Guru de jovens talentos da NBA encara desafio de “reconstruir” arremesso de Fultz

Você pode não conhecer Drew Hanlen, mas ele está em alta nos bastidores da NBA. O treinador particular tornou-se uma espécie de guru para jovens talentos da liga – com uma relação de clientes que inclui Joel Embiid, Bradley Beal, Jayson Tatum, Mo Bamba e R.J. Barrett (provável primeira escolha do próximo draft). O currículo “pesado” levou-o, nas últimas semanas, a assumir o maior desafio de sua carreira: tentar reconstruir o arremesso de Markelle Fultz.

“Basicamente, cheguei para Markelle e fui eu mesmo: disse que ele me faria ficar realmente famoso e ganhar bastante dinheiro quando arrumasse seu arremesso. Além disso, tinha uma boa notícia: se desse errado, já não dava para piorar. Nós demos risada e foi com essa pegada bem-humorada que tudo começou. Mas, na hora em que entramos no ginásio, é muito trabalho duro por horas diariamente”, contou o técnico, em entrevista ao podcaster Daniel Schmidt.  

A mudança drástica na mecânica de chute de Fultz é um dos maiores mistérios da NBA atual. Um dos melhores arremessadores da última classe, a primeira escolha do draft do ano passado apresentou-se ao Philadelphia 76ers com uma sofrível forma de tiro – que, após vários rumores, foi creditada a uma lesão no ombro. O jovem perdeu mais de 60 jogos da temporada regular e, embora recuperado, não conseguiu voltar a arremessar de modo minimamente normal.

“Obviamente, Markelle teve um dos mais fantasticamente documentados casos de apagão no basquete recente. Ele simplesmente esqueceu como se arremessa e já diagnostiquei múltiplos tiques que prejudicam sua mecânica. Então, eu olho para uma situação assim e encaro como uma missão pessoal: como posso ajudar esse garoto, um talento incrível e primeira escolha de recrutamento, a voltar ao ponto em que estava na carreira?”, explicou Hanlen.

O desafio é maior do que parece: mais do que ensinar Fultz a lançar uma bola para cima, o treinador faz um trabalho de análise minucioso para detalhar cada mini-ato que envolve a ação de arremessar. Esse conjunto rápido de movimentos não deve ser só natural e fluido, mas também precisa respeitar o conforto físico de um atleta que acaba de recuperar-se de uma lesão no ombro. É um processo bem complexo, mas que Hanlen garante estar evoluindo muito bem.

“Nós estamos trabalhando para rememorar o seu corpo e músculos, trazer de volta aquela leveza e fluidez em sua mecânica. E, no momento, o que posso dizer é que estamos muito à frente do prazo que havia estipulado. Eu pensei que iria demorar, pelo menos, seis semanas para que a gente desenvolvesse uma forma trabalhável e, na verdade, começamos a realizar arremessos saltando já na segunda semana”, revelou o ex-jogador da Universidade de Belmont.

Fultz está à frente do prazo, mas Hanlen o vê longe de estar pronto para jogar. Ele garante, porém, que a torcida do Sixers pode esperar um jogador novo e motivado na pré-temporada. “Seu arremesso ainda não está perfeito, mas estará em alguns meses. Markelle vai voltar a mostrar seu melhor e todos lembrarão porque ele foi a primeira escolha do draft – por mais que eu diga-lhe na cara, antes de cada treino, que acho Tatum melhor que ele”, finalizou o técnico, com um toque do bom humor que marca sua relação com o armador.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Marco Antônio DE Paula

    Muitos torcedores dos Sixers consideram que o Fultz tem um teto maior que o Tatum para ser um jogador de grande destaque na NBA. O problema é que o Tatum já passou em seu teste e o Fultz ainda não. Temos que ver até quando vai a paciência do Sixers com essa recuperação do Fultz. Existem muitos rumores que ele pode ser envolvido em alguma trade da franquia.

