Por motivação religiosa, Jonathan Isaac não se ajoelha com colegas em hino dos EUA

Uma das imagens mais icônicas do segundo dia de retomada da temporada aconteceu antes da vitória do Orlando Magic sobre o Brooklyn Nets. Enquanto os atletas das duas equipes ficaram ajoelhadas com a camisa do movimento “Black Lives Matter” (Vidas Negras Importam) a execução do hino dos EUA, o jovem ala foi o único a não aderir o protesto pacífico. Depois da partida, ele esclareceu que a postura tinha uma motivação religiosa. 

“Ajoelhar-se e usar uma camisa, para mim, não tem ligação com apoiar vidas negras. Não acho que isso seja a resposta. Todas as vidas, na verdade, são suportadas pelo evangelho. Somos todos pecadores e as respostas para os problemas mundanos, não apenas para o racismo, está na verdadeira palavra de Jesus Cristo”, argumentou o jogador de 22 anos, que também é um pastor em um templo cristão de Orlando. 

Isaac revelou que todos os seus companheiros foram informados sobre qual seria seu comportamento antes do jogo e foi apoiado de forma unânime. O técnico Steve Clifford também entendeu as razões do comandado. “Todos estamos ao lado de Jonathan. E, na verdade, essa é uma escolha pessoal. Não tem nenhuma obrigação de ser explicada ou justificada”, afirmou o ala-armador Evan Fournier

É conhecido que algumas religiões pregam que o homem só deve ajoelhar-se e curvar-se diante de Jesus Cristo, além de impedir que seus representantes – como pastores e reverendos – tenham parte em manifestações políticas.