NBA formaliza proposta de redução de idade mínima para inscrição no draft

A NBA finalmente deu o passo inicial para implementar mudanças no sistema de elegibilidade do draft. De acordo com Jeff Zillgitt, do portal USA Today Sports, a direção da liga entregou uma proposta de diminuição da idade para inscrição no recrutamento à Associação dos Jogadores. Pela possível nova regra, prospectos passariam a poder se profissionalizar ao completarem 18 anos.

A formalização da proposta é a primeira etapa para que uma alteração aconteça no draft. Nos bastidores, o comissário Adam Silver e representantes da NCAA admitem que o sistema atual, apelidado de “one and done” (o jovem atleta, geralmente, fica um ano na faculdade antes de poder ser draftado), não está funcionando nem para a NBA, nem para o basquete universitário.

Nas regras vigentes, o prospecto ativo no basquete norte-americano precisa ter 19 anos de idade e/ou ter participado de uma temporada universitária para inscrever-se no recrutamento. A redução da idade mínima sempre foi a proposta preferida da Associação dos Jogadores e a tendência é que as negociações entre as duas partes evoluam para um acerto a partir do draft de 2022.

O maior impacto da redução etária seria o retorno em larga escala dos chamados high schoolers – ou seja, atletas colegiais “saltando” diretamente para a NBA, sem passar pela faculdade – ao recrutamento depois de mais de uma década “banidos”. Kevin Garnett, Kobe Bryant e LeBron James são exemplos notórios de jogadores que vieram direto do colegial para a NBA.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Finalmente! É absurdo a NCAA ser tão dominante sem pagar oficialmente NADA para os jogadores.

    • Thiago Tecachuk

      Se levarmos em conta a quantidade de dinheiro que as universidades ganham, vira um absurdo ainda maior!!

      • Daniel Monteiro

        Nesse caso, a mudança deveria ser a de repassar alguma verba para o jogador descontando (ou não) os custos dele, pois pagar universidade é bem complicado, muita grana.
        Dessa forma, nada vai mudar para os jogadores que decidirem ir para a universidade ao invés de salta-la.

  • Monstrão

    Não esqueçam do mito Kendrick Perkins!

    O grande high-schooler de 2003, mesmo ano daquele tal de LeBron James…

  • Alex Alves

    Eu acho um tiro no pé os jogadores devem entrar mais crus ainda na liga, quase todos que pularam etapas se queimaram (exceto os craques como citados na publicação).

    * O número de Bust devem crescer consideravelmente e hoje um erro no draft custa 40 milhões para o time.

    • Thiago Tecachuk

      Se a gente olhar como acontece no mundo, a maioria dos jogadores não passam por universidade, e aprendem no time mesmo, de acordo com os planos do time. Talvez mais bust apareçam vindo direto do colegial, mas se analisar proporcionalmente a quantidade jogadores que dão errado todos os anos vindo a universidade, creio que pode até ser menor.

  • Luiz Henrique Moura Matos

    Tomara q isso aconteça o mais rápido possível

  • Miler Pereira

    Kobe Garnet, Lebrom foi casos de sucessos.
    Mas quantos talento promissores não vingou por falta de “maturar ” na Universidade ..
    Minha opinião não deveria mudar ..
    Pense um Zion da vida não da certo por algum motivo, ai perde a chance de estudar ainda.
    Vai cair o nivel do College pois muitos meninos influenciando por agentes irão se escrever e entrar na NBA sem estar preparados sendo escolhidos em picks altas..
    Os mitos vai dar certo vindo do school ou do college, só muda em um ano.,

    • Daniel Monteiro

      É opcional, os jogadores podem escolher ir a universidade. Cada jogador deve decidir e assumir as consequências de suas decisões.

    • Thiago

      po, pick altas vão ter dinheiro para pagar a faculdade caso não vinguem na nba, o problema são os caras undrafted

      • Miler Pereira

        Picks baixas..perdão.
        Jogadores de segunda rodada

    • Wallace Cavalheiro

      Meu amigo, os caras que vão sair direto do college são os tops, vão entrar na NBA pra receber alguns milhoes, se por acaso não derem certo vão ter bastante dinheiro pra financiar os próprios estudos

  • Pablo Leite

    Vai ser bom principalmente para o trabalho em longo prazo das equipes da NCAA. Quando se vê o trabalho das universidades, hoje o tempo para se formar um time é pouco, os caras pensam anualmente e Duke ter selecionado os três grandes prospectos do Draft é prova disso. Me dá os melhores aqui, jogam um ano e tchau. Pouco acrescenta em termos de formação, na verdade. Com o novo sistema, A NCAA vai se ver alijada dos cinquenta ou sessenta, se muito, maiores talentos do basquete do país, mas os times serão mais estáveis, o trabalho de formação vai ser relevante de novo e vai acabar a choradeira sobre a reivindicação de divisão de valores com jogadores. Quem está lá, está por causa da bolsa, e ponto final. Acha a bolsa ruim? Vai para a NBA, se conseguir. Já para a NBA, talentos certos como o Zion vão para lá direto. Mas o trabalho de análise dos prospectos não tão óbvios vai ficar mais incerto, e o número de equívocos do draft vai aumentar, acredito. A partir de agora, NCAA e NBA se descolam uma da outra, cada uma cuida da sua vida.