  • Renato

    Acho que não cabe mais qq comparação com o Tatum, não é toda hora que surge alguém que bate diversos recordes como calouro da franquia mais vitoriosa da NBA.
    Fultz tem muito talento, mas essa mecânica de arremesso tem que evoluir realmente, é outra coisa importante é a confiança em seu jogo, não gosto das expressões dele, falta firmeza no olhar.
    Em relação ao Sixers negociar ele é um absurdo, vc não pode oferecer 1 escolha de loteria e perder um talento como o Tatum e logo depois negociar o cara que foi o motivo disso, e dar um tiro no pé e se sou o dono da franquia mando embora o responsável pelo negócio. Se acreditavam nele, apostem pelo menos mais 2 temporadas para ver se ele recupera seu jogo.

    • Marco Antônio DE Paula

      O problema é os ativos que você tem que para oferecer ao Spurs para pegar o Kawhi. Não adianta querer dar uma de Lakers e tentar pegar o Kawhi na vontade do cara. Os spurs vão em busca dos melhores ativos. Mas acho uma troca perigosa, pois o Kawhi tem apenas mais um ano de contrato, e futuramente pode deixar os sixers na mão.

    • Erick

      O Drew Hanlen treina o Tatum desde que ele tinha uns 13 anos de idade. O que ele quis dizer na entrevista é que já na época do Draft, na opinião dele, o Tatum era o melhor prospecto.

  • Henrique Silva

    o sixers já poderia fazer um pacotão e colocar o menino Simons para aprender arremessar tbm… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Everton

      Isso que eu pensei kkkk. Mandava logo o Simmons pra lá

    • Adson Silva

      Já que ele tá treinando atletas até pré draft creio que o jogador é que paga.
      Porque uma franquia pagar pra ele treinar uns e não outros seria meio injusto a meu ver.

  • Hugo

    Fultz é um talento fantastico. De sua classe, o maior com potencial ofensivo (obviamente, Ball, Tatum e DSJ são melhores defensivamente). Fazia de tudo, e muito bem – um protótipo de combo guard fantástico. E tinha o mais belo arremesso entre os prospectos do draft passado.

    Infelizmente aconteceu algo muito grave e, não só para o bem do Sixers, como o do basquete, espero que ele volte a arremessar novamente. Ele é um cara que se aproxima demais do Brandon Roy (sim, aquele do PTB) e com misto do Harden.

    Caso ele se recupere e torne-se o jogador que todos esperam, o teto do Sixers fica ainda mais absurdo. Talvez o segundo ou terceiro SG com maior potencial da liga (abaixo dos 22) ao lado de dois caras já hoje fantasticos.

    • Marco Antônio DE Paula

      O que eu questiono nos Sixers é que já falavam que o Fultz Tinha esse problema antes do Draft, mesmo nos tempos de universidade. Ele entrou no Draft com esse problema físico. Rumores afirmam que o Celtics já sabia disso, e assim sendo partiu para o Tatum. Fultz treinou em Boston. Então como os Sixers não sabiam disso? Seria uma aposta calculada? Mesmo caso do MPJ, apesar que o problema do MPJ é bem mais complicado.

    • Renato

      Então como torcedor do Celtics pensava a mesma coisa na época, todos ficamos revoltados com a troca, até que vi uma entrevista do Ainge onde ele disse que monitorava o Tatum a muitos anos e que todos os scouts da equipe eram a favor da trade, e que se não tivessem o Tatum disponível ainda assim fariam outra escolha. Nessa hora ficou claro que o Fultz tinha alguma coisa errada que chamou a atenção de todos. Será que era a lesão no ombro? O problema de mecânica de arremesso? Falta de atitude? Enfim ainda acho ele um jogador de potencial, mas não espere que seja o Fultz da NCAA, aquele foi um cavalo de Tróia.

  • Yan

    Seria muito ruim para os Sixers trocar ele com apenas uma temporada.

    • Thiago Pinto

      Se for pra trazer o Kawhi tem que mandar sem pensar. (Claro, considerando um papo com o Kawhi pra ele considerar uma renovação na FA)

      • Yan

        Duvido que convençam ele, o bicho quer pq quer jogar em L.A.

