Kawhi Leonard anuncia que vai para o Clippers, que recebe Paul George em troca com o Thunder

A madrugada do dia 6 de julho vai entrar para a história da NBA. Em questão de minutos, o noticiário da liga foi sacudido por duas bombas. A primeira foi a decisão do astro Kawhi Leonard: depois de quase uma semana de mistério, o MVP das finais e um dos grandes responsáveis pelo título inédito do Toronto Raptors anunciou que está levando os seus talentos para a Califórnia. 

Segundo Adrian Wojnarowski, da ESPN, Leonard aceitou a oferta de US$142 milhões (valor máximo a que é elegível) do Los Angeles Clippers, sua casa pelas próximas quatro temporadas. No Clippers, o ala de 28 anos terá a missão de liderar e ajudar a equipe angelina na busca por uma conquista inédita.

O anúncio do destino de Kawhi era a decisão mais esperada da NBA após o fim da temporada 2018/2019. O jogador, que estava na condição de agente livre irrestrito, conversou nos últimos dias com dirigentes do Clippers, da outra equipe de sua cidade natal – Los Angeles Lakers – e do, agora, seu ex-time, Raptors.

A segunda bomba da madrugada está intrinsicamente relacionada à decisão do agente livre mais cobiçado desta offseason. Ainda de acordo com Wojnarowski, Leonard recrutou outro astro nos últimos dias, coincidentemente natural da Califórnia como ele – Paul George, que prontamente pediu para ser negociado pelo Oklahoma City Thunder.

Segundo Wojnarowski, Leonard não queria formar um “supertime” com o Lakers. “Kawhi queria uma estrela que dividisse o protagonismo com ele no Clippers. Ele mandou um recado bem claro aos dirigentes do time angelino: “consigam Paul George e eu assino”, revelou o insider da ESPN.

Contra a parede, o Thunder aceitou trocar o ala, em uma negociação sem precedentes: para contar com George, o Clippers enviou para o Thunder três futuras escolhas de primeira rodada (2022, 2024 e 2026), duas escolhas de primeira rodada oriundas do Miami Heat (2021, desprotegida, e 2023, protegida de loteria), o direito de trocar a ordem de duas picks (2023 e 2025), além do armador Shai Gilgeous-Alexander e do ala italiano Danilo Gallinari.

Segundo Shams Charania, do site The Athletic, as equipes da NBA estavam cientes do descontentamento de George e do outro astro do Thunder – Russell Westbrook – com os rumos da franquia.

 

Contratos dos jogadores envolvidos na troca

– Paul George: US$68.45 milhões até o final da temporada 2020/21 e uma player option de US$37.9 milhões em 2021
– Danilo Gallinari: expirante de US$22.6 milhões
– Shai Gilgeous-Alexander: US$8. milhões até o final da temporada 2020/21 e uma team option de US$5.5 milhões em 2021

 

Adeus, Toronto

Leonard e o Raptors protagonizaram uma história digna de cinema nos playoffs da última temporada. Desacreditados, jogador (trocado pelo San Antonio Spurs, após muita polêmica por conta de uma mal explicada lesão no quadríceps) e franquia (que colecionou vários insucessos nos últimos anos) se juntaram para uma conquista que ficará eternizada. 

No sexto jogo da série semifinal do Leste, Kawhi protagonizou um dos lance mais épicos da história dos playoffs da NBA, acertando a cesta épica da vitória no estouro do cronômetro e eliminando o Philadelphia 76ers. Posteriormente, ele comandou o Raptors na decisão de conferência contra o Milwaukee Bucks, e na grande final contra os favoritos e até então bicampeões da liga, Golden State Warriors.

Na temporada regular, Leonard disputou 60 partidas com a camisa do Raptors e angariou médias de 26.6 pontos, 7.3 rebotes, 3.3 assistências e 1.8 roubo de bola. Nos playoffs, ele foi ainda melhor: 30.5 pontos, 9.1 rebotes, 3.9 assistências e 1.7 roubo de bola, em 24 jogos.

Selecionado na 15ª posição do Draft de 2011, Leonard se tornou um dos jogadores mais completos na NBA nesta década. Efetivo nos dois lados da quadra, o ala já conquistou dois títulos (2014 e 2019) e foi escolhido MVP das finais nessas conquistas, além de ter sido selecionado para três Jogos das Estrelas (2016, 2017 e 2019), entrado em um dos times ideais da liga por duas oportunidades (2016 e 2017) e levado o prêmio de melhor defensor por dois anos seguidos (2015 e 2016).

Em 467 jogos disputados na NBA, o astro registra médias de 17.7 pontos, 6.3 rebotes, 2.4 assistências e 1.8 roubo de bola.

 

Gustavo Lima
Gustavo Lima
Jornalista graduado pela UFMG e pós-graduado em Produção em Mídias Digitais pela PUC-MG. Natural de Ipatinga e residente em BH. Editor do Jumper Brasil desde 2007. Acompanha a NBA desde 1993. Torcedor do Phoenix Suns, mas adepto da imparcialidade.