Ex-médico do Jazz critica atitudes de Deron Williams em sua passagem pela franquia

Escolhido na terceira posição do draft 2005 pelo Utah Jazz, o armador Deron Williams alternou grandes momentos em quadra e grandes polêmicas fora dela em seu período em Salt Lake City. Presente no time ideal de novatos em 2005-06 e nos segundos melhores quintetos das temporadas 2007-08 e 2009-10, o jogador entrou em rota de colisão com o técnico Jerry Sloan, e a problemática resultou na troca de Williams para o então New Jersey Nets, e na aposentadoria de Sloan.

Aposentado após passar 36 anos no Jazz, o médico Lyle Mason foi entrevistado pela jornalista Laura Thompson, do Salt City Hoops, e não deixou de criticar as atitudes do armador enquanto jogador do Jazz.

“Deron era o oposto do Stockton, não conseguia aceitar o treinador chamando qualquer jogada. Ele queria chamar todas as jogadas. Nunca vou entender porque aquilo era tão importante. Se o técnico chamasse uma jogada, ele realizaria outra”, disse Mason. “Deron simplesmente decidiu que não precisava ser treinado, e o Sloan pensava o contrário”.

Contratado quando a franquia era sediada em New Orleans, Mason viu de perto os grandes times do Jazz entre as décadas de 80 e 90, além de ter acompanhado a escolha da direção por recrutar Williams, e não Chris Paul, no draft 2005. Para ter Deron, o Jazz enviou duas escolhas de primeira rodada para o Portland Trail Blazers. Mesmo com as críticas ao ex-armador da equipe, Mason foi só elogios ao lembrar da seleção de Deron.

“Quando ele chegou, era um jogador muito habilidoso, e o Sloan decidiu por ele por conta da altura, força e resistência. Quando ele começou a jogar, foi extraordinário. Porém, o conflito de personalidade entre ele o técnico deixaram a convivência dos dois impossível”, explicou Mason antes de comparar novamente Williams com Stockton. “John e Karl se adaptaram ao estilo do Sloan porque tinham um tremendo respeito por ele. Talvez, Deron não tinha esse respeito”.

Durante seus seis anos em Utah, Deron teve médias de 17.3 pontos, 9.1 assistências e 3.2 rebotes, e foi selecionado duas vezes para o Jogo das Estrelas. Com Sloan, foram 278 vitórias em 464 partidas.

  • TRUETHIAGO

    Essa queda de braço entre ele e o Jerry Sloan pegou muito mal mesmo. Eu até gosto de jogadores com personalidade, mas quem manda é o HC. E não estamos falando de qualquer um: Sloan está entre os melhores da história (apesar de nunca ter sido campeão)

  • Michel Moral

    Basta a gente analisar em que se tornou o Deron para a gente ver quem tinha razão na época, se era o jogador ou o técnico.

    Basta a gente comparar as carreiras de Stockton e Deron para a gente ver quem realmente se deu bem.

    John Stockton não era brilhante como Magic Johnson, talvez não tivesse a destreza do Isiah thomas, não era um grande arremessador como Jerry West, mas eu acredito que tenha sido o armador mais seguro de todos os tempos. Aquele jogador que técnico nenhum põe defeito. Em números o cara também não deve nada para os nomes mais badalados, simplesmente o maior em assistências e roubos de bola.

    E não foi só no Jazz que Deron foi displicente. Ele continua sendo um profissional questionável até os dias de hoje. O pior de tudo é que potencial ele tinha de sobra.

    • Michel Moral

      “Potencial ele TINHA de sobra”, eu coloco no passado porque é muito difícil acreditar que agora com 31 anos o cara vai acordar para a vida e jogar aquilo que deixou escapar no melhor momento de um atleta profissional, entre seus 28 e 32 anos.

  • JoaoFJ

    Menino Charmoso

    • GabrielSouza28

      KKKKKKKKKKK

    • Matheus Oliveira

      ET Bilu é você ?

    • DamonHeat

      para quem diz que dinheiro trás beleza.

  • Lucas Ottoni

    O típico caso do jogador que acha que joga muito mais do que realmente joga. Fracassou ao tentar ser o líder do Jazz (se achando acima, inclusive, do Sloan), fracassou tbm no Nets e agora chega ao Mavs como um veterano em fase descendente na carreira. Se ele se enxergar como mais um para ajudar o time de Dallas, pode até dar certo. Mas se vier com o mesmo pensamento de que é O CARA (e ele não é e nem nunca foi, embora tenha mostrado grande talento, principalmente em Utah), irá fracassar no Texas tbm. E eu acho que, pela idade, o Deron não tem mais tempo e nem direito de fracassar novamente.

    • Foi um bom jogador, mas não tão bom quanto ele pensava ser, e passando dos 30 com todas as lesões que ele já teve no tornozelo ele dificilmente voltará a ser o que foi, o problema é que o próprio não reconhece isso, em seu último ano de Nets mesmo, ele preferia fazer o difícil ao invés do fácil, se não reconhecer suas limitações atuais, dificilmente dará certo.

  • Anderson Tomás

    Lamentável. Tinha basquete para ser um futuro HOF. Em 2008 tinha tanto basquete que chegou a declarar nos EUA que era o melhor armador do mundo, e ninguém o contestou por esta afirmação. Habilidade, explosão, força física ( que sempre o ajudou no seu jogo defensivo), agilidade etc… Agora vemos um cara totalmente decadente chega dar tristeza.
    Não sei se o Mavs era a melhor escolha pra ele. Apesar de Mark Cuban ser um bom “papai”, os Mavs já tem a sua cota de velhinhos… e muito respeitados por sinal.