        • Vitor Martins

          PG também queria e está prestes a renovar com OKC e o Spurs já disse que não vai negociar ele com nenhum time do Oeste. Dizem até que nem escutaram proposta do Lakers.

      • Gustavo

        Aí o Kawhi chega e esquece como é que se marca no um contra um, hehehe

  • Gustavo – #LeBronGOAT

    Se melhorar o arremesso vai estourar, pq o Ball Handling ta em dia…
    https://twitter.com/NBAdoPovo/status/1010996979881725952

  • Vinícius Maia

    Cara que história mais estranha essa de que ele esqueceu sua mecânica de arremesso. Alguém já ouviu falar de algo parecido? Nunca ouvi falar de nada do tipo. Treinei basquete dos 13 aos 16 anos, depois disso passei alguns anos jogando apenas peladas algumas vezes. Com 25 anos, depois de quase um ano sem encostar numa bola de basquete, eu joguei uma pelada e “lembrei” da minha mecânica. Como que um cara que jogou a vida inteira esquece? Isso não entra na minha cabeça

    • Thiago Tecachuk

      Não é que esqueceu, mas uma lesão envolvida sempre dificulta o processo, você já se machucou alguma vez? Por exemplo eu machuquei o ligamento do joelho, eu fiquei um bom tempo sem conseguir usar muita força com a perna, mesmo depois de curado, o cérebro acaba fazendo essas compensações.

      • Vinícius Maia

        Entendo. Não tinha olhado por esse lado, mas faz sentido. Eu rompi os ligamentos do tornozelo quando jogava e entendo essa “compensação” que vc citou. Eu consegui me recuperar depois de uns quatro meses, mas me lembro que dois anos depois, ainda tinha a sensação de que meu tornozelo nunca mais seria o mesmo e sempre rolava um receio de uma nova lesão no local.

        Olhando por esse lado, realmente é compreensível que uma lesão séria no ombro comprometa a mecânica do arremesso. O corpo parece criar uma defesa para que o problema não volte a acontecer.

    • Flavio Cristiano Saldanha

      Bem, meu caso é bem diferente do dele, até por que não sou nenhum astro, mas fiquei sem treinar um bom tempo, ai veio a perda da forma fisica e tal, notei que “esqueci” a mecânica do meu arremesso, não sei o que falta, mas sei que to arremessando totalmente diferente de antes, isso pode acontecer, até pelo fato pscicologico.

    • Erick

      A esposa do Colangelo ou o próprio Colangelo disseram naquelas contas fakes que o ex-treinador pessoal do Fultz, que também era uma figura paterna, colocou essa história de mudar o arremesso na cabeça dele.
      Durante o treinamento ele fez o Fultz arremessar deitado no chão e sentado em uma cadeira até criar uma memória muscular. Aparentemente o que passou despercebido era que: a) o treinamento era uma merda; b) em algum momento o Fultz lesionou o ombro; c) e a repetição do treinamento foi piorando a lesão.

      Além dos mais, segundo essas contas fakes, o Fultz passou por algum tipo de trauma que não foi e nunca seria divulgado para imprensa.

    • TRUETHIAGO

      Como comentei ali em cima, os tais dos “yips” existem, embora seja raro no basquete. Pelos relatos, trata-se de um problema mais psicológico do que propriamente físico, apesar de poder ser desencadeado a partir de algumas lesões, um disturbio neurológico, eventos traumáticos, nervosismo.

      http://www.peaksports.com/sports-psychology-blog/how-do-you-know-if-you-have-the-yips/

      O caso mais conhecido disso em relação a NBA é o do Nick Anderson, ala do Orlando na década de 90. Era um bom jogador, arremessava bem, chegou a fazer temporadas beirando 20 ppg, etc. No Jogo 1 das Finais de 95, a poucos segundos do fim, o Magic liderava por 3 pontos. Fizeram falta nele e ele erra os dois lances livres (tinha cerca de 70% de aproveitamento), mas ainda consegue pegar o rebote e sofrer um nova falta… E ele erra ambos novamente, 4 seguidos! Na posse seguinte, o Kenny Smith mete uma bola de 3, leva a partida para a prorrogação e vence – Houston foi campeão varrendo aquela Serie. Ele ainda jogou mais alguns anos em Orlando, porém nunca mais foi o mesmo jogador, inclusive em uma dessas seasons posteriores ele terminou com um aproveitamento de 40% nos FT.

