Estrela do basquete colegial, Zion Williamson surpreende e se compromete com Duke

O ala-pivô Zion Williamson, da Spartanburg Day (SC), anunciou nesse sábado, no ginásio da sua escola, o seu comprometimento coma Universidade de Duke para a temporada 2018/19. O anúncio feito pelo segundo melhor prospecto da classe de 2018 teve, inclusive, a transmissão da ESPN americana.

Além de Duke, as universidades de Kentucky, Kansas, North Carolina, Clemson e South Carolina estavam disputando o atleta.

A escolha por Duke surpreende a todos os scouts e jornalistas americanos, já que Clemson vinha sendo a grande favorita em diversos sites que cobrem o basquete colegial.

 

Repare o favoritismo de Clemson no site da 247Sports

Aliás, Clemson era o meu palpite, já que Williamson nunca saiu da Spartanburg Day High School e jogava no circuito AAU, em uma equipe de South Carolina.

Vale lembrar que o seu padrasto, Lee Anderson, jogou em Clemson e Zion sempre deixou claro o seu amor pelo estado. “South Carolina é a minha casa”, disse o jogador à ESPN tempos atrás.

A escolha por Duke pega todos de surpresa, mas nos mostra a moral do técnico Mike Krzyzewski, o Coach K, para recrutar atletas de alto nível. Além de Zion, a universidade de Duke vai contar, na próxima temporada, com o ala canadense RJ Barrett (melhor jogador da classe 2018), o ala Cam Reddish (terceiro melhor jogador da classe 2018) e o armador Tre Jones (melhor da posição da classe 2018).

Williamson falou as suas razões para escolher o Blue Devils.

Williamson é um jogador que sabe utilizar muito bem o corpo para finalizar as jogadas. Além disso, ele possui boa mobilidade e agilidade para executar jogadas próximas à cesta. O ala-pivô é dotado ainda de um excelente QI defensivo, tem um bom controle de bola para alguém da posição, seu trabalho de pés chama a atenção e ele é capaz de criar para os companheiros.

Zion tem um arremesso de média distância confiável e é eficiente finalizando jogadas no pick and roll. Apesar de ser considerado baixo para a posição 4 (1.98m), ele é forte fisicamente e mentalmente, e tem um ótimo timing para pegar rebotes, dar tocos e roubar a bola dos adversários.

No time em que joga, Williamson sofre por não ter companheiros tão bons quanto ele. Então, ele acaba tendo que ser o criador de jogadas e o cestinha da equipe. Além disso, ele vem ajudando demais a Spartanburg Day nesta temporada, chegando a colocar o time na liderança do estadual.

Na última temporada, ele teve médias de 36.1 pontos, 12.5 rebotes, 2.9 assistências, 1.6 roubo de bola e 2.0 tocos, em 23 jogos disputados.

Mas vale dizer que Zion precisa melhorar o trabalho com as duas mãos, pois sempre tem a tendência de utilizar o lado esquerdo (por ser canhoto) para finalizar. Os seus arremessos de média e longa distância precisam ser aperfeiçoados e utilizados em quadra para que ele possa ter mais armas ofensivas.

Uma coisa é certa. Zion Williamson tem tudo para fazer um enorme barulho no basquete universitário. E Duke, ao recrutar os três melhores prospectos do high school, já larga como a grande favorita da próxima temporada.

Felipe Souza
Felipe Souza
Felipe Souza é o criador do site HSBasketballBR e co-criador do Live College BR. Ele escreve para o site americano D1Vision. Faz trabalho de Scout nas horas vagas e acredita que o estudo diário do basquete, faz dele um profissional melhor.
  • Jonas Kahnwald

    Duke pode ter 4 dos 5 melhores jogadores do Draft, acho que nunca vi isso

    • Rildo do basquete.

      Eu tbm nunca vi esse tipo de barbaridade kkkkk esse Zion Joga demais, apesar de achar que ele é mais um SF, na NBA vai sofrer com a altura.

    • Cedi LeBrOSMAN

      Acho q o record mais perto disto, aconteceu com Kentucky (já com o Calipari). Maior quantidade de jogadores de uma mesma Universidade sendo escolha de loteria.
      Tenho quase certeza q foi naquele Draft de 2015, q teve Towns, Willie Cauley Stein, Trey Liles e Devin Booker todos saindo até a 14ª escolha.

  • Cedi LeBrOSMAN

    Ou a NBA muda a regra do One and Done, ou então essas seleções melhores jogadores em apenas uma equipe irá continuar.
    Essa equipe de Duke deve ter potencial para ser tão dominante quanto aquele time de Kentucky, q tinha Anthony Davis, MKG, Terrence Jones, Marquis Teague.
    SLC! Os 3 melhores prospectos de 2019 juntos, na msma equipe.

