Jumper Brasil Discute – Avaliando os anos 2010

OAKLAND, CA - JUNE 19: LeBron James #23 of the Cleveland Cavaliers holds the Larry O'Brien Championship Trophy after defeating the Golden State Warriors 93-89 in Game 7 of the 2016 NBA Finals at ORACLE Arena on June 19, 2016 in Oakland, California. NOTE TO USER: User expressly acknowledges and agrees that, by downloading and or using this photograph, User is consenting to the terms and conditions of the Getty Images License Agreement. (Photo by Ezra Shaw/Getty Images)

Os anos 2010 já ficaram para trás. Então, me diz: quais foram os protagonistas que esse capítulo da história da NBA? Vamos falar sobre isso agora.

Nessa semana, nós trouxemos os três membros-fundadores do site Jumper Brasil e dois convidados especiais, especialistas em história da liga (Renan Ronchi e Vitor Camargo, idealizadores do podcast “Na Era do Garrafão”), para repassar e apontar os grandes marcos e ícones deixados pelos últimos dez anos na NBA.

Quais foram os grandes jogadores da NBA nos anos 2010? E os times e lances mais icônicos que vivemos nesse período. Nossa equipe discute agora…

 

1. Qual foi o melhor jogador da NBA nos anos 2010?

Gustavo Lima: LeBron James. Dominância em quadra, três títulos, três vezes MVP da temporada e das finais, oito finais da liga disputadas em sequência. Acho que é indiscutível.

Renan Ronchi: LeBron James, de longe. Foi o apogeu técnico de um dos maiores atletas da história do esporte. Entre 2013 e 2017, ele foi particularmente fascinante por levar o termo “all around” a outro patamar – executava qualquer função com maestria.

Gustavo Freitas: LeBron James. Foram oito finais seguidas, três títulos, números absurdos, capacidade de elevar os seus companheiros… Kevin Durant e Stephen Curry vieram logo atrás, mas o ala fez suas equipes tornarem-se candidatas ao título na década simplesmente pelo fato de tê-lo no elenco. Quem mais fez isso?

Vitor Camargo: LeBron James. Os anos 2010 marcaram a ascensão do craque, sua passagem de grande promessa a um nome que ficará sempre escrito na história do basquete ao lado de Michael Jordan, Magic Johnson, Larry Bird, Bill Russell e outros gigantes. Não tem como ser outro.

Ricardo Stabolito Jr.: LeBron James. O homem chegou a oito finais consecutivas, conquistou três títulos e foi o melhor jogador da NBA por, no mínimo, metade desse período. Não sei se dá para ter alguma discussão aqui.

 

2. Para você, a melhor escolha de draft feita na liga nos anos 2010 foi…

Gustavo Lima: Giannis Antetokounmpo (15), no draft de 2013. Desconhecido na época, o fenômeno grego chegou muito pouco desenvolvido à NBA, mas evoluiu a cada temporada, conquistou o prêmio de MVP no ano passado e consolidou-se como uma estrela da liga. Que visão do Bucks! Menções honrosas para Anthony Davis (1, 2012) e Luka Doncic (3, 2018).

Renan Ronchi: Klay Thompson (11) e Kawhi Leonard (15), no draft de 2011. Dado que escolhas altas são mais “óbvias”, eu elegeria essas duas seleções porque não foram feitas no topo do recrutamento.

Gustavo Freitas: Anthony Davis (1), no draft de 2012. Só nesse início de carreira, ele liderou a NBA em tocos por três temporadas, foi eleito seis vezes all-star e mostrou-se dominante nos dois lados da quadra. Queria dizer Joel Embiid, mas as lesões e tempo de quadra limitado nos primeiros anos pesam negativamente.

Vitor Camargo: Luka Doncic. Será difícil avaliar agora, mas podem me cobrar na próxima década!

Ricardo Stabolito Jr.: Kawhi Leonard (15), no draft de 2011. O que diferencia essa escolha de outras excelentes seleções – e, talvez, até de melhores atletas – fora da loteria é o fato do Spurs ter feito uma troca para poder selecionar o ala. San Antonio assumiu um risco maior do que um time que simplesmente seria o dono da escolha. 

 

3. E qual foi o melhor time da NBA que você viu jogar nos anos 2010?

Gustavo Lima: Warriors de 2016-17. Após ter feito a melhor campanha da história da temporada regular e perdido nas finais, o time só adicionou Kevin Durant a essa base. Foi uma reunião de talentos poucas vezes vista na história e, capitaneado por Durant e Stephen Curry, os californianos seriam campeões da liga perdendo só um jogo nos playoffs.

Renan Ronchi: Warriors, de 2016 a 2019. Sem sombra de dúvidas. Esse foi um dos grandes times da história do basquete e, como um bônus, ajudou a redefinir padrões táticos do esporte para chegarmos ao jogo que vemos em quadra hoje.