  • O que o LaVar está esperando para contratar esse cara? haha.

    • MICHAEL JORDAN 23 #GOAT

      né? o BALL precisa de um cara assim pra melhorar seu arremesso, mas tomara q o FULTZ melhore e volte bem, coitado do moleque já perdeu bastante tempo fora das quadras.

    • Tiagão

      Ball arremessando bem vira um baita jogador. Coloca logo o menino pra treinar

      • Marcos Gordinho

        Isso! Quem sabe em 2 anos aquela mecânica horrível mude.

      • Pois é, ele surpreendeu positivamente na defesa na temporada passada, se melhorar o arremesso e conseguir fazer 12-15 pontos com um mínimo de 40% de aproveitamento já está ótimo, ele não é um pontuador mesmo.

  • Rubem Figueira.

    Roco antes de renovar tava jogando muito…e ele defende demais…tava sendo importante demais a gente nao precisaria de um SF …Tatum seria um desperdicio no nosso time…pessoal fala que Ainge é Genio etc etc mais Tatum era muito bem cotado no draft e teve tb problemas de lesoes perdeu muitas partidas…ele apenas pela parte da lesao era tb uma aposta…parem com essas comparacoes…os times pegaram o que precisavam…Fultz teve uma lesao no ombro ..ele nao esqueceu a mecanica…eu tenho problemas no ombro é uma dor terrivel..Fultz tem muito potencial mesmo com essa mecanica ruim pos lesao ainda fez um triplo duplo…ele tem muito potencial é jovem e vai ser um otimo encaixe pra nos.

    • Marco Antônio DE Paula

      Dizer que Tatum seria desperdício nos Sixers é forçar barra. Tatum tem vaga tranquilo nesse time dos Sixers. Quando o cara é bom, você arruma espaço pra ele no time. Claro que não existe bola de cristal, mas se esse problema do Fultz tivesse sido descoberto antes do Draft, Tatum seria a escolha dos Sixers.

    • Guilherme

      Tatum não seria um desperdício em nenhum time da NBA. É um grande talento e tem tudo pra evoluir consideravelmente na próxima temporada. Fultz é um grande talento também, e seria muito oportunismo afirmar agora que os Sixers erraram na escolha. Tomara que o moleque fique 100% logo e volte a arremessar como nos tempos de college.

      • João Víctor Matos

        Acho que o que ele quis dizer é que hoje em dia as pessoas criticam a escolha do 76ers quando na época era o melhor fit, o melhor talento disponível e a escolha óbvia por todos exceto o Ainge que já tinha a predileção pelo Tatum. Ele seria um “desperdício” no 76ers no sentido de que não teria tanto espaço quanto o que teve no celtics já que a posição 3 e 4 titulares já estavam consolidas. Mesmo assim claro que ele teria suas chances e poderia ate tirar a titularidade de um deles pelo talento qur demonstrou no celtics onde tambem deu “sorte” de Marcus Morris e Hayward se machucarem o que abriu ainda mais espaço para ele brilhar.

  • Sem jogar nem perto do que poderia, já é o jogador mais jovem da história a conseguir um TD. O futuro desse cara é brilhante, é apenas uma questão de confiança.

  • Michel Moral

    Penso que ninguém se esquece de como faz. É igual andar de bicicleta. O Oscar Schimidt fez até cirurgia para tirar tumor na cabeça e ainda foi para o all-star weekend meter suas bolinhas.

    Agora, se o Fultz tem um problema psicológico, aí é outra história. Isso tem que ser tratado como doença, tal como a gente trata o Chris Bosh por ter coágulos no joelho, o problema crônico do Yao Ming no pé, entre outros casos.

