajuda do calouro Donovan Mitchell, a equipe superou a saída do astro Gordon Hayward e um início de temporada desanimador para chegar à semifinal de conferência. A trajetória do time para ficar entre os quatro melhores do Oeste empolgou Salt Lake City, mas começou com dúvidas até internamente.

“Depois da última offseason, a franquia estava um pouco incerta sobre seus rumos. Rudy Gobert já havia provado ser a peça central do nosso futuro e apostávamos que, obviamente, Donovan seria muito bom. Mas, agora, temos convicção de que teremos uma equipe que poderá competir no mais alto nível da liga nos próximos anos”, analisou o gerente-geral Dennis Lindsey, em entrevista coletiva.

Parte da imprensa especializada apontava o Jazz, no início da temporada, como um time que sequer chegaria aos playoffs. E a expectativa até ia se confirmando até a reta final da campanha, quando emplacou 29 vitórias em 35 triunfos para disparar na classificação. Foi assim que Utah tornou-se somente a quinta equipe da história a ficar nove jogos abaixo e acima dos 50% de aproveitamento em um mesmo ano.

“Nós tivemos muitos altos e baixos no último ano, mas eu nunca duvidei da nossa capacidade. É muito louco que ninguém apostava em nós nem para classificar até alguns meses e, agora, chegamos tão perto de uma vaga nas finais de conferência. Por isso, sigo não duvidando de nada. Não há limites para o que podemos fazer”, afirmou Gobert, cuja excelência defensiva comandou a reviravolta do Jazz.

A franquia, a partir de agora, precisa pensar na administração do elenco em longo prazo: o ala-pivô Derrick Favors e o armador Dante Exum serão agentes livres, podendo exigir alto investimento para ficar em Salt Lake. Ao mesmo tempo, com outros atletas, pode liberar cerca de US$15 milhões em salários não-garantidos. Neste momento, a tendência parece ser pela manutenção plena do grupo.

“Hoje, nós temos dois desafiantes que estão claramente acima de nós em Houston Rockets e Golden State Warriors. Parte do nosso trabalho é tentar reduzir essa diferença, da forma que pudermos, mas acho que a maioria de nossas soluções já são internas: temos uma série de jogadores jovens que deverão evoluir, se todos tivermos a mentalidade certa”, explicou Lindsey, visando o topo do Oeste.

Não é incomum que times desacreditados façam surpreendentes campanhas e, em anos seguintes, tenham dificuldades para atingir as novas altas expectativas. Mas, se você acha que o Jazz poderá ser um desses, Mitchell te manda um recado. “Há muito mais potencial ainda dentro de nós, vários jogadores dispostos a trabalhar. Essa temporada foi só o começo do nosso sucesso”, avisou o novato.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • O Pensador

    Woj : LeBron e Paul George vão conversa sobre ir prós Lakers ! Será ?

    • O Pensador

      Tá bombando lá nos EUA

    • Michael James

      Se o LeBron quiser ser campeão novamente só existe um destino possível… Houston.

    • Poli Canassa

      Não dá anel, acho que LeBron se for pra sair do Cavs, é pra ir atrás de anel, então não compensa o Lakers.
      PS: sim, eu torço pro Lakao da massa mas reconheço que tá zoado kkkkkkkkk

      • Gustavo – #LeBronGOAT

        Talvez n seja um lugar ruim dele ir. Se o PG for junto ja montam uma dupla de respeito, com bons jogadores de apoio. Só precisariam arrumar um Center.
        A line up ficaria:
        Ball, PG, LeBron/Ingram, LeBron/Kuzma, Center.
        Ai com o Kuzma ou o Ingram fazendo a função de 6° homem. E se negociarem o Deng da pra conseguir mais um bom cara pra complementar o elenco.

        • Tulio Machado

          Ingram e Ball são os caras que a franquia deposita confiança, mais fácil o Kuzma ser Sixth Man do que o Ingram

      • Danilo Celtics #Banner18

        meus pesames

    • Alex Alves

      Caramba vai ser um belo time mas não tenho certeza se um time com: Ball/PG/Lebron/Ingram/Kuzma consegue disputar um título.

      • O Pensador

        Mais e um time mto melhor que o cavs atual em ?

        • Alex Alves

          Sim bem melhor que o Cavs mas o problema também vai ser o CAP.

          • O Pensador

            Acho que eles tem cap pra dois allstar e ainda podem aumentar o cap com trocas envolvendo o Deng e não renovando com o Randle

      • Gustavo – #LeBronGOAT

        Como ta no Oeste ficaria mais difícil chegar as finais, mas esse dai ja seria um time melhor que esse do Cavs. Só renovar com o Randle e talvez trazer um cara tipo o Noel que ta desvalorizado pra reforçar o garrafão.

    • DNT – Porzingod MVP

      Não só PG e Bron, como também Cousins, westbrook e Porzingis……ilusão demais kkkkkkkkkkkk

      • O Pensador

        Woj meu caro , não é papo de torcedor maluco não !!