    • Thiago Pinto

      Não acredito em 50/60 HS. Só vai quem tem garantia de escolha. Talvez uns 10/15

  • Miler Pereira

    Para a liga é ótima.
    Bom para os negócios , mais prospectos para avaliar e escolher.
    Mas ainda acho que muitos jogadores com talento irão se perder com uma rápida possibilidade de ir para a liga sem estar ainda preparados, pois uma vez na liga não há possibilidade de voltar.
    Para a NCAA , vão perder talentos mas terão times por mais tempo.
    NBA não dá um tiro sem alvo…

    Eu penso o que seria de Shaq sem ficar na NCAA três anos por opção para evoluir e estudar , será que chegaria pronto?

  • Thiago Pinto

    Eu não gosto, sinceramente. A NBA não ta ali pra desenvolver jogador. Nem do one-and-done eu sou a favor, precisa jogar mais uns anos no Universitário (recebendo por isso).

    Hoje já acontece de muitas vezes equipes se comprometerem na folha salarial por promessas, jogadores que ainda não se mostraram astros e querem o máximo. Lógico que a equipe pode não pagar, mas em muitos casos é uma situação complicada, você sabe que o talento está ali, dificil deixar embora. Isso vai piorar ainda mais. Após 4 anos, vindo do HS a grande maioria vai estar cru querendo receber por projeções.

    Outra vez, acho que a NBA é liga de excelência, não de desenvolvimento.

    • Rogério Rodrigues

      Outros esportes tem atletas que iniciam a carreira profissional antes disso. Pra que ficar alongando e interrompendo um jogador que tenha potencial para estar entre os profissionais?
      Se o mlk tem 15 anos e da conta de jogar a NBA pra que uma regra pra impedir isso?
      Futebol temos muitos exemplos de jogadores que viraram grandes referencias com 18 anos ou menos Mbape, Neymar, etc.
      Natação, ginastica entre outros esportes os caras iniciam mais novos ainda no profissional…

      • Alex Alves

        Basquete é diferente é um jogo muito físico diferente da ginástica por exemplo.

        Hoje os pivos com 19/20 anos entram crus e já passam vergonha olha o Ayton não defende nada super cru.

  • ThiagoMagic

    Faltou Tracy Mcgrady nessa “listinha” ai!

    • Gustavo

      McGrady, Howard, Malone, Kemp. Tem muitos, mas ele quis citar só os mais notórios.

    • Mestre

      TMac não levou nenhuma franquia ao título, não fica na mesma foto que KG, Kobe e LeBron

  • Gustavo

    Tava na hora, n faz o menor sentido forçar os caras jogarem na NCAA. É muito bizarro um cara talentoso como o Zion que gera uma puta grana pra Duke ser forçado a jogar sem receber na NCAA. E isso n vai ser o fim da NCAA, vários jogadores precisam passar por essa etapa, mas que deixem os caras que n precisam ir direto pra NBA.

  • LeBrOSMAN⚔️O Draft é logo ali

    Bom….é algo ainda q ñ dá para eu ter uma opinião formada, tirando a questão óbvia de q isto beneficia mt os jogadores. Pq, a gente vê como os jogadores q passam 1 ano na universidade e chegam na NBA, ficam perdidos em sua temporada de calouro, pq a NBA com os analytics, está mais tática do q nunca, os ataques foram bastante aperfeiçoados, o q torna difícil para a defesa tbem defender. Não existe mais tanta ISO, com jogo de meia quadra, e o restante dos jogadores parados esperando o jogador de destaque decidir. Existe mais movimentação, jogadores interferindo no plano de jogo sem precisar da bola. Então, se um jogador q dá um salto de nível tático do High School para a NCAA, e depois de 1 ano vai para a NBA.. já sofre, imagina ir direto para a NBA?
    Esse tipo de coisa vai deixar o Draft mais imprevisível tbem. Pq msmo um fenômeno do High School, vai gerar dúvidas, e vai ser uma aposta mt grande para quem escolher, até para as franquias q tiverem as primeiras escolhas, a responsabilidade para acertar no jogador é mt maior. O Zion é o exemplo claro disto, antes dele jogar na NCAA eu estava mt desconfiado sobre como ele iria se sair, e o Barrett foi dito como o melhor jogador saindo do High School por praticamente todo mundo. O Afernee Simmons, um jogador q usou alguma brecha para sair do High School e ir direto para a NBA no Draft do ano passado, foi escolha de 1º round do Blazers, um dos principais prospectos para ir para a NCAA nesta temporada, e ninguém vê falar do cara, pq ou deve jogar na G-League ou ficar no banco sem ser tão usado.

