Jo Jo White: “Jogar no Celtics foi uma das melhores coisas que me aconteceram”

Mais um dos craques históricos do Boston Celtics ganhou lugar entre os imortais do basquete na noite desta sexta-feira. O Naismith Memorial corrigiu o que era visto como uma injustiça ao eleger o grande Jo Jo White para o Hall da Fama, após quase três décadas do seu ano inicial de elegibilidade. Debilitado fisicamente, o ex-armador subiu ao palco ajudado pelo ex-companheiro Dave Cowens e preferiu gravar seu discurso de agradecimento em vídeo.

“Em maio de 2010, eu fui diagnosticado com um tumor no cérebro. Os médicos disseram que não estaria aqui, mas Deus tinha outros planos e, por isso, sou realmente muito agradecido. Obrigado por essa grande homenagem”, agradeceu o lendário Celtic, que escolheu Cowens (classe de 1991) e John Havlicek (classe de 1984, que não pôde estar presente) como seus “padrinhos” na cerimônia de entrada.

White chegou a Boston em um dos momentos mais críticos da história da franquia, no mesmo ano em que os lendários Bill Russell e Sam Jones anunciaram suas aposentadorias (1969). O Celtics teve seu primeiro recorde negativo desde 1950 na campanha de estreia do armador, mas não demorou a recuperar-se. O time voltaria a levantar o troféu Larry O’Brien em 1974 e 1976 (quando o atleta foi MVP das finais).

“Ser draftado e jogar pelo Celtics foi uma das melhores coisas que me aconteceram. Nosso técnico, Tommy Heinsohn, era exigente e duro, mas sempre justo. Foi um grande vencedor, que sempre me protegeu. É uma imensa honra entrar no Hall da Fama junto com você, treinador!”, afirmou White, que tem seu ex-comandante como parceiro na classe de 2015 do templo máximo do basquete.

Com o ex-armador eternizando seu nome no Memorial Naismith, o
Celtics passa a ter 18 de suas 21 camisas aposentadas no Hall da Fama. Uma das três restantes não é homenagem a jogador, deixando apenas Cedric Maxwell (#31) e Reggie Lewis (#35) de fora. A conta inclui Heinsohn, que acaba de tornar-se só o quarto profissional a ser celebrado duplamente – pela carreira como atleta e treinador (ao lado de John Wooden, Bill Sharman e Lenny Wilkens).

White, de 68 anos, foi convocado para sete Jogos das Estrelas ao longo de 12 temporadas na NBA. Além dois títulos da liga e um prêmio de MVP das finais, ele também conquistou uma medalha de ouro olímpica com a seleção norte-americana na Cidade do México-1968 – junto com o companheiro de classe de 2015, Spencer Haywood. Em 837 partidas disputadas da NBA, a lenda de Boston registrou médias de 17.2 pontos, 4.0 rebotes e 4.9 assistências.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.