O Golden State Warriors consolidou uma nova tendência na NBA com a conquista do título da última temporada. Escalando Draymond Green como pivô para virar a série contra o Cleveland Cavaliers, o time comandado por Steve Kerr virou espelho para várias franquias que chegaram à pré-temporada prometendo usar quintetos mais baixos espaçando a quadra. J.J. Redick está de olho na postura dos oponentes e acredita que a adesão maciça à nova forma de jogar pode revelar-se um equívoco para muitos.

“Você precisa ter o material humano ideal para atuar dessa forma. Acho que está acontecendo a mesma coisa de todas as pré-temporadas quando os times dizem que jogarão em um ritmo mais rápido. Se você não tem os jogadores certos para isso, não adianta. Será a mesma coisa com as formações mais baixas”, argumentou o titular do Los Angeles Clippers, em entrevista ao site Business Insider.

Para o ala-armador, o Warriors conseguiu se sobressair e ganhar o título com essa forma de jogar por ter um elenco com características específicas, que quase ninguém mais possui na liga. “O motivo pelo qual podem jogar com formações mais baixas é porque têm Draymond Green. Possuem Harrison Barnes e Andre Iguodala nas alas, que podem marcar alas-pivôs quando necessário. Nem todos dispõem de um plantel com essas opções. Isso só funciona para algumas equipes”, alertou.

Leia mais
“Queria ter enfrentado o Clippers nos playoffs”, ironiza Klay Thompson
Para J.J. Redick, Clippers ainda não está entre favoritos ao título
J.J. Redick: “Estou jogando o melhor basquete da minha carreira”

Exemplos da “inadequação” que Redick acusa já podem ser observados na pré-temporada. O Indiana Pacers, por exemplo, encontra muita resistência do astro Paul George na tentativa de colocá-lo como ala-pivô em uma equipe mais leve. Embora veja situações em que um quinteto mais baixo pode ser eficiente, Redick acredita que o Clippers não possui o material humano para aderir a nova tendência.

“Posso até ver alguns momentos em que joguemos com formações mais baixas, em especial com os reservas. Nós podemos usar Blake Griffin na posição cinco aqui e ali, mas DeAndre Jordan é nosso melhor defensor e reboteiro. Para mim, temos que ter ambos em quadra o máximo possível. Não sei se queremos realmente ficar sem um deles por um longo período nas partidas”, explicou o especialista em arremessos.

Os números parecem suportar a teoria de Redick sobre o Clippers: com os cinco titulares em quadra na última temporada, incluindo a dupla Griffin e Jordan, os angelinos derrotaram seus oponentes por quase 18 pontos de diferença a cada 100 posses de bola. Apenas os titulares do campeão Golden State Warriors formaram um quinteto que atuou mais de 500 minutos na temporada e tiveram maior margem de vantagem sobre os adversários do que os comandados de Doc Rivers.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Otavio

    Não tem como o DeAndre Jordan ser reserva. Garrafão titular é ele e o Blake Griffin

  • RennanLAL

    “Você precisa ter o material humano ideal para atuar dessa forma.”

    “O motivo pelo qual podem jogar com formações mais baixas é porque têm Draymond Green […]”

    JJ Redick foi perfeito! Isso é o que eu sempre falo. O grande fator para o small ball do Warriors é o Draymond Green. Ele consegue marcar o pivô adversário e ainda tem mobilidade pra ser um SF no ataque e arremessar do perímetro.

    Isso era o que acontecia com o Heat também anos atrás, Battier entrava no time e o LeBron jogava de PF com o Bosh de C. Bosh tinha habilidade pra arremessar do perímetro e o Battier desenvolveu um arremesso consistente, ele foi o grande fator naquelas vitórias contra o OKC na final.

