Os coadjuvantes – Lakers de Shaquille O’Neal e Kobe Bryant

Lakers

Kobe e Shaq

Para dar sequência a série sobre os coadjuvantes de times campeões, o Jumper Brasil hoje traz um pouco da história do Los Angeles Lakers tricampeão com Shaquille O’Neal e Kobe Bryant.

Los Angeles Lakers

Títulos: 16
Participação em playoffs: 61
Melhores jogadores da franquia: Magic Johnson, Kobe Bryant, Kareem Abdul-Jabbar, Shaquille O’Neal, Jerry West, Elgin Baylor, George Mikan e Wilt Chamberlain.

1999-00

Após ficar um ano fora da NBA, Phil Jackson resolveu voltar para a liga e assinou com o Los Angeles Lakers. A sintonia de Phil com Shaquille O’Neal e Kobe Bryant fez com que a equipe californiana explodisse para 67 vitórias e obtivesse – com folgas – a melhor campanha da temporada. Nos playoffs, Shaq mostrou que era, de fato, o jogador mais dominante da liga. O pivô teve médias de 30.7 pontos e 15.4 rebotes e guiou o Lakers rumo ao título. A equipe bateu o incrível Sacramento Kings, de Chris Webber e o Phoenix Suns antes de encontrar o Portland Trail Blazers na final do Oeste. A série decisiva foi contra o Indiana Pacers, de Reggie Miller, e a equipe de Los Angeles venceu por 4-2 para conquistar seu primeiro título desde 1987-88.

Principais jogadores: Shaquille O’Neal – 29.7 pontos, 13.6 rebotes, 3.8 assistências, 3 tocos e 57.4% nos arremessos de quadra.
Kobe Bryant – 22.5 pontos, 6.3 rebotes, 4.9 assistências e 1.6 roubos de bola
Técnico: Phil Jackson

2000-01

O Lakers começou a temporada 2000-01 com alguns problemas. Glen Rice, 3º melhor jogador da campanha anterior, deixou a equipe, além disso, O’Neal, Bryant e Derek Fisher sofreram com lesões durante a temporada. Apesar disso, o Lakers terminou a temporada com 56 vitórias e 26 derrotas, segunda melhor campanha da conferência Oeste, atrás do Spurs. Mas foi nos playoffs que a equipe californiana demonstrou seu uma das maiores de todos os tempos. O Lakers varreu Portland Trail Blazers, Sacramento Kings e San Antonio Spurs para conquistar o Oeste. Na final o Philadelphia 76ers surpreendeu o mundo ao vencer o primeiro jogo com 48 pontos de Allen Iverson, mas  Shaq, Kobe e companhia não deixaram barato e fecharam a série em 4-1.

Principais jogadores: Shaquille O’Neal – 28.7 pontos, 12.7 rebotes, 3.7 assistências, 2.8 tocos e 57.2% nos arremessos de quadra.
Kobe Bryant – 28.5 pontos, 5.9 rebotes, 5 assistências e 1.7 roubos de bola
Técnico: Phil Jackson

2001-02

Os problemas entre Kobe e Shaq já eram evidentes no ano do 3º título do Lakers. Mesmo assim a equipe conseguiu terminar a primeira fase da NBA com 58 vitórias e a 3ª posição no Oeste. Com O’Neal machucado no início da temporada, Bryant assumiu de vez o protagonismo e mostrou que não era sombra do Diesel. Nos playoffs a equipe de Los Angeles começou de maneira arrasadora e venceu Blazers (3-0) e Spurs (4-1) para chegar à final da conferência Oeste pela terceira vez consecutiva. O adversário foi o Sacramento Kings, em uma das séries mais controversas da liga por conta das faltas marcadas em favor do Lakers. O Kings vencia a série por 2-1 e caminhava para conquistar o Oeste, mas um arremesso de Robert Horry, no estouro do cronômetro garantiu ao Lakers o empate. Sacramento ainda voltou a liderar, mas perdeu os dois últimos jogos e viu o time de Phil Jackson ir para às finais novamente.

O adversário foi o New Jersey Nets, de Jason Kidd. O armador comandou a equipe para a melhor campanha da conferência Leste e três boas vitórias nos playoffs. Mas contra o poderoso Lakers não houve nada que Kidd pudesse fazer. Os californianos varreram o time de New Jersey e conquistaram o tricampeonato.

Principais jogadores: Shaquille O’Neal – 27.2 pontos. 10.7 rebotes 3.0 assistências, 2.0 tocos e 57.9% nos arremessos de quadra.
Kobe Bryant – 25.2 pontos, 5.5 rebotes, 5.5 assistências e 1.5 roubos de bola
Técnico: Phil Jackson

Embora muitos acreditem que Shaquille O’Neal era a estrela e Kobe um “mero” coadjuvante no tricampeonato, a verdade é que os dois dividiram os holofotes. No segundo título Kobe teve médias 29.4 pontos, 7.3 rebotes e 6.1 assistências contra 30.4 pontos e 15.4 rebotes de Shaq. No ano seguinte o #8 também se igualou nas performances com o pivô, o que mostra que o Lakers possuía duas máquinas. Além disso, a equipe era treinada por Phil Jackson, um dos maiores técnicos de todos os tempos. Phil venceu 11 títulos como treinador e outros dois como jogador.

Os coadjuvantes

Glen Rice

Três vezes All Star pelo Charlotte Hornets, Glen Rice deixou o posto de estrela da equipe para atuar ao lado de Shaquille O’Neal e Kobe Bryant. Aos 32 anos o veterano se mostrou extremamente importante na conquista do primeiro título do Lakers ao anotar 15.9 pontos por jogo e liberar um pouco da pressão que havia sobre a dupla. Após o título ele foi trocado para Nova Iorque, onde defendeu o Knicks por uma temporada. Ainda atuou pelo Houston Rockets e se aposentou na temporada 2003-04, quando defendeu o Clippers 18 vezes.