Gustavo Freitas: Warriors de 2017-18. De todos os ótimos times do Warriors recentes, essa seria a minha preferência por ser um daqueles que contou com a presença de Kevin Durant. Mas ficam citações especiais ao Miami Heat do “Big Three” (LeBron, Dwyane Wade e Chris Bosh) e o San Antonio Spurs que fez duas finais seguidas contra esse mesmo Heat.

Vitor Camargo: Warriors de 2017. Talvez, esse time tenha sido o melhor e mais dominante que a NBA já viu, mas a resposta não precisa se limitar a ele. Aqueles três primeiros anos, entre 2015 e 2017, viram algo legitimamente transcendental acontecer em Oakland.

Ricardo Stabolito Jr.: Spurs de 2013 e 2014. Esse pode não ter sido o time mais talentoso que eu vi – os Warriors recentes tinham bem mais poder de fogo –, mas foi quem praticou o basquete mais bonito, próximo do que acredito ser ideal nessa década. É a equipe que fica na minha memória.

 

4. Quem foi o jogador que teve a melhor temporada individual da liga nesse período?

Gustavo Lima: LeBron James, em 2012-13. Ele estava no primor da forma física e foi dominante nos dois lados da quadra, sendo eleito MVP da temporada regular e finais, além de ter sido campeão da liga como integrante dos quintetos ideais da liga e de defesa. Caso encerrado.

Renan Ronchi: Eu elegeria duas temporadas de MVPs da liga: LeBron James em 2013 e Stephen Curry em 2016.

Gustavo Freitas: Stephen Curry, em 2016. Vários jogadores fizeram temporadas sensacionais no período: pode pegar umas seis ou sete de LeBron, umas cinco de Durant, James Harden faz grandes campanhas há três anos e por aí vai. Mas Curry foi o único MVP unânime da história da liga acertando arremessos de qualquer lado da quadra, marcado por dois, três caras. Absurdo.

Vitor Camargo: Curry, em 2016. Com o devido perdão a LeBron James em 2013, outra temporada panteônica dessa década, o que o astro do Warriors fez três anos mais tarde não teve paralelos na história do esporte.

Ricardo Stabolito Jr.: Curry, em 2015-16. Houve grandes temporadas individuais na NBA nos anos 2010, mas nenhuma moldou tanto o basquete como conhecemos hoje quanto aquela em que foi MVP unânime. A forma como ele desafiou marcações e forçou defensores a segui-lo a partir do meio da quadra foi um marco para exibir a importância do espaçamento no jogo atual.

 

5. Finalizando: qual é a jogada que aconteceu na NBA nos anos 2010 que não vai sair da sua memória?

Gustavo Lima: Kawhi Leonard faz a cesta decisiva da série entre Raptors e Sixers, nos últimos playoffs. A escolha se dá pelo grau de dificuldade e importância daquele arremesso, que simbolizou o título inédito do time canadense. Ficam lembranças para o toco de LeBron em Andre Iguodala (2016) e o arremesso decisivo de Ray Allen no sexto jogo das finais de 2013.

Renan Ronchi: Manu Ginobili enterrando em Chris Bosh nas finais de 2014. Apesar do toco de LeBron em Andre Iguodala (finais de 2016) ser o momento mais icônico da década, esse lance marcou-me bastante pelo fato do argentino já não viver sua melhor fase fisicamente e eu não imaginava que ele saltaria tão alto. Surpreendeu-me muito.

Gustavo Freitas: O toco de LeBron em Andre Iguodala, durante o sétimo jogo das finais de 2016. A forma como aquele lance fez a diferença em um duelo empatado, que marcaria o único título do Cleveland Cavaliers, pesa muito. Mas tive que pensar muito, são muitos lances marcantes – Kawhi Leonard sobre Joel Embiid, Curry na prorrogação para derrotar o Oklahoma City Thunder. Difícil!

Vitor Camargo: O arremesso de Ray Allen na sexta partida das finais de 2013 é a resposta óbvia. Mas acho que vale mencionar o game winner de Curry contra o Oklahoma City Thunder na temporada regular de 2016: foi um arremesso gigante que encapsulou todas as transformações pelas quais a NBA passou nessa década. Pode não ter sido o mais importante ou decisivo, mas foi o mais emblemático do período.

Ricardo Stabolito Jr.: Kawhi Leonard decidindo a semifinal de conferência entre Raptors e Sixers. Foi um lance que, da dificuldade às reações pós-cesta, carregou todos os toques de dramaticidade que pode-se imaginar – e levou à premiação de uma das franquias mais competentes da década. Isso sem contar que é o único buzzer beater a decidir um sétimo jogo de série de playoffs na história da NBA.

 

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.