  • No Clippers por um periodo longo usar o small ball realmente é complicado, nisso eu concordo com o Redick, mas dependendo de como o adversário tiver atuando, e durante pouco tempo dá pra eles fazerem um small ball do banco com o Pierce jogando na 4 e Smith na 5 por ex., essa formação na pre-season funcionou bem nesse último jogo deles…

  • penisvaldo

    Vi uma reportagem sobre o heat querer jogar no small Ball grande parte do tempo. Acho q isso seria muito ruim. Vai ficar igual era antes, so que o time não tem mais o lebron James. Bosh jogando mais perto da cesta e muito mais perigoso do que saindo pro perímetro toda hora, ele e muito rápido e letal no arremesso de média distância. Small Ball e apenas para warriors.

  • LP

    Todo mundo querendo jogar em Small ball mas o cara que melhor se adapta a esse esquema na liga ta ganhando menos que o Tristan Thompson.Pq ngm ofereceu o máx pro D.Green?

  • Zack Batista

    O prefeito já usava esse sistema qdo era coach no universitário e quer utilizá-lo no Bulls. Acho que funciona e é benéfico sim, mas não na maior parte do tempo de jogo como anda pensando. Ainda acho q as jogadas dentro do garrafão deveriam ser bem mais intensificadas no Bulls, afinal, temos um dos jogadores mais técnicos do mundo na posição, em Pau Gasol; Taj e Portis tbm poderiam ser acionados mais vzs no poste.

    A equipe de Chicago poderia fazer uso desse sistema? Tem as peças necessárias para isso? Sim, poderia. Tem “mão de obra” para este fim. No entanto, é bom que não seja demasiado na sistemática do time. Sendo assim, seria inteiramente necessário uma sorrateira identificação dos oponentes para direcionamento do uso. Embora mostre resultados e avanços, não funciona com todos, obviamente. =/

  • Rafael Victor

    Ele tem razão, se não tiver os jogadores necessarios pra isso, que queiram e possam se adaptar jogando fora de suas posições originais, isso não funciona!

  • Gustavo Santos

    JJ está certo e tb não vejo o Clippers jogando com formação mais baixa, aliás o Clippers tem uma das melhores duplas de garrafão jogando no esquema tradicional com o D. Jordan e o Griffin. O Clippers não tem nem que cogitar entrar nessa onda, enquanto estiver com esse garrafão forte.

  • Matheus Oliveira

    Golden State só consegue porque Green marca pivô com 20 cm a mais que ele com tranquilidade.. Green é um monstro na defesa, cara.
    Essa mania de pensar que todo time que é campeão deve ser copiado.. Acho que é mais pressão da mídia de seguir o exemplo do que vontade dos técnicos de “inovar”.
    Daqui uns anos os pivôs serão exterminados.. Exceto aqueles que tem uma mobilidade estilo Marc Gasol
    Igual quando o San Antonio Spurs foi campeão, todo mundo teria que rodar a bola. Mas não é simples como parece copiar o estilo se não tiver a mesma qualidade..
    Se o OKC for campeão a moda vai ser ter dois monstros no time rs

  • Luiz Henrique Santos

    Todos os times podem usar o Small Ball em alguma circunstância do jogo, mas o que eu discordo é que se use indiscriminadamente só por estar na moda, ou seja, um usar por usar e não aproveitar estas formações como uma ferramenta tática.

  • VIEIRA – CHICO

    EU! estou com o rapaz J.J. Redick – acho que cada franquia tem mais que aprimorar o que se tem de MELHOR e não ficar “copiando” de outras franquias que deram CERTOS – como cita o “Matheus Oliveira”

    Cada um tem que ACREDITAR a sua filosofia de jogo – buscando o MELHOR de cada jogador – também acho ridículo esta história de improvisar como o caso do Paul George
    citado acima

    • Wellington Godinho – Bulls

      Concordo com você, isso tudo vai ser bom pro GSW, que vai fazer muitos jogarem de um jeito que ele dominam, grandes times exigem que os outros se adaptem a eles durante as partidas.

  • Gustavo

    Esse ano LaMarcão e Duncan vão fazer estragos no garrafão dos adversários e a moda do small ball vai passar.