Kyrie Irving cria fundo destinado às atletas da WNBA que optaram por não jogar a temporada

O armador Kyrie Irving, do Brooklyn Nets, criou um fundo de amparo financeiro às atletas da WNBA que optaram por não disputar esta temporada, seja por causa de preocupações com a saúde, em razão da pandemia de Covid-19, ou por questões de justiça social. A informação foi passada pelo repórter Shams Charania, do The Athletic.

Os recursos virão da Iniciativa de Empoderamento KAI, que Irving lançou nesta segunda-feira. A iniciativa é um esforço do astro do Nets para apoiar e defender as mulheres e a igualdade. O armador quer garantir que suas colegas da WNBA tenham acesso à renda e a um programa de alfabetização financeira criado pelo banco UBS.

“Com a ajuda de Natasha Cloud (Washington Mystics) e Jewell Loyd (Seattle Storm), tenho ligado para várias jogadoras da WNBA que decidiram jogar e aquelas que decidiram não jogar. Nessas conversas, aprendi sobre os desafios e oportunidades de suas decisões e como isso afetará a vida, a família e o bem-estar geral. Essa plataforma foi criada para fornecer suporte a todos as atletas da WNBA na esperança de aliviar parte da tensão financeira imposta durante esses tempos difíceis. Se uma pessoa decidiu lutar por justiça social, jogar basquete, se concentrar na saúde física ou mental, ou simplesmente se conectar com suas famílias, esta iniciativa pode apoiar suas prioridades e decisões”, afirmou o astro do Nets, em um comunicado divulgado à imprensa.

O fundo de ajuda já conta com US$1,5 milhão (cerca de R$ 7,7 milhões), quantia inteiramente doada por Irving. As atletas têm até o dia 11 de agosto para se cadastrarem na plataforma online, enviando os documentos necessários para a elegibilidade do benefício. O prazo para aprovação expira no dia 24 de agosto.

No total, entre atletas e comissão técnica, 15 membros de nove franquias da liga, anunciaram seu afastamento em 2019/20. A temporada da WNBA foi condensada a apenas 22 jogos por equipe, realizados na ‘’bolha’’ montada na IMG Academy, em Bradenton, na Flórida. 

Vale dizer que o salário anual máximo pago às atletas (às estrelas da liga, no caso) é de pouco mais de US$200 mil. O abismo financeiro entre a NBA e a WNBA é tanto que, só na temporada 2019/20, Irving vai receber US$31.7 milhões em salários.