NCAA – Duke supera atual campeão e se mantém invicto

(10-0) Duke 66 x 56 Connecticut (4-4)

https://www.youtube.com/watch?v=u9BeTtpXLv0

Os times de Duke, um dos favoritos a conquistar o título da temporada, e de Connecticut, último campeão do torneio da NCAA, fizeram o principal jogo da rodada dessa quinta-feira. 

Contando com uma boa atuação coletiva, a equipe treinada por Mike Krzyzewski levou a melhor e se manteve invicta em 2014/15. A estratégia de UConn foi dobrar a marcação em cima de Jahlil Okafor, um dos três melhores prospectos da classe deste ano e grande destaque de Duke na temporada. O pivô não pontuou como de costume, sofreu muitas faltas, mas mostrou que é um bom passador.

Um detalhe que chamou a atenção na partida foi a diferença no número de lances livres cobrados por cada equipe. Enquanto Duke foi 34 vezes para a linha do lance livre, Connecticut bateu apenas 13.

Os armadores Kyrie Irving (Cleveland Cavaliers), ex-Duke, e Kemba Walker (Charlotte Hornets), ex-UConn, estiveram presentes ao Izod Center, em New Jersey, para acompanhar o duelo.

Duke
Tyus Jones: 21 pontos, seis rebotes, três assistências, duas roubadas de bola e 9-10 nos lances livres
Jahlil Okafor: 12 pontos, oito rebotes, duas assistências, 3-5 nos arremessos de quadra, 6-11 nos lances livres
Justise Winslow: 12 pontos, cinco rebotes e duas assistências
Amile Jefferson: 11 pontos, 13 rebotes e dois tocos
Quinn Cook: dez pontos e duas roubadas de bola

Connecticut
Ryan Boatright: 22 pontos, sete rebotes, duas assistências, três roubadas de bola e cinco desperdícios de bola
Kentan Facey: 14 pontos e nove rebotes
Daniel Hamilton: dez pontos e cinco rebotes

Gustavo Lima
Gustavo Lima
Jornalista graduado pela UFMG e pós-graduado em Produção em Mídias Digitais pela PUC-MG. Natural de Ipatinga e residente em BH. Editor do Jumper Brasil desde 2007. Acompanha a NBA desde 1993. Torcedor do Phoenix Suns, mas adepto da imparcialidade.
  • André Fagundes

    A minha net caiu faltando 4 minutos pro fim. Mas Okafor estava usando e abusando da força física. Projetando a NBA esse estilo tem tudo para dar certo há poucos pivôs que defendem o jogo físico no post.