    No entanto, me custa muito compreender que um jogador se lembra como fazer uma bandeja e não se lembra como arremessa. Sei que o cérebro humano é cheio de mistérios, mas seria o mesmo que afirmar que uma pessoa se lembra como comer com garfo, mas esqueceu como se usa a faca.

    Resumindo, ou você tira o cara de ação porque ele tem um PROBLEMA, ou você tem que começar a acreditar em ET e que a profecia do Nostradamus vai se concretizar e o mundo vai acabar…

    Outro ponto é a questão do treino. Se estão tratando como um problema da cabeça, que não se confunda com treino. Joguei basquete por 10 anos e agora estou há uns oito anos sem encostar em uma bola de basquete, mas se me derem uma bola eu sei muito bem como arremessar. Posso errar, pois isso é falta de treino, mas uma pane a ponto de eu fazer um arremesso torto… JAMAIS!

    • Erick

      Quando ele diz que esqueceu como se arremessa ele se refere a mudança brusca e completamente errada da memória muscular de arremesso dele.

      Copiei um comentário que escrevi abaixo:

      A esposa do Colangelo ou o próprio Colangelo disseram naquelas contas fakes que o ex-treinador pessoal do Fultz, que também era uma figura paterna, colocou essa história de mudar o arremesso na cabeça dele.

      Durante o treinamento ele fez o Fultz arremessar deitado no chão e sentado em uma cadeira até criar uma memória muscular. Aparentemente o que passou despercebido era que: a) o treinamento era uma merda; b) em algum momento o Fultz lesionou o ombro; c) e a repetição do treinamento foi piorando a lesão e piorando ainda mais a mecânica de arremesso.

      Além dos mais, segundo essas contas fakes, o Fultz passou por algum tipo de trauma que não foi e nunca seria divulgado para imprensa.

      • Michel Moral

        Cara, isso é muito grave para não ser divulgado ou colocado às claras.

        Eu joguei com muita gente. Mesmo o treinador falando como o fulano tinha que fazer o arremesso (a mecânica ideal, sem encostar a palma das mãos na bola, a vertical do braço, onde começa e termina o movimento), nunca vi um cara mudar o próprio arremesso porque alguém falou que não pode ser assim. Você pode até melhorar o arremesso, mas a estrutura não muda.

        A resposta é simples: é desse jeito que você sabe fazer a bola cair. E se não fosse uma verdade, o Stojakovic jamais teria chegado à NBA.

        Se ele mudou o arremesso (ainda que com a mecânica feia), não importa, desde que ele esteja fazendo o melhor para a bola cair. Agora, se ele mudou o arremesso nessa altura da vida porque alguém o “obriga” a fazer isso, mesmo não garantindo que a bola caia… Perdão… Ele é um completo imbecil.

        Entretanto, se a questão é psicológica, então ele tem uma doença, precisa se tratar e sequer pisar em uma quadra de basquete enquanto não estiver 100%.

        Porque essa história de ele conseguir meter um TD, ter um ball handle como postaram aqui num vídeo, mas não se lembra como arremessa, esquece… Eu juro que prefiro ir até a Finlândia certificar se Papai Noel existe ou não.

        • Erick

          Eu concordo plenamente que isso tudo deveria ser divulgado, mas o Sixers como organização preferiu deixar a bagunça dentro de casa.

          As informações que temos é essa, treinador pessoal dele desde pivete, que era como um pai, o aconselhou errado até foder toda a sua memória muscular e o lesionar. E isso começou a ser feito logo após o final da temporada da NCAA.

          Mesmo sendo algo absurdo e grotesco, não podemos achar que um moleque humilde de 18 anos e muito mal assessorado, terá a nossa experiência de vida. Acho até natural, nesse caso, ele ter tido confiança total no treinador e só ter percebido a bosta que estava fazendo quando era tarde demais.

          • Michel Moral

            Eu sei que você não está argumentando e colocando sua opinião, então minha resposta não é duvidando de você, mas da informação que você trouxe, Eick.