Ron Harper

Tricampeão pelo Chicago Bulls com Phil Jackson, Ron Harper acompanhou o treinador quando este foi para o Lakers. Na Califórnia Harper foi campeão outras duas vezes. Apesar dos números “inexpressivos”, Harp foi fundamental com sua experiência e conhecimento da triangle offense. Além disso, Harper também contribuía bem na defesa angelina. Quem viu o desempenho do armador por Bulls e Lakers não imagina que, no início da carreira, Ron Harper chegou a ser um grande pontuador por Cleveland Cavaliers e Los Angeles Clippers.

A.C. Green

Campeão com Magic Johnson e Kareem Abdul-Jabbar nos anos 80, A.C. Green retornou ao Lakers em 1999 para conquistar outro título. Aos 36 anos Green não tinha mais o vigor do início da carreira, mas isso não evitou que ele jogasse todos os 105 jogos do Lakers na temporada. Fundamental com seus rebotes o “Iron Man” possui o recorde de partidas consecutivas na história da NBA – 1192. Após se despedir do Lakers ele ainda jogou uma temporada pelo Miami Heat e decidiu se aposentar.

Derek Fisher


O torcedor do Lakers com certeza se lembra com carinho de Derek Fisher. O armador não foi titular absoluto em nenhum dos três títulos do início dos anos 2000, mas foi importante em todas as conquistas. Fisher matou bolas de três e decidiu jogos para a equipe californiana. Em 2000-01 D-Fish só atuou nos últimos 20 jogos da primeira fase, com 15 vitórias do Lakers. Nos playoffs ele teve média de 13.4 pontos e 51.5% nas bolas de longa distância. Fisher ainda retornaria à Los Angeles para levantar mais dois troféus antes de se aposentar no Oklahoma City Thunder.

Robert Horry


Bicampeão com o Houston Rockets, Horry veio para o Lakers por sua frieza em momentos decisivos e não tremeu quando foi solicitado. O ala-pivô esteve presente nos três títulos e sempre contribuiu além das estatísticas. Após deixar o Lakers, em 2003, ainda venceu mais dois títulos com o San Antonio Spurs.

Brian Shaw

Shaw foi companheiro de Shaq no Orlando Magic e, após passar por Warriors, 76ers e Blazers, chegou ao Lakers para ser o reserva imediato de Kobe Bryant. O veterano não possuía grandes números mas atuava como um líder da segunda unidade californiana. Em 1999-00, Shaw anotou duas bolas de três pontos e iniciou a reação do Lakers para vencer o sétimo jogo contra o Portland Trail Blazers e garantir vaga na final. Contra o Pacers o #20 iniciou uma partida no lugar do lesionado Kobe Bryant e foi importante para a conquista.

Rick Fox

O canadense chegou ao Lakers após atuar seis temporadas no rival Boston Celtics. Apesar disso, caiu feito uma luva no sistema de Phil Jackson. Rick Fox entendia seu papel dentro da equipe e o exercia com perfeição. Depois da saída de Glen Rice, Fox assumiu uma maior participação ofensiva e não decepcionou. Além disso, por diversas vezes foi responsável por marcar o melhor jogador de perímetro dos adversários. Após a derrota do Lakers para o Pistons em 2003-04, Fox decidiu se aposentar do basquete.

Horace Grant

Campeão com Phil Jackson no Bulls e vice no Magic com Shaquille O’Neal, Horace Grant caiu como uma luva no segundo título do Lakers. Aos 35 anos, o ala-pivô já não possuía a explosão do início da carreira, mas ainda anotou 8.5 pontos e 7.1 rebotes durante a temporada angelina. Após a conquista do Larry O’Brien, Horace decidiu retornar ao Orlando Magic, mas acabou cortado pelo então técnico, Doc Rivers. Em 2003-04 retornou ao Lakers como reserva de Karl Malone e encerrou a carreira após a derrota para Detroit.

Isaiah Rider

Vindo de uma temporada fantástica no Atlanta Hawks, Rider chegou ao Lakers para dar opção ofensiva para a segunda unidade. Com 7.6 pontos e 37% nas bolas de três o ala-armador liderou o banco de Los Angeles na temporada regular. Porém, nos playoffs Phil Jackson optou por tirá-lo da rotação em favor de Greg Foster e Devean George. Rider não teve seu contrato renovado e assinou com o Denver Nuggets, onde atuou em apenas dez jogos antes de ser cortado e encerrar sua carreira.

Devean George

Escolhido no Draft de 1999, Devean George foi, aos poucos, ganhando espaço na rotação do Los Angeles Lakers. Em sua terceira temporada na liga ele se tornou o reserva imediato de Rick Fox e ganhou admiração da torcida por ser extremamente raçudo. Eficiente na defesa e com boa média nos arremessos de três pontos, George foi fundamental no último título da dupla Shaq e Kobe. O ala ficou no Lakers até 2006, quando se juntou ao Dallas Mavericks. Ainda passou por Golden State Warriors antes de se aposentar em 2010.

Leia também:

Os coadjuvantes – Boston Celtics dos anos 80
Os coadjuvantes – Chicago Bulls do segundo tricampeonato

Antonio Carlos Jr
Antonio Carlos Jr
Jornalista apaixonado por esportes. Membro do Jumper há algum tempo e torcedor do Lakers, mas sem clubismo.