Onde nascem as lendas

Um mantra que sempre repetido em tempos de playoffs é que este seria o momento de “separar os homens dos meninos”. Pois bem, conforme a disputa vai afunilando, chegamos a uma fase onde se pode dizer que separamos os homens das lendas.

É inegável que as quatro equipes que ainda disputam o título da NBA foram, durante a maior parte do ano, as melhores da liga. Isso mostra como, apesar de nos entregar partidas emocionantes, o sistema de playoffs da NBA é também o mais justo, que premia os melhores times com o formato de série melhor de sete jogos.

Aqui, a NBA chega à etapa em que aqueles que realmente são os melhores do mundo deixam para trás os que não corrigiram seus (poucos) erros durante a temporada regular. O Indiana Pacers fez praticamente duas temporadas regulares: uma , impecável, nos primeiros 50 jogos e outra, bem falha, nas últimas partidas e nos playoffs. Mesmo assim, mais pela fragilidade do Leste do que por sua própria força, está na final de conferência. Depois de batalhar o ano inteiro pela vantagem de decidir em casa contra o Heat, sucumbiu no segundo jogo a uma espetacular atuação ofensiva de LeBron James e Dwyane Wade no quarto decisivo.

James e Wade mostraram, mais uma vez, porque juntos são os atuais bicampeões da liga. Fizeram 22 dos últimos 25 pontos do Heat, enquanto o Indiana via sua defesa sucumbir e apenas Lance Stephenson fazia grande partida ofensiva. Paul George, que fez bela temporada regular, pouco fez nestes playoffs e tem média uma partida boa para cada péssima. Além de tudo, não conseguiu sequer fazer sombra na hora de marcar o astro adversário no final da partida. Ambos fizeram temporadas similares, mas nas fases decisivas, LeBron mostrou porque já é uma lenda, ao passo que George mostrou que ainda tem que percorrer um grande caminho para chegar a este patamar.

Chega até a ser injusta esta comparação na outra série. Tim Duncan talvez seja o maior vencedor de sua geração. Pode não ser o jogador mais badalado, mas, com certeza, é o mais regular e o que melhor se adaptou a uma nova. Mesmo assim, ele demonstrou toda sua força no primeiro jogo da série, demonstrando porque compõe o Olimpo do basquete. Com Serge Ibaka fora, o ala-pivô vai passear neste duelo, possivelmente levando o Spurs a mais uma final da NBA. Este é o tipo de retrospecto que destaca um atleta de maneira definitiva em relação a seus pares.

Kevin Durant, atual MVP, tem feito sua parte. O ala do Oklahoma City Thunder fez mais de 30 pontos em nove dos 14 jogos de playoff até aqui – uma marca realmente impressionante. No entanto, sua equipe de apoio tem deixado a desejar e feito algumas partidas irregulares e, por isso, o Thunder não foi tão dominante nas duas primeiras séries. Para o azar de Durant, a excelente fase de Duncan e do Spurs vai ser demais para o Thunder lidar, especialmente com a lesão de Ibaka.

As séries de final de conferência ainda estão no começo, mas tudo se desenha para uma repetição do embate do ano passado, entre Spurs e Heat. No momento de decisão em que separam-se as lendas dos bons jogadores, Spurs e Heat vencem porque Duncan, LeBron e seus companheiros já possuem este status. Resta ver se Pacers e Thunder possuem potencial para tanto, pois para vencer seus oponentes terão que se tornar novas lendas da NBA.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.