  • Arthur Oliveira Santos

    Lebron deveria ir para o Utah

    • Thiago Pinto

      Tbm acho que seria muito legal!

    • Paulo Henrique

      Jazz é o encaixe perfeito pro Lebron, tem um armador que pode carregar a bola e criar o próprio arremesso (como eram Wade e Irving) ótimos shooters e um dos melhores protetores de aro da liga. Mas infelizmente Utah não é um grande mercado

      • P Neto

        Cara nao precisa de Pg não..um banco razoável com Bron da jogo..o Golbert come com farinha o garrafão..já eh meio caminho..o outro ponto eh que o Jazz tem uma artilharia pesada de 3,vide contra do OKC…porém diferente do Houston não se limita a só isso..tem espaço sim

    • Diego Costa

      Lebron tem que ir pra um time certo. Sem essa de Sixers ou Jazz.

      Esses são times pra daqui a 2,3 temporadas. Nao pode esperar desenvolvimento de ninguém.

      A escolha pelo Rockets é mais do que óbvia. Lebron é a peça final que falta.

  • Victor

    Se o LeBron pintar nos sixers e conseguir levar mais um cara de nome junto e com os jovens que tem lá, da pra ser campeão, não vai ser fácil mas dá sim!!

  • Poli Canassa

    Jazz tem uma torcida apaixonada, fico feliz por eles terem draftado um cara que rendeu muito bem e abraçou a franquia.

  • Alex Alves

    Se conseguir um all-star o time esta pronto, esse jovem Mitchell tem tudo para ser um grande jogador.

  • Thiago Pinto

    Um erro grande de times medianos com boa campanha é acreditar que só precisa manter o elenco e acreditar na evolução, Portland ta aí para mostrar isso. Fizeram uma campanha boa, pagaram demais a vários jogadores médios e não tem chance de, com esse time, ir além.
    Boston fez exatamente o contrário, mesmo com boa campanha temporada passada, mudou tudo para esse ano, e ficou ainda melhor.
    Espero que o Jazz não caia na mesma armadilha do Blazers

    • Alex Alves

      O erro do Portland foi ter oferecido contratos ridículos para jogadores que estavam em boa fase (mas na verdade eram medianos).

      • Thiago Pinto

        O ponto é exatamente esse, não supervalorizar jogadores medianos por um ano bom.

    • Vitor Martins

      Eu concordo em partes, mas é muito difícil seguir o exemplo do Celtics (mudar tudo e seguir melhorando). Acho que eles são mais exceção do que regra. Snyder é um bom técnico, mas o lance é que ter o Stevens (e sua incrível capacidade de conseguir melhorar quase todos os seus jogadores) fez eles pularem etapas do tank (e as 40 mil escolhas do Nets também, claro). Muito complicada a situação do Jazz, de mudar várias coisas que estão dando certo.

      • Thiago Pinto

        Concordo que o Celtics é exceção, a questão é que não da pra sair gastando tubos com Exum e Favors, por exemplo, pra “manter a base”. São jogadores para compor grupo, se alguém despejar dinheiro neles, o Jazz tem que deixar levar pq vão aparecer jogadores mais baratos com nível de contribuição similar.

  • Duvido. A não ser que consiga um verdadeiro All-Star (o que é sempre difícil para cidades geladas como Utah), não tem time para competir com Houston e GSW.

    • Marcio

      Um, então pela sua tese Boston seria o que??

      • O mesmo que o próprio Utah: perdeu para o melhor time da conferência. Com os All-star’s provavelmente ganharia, mas sem eles perdeu – assim como Utah.

      • Alex Alves

        Bom NY, Chicago e Boston são cidades diferenciadas acho que o que ele quis dizem cidades como: Minessota, Toronto (por mais motivos), Utah, Denver por não serem grandes centros midiáticos e serem frias também atrapalha a chegada de grandes all-star.

        • Marcio

          faz sentido!

        • Exato

        • Guilherme Petros

          Salt Lake City, no caso… rs

          • Alex Alves

            Verdade rsrsrs.

  • Rafael Victor

    O Jazz é foda!

  • Pundinzinho

    Não sei se o Jazz vai algum dia conseguir bater de frente com os contenders, mas esse Mitchell vai ser grande, na primeira temporada dele o mlk foi tudo que eles queriam que o Hayward fosse e nunca foi. Tem tudo pra ser um superstar.

    • Jean Brazuna

      O Hayward foi sim, temporada passada o cara esmirilhou, as pessoas ou se esquecem muito rápido o quão bom foram alguns jogadores ou não acompanhavam mesmo.

  • °°ThiAgo √- Is the Playoffs🔥*/

    Eles não devem se contentar apenas com os que la estão, devem ir ao mercado procurar bons jogadores.

  • Gabriel De Oliveira Meira

    Jazz e Blues é uma maravilha!

