A excelente campanha do Atlanta Hawks nesta temporada – 21 vitórias (cinco seguidas) e sete derrotas – vem surpreendendo muita gente. Confesso que estou nessa turma. Esperava que o Hawks fosse figurar entre os oito melhores da conferência, mas a segunda colocação no Leste e a quarta campanha geral era um cenário muito otimista antes da temporada começar. 

Na offseason, o time de Atlanta pouco se movimentou. Contratou apenas os alas-armadores Thabo Sefolosha e Kent Bazemore. A base foi mantida e a expectativa era de que, com o retorno do pivô Al Horford, afastado de boa parte da última temporada em virtude de uma grave lesão, o Hawks fizesse uma boa campanha mais uma vez. Vale lembrar que a equipe chegou aos playoffs nas últimas sete temporadas, o que deve acontecer novamente em 2014/15.

Apenas um terço da temporada foi disputado e Toronto Raptors, Washington Wizards, Chicago Bulls e Cleveland Cavaliers aparecem como os maiores concorrentes do Hawks pelas primeiras colocações no Leste. Mas é preciso tirar o chapéu para o time de Atlanta. São 14 triunfos nos últimos 15 jogos. Nessa sequência vitoriosa, a equipe já superou adversários qualificados da conferência como Wizards, Bulls e Cavs, além de potências do Oeste como Houston Rockets, Dallas Mavericks e Los Angeles Clippers. 

Destrinchando a campanha da equipe de Atlanta, percebemos que alguns aspectos do jogo chamam bastante a atenção. O Hawks é um dos times que melhor movimentam a bola na liga. Vale lembrar que o técnico Mike Budenholzer foi por 17 anos assistente de Gregg Popovich no San Antonio Spurs, time que serve de exemplo quando falamos em movimentação de bola. Na minha opinião, Budenholzer já figura como um dos candidatos a técnico do ano.

Os principais jogadores da equipe de Atlanta – Jeff Teague, Kyle Korver, Paul Millsap e Al Horford – são bons passadores e têm alto QI de basquete. Não obstante, o Hawks é o líder em assistências (25.8 por jogo) e em porcentagem de assistências (67.6% de suas cestas vêm de passes), e o quinto em assistências/turnover (1.8). 

Vale destacar ainda que o time tem o nono melhor ataque (103.1 pontos), é o sexto em eficiência ofensiva (106.5 pontos por 100 posses de bola), o quarto nos aproveitamentos de arremessos de quadra (47.3%) e de bolas de três pontos (37.8%), e o terceiro em True Shooting Percentage (57.0%).

Além disso, o Hawks é o sétimo em eficiência defensiva (100.6 pontos sofridos por 100 posses de bola), o sétimo time que sofre menos pontos (97.1), o oitavo que menos leva cestas de quadra (44.1%) e o sexto que menos sofre pontos em bolas de três (33.4%). E mais: só a equipe de Atlanta e o Golden State Warriors, dono da melhor campanha da temporada, figuram entre os sete melhores em eficiência ofensiva e defensiva na NBA.

Quanto às principais peças da equipe, Teague vem aproveitando o espaçamento oferecido pelos homens de garrafão para usar sua velocidade e atacar a cesta com eficiência. Ele também melhorou o arremesso de média distância (sobretudo nas diagonais).

Korver, o titular mais veterano (33 anos), é letal da linha dos três pontos, já que acerta 53.7% dos arremessos de longa distância. E mais: 65.8% dos pontos anotados por ele são originados por esse tipo de arremesso. Korver é o melhor pontuador da NBA nas situações de catch and shoot (pegar a bola e arremessar instantaneamente). Enfim, o ala-armador é a peça que todo treinador gostaria de ter no time.

Jeff Teague shot chart Kyle Korver shot chart

No garrafão, o time de Atlanta tem dois jogadores eficientes na área próxima à cesta e nos arremessos de média distância. Millsap, que espaça bem a quadra, tem um bom aproveitamento nos jump shots das diagonais. Já Horford tem ótimo aproveitamento nos corners. O único porém da dupla Millsap e Horford é quanto à proteção do aro. Os adversários do camisa 4 do Hawks vêm acertando 58.8% dos arremessos contra ele na área próxima à cesta, enquanto que os do pivô dominicano estão convertendo 55.3%.

Paul Millsap shot chartAl Horford shot chart

Vale destacar também a contribuição do ala DeMarre Carroll, sobretudo na extremidade defensiva. Ele combina bem atleticismo e altura para pressionar o adversário e jogar sempre com muita disposição. Não à toa, é o melhor defensor do time.

Todos os cinco titulares do Hawks têm médias de pelo menos 11 pontos por jogo. E o banco de suplentes também contribui para o bom rendimento ofensivo. Os principais reservas – Dennis Schröder, Shelvin Mack, Thabo Sefolosha, Mike Scott e Pero Antic – combinam para 32.2 pontos por jogo. Assim como a dupla de garrafão titular, Scott e Antic também têm a capacidade de espaçar a quadra.

Aliás, antes que eu me esqueça, é preciso ressaltar a ótima temporada de Schröder, reserva da equipe com mais tempo de quadra (18:27). Em seu segundo ano na NBA, o armador alemão de 21 anos melhorou em todos os quesitos (à exceção do aproveitamento nas bolas de três pontos) e sempre entra muito bem, sendo útil nos passes, na defesa e no ataque à cesta. A comparação com Rajon Rondo ganha mais adeptos a cada dia…

Portanto, o “segredo” do Hawks para a ótima campanha é o equilíbrio entre ataque e defesa, o jogo solidário e a movimentação de bola constante. É verdade que a equipe não tem nenhum grande astro, mas apresenta um quinteto titular que se complementa e um banco de reservas eficiente.