    • reggiemiller31

      Concordo, inclusive no inicio da temporada já se falava q a tendência disso acontecer era cd vez maior. Muitos jogadores q participam das seleções americanas de base teriam interesse de jogar juntos por um ano, tentar ser campeão e tchau.

  • Alan Cleber Knickerbockers

    Até no universitário tem panela. Ainda bem que o fato de selecionar muitos prospectos 5 estrelas não é sinônimo de títulos. Nessa temporada Kentucky selecionou 6 jogadores 5 estrela e tá deixando a desejar, perante a expectativa que criou. Não adianta trazer os melhores do HS e montar um time sem experiência, pois no final isso conta também.

  • Surpresa para mim seria ele ir para Clemson, sei que os vínculos com estados/cidades e instituições tem um peso na escolha da equipe, mas creio que o critério final deva ser qual o melhor programa, e qual dará mais oportunidades para se destacar e evoluir, nesse sentido Duke, Kentucky e North Carolina se sobressaem sobre as demais opções.

    • Mas vem sendo uma tendência dos melhores prospectos buscarem universidade em que brilhem sozinhos.

      • O que tem sido uma péssima escolha se o atleta tem o mínimo interesse no título nacional, Simmons e Fultz brilharam sozinhos mas nem chegaram perto do March Madness.

        • Não acho que esses jovens tem esse objetivo. O foco hoje é ir o mais cedo possível e na melhor posição possível para a NBA. É muito dinheiro envolvido entre as posições do draft. Arriscar ir para um programa melhor, mas perder espaço, pode significar milhões de dolares.

          • Marcos Gordinho

            Mas também pode significar chegar mais “verde” na liga. Têm sido comum Rookies da NCAA chegarem na NBA badalados mas sem o devido preparo físico-técnico para impactar na liga. Resultado quando surgem de fato para a liga já se foram 3 ou 4 anos de e uma primeira renovação de contrato péssima, sem contar a falta de visibilidade para ser preterido por contenders, que consequentemente pagam melhor e podem disputar títulos. Há exceções, mas na absoluta minoria.

          • Olha o caso do Bennet, para falar de um extremo. Ninguém garante que se continuasse na universidade teria, de fato, evoluído. Foi para NBA, ganhou cerca de 30 milhões de dolares.

          • Alan Cleber Knickerbockers

            Faz sentido. Nos últimos anos alguns prospectos 5 estrelas encheram os olhos para jogar em Duke e Kentucky e sofreram pela falta de espaço em suas equipes, consequentemente tiveram que se transferir de falculdade. De cabeça lembro do Derryck Thornton e Chase Jeter de Duke e Marcus Lee de Kentucky. Chegaram badalados na NCAA, mas sofreram com a falta de espaço e visibilidade em suas equipes.

  • Igor

    Zion, RJ Barrett (o cara que com 17 anos liderou o Canadá no mundial sub19, metendo 38 pontos na semi final contra os EUA) e Cameron Reddish, ce é loko!

    Grayson Allen vai sair, Bagley provavelmente vai sair.

    Trevon Duval, Wendell Carter e Gary Trent possivelmente vao sair também.

    Tomara que esse time não fique muito overpower, apesar de eu torcer pros Blue Devils

  • Vinícius Maia

    Ala-pivô com 1,98 m? Isso vai prestar quando ele for para a NBA? Acho que até num time de Small ball forte, 1,98 m é muito baixo para jogar de PF. Talvez seja a hora de trabalharem ele para ser, pelo menos, um ala

    • Alan Cleber Knickerbockers

      Sem querer fazer comparações, mas apenas comentando o quesito altura. Charles Barkley também tinha 1,98 e era um ala-pivô. As vezes o cara é tão forte que consegue compensar a falta de altura para a posição.

  • Lucs

    Chega na NBA, vira um Wiggins da vida, que não fede e nem cheira kkkkk. Wiggins era o considerado o melhor prospecto depois de LeBron, e hj vemos que era MTA Midia pra ele rsrs. Tomara que Zion não seja uma decepção igual ao Wiggins

  • Felipe Rodrigues

    Q decisão estranha a desses garotos de jogar juntos, a chance deles se mostrarem e garantirem uma escolha alta no draft, e ao invés disso foram jogar juntos e dividir a bola.

  • TRUETHIAGO

    Achei que fosse escolher Clemson, além de toda essa relação particular e geográfica, vale destacar que eles estão fazendo uma temporada surpreendente esse ano, a despeito de não terem muita tradição no basquete universitário. Enfim, mas não dá para condenar a escolha dele, Coach K dispensa comentários.

    Duke de fato monta um timaço, porém como já foi comentado isso não é garantia de que será campeão. Estamos falando de jogadores de 18/19 anos, por mais talentosos que sejam, naturalmente ainda estão em formação.