  • Augusto Filho

    Donovan Mitchell apesar de ter demonstrado uma temporada de calouro incrível, não o consigo ver com um teto muito maior do que ele já apresenta hoje. Já é relativamente velho para um calouro e seus skills são de um SG, mas seu corpo é de PG, mesmo ele demonstrando relativo poder de armação quando Rubio ficou fora. Creio que comprometerá o esquema na defesa pelos missmatch que um jogador preso entre duas posições e com um corpo menor acaba criando, sendo necessário uma adaptação no time.

    Gobert é outro cara que apesar da dominância defensiva, não evoluiu em nada seu jogo ofensivo, sem falar no Exum que era um cara que todos esperavam muito e até agora não entregou nem 30% do hype que criaram, o que pode ser “atenuado” por suas lesões. Nessa salada de expectativas acredito mais numa evolução a partir do próprio Snyder do que dos seus pupilos, criando um playbook ofensivo mais dinâmico, pois ver o Jazz tentando pontuar essa temporada passada se assemelhavá demais a uma mulher parindo.

    • Poli Canassa

      Eu queria mt contra argumentar, mas pior que vc falou MT coisa correta.
      O DM vai ter um problema com defesa, e ele vai conseguir repor (nao completamente) de 2 jeitos: disciplina ofensiva e preparo pra gastar mais energia que os outros ou então o técnico esconde-lo no esquema de defesa. Ambas as alternativas serão difíceis e creio que não 100% efetivas.
      Gobert eu sempre achei decepcionante no ataque, talvez se Utah conseguir algum outro pivô bastante ofensivo ajudasse para ir alternando, mas não consigo hoje pensar em um cara assim pra posição (pode ser lapso meu).
      No Snyder vejo bastante futuro (é um cara até novo pra técnico), tem bastante chão ainda e já se mostrou ate competente, mas vai ter que entregar mais.

      • Giovanni Araya

        Acho que vcs não assistiram os jogos do jazz para ta falando q mitchell vai ter problema na defesa. Sim ele é baixo, mas ele tem a mesma vontade de defender q demonstra para atacar. O teto dele não sei se pode ser alto ou não, mas com a organização que nós temos, da pra acreditar que vão conseguir enxugar ele ao máximo.

    • Jefferson Cavalcanti

      Não vejo problema nenhum, se Mitchell não evoluir muito.

      O cara já é uma estrela.

    • JASPION DA MASSA

      Ele não tem nem 22 anos…como assim é ”velho”? Fez o que a maioria deveria fazer, ficar dois anos jogando na NCAA . Tem vontade de defender, isso já é um grande passo para a evolução , acho que acertando um pouco a % de 3 e selecionando um pouco melhor os arremessos já fica um BAIIIIIITA jogador . Mostrou evolução na organização de jogo também. Esse mlk é monstro!!!!

      • Jean Brazuna

        Vai fazer em Setembro esse ano ainda…ele é 96

      • Augusto Filho

        Assim, hoje a maioria dos jogadores se desenvolvem dentro da liga, chegar sendo calouro com 21 anos não é bem a melhor situação, a dinâmica e intensidade de jogo são outras, veja como Embiid, Booker, Simmons e outros evoluíram com pouquíssimo tempo dentro da liga. Não consigo ver como um staff técnico universitário consegue ser melhor que um staff profissional que impõe um rotina de trabalho extremamente intensa como é na NBA. Realmente disposição existe, mas ele não tem a envergadura de um defensor de elite, apesar de ter uma ótima leitura na interceptação de linhas de passe. Creio que a maioria dos chutes contestados tentandos foram muito em detrimento dessa responsabilidade que ele se impôs de tentar carregar seu time ofensivamente, porém realmente não vejo esse upset todo que ele relata, espero estar enganado.

        • Silas Aires

          Vcs estão falando de um cara que é de 6 a 7 centímetros mais alto, é imensuravelmente mais forte e igualmente aplicado na defesa em relação ao John Stockton. E é negro (o que quer dizer que a resiliência e longevidade física dele é, potencialmente, bem melhor). Não duvido do que um “baixinho” é capaz com a mentalidade certa.

          • Augusto Filho

            Silas, estamos em 2018. O basquete mudou bastante. A ÚLTIMA COISA que o Strockton foi sem dúvida alguma foi um ótimo defensor. A “final” entre GSW e HOU demonstrou com excelência como a liga tem se aproveitado de qualquer missmatch possível, seja ele de altura, envergadura ou agilidade lateral. A tendência da NBA são os tão estimados unicórnios, Mitchells da vida serão cada vez menos comuns durante os anos que seguirão.

  • Allan Lopes Soledade

    Oremos, Mitchell. Oremos.
    Snyder tem o time na mão,mas ainda acho que precisa de contratações. Insisto que um Paul George cairia muito bem no time.Ficou impressionado com o fato de mesmo fazendo a campanha que fez,o Jazz é subestimado por muita gente.
    Isso é muito bom.Continuem subestimando.