            Eu só acreditaria nessa história, se ele fosse criado em uma espécie de laboratório. Ainda mais nos EUA, que você joga (como o futebol aqui), em cada rua uma tabela de basquete… Cara, você se mistura com colegas, joga na periferia, joga no High School…

            Se o garoto tivesse 5 anos, tudo bem. Agora, passou dos 12, 13 anos… Impossível! Mecânica de arremesso é individual e ninguém muda. É igual a forma como come, a forma como segura o lápis para escrever… Você pode até incomodar os outros por isso, mas é assim que você sabe fazer. É PESSOAL.

          • Vitor Martins

            Michel, mecânica de arremesso se muda sim. Professor Paulo Murilo, que tem um blog técnico interessante, já disse várias vezes em como “corrigir” o arremesso de alguém. Mas isso na idade de formação do atleta. O Spurs até chegou a mudar a mecânica de lance livre do Splitter já mais velho, mas confesso que isso é muito raro e me lembro poucas vezes. Lonzo Ball é um cara que, pelo baixo aproveitamento, deveria ou treinar muito ou realmente tentar mudar a mecânica. Agora, no restaurante eu assino em tudo que você falou. Pra mim a história mais estranha que eu já vi. Gostaria de um post com imagens mostrando a forma como ele arremessava na NCAA e como arremessa na NBA. Como de fato mudou? Do jeito que a história é contada parece apenas que é uma desculpa e que o arremesso (talvez até por questões psicológicas) simplesmente não é bom em alto nível.

          • Michel Moral

            Sim, Vitor. Claro que pode mudar, mas desde que o próprio jogador se sinta confortável e o seu arremesso passe a cair com a “nova” mecânica.

            A questao do Splitter foi melhorar algo que era ruim. Uma boa mecânica poderia ajudá-lo a fazer uma coisa que ele executava muito mal.

            Agora, ninguém vai mudar o arremesso que era bom, como é o caso do Fultz. E Mesmo que fosse ruim, a mecânica não era o problema. Só que de repente o cara voltou arremessando como se nunca tivesse pegado em uma bola de basquete.

            Outro exemplo de mecânica de arremesso ruim são (além do já citado Stojakovic), é o do Kevin Garnett. Principalmente no começo da carreira, ele ia com a bola atrás da cabeça… Quase na nuca… Parecia que ia “tijolar”. Mas caía, né?!

            Melhor um arremesso errado e feio que cai, do que um lindo e perfeito que dá aro.

          • Erich Zager

            Acompanhei os posts e, como alguém que jogou esse esporte desde a infância, tem certos aspectos que devem ser levados em conta nessa questão do Fultz.
            Existe uma diferença entre uma um arremesso “feio” (Peja, Marion – Garnett é dos menos feios até) e uma mecânica ruim (Lonzo).
            Por mais que fossem feios, os 3 executavam as fases do arremesso sem falhas, com um bom release da bola, bom follow through e é por isso que eles matavam bolas.
            Já outros casos, além de feios, são de arremessos que possuem falhas. Como é o caso do Lonzo, cujo arremesso é torto ou broken, como eles falam nos EUA. Ele não arremessa para a frente como é o correto, mas a bola vai numa diagonal da esquerda para a direita. (Caso se interesse, o Arenas explica passo a passo como isso ocorre no Out of Bounds).
            Voltando ao Fultz. Rolou uma queda de braço com o time e agora “arrumar” o arremesso dele virou uma obrigação desse dito “guru”, que tá se saindo como um belo dum comédia.
            Logo que ele retornou da lesão, por uma questão que ocorre em todos os esportes e com todos os atletas, o Fultz relatou que estava sentindo dificuldade pra arremessar e o staff dos Sixers falou “calma, jovem, isso é natural. Você não tem sequelas da cirurgia e não há restrição de movimentos. Aos poucos você ganhará confiança e voltará a arremessar normalmente como antes.”
            Sem falar com o Staff dos Sixers ele procurou esse dito “Guru” e ai começou a treta.
            Ao invés de trabalhar nos erros que o Fultz estava fazendo ao arremessar, o “Guru” resolveu “força-lo” a arremessar como uma mecânica nova, jogando no lixo anos de memória muscular que certamente ele voltaria a utilizar novamente.
            A maior prova de que ele não possui restrições e não precisaria mudar sua mecânica foi quando apareceu em vídeos dando enterradas e fazendo movimentos que exigem muito mais do seu ombro do que o arremesso.
            Quem acompanha a NBA já viu um monte desses “gurus do arremesso” aparecendo e até hoje não vimos nenhum milagre acontecer nesse sentido.
            Ao que parece, o Fultz vai investir em um jogo baseado em muita penetração e distribuição de bolas, arremessando pouco. Jogando bem dessa forma acabarão essas polêmicas sobre o arremesso e ele poderá focar no que importa.

