Hassan Whiteside perde espaço e luta para evitar frustração no Heat

A atual temporada não tem sido como Hassan Whiteside imaginava. O pivô iniciou a campanha como um dos titulares absolutos do Miami Heat, mas, desde a lesão no joelho que deixou-o afastado até o Natal, perdeu espaço na rotação do técnico Erik Spoelstra para Kelly Olynyk e o calouro Edrice “Bam” Adebayo. O atleta de 28 anos não esconde que, no momento, luta para evitar a frustração.

“É claro que qualquer atleta quer estar em quadra, mas nós vencemos e não posso ficar bravo. Esse é o ponto de jogarmos. Você sempre quer atuar pelos 48 minutos, como um competidor. Às vezes, os técnicos veem as coisas por outra perspectiva e precisam tirar alguém da partida. Então, é complicado”, ponderou o jogador, que não atuou mais de 30 minutos em nenhum dos sete jogos pós-lesão.

E, de fato, o menor tempo de quadra de Whiteside parece estar funcionando para o Heat: a franquia já ascendeu ao quarto lugar do Leste com a nova configuração da rotação. O jogador mais bem pago do elenco pode ficar ainda mais preocupado com sua situação ao notar que só atuou em apenas 21 de 84 minutos possíveis em últimos quartos e prorrogações após o retorno de lesão.

“Hassan ainda está chegando onde quero – e isso não tem nada a ver com questão física. Ele precisa adquirir o hábito de fazer mais pelo time e ser mais consistente. Não vou diminuir minhas expectativas. Já o vejo melhor e com maior atenção aos detalhes nos dois lados da quadra. Tenho certeza de que recuperará e vai merecer seus minutos”, afirmou Spoelstra, soando exigir mais esforço do comandado.

Enquanto tenta retomar o espaço de antes, Whiteside só tem a elogiar a postura de Spoelstra mantendo-o confiante de suas habilidades, potencial e importância. “Erik já me disse para não ficar frustrado com essa situação, que sempre estará ao meu lado e estamos todos no mesmo barco. Ele está orgulhoso de minha evolução, jogo após jogo”, contou o pivô, que possui médias de 13.9 pontos e 11.6 rebotes nesta campanha.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Bruno Macedo

    Essa é a maior virtude do spoelstra, ele não deixa o cara por nome, se tá jogando mal vai pro banco mesmo, e se jogar mal até o terceiro quarto mofa no banco mesmo sem dó, ontem mesmo o olynyk jogou mal o primeiro tempo se não fosse a briga que tirou o JJ ele nem pro jogo voltava mais kkk, só voltou porque o Hassan não iria aguentar jogar os dois últimos quartos inteiro.
    E ontem o Hassan melhorou bastante, dominou muito bem o garrafão mesmo tendo dificuldade pra finalizar as jogadas.

  • Enzo Soares

    Overside

  • Caíque Paro

    Vem pro cavs cavalo, vem ser campeão!!!

  • RL23

    Boa Spo!

  • Spoelstra calou todos os críticos que tinha na época do LBJ.

  • Spo tem sido genial na rotação (mesmo eu não entendendo esse amor todo pelo James Johnson).

    Entretanto, o problema ósseo no joelho é um fator complicado. Hassan vem jogando com uma proteção que dificulta sua mobilidade, e mobilidade já não é uma das grandes virtudes dele.

    Vejo ele ainda como parte importante do sistema do Heat, mas ele não é o FP que ele imagina.

    • JAMnba

      James Jonhson se tornou um jogador de muito bom nível por incrivel que pareça, mostrando habilidades de handle alem de ser o playmaker da equipe por vezes.

      • Que atrapalha a rotação das posições 3/4/5, roubando minutos dos jovens, não arremessa, e não defende bem. Mas ok, se ser um ball handle e playmaker é um requisito para jogar tantos minutos sem fazer nada efetivamente bem, tá certo.

  • Dudu Ferrero

    o cara se machuca toda hora tambem, ai fica dificil ne

  • vsr.snake

    Mesmo problema do Drummond, tem que melhorar o jogo ofensivo, tem horas que parece o Tristan Thompson, debaixo da cesta e com esse tamanho e só consegue acertar o aro.