Me encanta a ideia de sempre buscar o jogador em melhor condição para o arremesso. Esse estilo de jogo é muito parecido com o do Spurs, atual campeão da NBA, e pode levar o time de Atlanta a alçar voos maiores nesta temporada. Não subestimem o Hawks.

Gustavo Lima
Gustavo Lima
Jornalista graduado pela UFMG e pós-graduado em Produção em Mídias Digitais pela PUC-MG. Natural de Ipatinga e residente em BH. Editor do Jumper Brasil desde 2007. Acompanha a NBA desde 1993. Torcedor do Phoenix Suns, mas adepto da imparcialidade.
  • Caio

    Cairá na primeira rodada dos playoffs…

    • Felipe Rodrigues (@fhevorcks)

      Mas vai aos playoffs.

  • joaospurs

    É, ano passado eles já eram um time forte, só que a contusão de Al Horford atrapalhou o desempenho do time na temporada. Se esse time for para os playoffs completo, brigam pelo título da conferência.

  • Essa comparação que muitos estão fazendo , chamando o Hawks de “Spurs do Leste” , é muito boa . Movimentação de bola o tempo inteiro , sem “estrelismo” na equipe … é um time que eu vou começar a acompanhar mais .

  • Daniel Nogueira

    Letsssssssssssssss Go Hawkssssssssssssssssss!!!

  • Kleber

    First-round Hawks.

  • RIVIERASAN THE MILWAUKEE SON

    O HAWKS E UM DOS TIMES MAIS COMPETENTES NA NBA AGORA,UM TIME QUE PASSA CONFIANÇA

  • O time mais querido do Jumper kkkkkkk me supreendendo espero que na hora da verdade joguem igual ou melhor que a atual fase

  • Lucas Tavares

    Gosto MUITO do demarre carroll

  • Luiz Henrique Santos

    Hawks com o PG mais subestimado da liga Jeff Teague e com o desenvolvimento do alemão Dennis Schroder e até o Shelvin Mack indo bem na 1, além daquelas bolinhas de 3 do kyle Korver a energia do DeMarre Carroll e do Mike Scott a experiência de Elton Brand e do Thabo Sefolosha e uma das melhores duplas de garrafão da liga, é um time para sonhar, mas com os pés no chão…

  • Michel Moral

    O ponto é esse: alto QI de basquete.

    Quando vc reúne jogadores que têm leitura privilegiada do jogo, fica fácil para o técnico desenvolver o time. Essa é a chave do sucesso do Spurs.

    Na verdade, acho que Atlanta precisa deixar ainda mais afiado o aspecto de individualidade do time, pois o coletivo está pronto.

    Tem que fixar e trabalhar mais a ideia de preparar Korver para ser um dos melhores chutadores da história, bastando ver como Reggie Miller fazia. Fazer também com que Milsapp se firme como clutch e Franchise Player. Horford é o símbolo da franquia, como Rose, Wade, Kobe, etc. Por fim, precisa ter um armador mais regular, podendo ou não ser Jeff Teague, que é de muitos altos e baixos.

    Se o técnico colocar esse a aspecto da individualidade nos seus jogadores, de que eles têm condições de serem os melhores, o Hawks será campeão no leste. Pq é exatamente isso que seus adversários têm- confiança no próprio taco. Atlanta é um time originariamente de coadjuvantes, que ninguém botava tanta fé, embora todos saibam das qualidades.

    • Ricardo Faria

      Como eu queria o Korver no Pelicans.

      Trocaria no Evans sem pensar 2x!

  • Caseh

    Realmente é uma das boas surpresas deste início de temporada. No cenário atual, acredito que eles tenham condições até mesmo de alcançar uma final de conferência. Mas isso poderá mudar de acordo com a evolução de equipes como Bulls e Cavs. Aguardar…

  • Arthur Soprani

    Imagina se o Lou Williams ainda estivesse nesse time

  • gabrielnba

    Ai tem aquela historia, o Hawks chega nos playoffs e cai no 1:round.
    Mas eu não acredito, o time está detonando todo mundo, jogando super bem.

  • RodrigoHawks

    Se tudo caminhar nessa maneira, sem contusoes temos tudo pra terminar em 1° lugar da conferencia leste e enfrentar um bucks 😀 nos playoffs e outro campeonato mas alguem duvida de algo mais dos hawks? Kkkkkk 7 anos seguidos de offs rumo ao 8 9 10 ano.. sempre fomos uma franquia constante em playoffs na historia, so precisamos de um titulo mas recente seja como for ja temos 1

    LETSSSSS GOO HAWKSSS

    • Marcelo

      O Atlanta e um time muito bom. A espn americana teme apenas a falta de maturidade do time. Nao penso assim. E o advekrsario mais difícil para o bulls. E nao penso que fiquem na primeira rodada. Vão a final com certeza, a nao ser se existirem lesões. E tem um pivô consistente e nao uma dançarina que joga com a camisa 13, argh. Gosto do jogo bem jogado disto o atlanta faz muitíssimo bem.

  • More

    Eu ainda mantenho minha opinião que se for pra ter um campeão inesperado, será o Hawks. Esse time é underrated demais…

  • Murilo Moore

    Uma grata surpresa!

  • Vlad-BH

    Esse Atlanta é muito bacana mesmo. Dá para brigar com os grandes. Quem sabe no próximo ano consiga um jogador top para poder brigar por título.

    • Jefferson Cavalcanti

      Joe Johnson pra decidir em Atlanta novamente!