  • TRUETHIAGO

    De fato é uma das histórias mais esquisitas que eu já vi desde que acompanho.

    O termo que o Hanlen utiliza para justificar é o tal “yips”, que aqui no texto acho que traduziram como apagão (ou tiques). Neste caso realmente existem alguns precedentes esportivos, porém é mais comum em atletas de outras modalidades, existindo registros de golfistas, tenistas, arremessadores de basebol, etc, que seja por lesão, ansiedade, algum trauma mental, sofreram digamos essa “perda de habilidade”, ou esquecimento, sei lá; enfim, por algum motivo não conseguiam mais executar movimentos que antes eram automáticos e natuais para eles em seus esportes.

    Mas fico feliz que ele esteja trabalhando duro nisso nessa offseason, tomara que consiga recuperar esse arremesso, pois é um jogador extremamente talentoso. Muito cedo ainda para descartar o moleque, mesmo as trocas que especulam colocando ele no pacote, eu não faria. A não ser que essas mudanças não surtam efeito, aí sim pensaria em trade, pois nesse cenário obviamente o encaixe dele com o Simmons ficaria bastante comprometido, se o Fultz não voltar a arremessar.

  • Marcinho Mueller

    Pergunta ENEM 2018: “Fultz e Leonard estão correndo á 80 KM/hr, os dois caem e se machucam, qual história é a mais esquisita?”

  • Mauro Vitor

    “por mais que eu diga-lhe na cara, antes de cada treino, que acho Tatum melhor que ele”. O cara foi super sincero kkk.

    • Erick

      O Drew Hanlen treina o Tatum desde que ele tinha uns 13 anos de idade.

  • Pedro Franco

    Alguém tem noticias do B. Simmons? Está treinando arremessos?

    • Cerginho- Jornalista diplomado

      Parece que ta evoluindo, vi esses dias ele treinando 3pts, acertou bastante.

  • Francimarques Lakão

    Adrian Wojnarowski
    ESPN
    EuroLeague guard Brad Wanamaker is finalizing a deal to join the Boston Celtics next season, league sources told ESPN.

    https://youtu.be/GvZCZ6jJcP0

    Wanamaker, 28, is committed to joining a Celtics backcourt that heads into the summer unsure about the future of guard Marcus Smart, who will be a restricted free agent.

    Wanamaker completed a strong season in the EuroLeague, where he reached the final four with Turkish power Fenerbache. He was voted second-team all-EuroLeague this season.

    Wanamaker had discussed NBA deals with several teams over the past two years. Wanamaker was an undrafted four-year player out of the University of Pittsburgh in 2011. He has played for seven European teams since leaving college. He is a Philadelphia native.

    Wanamaker played part of a season in the NBA D-League, winning a title with the Austin Toros in 2012.

    Wanamaker has drawn a good deal of NBA and elite European team interest in the past two years.

    • Marco Antônio DE Paula

      Acho que é interessante pro lugar do Anão Larkin.

      • Francimarques Lakão

        Sim

      • Guilherme Petros

        Larkin vai embora?

        • Paulo Sérgio

          Ele é FA

          • Guilherme Petros

            aaaah, valeu

  • Francimarques Lakão

    E Malik Newman no meu Lakão, Go Lakers!!!