    Como ñ é de ano em ano q sai um LeBron James da vida no High School, mts desses jogadores podem passar pela G-League, como uma forma de ñ queimar o jogador logo de cara, e lá o nível ainda é mt baixo, com vários jogadores querendo mostrar serviço, pode ñ ser o melhor ambiente.
    Para os jogadores é algo ótimo. Mas para ver realmente se isso vai dar certo, se realmente vai ser bom para todos, só vendo msmo.

    • TRUETHIAGO

      Sobre esse ponto da G-League, sem dúvida que é um nível bem diferente da NBA, mas pegando o gancho do que eu citei das outras ligas, é comum por exemplo os times da MLB deixarem seus prospectos se desenvolvendo nas “Minor Leagues”, que acredito que também sejam muito inferiores ao nível da MLB.

      O Bryce Harper mesmo, que era considerado praticamente um “LeBron do Baseball” pelos scouts na época que foi draftado, ficou uns 2 anos até passar a fazer parte do time principal. Ele foi pick #1 em 2010 e foi eleito Rookie em 2012 (e teve quem achou absurdo o Simmons ter sido ROY na temporada passada, imagino os posts na MLB Brasil, rs).

      Se não me engano na NHL também é mais ou menos nessa linha – alguém que acompanha mais de perto pode me corrigir, se eu estiver errado – os times podem draftar direto do High School, mas geralmente deixam os garotos desenvolvendo, inclusive europeus, que tem bastante, é comum escolherem e deixarem de “Stash”, sei lá, jogando no clube de origem da Suécia, Rússia, ou então em alguma liga do Canadá, que é bem tradicional na modalidade.

  • Marcos Gordinho

    A NCAA mudou, é uma liga rentável, para garotos que saem de situações miseráveis a educação embora seja muito importante não desfaz a urgência em criarem melhores condições para sí e suas famílias. Regras deveriam mudar. Permitir contrato com patrocinadores ao invés de apenas “ganharem” o que calçam, criar uma remuneração média com um up para os considerados melhores prospectos (tipo um CAP que permitiria pulverizar os talentos ao invés de concentrar 3 ou 4 tops em uma só equipe) e ampliar para ao menos 2 anos sua passagem na liga universitária antes de ser elegível. Isso além da bolsa de estudos gratuitas. Infelizmente nem todas as universidades conseguiriam bancar um programa assim, porém a NBA receberia atletas mais preparados para o jogo e para vida. É o que acho.

  • TRUETHIAGO

    Pois é, esse é um tema bastante complexo, existem diversos pontos de vista divergentes e basta ver que não há um padrão nem mesmo dentro das próprias ligas americanas (NFL, MLB, NHL), cada uma possui suas regras/peculiaridades.

    Mas como defendo liberdades individuais, acho que esse caminho faz mais sentido. Obviamente que ser destaque no High School não é garantia de nada, existe uma infinidade de exemplos de jogadores que eram lendas nesse nível, e logo quando chegaram na NCAA já não conseguiram manter a mesma dominância. Cabe ao jogador fazer sua escolha de se inscrever direto, se acha que está preparado para encarar a carreira profissional, e as franquias assumirem o risco.

    Essa cultura do one-and-done realmente não tem lógica, o Zion não foi para Duke por causa da bolsa de estudos, ele foi para jogar em um dos melhores programas, estrutura, pelo técnico (Coach K), etc. Nem vou entrar no mérito se as universidades deveriam pagar salários, ou se os jogadores poderiam ter patrocinadores, enfim, isso já é um outro ponto. Dependendo do caso, garotos menos hypados, que não necessariamente serão profissionais, tendem a passar 3, 4 anos na universidade, aí beleza. O que não dá é para praticamente forçar essa passagem, que é o que acaba acontecendo, embora existam as alternativas de ir jogar na Europa, China e tal, ou mesmo ficar de stand by esperando completar os 19 anos.

    • Mestre

      Exatamente isso. E só dar a oportunidade do cara pular o colege e ir direto para a NBA. Ele deixa de ser “usado” pela universidade e pela NCAA. Aí se ele vai jogar uma ou duas temporadas lá é opção dele. Hoje até existe a opção de ir pra Europa, mas é melhor que mudem a regra do que obrigar garotos a sairem do país. Mas é questão cultural lá também jogar o colege ser campeão e tudo mais. Mas e muito melhor que façam isso por opção